http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/issue/feed RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício 2021-11-07T02:54:22-08:00 Francisco Navarro francisco@ibpefex.com.br Open Journal Systems <p>ISSN 1981-9900 versão online</p> <p>&nbsp;</p> <p>A&nbsp;<strong>Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício (RBPFEX)</strong>&nbsp;é uma publicação do&nbsp;<strong>Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício (IBPEFEX)</strong>, é de periodicidade bimestral, com publicação de artigos científicos, fruto de pesquisas e estudos de cientistas, professores, estudantes e profissionais que lidam com a Prescrição do Exercício Físico com parâmetros na fisiologia do exercício, do esforço e humana no âmbito da saúde, do esporte, da educação, e do lazer.</p> <p>&nbsp;</p> <p>The&nbsp;<strong>Brazilian Journal of Exercise Physiology and Prescription (RBPFEX)</strong>&nbsp;is published by the&nbsp;<strong>Brazilian Institute for Research and Education in Exercise Physiology (IBPEFEX)</strong>&nbsp;is a bimonthly publication with scientific articles, result of research and studies of scientists, professors, students and professionals who deal with the Prescription of Physical Activity with parameters in exercise physiology, human effort and in health, sport, education, and leisure.</p> <p>&nbsp;</p> <p>La&nbsp;<strong>Revista Brasileña de Fisiología del Ejercicio y la Prescripción (RBPFEX)</strong>&nbsp;es publicada por el&nbsp;<strong>Instituto Brasileño para la Investigación y Educación en Fisiología del Ejercicio (IBPEFEX)</strong>, es una publicación bimensual con artículos científicos, el resultado de la investigación y los estudios de los científicos, los profesores estudiantes y profesionales que se ocupan de la prescripción de la actividad física con los parámetros de la fisiología del ejercicio, y el esfuerzo humano en la salud, el deporte, la educación y el ocio.</p> <p>&nbsp;</p> <p><a href="/index.php/rbpfex/about/submissions#onlineSubmissions"><strong>Clique aqui para submeter seu artigo</strong></a></p> <p>&nbsp;</p> <p>A&nbsp;<strong>RBPFEX</strong>&nbsp;é indexada nas seguintes&nbsp;<a href="/index.php/rbpfex/announcement/view/2">bases de dados</a>:</p> <div> <ul> <li class="show"><a href="http://infotrac.galegroup.com/itweb/aoneed">ACADEMIC ONEFILE</a>,&nbsp;<a href="http://journal-index.org/index.php/asi" target="_blank" rel="noopener">ASI</a>,&nbsp;<a href="http://www.base-search.net/" target="_blank" rel="noopener">BASE</a>,&nbsp;<a href="http://dialnet.unirioja.es" target="_blank" rel="noopener">DIALNET</a>,&nbsp;<a href="https://doaj.org" target="_blank" rel="noopener">DOAJ</a>,&nbsp;<a href="http://www.drji.org/" target="_blank" rel="noopener">DRJI</a>,&nbsp;<a href="http://ebscohost.com/" target="_blank" rel="noopener">EBSCO</a>,&nbsp;<a href="http://www.who.int/hinari/" target="_blank" rel="noopener">HINARI</a>,&nbsp;<a href="http://infotrac.galegroup.com/itweb/aoneed" target="_blank" rel="noopener">INFORME ACADÉMICO</a>,&nbsp;<a href="http://oaji.net/" target="_blank" rel="noopener">OAIJ</a>,&nbsp;<a href="https://www.redib.org/pt-pt" target="_blank" rel="noopener">REDIB</a>,&nbsp;<a href="http://www.sherpa.ac.uk/romeo/" target="_blank" rel="noopener">SHERPA RoMEO</a>,&nbsp;<a href="http://www.ebscohost.com/academic/sportdiscus-with-full-text" target="_blank" rel="noopener">SPORTDISCUS</a>,&nbsp;<a href="http://www.sumarios.org" target="_blank" rel="noopener">SUMÁRIOS.ORG</a>,&nbsp;<a href="https://www.worldcat.org/" target="_blank" rel="noopener">WORLDCAT</a></li> </ul> <div>&nbsp;</div> </div> <div>nas&nbsp;<a href="/index.php/rbpfex/announcement/view/7">bases indexadoras</a>:</div> <div>&nbsp;</div> <div> <ul> <li class="show"><a href="http://www.citefactor.org/" target="_blank" rel="noopener">CITEFACTOR</a>,&nbsp;<a href="http://ezb.uni-regensburg.de/" target="_blank" rel="noopener">CZ3</a>,&nbsp;<a href="http://diadorim.ibict.br" target="_blank" rel="noopener">DIADORIM</a>,&nbsp;<a href="http://www.freemedicaljournals.com/" target="_blank" rel="noopener">FMJ</a>,&nbsp;<a href="http://globalimpactfactor.com/" target="_blank" rel="noopener">GIF&nbsp;(Global Impact Factor)</a>,&nbsp;<a href="http://generalimpactfactor.com/" target="_blank" rel="noopener">GIF (General Impact Factor)</a>,&nbsp;<a href="http://scholar.google.com.br" target="_blank" rel="noopener">GOOGLE SCHOLAR</a>,&nbsp;<a href="http://impactfactorservice.com/" target="_blank" rel="noopener">IIFS</a>,&nbsp;<a href="http://www.journalindex.net/" target="_blank" rel="noopener">JOURNAL INDEX</a>,&nbsp;<a href="http://www.jourinfo.com/index.html" target="_blank" rel="noopener">JOURNAL INFORMATICS</a>,&nbsp;<a href="http://www.journals4free.com/" target="_blank" rel="noopener">J4F</a>,&nbsp;<a href="http://www.journaltocs.ac.uk" target="_blank" rel="noopener">JOURNALTOCS</a>,&nbsp;<a href="http://www.latindex.unam.mx" target="_blank" rel="noopener">LATINDEX</a>,&nbsp;<a href="https://portalnuclear.cnen.gov.br/livre/Inicial.asp" target="_blank" rel="noopener">LIVRE!</a>,&nbsp;<a href="http://miar.ub.edu/" target="_blank" rel="noopener">MIAR</a>,&nbsp;<a href="http://www.periodicos.capes.gov.br/" target="_blank" rel="noopener">PORTAL DE PERIÓDICOS CAPES</a>,&nbsp;<a href="http://seer.ibict.br/" target="_blank" rel="noopener">SEER</a>,&nbsp;<a href="http://sindexs.org/Default.aspx" target="_blank" rel="noopener">SIS</a>,&nbsp;<a href="http://www.sjifactor.inno-space.org/" target="_blank" rel="noopener">SJIF</a>,&nbsp;<a href="http://sjournals.net/" target="_blank" rel="noopener">SJOURNALS INDEX</a>,&nbsp;<a href="http://oasisbr.ibict.br" target="_blank" rel="noopener">OASISBR</a>,&nbsp;UIF,&nbsp;<a href="http://qualis.capes.gov.br/webqualis/" target="_blank" rel="noopener">QUALIS PERIÓDICOS</a></li> </ul> </div> <p>e nas <a href="/index.php/rbpfex/announcement/view/10">universidades/bibliotecas</a>:&nbsp;</p> <ul> <li class="show"><a href="https://neos.library.ualberta.ca/uhtbin/cgisirsi/x/0/0/57/5?user_id=WUAARCHIVE&amp;searchdata1=ocn895736967" target="_blank" rel="noopener">ALBERTA</a>&nbsp;(Canada),&nbsp;<a href="http://aleph-www.ub.fu-berlin.de/F/BJNPRR5F7A6N8XBPRLPE4M9UIN7LDKVAA4CN54TM5SB5QBD2SB-23297?func=find-e&amp;request=Revista+brasileira+de+prescri%C3%A7%C3%A3o+e+fisiologia+do+exerc%C3%ADcio&amp;find_scan_code=FIND_WRD&amp;adjacent=N" target="_blank" rel="noopener">BERLIN</a>&nbsp;(Alemanha),&nbsp;<a href="http://ul-newton.lib.cam.ac.uk/vwebv/search?searchCode1=ISSN&amp;searchType=2&amp;argType1=any&amp;searchArg1=1981-9900" target="_blank" rel="noopener">CAMBRIDGE</a>&nbsp;(Inglaterra),&nbsp;<a href="http://imp-primo.hosted.exlibrisgroup.com/primo_library/libweb/action/display.do?tabs=viewOnlineTab&amp;ct=display&amp;fn=search&amp;doc=44IMP_ALMA_DS5166474320001591&amp;indx=1&amp;recIds=44IMP_ALMA_DS5166474320001591&amp;recIdxs=0&amp;elementId=0&amp;renderMode=poppedOut&amp;displayMode=full&amp;frbrVersion=&amp;frbg=&amp;ac=O3%3D246%26O6%3D46%26O9%3D1%26&amp;&amp;dscnt=0&amp;scp.scps=scope%3A%2844IMP_DSP_DS%29%2Cscope%3A%2844IMP_ALMA_DS%29%2Cscope%3A%2844IMP%29%2Cprimo_central_multiple_fe&amp;mode=Basic&amp;vid=ICL_VU1&amp;srt=rank&amp;tab=all&amp;dum=true&amp;vl(freeText0)=revista%20brasileira%20de%20prescri%C3%A7%C3%A3o%20e%20fisiologia%20do%20exerc%C3%ADcio%2C%20instituto%20brasileiro%20de%20pesquisa%20e%20ensino%20em%20fisiologia%20do%20exerc%C3%ADcio&amp;dstmp=1473538144588" target="_blank" rel="noopener">IMPERIAL COLLEGE</a>&nbsp;(Inglaterra), <a href="https://opac.ub.tum.de/search?bvnr=BV043314202" target="_blank" rel="noopener">MUNIQUE</a> (Alemanha), <a href="https://searchworks.stanford.edu/?q=895736967" target="_blank" rel="noopener">STANFORD</a> (Estados Unidos), <a href="http://copac.jisc.ac.uk/" target="_blank" rel="noopener">COPAC</a>,&nbsp;<a href="https://ie.on.worldcat.org/oclc/895736967" target="_blank" rel="noopener">IE LIBRARY</a>, <a href="http://www.rebiun.org/" target="_blank" rel="noopener">REBIUN</a>,&nbsp;<a href="http://www.sudoc.abes.fr/" target="_blank" rel="noopener">SUDOC (L'ABES)</a>,&nbsp;<a href="http://www.worldcat.org/oclc/895736967" target="_blank" rel="noopener">WORLDCAT</a></li> </ul> <p>&nbsp;&nbsp;</p> <p><strong><a href="/index.php/rbpfex/announcement/view/9">FATOR DE IMPACTO DA RBPFEX</a></strong></p> http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2430 Perfil físico e fisiológico de jovens atletas da patinação artística sobre rodas 2021-11-07T02:54:22-08:00 Paloma Mattos Lazzaroni palomalazzaroni@gmail.com Salime Chedid Lisboa sa.lisboa@hotmail.com Maurício Diniz Pechina mauriciopechina@hotmail.com Guilherme Gomes Rocha guilhermeufrgs2015@gmail.com Carlos Leonardo Figueiredo Machado nadomachadoefs@gmail.com Juliana Lopes Teodoro julopesteodoro@hotmail.com Rafael Grazioli rafael_grazioli@hotmail.com