Relação entre o nível de atividade física e a quantidade de medicamentos utilizados por idosos hipertensos

  • Arthur Mol Ferreira Pena Escola de Educação Física da Universidade Federal de Ouro Preto, Minas Gerais, Brasil.
  • Larissa Vitalina de Medeiros Pires Escola de Educação Física da Universidade Federal de Ouro Preto, Minas Gerais, Brasil.
  • Karine Marlleny Neves Corrêa Escola de Educação Física da Universidade Federal de Ouro Preto, Minas Gerais, Brasil.
  • Fernanda Carvalho Bitencourt de Oliveira Escola de Educação Física da Universidade Federal de Ouro Preto, Minas Gerais, Brasil.
  • Francisco de Assis Dias Martins Junior Escola de Educação Física da Universidade Federal de Ouro Preto, Minas Gerais, Brasil.
  • César Milagres da Silva Escola de Educação Física da Universidade Federal de Ouro Preto, Minas Gerais, Brasil.
  • Patrícia Yoshie Watai Watai Escola de Farmácia da Universidade Federal de Ouro Preto, Minas Gerais, Brasil.
  • Andrea Grabe Guimarães Guimarães Escola de Farmácia da Universidade Federal de Ouro Preto, Minas Gerais, Brasil.
  • Lenice Kappes Becker Oliveira Escola de Farmácia da Universidade Federal de Ouro Preto, Minas Gerais, Brasil.
Palavras-chave: Hipertensão Arterial, Idosos, Atividade Física

Resumo

Atividades físicas (AF) regulares podem gerar benefícios para a saúde, reduzindo os riscos de doenças cardiovasculares como a Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS). Para a realização do estudo, setenta e três idosos da cidade de Ouro Preto, Brasil, com idade média de 69 ± 7 anos responderam a questões que avaliaram o nível de atividade física (AF) através do Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ), assim como os fármacos que utilizavam. Trata-se de uma análise transversal em que o objetivo foi investigar o nível de AF e o número de medicamentos utilizados. Antes, durante e após as entrevistas, foram aferidas a frequência cardíaca (FC) através do monitor cardíaco Polar (FT4®) e a pressão arterial (PA) utilizando o Esfigmomanômetro (Aneroide Premium®). Os resultados são apresentados de forma descritiva e apontaram uma relação inversa entre o nível de atividade física e a quantidade total de medicamentos. Ao avaliar a quantidade de fármacos utilizados para o tratamento da HAS, esta foi igual em todos os níveis, indicando a AF como marcador essencial na redução de medicação consumida pela população idosa.

Referências

-Benedetti, T.R.B.; Mazo, G.; Barros, M.V. Aplicação do questionário internacional de atividades físicas para avaliação do nível de atividades física de mulheres idosas: Validade concorrente e reprodutibilidade teste-reteste. Revista Brasileira de ciência e movimento. Vol. 12. Num. 1. 2008. p. 25-34.

-Bertoldi, A.D.; Barros, A.J.; Hallal, P.C.; Lima, R.C. Utilização de medicamentos em adultos: prevalência e determinantes individuais. Revista de Saúde Pública. Vol. 38. Num. 2. 2004. p. 228-238.

-Borelli, F.A.; Sousa, M.G.D.; Passarelli Junior, O.; Pimenta, E.; Gonzaga, C.; Cordeiro, A.; Amodeo, C. Hipertensão arterial no idoso: importância em se tratar. Revista Brasileira de Hipertensão. Vol. 15. Num. 4. 2008. p. 236-239.

-Börjesson, M.; Onerup, A.; Lundqvist, S.; Dahlöf, B. Physical activity and exercise lower blood pressure in individuals with hypertension: narrative review of 27 RCTs. British journal of sports medicine. Vol. 50. Num. 6. 2016. p. 356-361.

-Brum, P.C.; Forjaz, C.D.M.; Tinucci, T.; Negrão, C.E. Adaptações agudas e crônicas do exercício físico no sistema cardiovascular. Revista Paulista de Educação Física. Vol. 18. Num. 1. 2004. p. 21-31.

-Chodzko-Zajko, W.J.; Proctor, D.N.; Singh, M.A.F.; Minson, C.T.; Nigg, C.R.; Salem, G.J.; Skinner, J.S. Exercise and physical activity for older adults. Medicine & science in sports & exercise. Vol. 41. Num. 7. 2009. p. 1510-1530.

