Estudo comparativo do agachamento jefferson e agachamento unilateral quanto à eficácia no treinamento de força

  • Marianne Iara Silva de Macêdo Graduação em Educação Física pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro-UFRRJ, Brasil.
  • Moisés Augusto de Oliveira Borges Mestrando pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro-UFRRJ, Brasil.
  • Ricardo da Silveira Chaves Mestre em Educação e Saúde pelo UniFOA, Brasil.
  • José Camilo Camões Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro-UFRRJ, Brasil.
Palavras-chave: Força Muscular, Exercício, Teste de 1RM

Resumo

Objetivo: investigar qual o tipo de agachamento é mais eficaz para o ganho de força nos membros inferiores. Além disso, buscou-se, também, evidenciar o uso do agachamento Jefferson para o treinamento de força. Materiais e métodos: Foram utilizados 18 indivíduos jovens com, no mínimo, oito meses ininterruptos no treino de musculação (nove do sexo feminino e nove do sexo masculino), com idade entre 19 e 28 anos, divididos em grupos experimentais (grupo 1 e grupo 2) e controles (agachamento Jefferson e agachamento Unilateral), que realizaram o treino de força utilizando os dois exercícios de agachamento com três sets de três a quatro repetições a 90% de 1RM com a força sendo determinada pelo teste de 1RM na pré-intervenção e pós-intervenção, no período de oito semanas de treinamento. Resultados: Os resultados obtidos intragrupo foram significantes nos grupos 1 (p=0,027), 2 (p=0,027) e controle – agachamento Unilateral (p=0,048); não houve significância intergrupos nos resultados entre o Grupo 1 e controle - agachamento Jefferson pós-intervenção (p=0,079) e nos resultados entre Grupo 2 e controle - agachamento Unilateral pós-intervenção (p=0,199). Conclusão: Esse estudo evidenciou o uso do agachamento Jefferson, por meio de pesquisa científica, mostrando a sua eficácia quanto ao treino de força.

Referências

-Amado, G.M.; Gomes, J.R.; Nagata, E.Y.; Livramento, W.R. Análise da força de reação do solo no exercício agachamento afundo em superfície estável e no bosu. Anais do XXIV Congresso Brasileiro de Engenharia Biomédica-CDBED. Uberlândia-MG, 1953-1956. 2014.

-Arruda, D.P.; Assumpção, C.O.; Urtado, C.B.; Dorta, L.N.O.; Rosa, M.R.R.; Zabaglia, R.; Souza, T.M.F. Relação entre treinamento de força e redução do peso corporal. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol. 4. Núm. 24. 2012.

-Carnaval, P.E. Cinesiologia da musculação. Rio de Janeiro. Sprint. 2001.

-Chilibeck, P.D.; Calder, A.W.; Sale, D.G.; Webber, C.E. A comparison of strength and muscle mass increases during resistance training in young women. European Journal of Applied Physiology Occupational Physiology. Vol. 77. 1997.

-Delavier, F. Guia dos Movimentos da Musculação. São Paulo. Manole. 2000.

-Dias, R.M.R. Impacto de oito semanas de treinamento com pesos sobre a força muscular de homens e mulheres. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 4. Núm. 11. 2005.

-Enoka, R. Neuromechanics of Human Movement. Champaign. Human Kinetics. 2002.

-Farrokhi, S.; Pollard, C.D.; Souza, R.; Chen, Y.; Reischl, S.; Powers, C. M. Trunk position influences the kinematics, kinetics, and muscle activity of the lead lower extremity during the forward lunge exercise. Journal of Orthopaedic & Sports Physical Therapy. Vol. 7. Núm. 38. 2008.

-Flanagan, S.P.; Wang, M.Y.; Greendale, G.A.; Azen, S.P.; Salem, G.J. Biomechanical attributes of lunging activities for older adults. Journal of strength and conditioning research. Vol. 3. Núm. 18. 2004.

-Fleck, S.E.; Kraemer, W.J. Fundamentos do Treinamento de Força Muscular. Porto Alegre. Artmed Editora. 2017.

-Komi, P.V. Training of muscle strength and power: interaction of neuromotoric, hypertrophic, and mechanical factors. Internationa Journal Sports Medicine. Vol. 7. 1986.

-Lima, P.V. Musculação: a prática dos métodos de treinamento. Rio de Janeiro. Sprint. 2009.

-Marchetti, P.H.; Gomes, W.A.; Junior, D.A.L.; Giampaoli, B.; Amorim, M.A.; Bastos, H.L.; Bley, A.S. Aspectos neuromecânicos do exercício agachamento. Revista CPAQV. Vol. 2. Núm. 5. 2013.

-Materko, W.; Duarte, M.; Santos, E. L.; Junior, H.S. Comparação entre dois sistemas de treino de força no desenvolvimento da força muscular máxima. Motricidade. Vol. 2. Núm. 6. 2010.

-Materko, W.; Neves, C.E.B.; Santos, E.L. Prediction model of a maximal repetition (1RM) based on male and female anthropometrical characteristics. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 1. Núm. 13. 2007.

-Moritani, T.; Vries, H.A. Neuralfactors versus hypertrophy in the time course of muscle strength gain. American Journal of Physical Medicine. Vol. 58. 1979.

-Serrano, G.H.G. Efeitos de um protocolo de treinamento de força de membros inferiores, com periodização tradicional linear ou não linear diária, na força muscular de 1 repetição máxima. TCC Graduação em Educação Física. Escola de Educação Física do Exército. Rio de Janeiro-RJ. 2019.

-Silva, W.A.; Borges, C.C.; Oliveira, R.A.; Únior, L.R.; Santos, P.R. O exercício de agachamento e suas variações: um estudo descritivo com praticantes universitários. Arquivos de Ciências do Esporte. Vol. 1. Núm. 5. 2017.

-Souza, P.C.L.; Oliveira, R.D.; Santana, E., Pernambuco, C.S. Estudo do perfil das qualidades físicas de mulheres praticantes do treinamento funcional do posto saúde da família de praia seca. Corpo Consciência. Vol. 1. Núm. 20. 2016.

-Stoppani, J. Enciclopédia de Musculação e Força de Stoppani. Porto Alegre. Artmed. 2017.

Publicado
2022-08-06
Como Citar
Macêdo, M. I. S. de, Borges, M. A. de O., Chaves, R. da S., & Camões, J. C. (2022). Estudo comparativo do agachamento jefferson e agachamento unilateral quanto à eficácia no treinamento de força. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 15(98), 408-415. Recuperado de http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2472
Seção
Artigos Científicos - Original