Giovani dos Santos Cunha giovanicunha@yahoo.com.br <p>Introdução: A Patinação Artística é um esporte em ascensão, principalmente a modalidade sobre rodas. O esporte possui várias modalidades com diferentes perfis físicos e fisiológicos, contudo existe uma limitação de informações relacionadas ao perfil de jovens atletas de patinação artística sobre rodas. Objetivo: Identificar o perfil físico e fisiológico de jovens atletas de patinação artística sobre rodas. Materiais e Métodos: A amostra foi composta por oito atletas de diferentes modalidades da Patinação Artística sobre Rodas com idades entre 11 e 15 anos do sexo feminino de nível nacional. O perfil físico e fisiológico foi determinado através das variáveis de composição corporal, consumo máximo de oxigênio (VO<sub>2pico</sub>), torque muscular, potência anaeróbica de membros inferiores, flexibilidade e nível de atividade física. Resultados: O VO<sub>2pico</sub> apresentou valores médios de 50,6 ± 4,9 ml.kg<sup>-1</sup>.min<sup>-1</sup>, torque isométrico 136 ± 62 Nm, concêntrico 107 ± 46 Nm, excêntrico 145 ± 63 Nm, flexibilidade de 39,8 ± 8,0 cm, CMJ 29,2 ± 3,1 cm, SJ 23,6 ± 3,5 cm, %G de 26,9 ± 3,9, %MLG 73,1 ± 3,9, MM 34,9 ± 7,2 Kg, MA 13,4 ± 5,1 Kg, CMO 2097 ± 478 g, DMO 1,124± 0,15 g/cm<sup>2</sup> e nível de atividade física 9,3 ± 4,7 horas de treino por semana. Conclusão: As atletas de patinação artística sobre rodas de nível nacional têm resultados médios bons de aptidão cardiorrespiratória, de torque muscular, de flexibilidade dos isquiotibiais, da altura dos saltos e uma carga horária de treinos semanais média baixa.</p> 2021-11-07T02:48:28-08:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2423 Comparativo da frequência cardíaca e percepção subjetiva de esforço durante o treinamento funcional 2021-11-07T02:54:21-08:00 Cíntia Bonafé cintia_bonafe@msn.com Ben Hur Soares benhur@upf.br Adriano Pasqualotti pasqualotti@upf.br <p>O treinamento funcional, tem ganhado uma abertura cada vez maior nos diferentes espaços de prática de exercícios físicos, realizado por pessoas de diferentes idades, de crianças a idosos. O presente estudo teve como objetivo compreender a relação entre a Frequência Cardíaca (FC) e a Percepção Subjetiva de Esforço (PSE). A coleta de dados foi realizada na Personalis academia, localizada na cidade de Marau-RS, a amostra foi composta por 30 mulheres, com idade de 33,1 ± 11,1 anos e participantes de Treinamento Funcional a pelo menos trinta dias. Eles foram convidados a participar da coleta de dados que ocorreu durante as aulas realizadas em um grupo único, durante o período de 12 semanas, na metodologia de circuito, após assinarem o TCLE de acordo com o protocolo aprovado pelo CEP da UPF (parecer n.º 4.078.821). Avaliou-se FC por meio do frequencímetro, e a PSE através da escala de Borg. A FC apresentou uma oscilação de 82±9 bpm em repouso até 141±25 bpm no final do treino e a PSE de 4±1,5 em repouso até 13±2,37no final do treino, as duas variáveis apresentaram o maior salto na partida do estado de repouso, até o final do aquecimento, mantendo-se de forma moderada ao longo do treino, identificou-se uma linearidade nas variações dos dois indicativos. Podendo ser sugerido o uso delas como controle de intensidade de treino.</p> 2021-11-07T02:48:28-08:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2421 Os efeitos do treinamento do judô e jiu jitsu na frequência cardíaca E pressão arterial: uma revisão sistemática 2021-11-07T02:54:13-08:00 Diemerson Willy da Silva Pamplona diemersonpamplona@gmail.com Martha de Souza França marthasouza87@yahoo.com.br <p>Introdução: Os problemas cardiovasculares atingem milhões de pessoas no mundo, sendo o sedentarismo o gatilho para alterações maléficas no sistema, a prática de exercícios vem a ser a principal forma de combate a estes efeitos, sendo a luta uma opção dinâmica. Entende-se que ocorrem mudanças no sistema cardiovascular durante o exercício sendo variáveis e de acordo com a modalidade praticada. Objetivo: Investigar os efeitos do treinamento dos esportes de combate, tendo como foco analisar especificamente as modalidades de Judô e Jiu Jitsu sob a frequência cardíaca e pressão arterial. Materiais e Métodos: Foi realizado uma revisão da literatura sistemática, utilizando na pesquisa as bases de dados Pubmed e Scielo. Resultados: Foram identificados 1945 artigos e após análise do material foram selecionados 04 manuscritos obedecendo os critérios de exclusão e inclusão com finalidade de serem trabalhados neste estudo. Ambas as modalidades selecionadas apresentaram efeitos positivos frente ao sistema cardiovascular. Discussão: Os principais efeitos são a redução da pressão arterial e frequência cardíaca, contatando que a prática do judô gera efeitos moduladores do sistema, diminuindo o risco de doenças cardiovasculares. Conclusão: Tanto o Judô quanto Jiu Jitsu são capazes de produzir modulações positivas no sistema nervoso autônomo, sendo uma excelente estratégia na prevenção de doenças cardiovasculares.</p> 2021-11-07T02:48:25-08:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2415 Caracterização individual do volume e da carga interna do método interset stretching training em jovens treinados 2021-11-07T02:54:18-08:00 Thales Couto Bergantini Thalesbergantini@gmail.com Carlos Brendo Ferreira Reis carlosbrendo16@gmail.com Lucas Rangel Affonso Miranda lucasram14@gmail.com Igor Alves Mello iam.igoralvesmello@gmail.com Matheus Agnez de Oliveira matheus_agnez@hotmail.com Richard Diego Leite rdleite@gmail.com <p>O presente estudo teve como objetivo, caracterizar o volume total e a carga interna do método Interset Stretching Training (ISS) em praticantes de treinamento de força. Amostra: A amostra foi composta por oito (8) universitários do sexo masculino, com experiência em treinamento de força de pelo menos um ano. Materiais e Métodos: Os participantes realizaram o teste de 10 repetições máximas para determinação da carga para ser utilizada nos exercícios durante o ISS. A execução do método ISS consistiu na execução de três séries até a falha com intervalo de 1 minuto entre as séries para exercícios agachamento e leg press. Em seguida na cadeira extensora, foram executadas sete séries até a falha concêntrica com intervalo entre as séries de 30 segundos, sendo 20 segundos de alongamento passivo e 10 de descanso. Resultados: O volume total do treino foi 81203,86 (±9401,49), a duração do treino foi de 19(±2) minutos e a carga interna foi de 1257,50 (±104,02). Conclusão: O protocolo demonstrou que o método é de alta intensidade e alto volume, com uma curta duração, podendo ser realizado em menos de 20 minutos.</p> 2021-11-07T02:48:09-08:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2411 Treinamento físico sistematizado de dezenove semanas otimizou desempenho de potência de membros inferiores em equipes de handebol universitário masculino e feminino 2021-11-07T02:54:17-08:00 Clodoaldo José Dechechi cdechechi@yahoo.com.br Vinícius Musa vinicius.musa@usp.br Felipe Modolo femodolo@alumni.usp.br Rafael Pombo Menezes rafaelpombo@usp.br Enrico Fuini Puggina enrico@usp.br <p>O esporte universitário apresenta diferenças em nível de treinamento e formas de disputa em comparação ao profissional. O handebol universitário brasileiro é uma modalidade coletiva com longo histórico de disputa, com participação em torneios de nível nacional desde o início da década de 1970. Observamos uma lacuna de estudos de efeitos crônicos de performance para equipes universitárias de handebol. O objetivo deste estudo foi avaliar os efeitos de uma sistematização de treinamento físico para duas equipes de handebol universitário, sendo uma feminina e outra masculina. Participaram deste estudo jogadores de handebol universitário, sendo oito do sexo masculino (24±4 anos, 91±16 kg, 1,75±0,08 m de estatura), e nove do feminino (22±4,6 anos, 72,8±9,5 kg, 1,75±0,08 m). Os treinamentos, baseados no modelo de cargas distribuídas de força, teve a duração de 19 semanas. Foram aplicados os testes de arremesso de medicine ball 3kg (MB), salto horizontal parado (SH), melhor sprint (MS) e Índice de Fadiga (IF), nas semanas 1, 8 e 16. Os resultados para a equipe feminina foram: a) MB: 3,75±0,30 m, 3,82±0,41 m, e 3,86±0,31 m; b) SH, 1,60±0,20m, 1,65±0,20m, e 1,67±0,20m (p&lt;0,05); c) MS: 7,28±0,27s, 7,16±0,37s, e 7,30±0,36s, e d) IF: 8,4±2%, 6,6 ±1%, e 6,6±2%. E para a equipe masculina: a) MB: 5,23±0,57m, 5,18±0,64m, e 5,38±0,66m; b) SH: 1,96±0,20m, 2,05±0,18m, e 2,00±0,15m; c) MS: 7,16±0,34, 6,89±0,22s, e 6,78±0,24s (p&lt;0,05), e; d) IF: 7±3%, 2±3%, e 8±3%. Os treinamentos foram eficientes para o desenvolvimento da MS e IF dos jogadores de ambas as equipes.