-Corazza, D.I.; Gobbi, S.; Zago, A.S.; Costa, J.L. R. Hipotensão pós-exercício: Comparação do efeito agudo do exercício aeróbio em mulheres normotensas e hipertensas limítrofes, da terceira idade adulta. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde. Vol. 8. Num. 2. 2003. p. 28-34.

-Cruciani, F.; Araújo, T.; Matsudo, S.; Matsudo, V. Nível de atividade física de mulheres maiores de 50 anos de idade participantes de um programa de atividade física estruturada. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. Vol. 17. Num. 1. 2009.

-Cruz, A.P.; Araújo, S.S.D.; Santos, J.R.D.; Leão, A.S. O Efeito Hipotensor do Exercício Aeróbico: uma Breve Revisão. Revista Brasileira de Ciências da Saúde. Vol. 15. Num. 4. 2011. p. 479-486.

-Duncan, B.B.; Chor, D.; Aquino, E.M.; Bensenor, I.M.; Mill, J.G.; Schmidt, M.I.; Barreto, S.M. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: prioridade para enfrentamento e investigação. Revista de saúde pública. Vol. 46. 2012. p. 126-134.

-Estatuto do idoso: lei federal nº 10.741, de 01 de outubro de 2003. Brasília-DF. Secretaria Especial dos Direitos Humanos. 2004.

-Ferreira, S.R.G.; Moura, E.C.D.; Malta, D.C.; Sarno, F. Frequência de hipertensão arterial e fatores associados: Brasil, 2006. Revista de Saúde Pública. Vol. 43. 2009. p. 98-106.

-IBGE. Expectativa de vida dos brasileiros aumenta para 76,3 em 2018. Disponível em: https://censo2020.ibge.gov.br/2012-agencia-de-noticias/noticias/26103-expectativa-de-vida-dos-brasileiros-aumenta-para-76-3-anos-em-2018.html. Acesso em: 14/07/2020.

-Lago, C.; Morais, G.; Guarda, F.; Simões, P.; Farias, J.M. Relação do nível de atividade física habitual e consumo de medicamentos em usuários do Sistema Único de Saúde. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde. Vol. 21. Num. 4. 2016. p. 373-380.

-Malachias, M.V.B.; Póvoa, R.M.S.; Nogueira, A.R.; Souza, D.; Costa, L.S.; Magalhães, M.E. 7ª Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial: Capítulo 3. Avaliação Clínica e Complementar. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. Vol. 107. Num. 3. 2016. p. 14-17.

-Matsudo, S.; Araújo, T.; Matsudo, V.; Andrade, D.; Andrade, E.; Oliveira, L.C. Questionário internacional de atividade física (IPAQ): estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Atividade Física Saúde. Vol. 6. Num. 2: 2001. p. 5-18.

-Matsudo, S. M. M. Envelhecimento, atividade física e saúde. BIS. Boletim do Instituto de Saúde (Impresso). Num. 47. 2009. p. 76-79.

-Mazo, G.Z.; Benedetti, T.R.B. Adaptação do questionário internacional de atividade física para idosos. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano. Florianópolis. Vol. 12. Num. 6. 2010. p. 480-484.

-Medina, F.L.; Lobo, F.D.S.; Souza, D.D.; Kanegusuku, H.; Forjaz, C.D. Atividade física: impacto sobre a pressão arterial. Revista Brasileira de Hipertensão. Vol. 17. Num. 2. 2010. p. 103-106.

-Monteiro, M.F.; Sobral Filho, D.C. Exercício físico e o controle da pressão arterial. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 10. Num. 6. 2004. p. 513-516.

-Mourão, A.O.M.; Ferreira, W.R.; Martins, M.A.P.; Reis, A.M.M.; Carrillo, M.R.G.; Guimarães, A.G.; Ev, L.S. Pharmaceutical care program for type 2 diabetes patients in Brazil: a randomised controlled trial. International journal of clinical pharmacy. Vol. 35. Num. 1. 2013. p. 79-86.

-Naci, H.; Salcher-Konrad, M.; Dias, S.; Blum, M.R.; Sahoo, S.A.; Nunan, D.; Ioannidis, J.P. How does exercise treatment compare with antihypertensive medications? A network meta-analysis of 391 randomised controlled trials assessing exercise and medication effects on systolic blood pressure. British journal of sports medicine. Vol. 53. Num. 14. 2019. p. 859-869.