</p> 2021-11-07T02:47:44-08:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2359 O ciclo menstrual influencia na resposta da pressão arterial de mulheres jovens após realização de exercício calistênico 2021-11-07T02:54:15-08:00 Sabrina Souza Augusto sabrinaefurca@gmail.com José Felipe Barbosa Filho felipe-barbosa-filho@hotmail.com Alfredo Anderson Teixeira-Araujo andersonaraujoba@gmail.com <p>O objetivo do presente estudo foi analisar a influência do ciclo menstrual na resposta da pressão arterial (PA) de mulheres antes e após sessões de exercícios calistênicos de alta intensidade. Seis mulheres jovens (54±8 kg; 156±0 cm; 22±4 kg.m<sup>-2</sup>) e normotensas, foram submetidas, em dias distintos de forma randomizada, a sessões de exercício calistênicos nas diferentes fases do ciclo menstrual: 1) menstruação, 2) folicular e 3) lútea. Em cada sessão, com nove minutos de duração, foram realizados exercícios calistênicos com 30s de execução por 30s de recuperação, sendo três séries para cada exercício. A PA foi verificada após 10 minutos de repouso, imediatamente após cada sessão e na recuperação de 30 minutos (Rec30’). Não foram encontradas diferenças (p&gt;0,05) entre as fases, no repouso, para PAS (menstruação: 99±6 mmHg vs. folicular: 99±7 mmHg vs. lútea: 97±9 mmHg) e para PAD (menstruação: 59±2 mmHg vs. folicular: 62±7 mmHg vs. lútea: 58±6 mmHg). Imediatamente após, em relação ao repouso, houve aumento significativo (p&lt;0,05) tanto da PAS (menstruação: 24±6 mmHg; folicular: 25±6 mmHg; lútea: 32±7 mmHg) quanto da PAD (menstruação: 14±8 mmHg; folicular: 8±4 mmHg; lútea: 13±6 mmHg). Após a Rec30’, a PAS na fase folicular (Rep: 99±7 mmHg vs. Rec30’: 100±7; p&gt;0,05) e a PAD nas fases folicular (Rep: 62±7 mmHg vs. Rec30’: 66±4; p&gt;0,05) e lútea (Rep: 58±6 mmHg vs. Rec30’: 63±7; p&gt;0,05), retornaram aos níveis de repouso. Conclui-se que, a PAS na Rec30’ aumenta na fase lútea e na menstruação quando comparadas ao repouso e a PAD aumenta apenas na menstruação.</p> 2021-11-07T02:47:44-08:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2354 Percepção subjetiva de esforço durante uma sessão de exergame em homens jovens saudáveis 2021-11-07T02:54:14-08:00 Ricardo Borges Viana vianaricardoborges@hotmail.com Marília Santos Andrade marilia1707@gmail.com Rodrigo Luiz Vancini rodrigoluizvancini@gmail.com Claudio Andre Barbosa de Lira andre.claudio@gmail.com <p>Introdução: Os exergames podem ser uma ferramenta útil para promover a atividade física e aumentar a aptidão física. No entanto, pouco se sabe sobre a resposta perceptiva aos exergames. Portanto, o presente estudo objetivou avaliar a percepção subjetiva de esforço (PSE) durante uma sessão de exergames composta por exercícios físicos tradicionais realizados por homens jovens saudáveis. Materiais e Métodos: Trinta e homens jovens saudáveis praticaram o protocol Sports Athlete do exergame Hollywood Workout no XBOX 360 Kinect. PSE foi avaliada após cada exercício do protocolo Sports Athlete através de duas independentes escala comumente usadas para avaliar a PSE: Escalas de Borg (6-20) e OMNI-Resistance Exercise (OMNI-RES, 0-10). Resultados: Os participantes reportaram durante o protocolo Sports Athlete uma PSE média de 14,4±2,1 (‘ligeiramente cansativo’) e 6,2±0,3 (‘um pouco difícil’) na escala de Borg e OMNI-RES, respectivamente. A PSE durante a ‘fase principal’ do protocolo Sports Athlete protocolo foi 87,6±26,2% (Escala de Borg) e 202,3±108,5% (OMNI-RES) maior do que durante o ‘aquecimento’ (p&lt;0,05). A PSE durante a ‘recuperação’ foi 88,0±27,7% (Escala de Borg) e 213,8±114,3% (OMNI-RES) maior do que durante o ‘aquecimento’ (p&lt;0,05). Não foi encontrada diferença significativa na PSE entre a ‘fase principal’ e a ‘recuperação’ (p&gt;0,05). Conclusão: Quando utilizadas as escalas de PSE, o protocolo Sports Athlete do exergame Hollywood Workout pode ser classificado como uma intensidade de ‘leve-moderada’ em homens jovens saudáveis.</p> 2021-11-07T02:47:44-08:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2351 Efeito do ciclo menstrual no desempenho em exercício físico: uma revisão rápida da literatura 2021-11-07T02:54:19-08:00 Milena Passarin da Cunha milenapassarin98@gmail.com Marina Magatão marinamagatao@hotmail.com Danilo Fernades Silva danilofernandesdasilva@hotmail.com Marcos Roberto Queiroga queirogamr@hotmail.com Michael Pereira da Silva prof.mpsilva@outlook.com Ana Carolina Paludo anacpaludo@gmail.com <p>Introdução: A variação dos hormônios ovarianos durante a menstruação pode impactar no desempenho físico em mulheres com ciclo regular, entretanto, a literatura não apresenta consenso nessa hipótese. Objetivo: verificar o efeito do ciclo menstrual no desempenho no exercício utilizando como método para síntese de evidências a revisão rápida da literatura. Materiais e Métodos: o critério de busca dos artigos seguiu o modelo PICO, e as recomendações de seleção dos artigos seguiu o PRISMA adaptado para revisões rápidas. A busca foi feita na base de dados PUBMED com as combinações “menstrual cycle”, “physical activity”, “performance”, “exercise”, “sports”, no período de agosto de 2019. Resultados: Quatorze artigos foram selecionados para inclusão na revisão. Cinco artigos apresentaram efeito do ciclo menstrual no desempenho em exercícios de força máxima e potência com características de alta intensidade e curta duração. Maior desempenho foi encontrado na fase com maior concentração dos hormônios ovarianos (ex: estrogênio e luteinizante) como a fase folicular vs luteal. Nove artigos não demonstram nenhum efeito do ciclo menstrual no desempenho físico. Conclusão: as fases do ciclo menstrual parecem não impactar o desempenho físico de mulheres de forma que permita uma generalização dos achados. Há indicativos de que maior concentração de hormônios ovarianos tende a impactar positivamente no desempenho físico de mulheres fisicamente ativas, em exercícios de força e potência. Entretanto, a generalização desses resultados deve ser interpretada com cautela e profissionais de educação física devem analisar de forma individualizada o efeito do ciclo menstrual sobre suas atletas/clientes/pacientes.</p> 2021-11-07T02:47:22-08:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2349 O exercício de barra fixa executado por praticantes de crossfit e suas relações com lesões na articulação glenoumeral 2021-11-07T02:54:11-08:00 Julia Valério de Mendonça juliavaleriom@hotmail.com Davi Galvão de Melo victorramosfernandes@gmail.com Felipe Augusto da Cruz personalfelipeac@hotmail.com Thainá Oliveira Gonçalves victorramosfernandes@gmail.com Marcelo Rodrigues da Cunha cunhamr@hotmail.com Raphael Oliveira Ramos Franco Netto victorramosfernandes@gmail.com Tiago Negrão victorramosfernandes@gmail.com Marcelo Conte marcelo.conte.prof@gmail.com Victor Augusto Ramos Fernandes victorramosfernandes@gmail.com <p>Objetivo: Investigar relações entre lesões na articulação glenoumeral e a cinemática do movimento barra fixa executado por praticantes da modalidade CrossFit. Materiais e Métodos: 7 praticantes avançados na modalidade executaram três repetições do movimento de barra fixa e foram filmados para a coleta de dados a respeito dos ângulos articulares da articulação glenoumeral. A análise cinemática foi realizada com o software Kinovea®. Resultados: Os voluntários apresentaram um ângulo da articulação glenoumeral acima de 90° na fase média - momento em que o ombro se encontra em elevação e abdução -, posição de alto risco de lesão por impacto subacromial em razão do grau elevado e a uma maior tendência a erros técnicos por fadiga ou desequilíbrios musculares, acarretando à sobrecarga na articulação do ombro. As mulheres atingiram ângulos menores de adução em comparação com os homens e apresentaram um encolhimento dos ombros, ambas ações compensatórias e propensas a lesões por impacto devido a uma maior ativação do trapézio superior e menor ativação do serrátil anterior, aumento da inclinação anterior da escápula e predisposição a uma rotação interna do úmero. Conclusão: Os resultados indicam um potencial de lesão na articulação glenoumeral no exercício barra através das técnicas do CrossFit, no qual deve-se realizar um alto número de repetições. Deste modo faz-se importante um planejamento adequado do volume de treinamento no CrossFit e de exercícios focados no controle do movimento, fortalecimento, reparação de possíveis desequilíbrios musculares e mobilidade dos ombros.</p> 2021-11-07T00:00:00-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2339 Dosimetria usada na crioterapia para recuperação muscular em atletas de endurance: uma revisão de escopo 2021-11-07T02:54:10-08:00 Wendreson Barbosa Moraes wendreson.3@gmail.com Adriano Carvalho de Oliveira acofisioufam@gmail.com Johrdy Amilton da Costa Braga johrdybraga@gmail.com Hércules Lázaro Morais Campos herculeslmc@hotmail.com Thiago Santos da Silva thiagofisioufam@gmail.com Thiago dos Santos Maciel thiagomaciel@ufam.edu.br <p>Introdução: Os atletas de endurance são expostos a uma rotina dura de treinamento e competições que resultam na maioria das vezes em danos musculares que podem prejudicar o desempenho e expor o atleta a lesões musculoesqueléticas. A crioterapia é uma alternativa para recuperação desses atletas. Objetivos: Identificar quais modalidades de crioterapia e a dosimetria que são utilizadas para a recuperação muscular após exercício em praticantes de esportes de endurance. Materiais e Métodos:&nbsp; As buscas foram realizadas nas bases de dados: PubMed, BVS, SciELO e PEDro que foram publicados entre 2010 a maio de 2020.&nbsp; As análises dos artigos foram realizadas por dois autores de forma independente por meio dos critérios de elegibilidade e Escala PEDro. Resultados: Os estudos incluídos apontam que os recursos crioterapêuticos podem ser empregados na recuperação muscular pós exercício em atletas de endurance, pois promovem melhora nos níveis dos mascadores biológicos, no recrutamento muscular durante a contração voluntária máxima, percepção de esforço, dor e fadiga. Conclusão: Dentre os recursos crioterapêuticos, os mais eficazes descritos na literatura foram a crioimersão (aplicação de 5 à 18 minutos e temperatura de 5±1 à 12 °C), cabine criogênica (aplicação de 3 minutos e temperatura de -160<sup>°</sup>C) e câmara criostática (aplicação de 3 minutos e temperatura de -110<sup>°</sup>C).</p> 2021-11-07T00:00:00-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2333 Efeitos do exercício de resistido sobre a homeostase da glicose e ativação da mTOR em ratos tratados por dexametasona 2021-11-07T02:54:08-08:00 Joao Eliakim dos Santos Araujo araujo_jes@yahoo.com.br Tatiane de Oliveira Barreto tati.barreto@yahoo.com.br José Evaldo R. de Menezes Filho menezesfilho10@yahoo.com.br Marcio Roberto Viana dos Santos marcio@infonet.com.br Lucindo J. Quintans-Junior lucindojr@gmail.com André Sales Barreto asbfisio@hotmail.com <p>Introdução: Os glicocorticoides (GC) são utilizados como antialérgicos e anti-inflamatórios, mas o seu uso prolongado pode causar distúrbios metabólicos, como hiperglicemia, resistência à insulina e diminuição da síntese de proteínas. No entanto, o exercício resistido (ER) tem sido uma alternativa importante na prevenção e tratamento desses distúrbios metabólicos. Objetivo: Investigar o efeito de uma única sessão de RE sobre a homeostase da glicose e a proteína mTOR de ratos tratados com glicocorticoide. Materiais e métodos: Ratos Wistar machos foram divididos aleatoriamente nos grupos controle (CO), Dexametasona Sedentário (DEX) e Dexametasona+Exercício resistido (DEX+ER). Os grupos DEX e DEX+RE receberam dexametasona durante 7 dias (2,0mg/kg/dia). O protocolo de ER baseou-se em cinco séries, de 10 repetições, com intensidade de 60% de uma repetição máxima (1RM) realizado no aparelho de agachamento. Foram aferidos o peso corporal, a glicemia, teste de tolerância à insulina (TTI) e expressão proteica da Akt-fosforilada/total, da AMPK-fosforilada/total e da mTOR-fosforilado/total. Resultados: A glicose apresentou-se elevada e o TTI reduzido no grupo DEX, porém uma única sessão de ER reduziu a glicose e melhorou a tolerância à insulina. Já razão da expressão proteica da Akt-fosforilada/total e da AMPK-fosforilada/total não apresentou diferença entre os grupos. No entanto, em relação a razão mTOR-fosforilada/total houve um aumento no DEX+ER comparado apenas ao grupo CO. Conclusão: Uma única sessão de RE, mesmo na presença de altas doses de dexametasona, melhorou a homeostase da glicose e aumentou a razão mTOR-fosforilada/total que está envolvida na síntese de proteínas no músculo esquelético.</p> 2021-11-07T00:00:00-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2324 Frequência cardíaca e índice de esforço percebido em diferentes exercícios de hidroginástica em idosas 2021-11-07T02:54:07-08:00 Muriel Tonelli Neves mury_jag@hotmail.com Mariana Silva Häfele marianaesef@hotmail.com Cristine Lima Alberton tinialberton@yahoo.com.br <p>Objetivo: comparar o índice de esforço percebido (IEP) e a frequência cardíaca (FC) entre diferentes exercícios de hidroginástica realizados por idosas. Materiais e métodos: dez idosas (69,9 ± 3,2 anos) participaram de uma sessão de familiarização e duas sessões de protocolos experimentais. Cada protocolo consistiu na realização de quatro exercícios de hidroginástica, cada um realizado por 5 min (cadência de 80 b.min<sup>-1</sup>) com 5 min de intervalo. Os exercícios avaliados foram: corrida estacionária (CE), deslize frontal (DF), elevação lateral (EL), corrida posterior (CP), chute frontal (CF), deslize lateral (DL), elevação posterior (EP) e saltito grupado (SG). A FC foi mensurada durante e o IEP imediatamente após cada exercício. Utilizou-se os testes Generalized Estimating Equations (GEE) e post hoc de Bonferroni (a=5%).&nbsp; Resultados: A FC e o IEP apresentaram diferença significativa entre os exercícios de hidroginástica (p&lt;0,001). O SG apresentou valores de FC (125 ± 11 bpm) e de IEP (16 ± 2) significativamente maiores que CE (110 ± 12 bpm e 12 ± 2), DF (110 ± 15 bpm e 12 ± 1), DL (111 ± 10 bpm e 12 ± 2), EL (113 ± 9 bpm e 13 ± 2), EP (114 ± 6 bpm e 13 ± 2) e CP (114 ± 10 bpm e 13 ± 2). Além disso, o CF apresentou valores intermediários de FC (116 ± 13 bpm) e de IEP (13 ± 3). Conclusão: diferentes exercícios realizados por idosas na cadência fixa de 80 b.min<sup>-1 </sup>resultaram em diferentes respostas de FC e IEP.</p> 2021-11-07T00:00:00-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2309 Efeitos do percentual de gordura corporal nos parâmetros de intensidade durante um teste incremental baseado em corrida 2021-11-07T02:54:07-08:00 Marcelo da Silva Marques marcelomarques@usp.br Whendel Mesquita do Nascimento whendelmesquita_ledehu@hotmail.com <p>O objetivo deste estudo foi avaliar a influência do percentual de gordura corporal (% GC) nos parâmetros de intensidade durante um exercício de corrida. Quatorze indivíduos do sexo masculino (20,5 ± 1,6 anos; 74,7 ± 13,3 kg; 172,1 ± 6,4 cm) foram divididos em dois grupos: Grupo 1 (% GC &lt;12%; n = 7; 7,3 ± 4,0% GC) e Grupo 2 (% GC&gt; 12%; n = 7; 25,6 ± 6,7% GC). Um teste progressivo em esteira foi realizado para determinar: captação máxima de oxigênio (VO<sub>2</sub> máx); Velocidade máxima (Vmáx); Frequência cardíaca máxima (FCmáx); Limiar anaeróbico (LAn) e os parâmetros de intensidade de velocidade em ∆25 (v∆25), ∆50 (v∆50) e ∆75 (v∆75). O %GC foi maior no Grupo 2 (p&lt;0,001). O grupo 1 apresentou valores mais altos para todos os parâmetros de velocidade [vVO<sub>2</sub> máx (p=0,002); v25 (p=0,016); v50 (p=0,004); v75 (p=0,002); Vmáx (p=0,002) e para o VO<sub>2</sub> máx (p=0,045) quando comparado ao grupo 2. Valores mais altos de %GC parecem prejudicar os parâmetros de intensidade utilizados para a prescrição de exercícios de velocidade para adultos jovens</p> 2021-11-07T00:00:00-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2305 Incidência de lesões no ombro em praticantes de musculação 2021-11-07T02:54:05-08:00 Andrei Iago Gonçalves Viana Soares Feitosa andreiiagofisio@gmail.com Riccardo Samuel Albano riccardofisio@outlook.com João Paulo Castro Soares joaopaulo_castro18@outlook.com Carlos Eduardo Nunes Vieira cadu.nunes11@hotmail.com Mayara Martins de Melo maymartmelo@gmail.com Paulo Roberto Milanez Oliveira Junior paulomilanezjr@hotmail.com Bruno Viana Rosa brunovianarosa@gmail.com Francisco Valmor Macedo Cunha orfeuyeuridice@gmail.com <p>Introdução: A articulação do ombro é a mais móvel do corpo, possui estabilidade e movimentos amplos. A dor no ombro acomete 22,3% da população. É fundamental saber que lesões surgem na prática de exercício físico, e utilizar medidas preventivas e priorizar a integridade física do aluno. Objetivo: Identificar a incidência de lesões no ombro entre praticantes de musculação. Materiais e Métodos: Estudo quantitativo, epidemiológico e transversal. A pesquisa foi realizada em academias da zona norte de Teresina e contemplou noventa e nove indivíduos praticantes de musculação, foram convidados a participar da pesquisa e assinarem o Termo de Consentimento livre e esclarecido (TCLE), e responderem o Soulder Pain and Disability index e um questionário feito pelos autores. Resultados: A amostra foi de 99 pessoas, (25,25%) com lesão, os homens apresentaram maior número de lesões, as lesões mais incidentes foram as tendinites (44%), bursite e luxação com (28%). Indivíduos que treinavam a mais tempo e tinham maiores pontuação no questionário Spadi, tinham maiores riscos de lesões. Periodicidade, duração do treino e idade não foram fatores de risco. Discussão:&nbsp; Lesões no ombro na musculação variam de 18 a 36%, a literatura mostra que homens se lesionam mais que as mulheres. Distensões, tendinites e dor inespecífica são as lesões mais prevalentes. Uma boa elaboração de treinamento é fundamental para reduzir o risco de lesões. Conclusão: O estudo tornar-se importante, pois auxilia no entendimento de possíveis causas de lesões no ambiente das academias, são necessários mais estudos, com grupos maiores para melhores discussões sobre o tema.