-Negrão, C.E.; Rondon, M.U.P.B. Exercício físico, hipertensão e controle barorreflexo da pressão arterial. Revista Brasileira de Hipertensão. Vol. 8. Num. 1. 2001. p. 89-95.

-Nóbrega, A.C.L.D.; Freitas, E.V.D.; Oliveira, M.A.B.D.; Leitão, M.B.; Lazzoli, J.K.; Nahas, R.M.; De Rose, E.H. Posicionamento oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte e da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia: atividade física e saúde no idoso. Revista brasileira de medicina do esporte. Vol. 5. Num. 6. 1999. p. 207-211.

-Nogueira, I.C.; Santos, Z.M.D.S.A.; Mont, D.G.B.; Martins, A.B.T.; de Araujo Magalhães, C.B. Efeitos do exercício físico no controle da hipertensão arterial em idosos: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Vol. 15. Num. 3. 2012. p. 587-601.

-Pedersen, B.K.; Hoffman-Goetz, L. Exercise and the immune system: regulation, integration, and adaptation. Physiological reviews. Vol. 80. Num. 3. 2000. p. 1055-1081.

-Pedersen, B.K.; Saltin, B. Exercise as medicine-evidence for prescribing exercise as therapy in 26 different chronic diseases. Scandinavian journal of medicine & science in sports. Vol. 25. 2015. p. 1-72.

-Pescatello, L.S., MacDonald, H.V.; Ash, G.I.; Lamberti, L.M.; Farquhar, W.B.; Arena, R.; Johnson, B.T. Assessing the existing professional exercise recommendations for hypertension: a review and recommendations for future research priorities. In: Mayo Clinic Proceedings. Vol. 90. Num. 6. 2015. p. 801-812.

-Safons, M.P.; Pereira, M.M. Princípios metodológicos da atividade física para idosos. Brasília: CREF/DF-FEF/UnB/GEPAFI, 2007.

-Samitz, G.; Egger, M.; Zwahlen, M. Domains of physical activity and all-cause mortality: systematic review and dose-response meta-analysis of cohort studies. International journal of epidemiology. Vol. 40. Num. 5. 2011. p. 1382-1400.

-Santos, T.R.A.; Lima, D.M.; Nakatani, A.Y.K.; Pereira, L.V.; Leal, G.S.; Amaral, R.G. Consumo de medicamentos por idosos, Goiânia, Brasil. Revista de Saúde Pública. Vol. 47. Num. 1. 2013. p. 94-103.

-Santos, E.M.R.; Dias, I.B.F.; Santos, M.; Goldoni, M.; Novaes, J.; Simão Junior, R.F. Comportamento agudo da pressão arterial após exercícios resistidos para pequenos e grandes grupamentos musculares. Arquivos em movimento. Vol. 3. Num. 1. 2007. p. 18-28.

-Silva Hortencio, M.N.; Silva, J.K.S.; Zonta, M.A.; de Melo, C.P.A.; França, C.N. Efeitos de exercícios físicos sobre fatores de risco cardiovascular em idosos hipertensos. Revista Brasileira em Promoção da Saúde. Vol. 31. Num. 2. 2018.

-Sjostrom, M. Guidelines for data processing analysis of the International Physical Activity Questionnaire (IPAQ)-Short and long forms. 2005.

-Totou, N.L.; Sá, R.W.; Alzamora, A.C.; Cardoso, L.M.; Becker, L.K. Cardiopulmonary reflex and blood pressure response after swimming and treadmill exercise in hypertensive rats. Journal of Exercise Physiology online. Vol. 18. Num. 5. 2015. p. 86-95.

-Zaleski, A.L.; Taylor, B.A.; Panza, G.A.; Wu, Y.; Pescatello, L.S.; Thompson, P.D.; Fernandez, A. B. Coming of age: considerations in the prescription of exercise for older adults. Methodist DeBakey cardiovascular journal. Vol. 12. Num. 2. 2016. p. 98.

Publicado
2022-08-06
Como Citar
Pena, A. M. F., Pires, L. V. de M., Corrêa, K. M. N., Oliveira, F. C. B. de, Martins Junior, F. de A. D., Silva, C. M. da, Watai, P. Y. W., Guimarães, A. G. G., & Oliveira, L. K. B. (2022). Relação entre o nível de atividade física e a quantidade de medicamentos utilizados por idosos hipertensos. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 15(97), 360-368. Recuperado de http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2452
Seção
Artigos Científicos - Original