</p> 2021-11-07T00:00:00-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2055 Utilização da termografia infravermelha como controle de carga interna em jogadores de futebol 2021-11-07T02:54:03-08:00 José Guilherme Bottentuit Vieira guilhermebottentuit@hotmail.com Alyson Felipe da Costa Sena afdcs94@hotmail.com Luiz Ricardo Mendes de Sousa Silva profricardomendess@gmail.com Mario Norberto Sevilio de Oliveira Junior msevilio@hotmail.com Christian Emmanuel Torres Cabido christianemmanuel@gmail.com Eduardo Mendonça Pimenta empimenta@uol.com.br Christiano Eduardo Veneroso cveneroso@hotmail.com <p>A termografia infravermelha vem sendo utilizada no intuito de verificar a capacidade deste em determinar a magnitude da carga interna de partidas oficiais a qual os atletas estão sendo submetidos. Objetivo: Analisar o comportamento do perfil termográfico dos músculos posteriores dos membros inferiores de atletas de futebol no período de recuperação, entre 24 e 48 horas, pós-partidas. Materiais e Métodos: De acordo com os critérios de inclusão e exclusão, amostra foi composta de cinco atletas com média de idade em anos 26,0 ±3,0 que jogaram quatro partidas consecutivas de futebol da série A do campeonato maranhense de futebol. Foi realizada as imagens termográficas dos músculos posteriores do membro inferior nos períodos pós-partidas e analisadas com o software Apollo (Omni) e adotado um nível de significância p&lt;0,05. Resultado e Discussão: Os valores referentes a variação de temperatura, apresentados durante os quatro jogos, não apresentaram diferença significativa. Embora se pode notar que a partir do terceiro jogo, a termografia apresentou aumento gradual do número de pixels da zona quente em comparação com o primeiro jogo. Dessa forma, um atleta, ao realizar a sua quarta partida oficial sucessiva em um período curto de descanso entre jogos, pode apresentar uma fadiga residual elevada sendo um dos fatores de risco para o acometimento de lesão. Conclusão: A termografia mostrou que partir do terceiro jogo ocorre um aumento gradual do número de pixels da zona quente em comparação com o primeiro jogo. Assim pode-se dizer que a termografia infravermelha tem potencial no controle de carga, trabalhando assim na predição de possíveis lesões.</p> 2021-11-07T00:00:00-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2376 Investigação das respostas agudas do consumo de oxigênio e da frequência cardíaca nos exercícios aeróbio e de força, em homens jovens treinados 2021-11-07T02:33:48-08:00 Pamela Roberta Gomes Gonelli pamerense@gmail.com Renato Guimarães Bizerra renatocta1@hotmail.com Maycon Regazzo de Melo rmayconpersonal@yahoo.com Joel Edmundo Sobral Junior junior.sobral@hotmail.com.br Maria Imaculada de Lima Montebelo milmonte50@gmail.com Marcelo de Castro Cesar marcelo.cesar@unimep.br <p>O objetivo deste estudo foi investigar as respostas agudas do consumo de oxigênio (VO<sub>2</sub>) e da frequência cardíaca (FC) de homens treinados durante exercícios aeróbios e de força. Participaram 10 voluntários, idade de 23,90 ± 3,62 anos, submetidos a testes cardiopulmonar máximo, com determinação do consumo máximo de oxigênio (VO<sub>2max</sub>) e limiar ventilatório (LV), e de uma repetição máxima (1RM) nos exercícios supino reto, agachamento e rosca direta; e dois testes cardiopulmonares submáximos do exercício aeróbio (corrida no LV)&nbsp; e de força (exercícios dos testes de 1RM, 3 séries de 8 a 12 repetições, a primeira para aquecimento, seguida por 3 séries a 70% 1RM); os testes submáximos foram em dias diferentes; em um deles os voluntários começaram com o exercício aeróbio e depois de força (EA-EF), e no outro com o de força e a seguir o aeróbio (EF-EA). Os resultados do VO<sub>2</sub> e da FC dos exercícios aeróbio e de força não apresentaram diferenças. Na comparação do VO<sub>2</sub> dos exercícios aeróbios com o VO<sub>2LV</sub> não ocorreu diferença e foi maior que 46% VO<sub>2max</sub>; a FC dos exercícios aeróbios com a FCLV não apresentou diferença, e a FC do exercício aeróbio foi maior que 64% FC<sub>max</sub>. O VO<sub>2</sub> nos exercícios de força foi menor que o VO<sub>2LV</sub> e 46% VO<sub>2max</sub>, e a FC foi menor que a FCLV e maior que 64% FC<sub>max</sub>. Conclui-se que a intensidade do limiar ventilatório mostrou-se adequada para treinamento para aptidão cardiorrespiratória, e a sobrecarga aeróbia no exercício de força foi baixa.</p> 2021-11-07T00:00:00-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2370 Uso da corrente aussie sobre a gordura e resistência muscular abdominal 2021-11-07T02:33:46-08:00 Kettlyn Stefan Kettlynstefan@gmail.com Michelly Alana Zatta da Rosa michellydarosa123@gmail.com Maria Clara Vazquez mariaclara_vazquez3127@hotmail.com Yasmin Helito Abumanssur yasmin.helito@gmail.com Maria das Graças Anguera mariadasgracasanguera@gmail.com Gladson Ricardo Flor Bertolini gladsonricardo@gmail.com <p>Introdução: visto que o aumento de gordura abdominal afeta um grande contingente populacional, diversas técnicas são utilizadas como tentativa de reduzir tal problema, dentre elas uma nova modalidade terapêutica que é a aplicação da corrente Aussie (CA). Objetivo: mensurar e o efeito da CA sobre a diminuição da gordura abdominal e o efeito dela na resistência dos músculos abdominais. Metodologia: a pesquisa foi composta por 20 mulheres, divididas igualmente nos grupos controle (GC) e intervenção (GI). GI foi submetido a aplicação da CA, num total de 10 sessões de 20 minutos cada ao longo de 30 dias. Para as avaliações foi utilizado análise do índice de massa corporal, circunferência abdominal, teste de resistência abdominal e bioimpedância. Resultados: não houve diferenças significativas com relação à interação de fatores (p&gt;0,05), mas, houve diferenças entre as avaliações para a resistência abdominal (p&lt;0,05), bem como diferenças entre grupos e avaliações para a % de massa magra, e ainda os tamanhos de efeitos para o grupo eletroestimulado foram superiores ao obtido por GC. Conclusão: a CA em uso isolado não é uma alternativa eficiente para redução de medidas e aumento da resistência muscular de forma significativa, contudo, podem existir efeitos clínicos dela.</p> 2021-11-07T00:00:00-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2368 Correlação entre percentual de gordura e desempenho aeróbio e anaeróbio em jogadoras de futsal 2021-11-07T02:33:45-08:00 Renata Rovani Hoffmann renatahoffmann985@gmail.com Priscila Antunes Marques priscila.antunes@ufrgs.br Brenda Wedy Danni Bortoletti dannibeh@gmail.com Daniel Nóbrega de Moraes daniel.moraes47@gmail.com Guilherme Gomes da Rocha guilhermeufrgs2015@gmail.com Rodrigo Quevedo rodrigo.quevedo@ufrgs.br Carlos Leonardo Figueiredo Machado nadomachadoefs@gmail.com Clarice Sperotto dos Santos Rocha clarice.rocha@ufrgs.br Giovani dos Santos Cunha giovani.cunha@ufrgs.br Rogério da Cunha Voser rogerio.voser@ufrgs.br <p>A evolução do desempenho no futsal está associada basicamente aos aspectos físicos, táticos, técnicos e psicológicos, exigindo cada vez mais um desempenho elevado dos atletas. Atualmente, o futsal universitário é considerado uma manifestação esportiva de alto desempenho e tem sido um ambiente para a prática do futsal feminino. O objetivo desse estudo foi correlacionar o percentual de gordura (%G) com o desempenho aeróbio e anaeróbio em jogadoras universitárias de futsal. A amostra foi constituída por 19 jogadoras de uma equipe universitária de futsal. Os dados foram obtidos através das avaliações de antropometria, ergoespirometria e teste de Wingate. Para análise dos dados utilizou-se o teste Shapiro-Wilk para verificar a normalidade das variáveis e teste de correlação de Pearson. O nível de significância adotado foi de p&lt;0,05. Como resultados, observou-se correlação moderada entre o %G e a potência anaeróbica (r=0,44) e correlação alta e inversa entre percentual de gordura a potência aeróbia (r=-0,79). Concluiu-se que quanto maior o percentual de gordura das atletas, menor é desempenho aeróbio e maior é a potência anaeróbia.</p> 2021-11-07T00:00:00-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2363 EFEITOS DE UM PROGRAMA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS DE FORÇA NO EQUILÍBRIO E PROPRIOCEPÇÃO EM IDOSOS 2021-11-07T02:33:39-08:00 Perciliany Martins Souza perciliany@yahoo.com.br Luiza Araújo Diniz luizadiniz11@gmail.com Miriam de Cássia Souza miriamsouza744@gmail.com Bruna Eugênia Ferreira Mota bruna_mota@live.com André Luiz Lacerda Souza andre.souza@ifnmg.edu.br Gabriela Guerra Leal Souza souzaggl@gmail.com Kelerson Mauro de Castro Pinto kelerson2@yahoo.com.br 2021-11-07T00:00:00-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2358 Variáveis do treinamento e desempenho em competição de um jovem atleta do salto em distância - um relato de caso 2021-11-07T02:33:37-08:00 Nelio Alfano Moura neliomoura@uol.com.br Larissa de Paula Moura sissa1403@gmail.com Tania Fernandes de Paula Moura taniafpmoura@hotmail.com Maria Regina Ferreira Brandão mrfbrandao@gmail.com <p>Dados relacionados às características do treinamento para o salto em distância nas categorias de base são escassos. Esse estudo objetivou reportar carga de treinamento, prontidão neuromuscular e percepção de fadiga em um atleta da categoria Sub-18, e verificar associações com o desempenho em competição. Nesse estudo de caso retrospectivo, foram analisados dados de treinamento e competição coletados em um macrociclo de 18 semanas, subdividido em períodos de Preparação Geral, Preparação Especial e Competitivo. Componentes da carga de treinamento e percepção de fadiga foram registrados diariamente em um sistema de monitoramento. O salto vertical com contramovimento foi avaliado em três momentos. A diferença entre médias foi avaliada pelo teste de Kruskal-Wallis, seguido do post-hoc de Dunn, e a magnitude dos efeitos pelo coeficiente d de Cohen. Foram reportados os dados absolutos e a variação percentual dos resultados de competição e do salto com contramovimento. O período de preparação geral teve sessões mais longas que os demais, enquanto a razão carga aguda: carga crônica (ACWR) apresentou tendência de diminuição de período para período. Os melhores resultados no salto vertical coincidiram com os períodos em que o atleta obteve suas melhores marcas em competição. Percepção da fadiga aumentou significativamente do período de preparação geral para o especial, retornando aos valores anteriores no período competitivo. O salto vertical esteve associado com desempenho em competição, e a manipulação da ACWR permitiu consolidar adaptações provocadas pelo treinamento, conduzindo o atleta ao período competitivo adequadamente recuperado e em condições de obter novos recordes pessoais.</p> 2021-11-07T00:00:00-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2347 Lesões em praticantes de corrida de rua do Rio Grande do Norte e fatores associados 2021-11-07T02:33:35-08:00 José Francisco da Silva jo5fdasilva@hotmail.com <p>A corrida de rua se tornou uma das modalidades esportivas mais praticadas no Brasil na atualidade. O entendimento de possíveis fatores associados aos índices de lesões na corrida de rua podem representar uma informação de suma importância para a utilização de medidas preventivas mais efetivas. Objetivo: O objetivo deste estudo que é identificar as principais lesões que acometem praticantes amadores de corrida de rua do Rio Grande do Norte e os possíveis fatores associados. Materiais e métodos: Utilizou-se da estatística descritiva (médias, desvio padrão e percentuais, considerando p&lt;0,05). A amostra foi representada por 80 indivíduos de ambos os sexos com média de idade de 37,71±11,61 anos, sendo realizada por meio de um questionário. Resultados: Foi encontrada uma incidência de lesão em cerca de 71% dos indivíduos, o sistema muscular apresentou o maior índice com 61% das lesões. A principal região anatômica acometida por lesão foi o joelho (19%), seguido do pé (15%). As principais lesões diagnosticadas e relatadas foram entorse de tornozelo (18%) e síndrome de estresse medial da tíbia (17%) entre os homens e lesão de tendão ou ligamento de joelho (45%) entre as mulheres. Não se percebeu relação estatisticamente significativa (p&lt;0,05) entre as variáveis analisadas e o índice de lesões. Conclusão: Conclui-se que há um alto índice de lesões entre os corredores de rua amadores do RN, sendo o sistema muscular o principal afetado. O alto índice de lesões parece estar associado a uma série de variáveis do treinamento e não somente a uma delas.</p> 2021-11-07T00:00:00-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2345 Identificação do risco cardíaco em corredores de rua 2021-11-07T02:33:24-08:00 Lígia Braga de Melo ligiabeijaflor@hotmail.com Cintia Maria Torres Rocha Silva cintiarocha1109@yahoo.com.br <p>A corrida de rua é uma modalidade esportiva que vem aumentando ao longo dos últimos anos, no entanto, sabe-se que o esforço físico vigoroso é capaz de aumentar de forma aguda os riscos de morte súbita cardíaca e o infarto do miocárdio entre indivíduos com ou sem cardiopatias diagnosticadas. Assim, o presente estudo tem por objetivo identificar o risco cardíaco em corredores de rua. Trata-se de uma pesquisa de campo, transversal, de natureza quantitativa, desenvolvida online através da aplicação de um formulário autoexplicativo pela ferramenta Google Forms, no período de março a agosto de 2020. Participaram do estudo 144 corredores de rua de ambos os sexos. O instrumento de coleta de dados continha vinte perguntas estruturadas e semiestruturadas a respeito da saúde geral de cada participante e dados que contemplavam a avaliação do risco coronariano da Michigan Heart Association, usada para classificação quanto ao risco cardíaco. Para análise dos dados foi utilizado o teste Kolmogorov-Smirnov (KS), frequências, medidas de tendência central, t Student amostras independentes. O nível de significância foi estabelecido como p= 0,05 e o intervalo de confiança de 95%. Os principais resultados apontam para risco cardíaco abaixo da média, 71 (49,3%) indivíduos; risco médio 54 (37,5%) indivíduos e 15 (10,41%) indivíduos com risco moderado. Assim, pode-se concluir que o risco cardíaco identificado inspira cuidados, uma vez que quase 50% da amostra estudada apresentou risco cardíaco de médio a moderado. Sugere-se que mais pesquisas sejam realizadas no intuito de contemplar estratégias de prevenção de eventos cardíacos agudos e graves.</p> 2021-11-07T00:00:00-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2343 Capacidade neuromotora e morfológica correlacionada ao desempenho entre corredores de rua 2021-11-07T02:33:22-08:00 Renata Mesquita rehmesquitah@gmail.com Karoline Bernardes Rosa karoline.bernardesr@gmail.com Tiago Silva dos Passos tiagoredimous@gmail.com Fabio Santana fsantanapersonal@gmail.com <p>O objetivo do estudo foi identificar a composição corporal dos avaliados e correlacionar com a força muscular e resistência muscular, que podem interferir no desempenho dos corredores.&nbsp; Tratou-se de uma pesquisa quantitativa transversal com delineamento experimental, realizada com 40 pessoas de amos os sexos que participavam do grupo de corrida da UniEvangélica. Para a coleta de dados aferiu-se a pesagem e estatura para calcular o IMC, após, mensurou-se a composição corporal utilizando o protocolo de Pollock 7 dobras. Para os testes de força muscular dos membros inferiores, realizou-se o teste de uma Repetição Máxima no Leg Press e para a resistência muscular utilizando-se um estímulo ativo de 60% da carga de 1RM realizando repetições até a falha. Quanto aos resultados ouve uma diferença significativa de 0,05 na estatura. Ao analisar o Índice de Massa Corporal, ambos os grupos se classificaram como “Eutrófico”. Ao avaliar a massa magra a população masculina obteve média de 47,507kg, já as mulheres 38,270kg. Na resistência muscular do teste Abdominal os homens obtiveram média de 36,0, já as mulheres alcançaram 19,33 repetições. Quanto aos resultados obtidos através do Teste de força, os homens obtiveram valores maiores, tanto RMs, quanto em 1RM. Dessa forma concluiu-se que quanto maior o percentual de gordura menor é a resistência e força muscular, sendo, essas variáveis inversamente proporcionais. Observou-se também que os homens obtiveram médias de peso gordo menor que o grupo feminino, alcançando resultados superiores em todas as variáveis analisadas.</p> 2021-11-07T00:00:00-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2341 Resposta aguda da glicemia capilar em DM2 após uma sessão de treino com banda elástica 2021-11-07T02:33:21-08:00 Anthony Rodrigues de Vasconcelos vasconcelos.anthony13@gmail.com Ricardo Azevedo Cavalcanti Aragão ricardoaragao2412@hotmail.com Maria Elizabeth Queiroz Holanda do Nascimento elizabeth29holanda@gmail.com Rodrigo dos Santos Rodrigues Alves rsr.alvez@gmail.com Anderson de Oliveira Vasconcelos andersonov.128@gmail.com Keyla Brandão Costa keylabcosta@gmail.com Denise Maria Martins Vancea denisevancea@hotmail.com <p>Apesar das bandas elásticas serem utilizadas em protocolos de treinamento para o controle de doenças crônicas não transmissíveis, o seu efeito na modulação glicêmica de diabéticos ainda não está claro na literatura. Este estudo verificou o efeito de uma sessão aguda de treinamento de força com banda elástica na modulação glicêmica de indivíduos com diabetes tipo 2. Participaram deste estudo 10 DM2, com média de idade de 64,5 anos, média de diagnóstico do DM2 de 12,3 anos e tempo médio de participação no Programa de Exercício Físico Supervisionado para Diabéticos de 4,07 anos. Os participantes foram divididos em dois grupos randomizados, GEF (Grupo Exercício Físico com Bandas Elásticas) e GC (Grupo Controle). O GEF realizou uma sessão de treino de força com bandas elásticas, com oito exercícios, três séries de 15 repetições. O GC não realizou exercícios.&nbsp; Foi realizada a mensuração da glicemia capilar pré e pós-intervenção nos dois grupos. Foi realizado test t para avaliar a média da glicemia capilar pré e pós-intervenção. A comparação dos deltas de variação da glicemia capilar do GEF (49 mg/dL) e do GC (34 mg/dL), não apresentaram diferença estatisticamente significativa (p=0,2045); porém no GEF correu uma redução significativa na glicemia capilar (165 mg/dL para 116 mg/dL - p=0,0114), redução que não foi significativa no GC (156 mg/dL para 121 mg/dL - p=0,1726).&nbsp; Assim, observamos que o treino de força com bandas elásticas foi capaz de reduzir a glicemia capilar dos diabéticos, desta amostra, de forma aguda.</p> 2021-11-07T00:00:00-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2338 Efeitos da atividade física e do exercício resistido na expressão de SREBF1 em camundongos C57BL/6 com caquexia associada ao modelo tumoral singênico de melanoma cutâneo 2021-11-07T02:25:27-08:00 João Victor Oliveira da Silva joaovic35@hotmail.com Alex Sander Freitas alexsanderfreitas3@gmail.com Aldecy Batista de Sá Junior aldecyjunior2011@gmail.com Vinicius Dias Rodrigues viniciuslabex@hotmail.com <p>O objetivo do estudo foi verificar os efeitos da atividade física e do exercício resistido na expressão de SREBF1 em camundongos C57BL/6 com caquexia associada ao modelo tumoral singênico de melanoma cutâneo. Foram utilizados 12 camundongos C57BL/6 fêmeas, onde foram distribuídos aleatoriamente em quatro grupos. O primeiro grupo sendo o controle (n=3), não realizou nenhum tipo de intervenção, o segundo tratou-se do grupo controle com indução tumoral (n=3), não realizando nenhuma intervenção e sendo induzido a caquexia associada ao câncer, o terceiro grupo foi o da atividade física (n=3), realizando atividade física em ambiente enriquecido e sendo induzido a caquexia associada ao câncer, o quarto grupo&nbsp; executou o treinamento de escalada (n=3), realizando exercício resistido com estimulo de choque e induzido a caquexia associada ao câncer. Antes, ocorreu a realização de um experimento (n=12) para definição da caracterização da caquexia no modelo singênico de melanoma cutâneo com uso de linhagem de melanoma murino B16-F10. A análise identificou um aumento da expressão de SREBF1, no grupo controle podemos identificar o aumento desta proteína, ainda sendo identificado um aumento maior, quando o animal apresentava o tumor e ainda realizava a prática da atividade física e do exercício resistido. Considerando os dados obtidos no presente estudo, conclui-se que os grupos com intervenção após o quadro caquético tiveram aumento expressivo de SREBF1. Porém, os resultados aqui descritos, não podem direcionar ações clínicas nesse momento, pois é necessário outro estudo com diferentes modelos de intervenção no quadro caquético para elucidar as dúvidas aqui deixadas.</p> 2021-11-07T00:00:00-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2227 Ansiedade pré-competitiva em jogadores de futebol society 2021-11-07T02:25:24-08:00 Sérgio Costa Ferreira sergioocf@yahoo.com.br Carlan da Silva Sena carlan_csena@hotmail.com Ester da Silva Caldas Caldas esterscaldas@gmail.com Diogo Matheus Barros da Silva diogoldu@gmail.com Antonio Coppi Navarro ac-navarro@uol.com.br <p>Introdução: O Futebol Society, também conhecido como Futebol 7, é uma modalidade esportiva de natureza intermitente e coletiva, originada do futebol e jogado entre dois times com 7 jogadores, com adaptações nas regras (dimensões do campo, tempo de jogo). Objetivo: identificar os valores de ansiedade pré-competitiva em jogadores da categoria sub-13 de Futebol Society. Materiais e Métodos: A amostra é formada por 10 jogadores de 11 a 13 anos de idade que disputaram a fase das oitavas-de-final do Campeonato Maranhense sub-13 de Futebol 7 de 2019. Vinte minutos antes do jogo, em local reservado, os jogadores responderam individualmente ao questionário de ansiedade pré-competitiva Competitive State Anxiety Inventory-2 (CSAI-2). Resultados: Obteve-se a Ansiedade Cognitiva Baixa, Ansiedade Somática Média e a autoconfiança Alta. Discussão: A ansiedade em excesso pode acarretar um déficit no desempenho. Conclusão: A ansiedade não apresentou valor elevado, mas a autoconfiança foi alta, sendo condições que podem contribuir para um bom desempenho no jogo.</p> 2021-11-07T00:00:00-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2220 Desempenho de saltos verticais em atletas de futebol feminino defensivas e ofensivas 2021-11-07T02:25:23-08:00 Pedro Schons pedroschons@hotmail.com Edson Soares da Silva edsonsoaressilva@hotmail.com Artur Avelino Birk Preissler artur.preissler@ufrgs.br Lucas Moaraes Klein lucasklein0910@hotmail.com Guilherme Pereira Berriel guilhermeberriel@hotmail.com Suellen dos Santos Ramos suellen.ramos@gmail.com Miguel Andreh Cardoso Backes miguel_backes@hotmail.com Marcos Paulo Bienert Masiero mp.masiero@gmail.com Leonardo Alexandre Peyré-Tartaruga leonardo.tartaruga@ufrgs.br Luiz Fernando Martins Kruel kruel@esef.ufrgs.br <p>O futebol feminino está crescendo no Brasil e estudos que avaliem o desempenho físico das atletas permitem criar parâmetros para a modalidade. O objetivo do presente estudo foi descrever as variáveis dos saltos verticais em atletas de futebol feminino e realizar a comparação entre atletas defensivas e ofensivas. A amostra foi constituída de 16 atletas de futebol do sexo feminino. Foram avaliados os dados antropométricos, a posição tática e os saltos verticais. Foram coletados saltos squat jump (SJ) e counter movement jump (CMJ) com o aplicativo MyJump. As atletas de futebol avaliadas apresentaram em média 24,33±3,71 cm de altura e 19,69±3,25 W/kg de potência para o salto SJ. Além disso, apresentaram 24,25±4,09 cm de altura e 19,67±3,59 W/kg de potência para o salto CMJ. Em relação à razão CMJ/SJ, o valor apresentado foi de 1,00±0,08. As variáveis avaliadas nos saltos verticais não apresentaram diferenças entre as atletas de futebol defensivas e ofensivas (p&gt;0,05). Assim, as atletas apresentaram aproximadamente 24 cm de altura e 19 W/kg de potência para os saltos, com baixa contribuição do ciclo alongamento-encurtamento para essas ações. Por fim, as atletas de futebol feminino das posições defensivas apresentaram desempenho semelhante às ofensivas nos saltos verticais.</p> 2021-11-07T00:00:00-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2218 Comparação da aptidão física entre escolares da rede pública e privada de Porto Alegre-RS 2021-11-07T02:25:14-08:00 Priscila Antunes Marques priscila.antunes@ufrgs.br Juliana Oliveira da Silva juliana.osilva.1996@gmail.com Carlos Filipe Britzz Dias Soares carlossoares9979@gmail.com João Vitor Reis joao_vr_93@hotmail.com Sandro Estácio Paulo Moreira sandrums@yahoo.com.br Gabriel Alves Aimi gabaimi@hotmail.com Rogerio da Cunha Voser rogerio.voser@ufrgs.br <p>A realidade dos escolares atualmente é preocupante, o aumento do sedentarismo e da inatividade física tornou-se problema de saúde pública. Esse quadro tem contribuído para o desenvolvimento de doenças metabólicas precoces. O objetivo deste estudo foi comparar a aptidão física para saúde entre escolares da rede pública e da rede privada da cidade de Porto Alegre-RS. A amostra foi constituída por 75 estudantes, 37 de escola pública e 38 de escola privada, de forma voluntária e não aleatória. As variáveis do estudo foram avaliadas seguindo as orientações do Manual de testes e avaliações do Projeto Esporte Brasil (PROESP, 2016) que constam: peso e estatura para obtenção do índice de massa corporal (IMC), aptidão cardiorrespiratória, flexibilidade e resistência abdominal. Para análise dos dados foi utilizada estatística descritiva, apresentando valores em média, desvio padrão e percentuais. Para comparações entre os grupos distintos utilizou-se o teste t para amostras independentes. O nível de significância para todos os testes foi de 5%. Resultados: A escola privada obteve médias superiores para todas as variáveis analisadas. As meninas de ambas as escolas apresentam médias superiores aos meninos no teste de flexibilidade, e os meninos destacam-se na resistência abdominal e aptidão cardiorrespiratória. Conclusão: A escola privada apresenta médias superiores, porém, ambas as escolas apresentaram percentual de zona de risco mais alto que zona saudável para aptidão cardiorrespiratória, o que ressalta a importância do professor de educação física e das escolas em incentivar a prática de atividade física.</p> 2021-11-07T00:00:00-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2155 Efeitos do treinamento de força muscular na agilidade e velocidade nos jogadores do basquetebol em cadeira de rodas 2021-11-07T02:21:52-08:00 Joseana Araújo Bezerra Brasil Pinheiro joseana.brasil@gmail.com Silvana Maria Moura da Silva smouraufma@yahoo.com.br Rodrigo Lopes da Silva rlopx2804@gmail.com Letícia de Carvalho leticia10181998@gmail.com Antonio Coppi Navarro ac-navarro@uol.com.br Francisco Navarro francisconavarro@uol.com.br <p>Introdução: O basquete em cadeira de rodas é fisicamente exigente, requerendo um alto nível de habilidades e qualidades físicas como velocidade, agilidade e força rápida dos membros superiores, sobretudo, de musculatura envolvida na propulsão em cadeira de rodas. Objetivo: Analisar os efeitos do treinamento de força muscular na agilidade e velocidade nos jogadores de basquetebol em cadeira de rodas. Materiais e Métodos: Tratou-se de um estudo quantitativo quase experimental, com oito jogadores de basquetebol em cadeira de rodas da Associação Paradesportiva Maranhense, do sexo masculino, cinco com paraplegia, dois amputados e um vítima de artrogripose. Todos realizaram mensuração de medidas antropométricas, de testes de agilidade, velocidade e uma repetição máxima e submetidos ao treinamento de força por 12 semanas. Na agilidade, utilizou-se o teste em ziguezague; na velocidade, o teste de corrida de 40m na cadeira de rodas e na força uma repetição máxima executados em quatro momentos: inicial, após quatro semanas, após oito e após 12 semanas. As cargas foram de 60%, 70% e 80% de uma repetição máxima, reajustadas a cada quatro semanas para retestes. Discussão: As respostas positivas ao treinamento de força reduziram os índices de velocidade e agilidade, apoiando os resultados da maioria dos estudos citados. Resultados: Na agilidade, o período de 12 semanas reduziu o tempo percorrido em 8,4% e na velocidade em 6,6%. Conclusão: Todos os jogadores independentemente do tipo de deficiência ou classificação funcional apresentaram ganhos de força muscular na parte superior do corpo em 12 semanas de treinamento, diminuição do tempo percorrido na velocidade e agilidade.</p> 2021-11-07T00:00:00-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2133 Comportamento da enzima creatina quinase após protocolo de exercício agudo de contração excêntrica em jovens não treinados 2021-11-07T02:21:48-08:00 Wanessa Karoline Brito Marques wanessamarques19@gmail.com Paulo Vitor Albuquerque Santana santanapaulo25@gmail.com Antonio Coppi Navarro ac-navarro@uol.com.br Christiano Eduardo Veneroso cveneroso@hotmail.com <p>Introdução: o exercício físico vigoroso não habitual, com elevadas demandas excêntricas, desencadeia no sistema musculoesquelético, micro lesões que acarretam o extravasamento de proteínas para a corrente sanguínea por conta do aumento da permeabilidade da membrana sarcoplasmática. Dentre elas temos a creatina quinase, que tem ganhado maior atenção, devido a magnitude do seu aumento em relação as outras proteínas e pelo custo de análise menos dispendioso. Objetivo: verificar o comportamento das concentrações de Creatina Quinase em jovens adultos em protocolo de pliometria nos momentos pré e pós (24h, 48h e 72h). Materiais e Métodos: a amostra foi composta por 10 indivíduos, com média de idade em anos 22,0 ±3,0; foi realizada a medida das concentrações de Creatina Quinase nos períodos pré e pós (24 horas, 48 horas e 72 horas) pós protocolo de exercício de pliometria (saltos). Resultados: A média de concentração de CK para o momento pré exercício foi de 75,83 ±93,82; nos pós 24 horas foi de 125,12 ±37,22; nos pós 48 horas 115,30 ±49,34 e nos pós 72 horas foi de 77,08 ±30,37. Discussão e Conclusão: Com base nos dados podemos inferir que a concentração de creatina quinase no grupo amostral comportou-se conforme o relatado em literatura cientifica com estudos assemelhados, ou seja, no momento pré em relação ao 24 horas pós exercício aumentou, com declínio nos momentos 48 horas e 72 horas.</p> 2021-11-07T00:00:00-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2294 Potenciais benefícios do uso de probióticos para atletas 2021-10-22T01:47:05-07:00 Gabriela Souza Silvério de Godoy nutrigabrielagodoy@gmail.com Marina Carlovich Nunes marinacarlovich@hotmail.com Tatiana Queiroz Bernardino tqnutri@gmail.com Renata Furlan Viebig refurlan@gmail.com <p>Durante a prática de exercício intenso e prolongado pode ocorrer depressão transitória da imunidade dos atletas, que os predispõem a quadros infecciosos. Alguns também sofrem com sintomas gastrointestinais durante e após os treinamentos e competições. A suplementação com probióticos tem se mostrado interessante para a melhora dessas condições, mas não há consenso a respeito das cepas e combinações de microrganismos a serem ofertados. A presente revisão narrativa teve como objetivo avaliar a eficácia dos probióticos na saúde do atleta. Por meio de busca em bases de dados eletrônicas, foram encontradas pesquisas publicadas a partir de 2015 sobre o tema, sendo quase a totalidade internacionais. Os estudos sugeriram que houve redução de mediadores inflamatórios circulantes e de infecções de vias aéreas superiores com o uso de probióticos em atletas de diferentes modalidades, porém não foram observadas evidências de melhora de rendimento e composição corporal.&nbsp;</p> 2021-10-22T01:45:31-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2325 Reprodutibilidade do teste de força de 10 RM em jovens universitárias 2021-10-22T01:47:04-07:00 Elciana de Paiva Lima Vieira elcianavieira@yahoo.com.br Abílio Douglas Valadares Deserto Deserto abilio_deserto@hotmail.com Edmundo de Drummond Alves Júnior edmundodrummond@uol.com.br Jonas Lírio Gurgel Gurgel jonasgurgel@terra.com.br <p>Introdução: A avaliação da reprodutibilidade de um teste pode estimar o erro cometido, como o teste de carga máxima utilizado no treinamento de força. Objetivo: O objetivo do estudo foi analisar o comportamento da intensidade de treino em três sessões de avaliação da força de repetições máximas em estudantes universitárias com experiência prévia em treinamento de força. Materiais e Métodos: Dez mulheres (22,40 ±2,11 anos) com experiência prévia em treinamento de força (8,40 ±4,14 meses) realizaram 3 sessões de teste de 10 RM em cinco exercícios: leg press 45º, supino sentado, tríceps no pulley, mesa flexora e rosca direta bíceps. Foram utilizados os testes de ANOVA unidirecional com post hoc de Bonferroni, plotagem de Bland-Altman e correlação de Pearson. A reprodutibilidade dos testes foi avaliada pelo coeficiente de correlação intraclasse (CCI) com intervalo de confiança de 95%. Resultados: Os níveis de reprodutibilidade foram excelentes em todos os exercícios variando de 0,84 a 0,99 não havendo diferença significativa entre as sessões. A concordância dos resultados nos exercícios: supino sentado e rosca direta bíceps se deu na segunda sessão e, nos demais, na terceira sessão de avaliação. Discussão: Poucos são os estudos que verificaram a reprodutibilidade em testes de 10 RM. Conclusão: Com base nos achados apresentados, parece haver necessidade da realização de reteste para os exercícios: supino sentado e rosca direta bíceps e da terceira sessão de avaliação no leg press 45º, tríceps no pulley e mesa flexora para estabilização da carga máxima em 10 repetições para mulheres jovens.</p> 2021-10-22T01:43:00-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2320 Efeitos do pole dance fitness na percepção de dor, na composição corporal, na força e na atividade mioelétrica de músculos estabilizadores lombopélvicos de um indivíduo com lombalgia: estudo de caso 2021-10-22T01:47:03-07:00 Giullia Gabriele Alves Chaves do Nascimento giulliagabriele07@hotmail.com Álvaro César de Oliveira Penoni alvaropenoni@ufsj.edu.br <p>Objetivo: avaliar os efeitos da prática do Pole Dance Fitness em pessoas que possuem lombalgia. Materiais e métodos: foram realizados: anamnese, avaliação antropométrica e de composição corporal, preenchimento do IPAQ, da EVAD, e a realização simultânea do Teste de Kendall (1995) e análise eletromiográfica dos músculos reto abdominal (RA), oblíquo externo (OE) e paravertebrais lombares (PL). A flexibilidade de coluna vertebral e membros inferiores foi avaliada pelo teste de sentar e alcançar de Wells. O aparelho Perina-Biofeedback foi utilizado para avaliação da força de contração dos músculos do assoalho pélvico (MAP). As sessões de treinamento foram realizadas por oito semanas. Resultados: Houve redução do peso corporal (1,4%), do percentual de gordura (3,72%), da circunferência abdominal (4,64%), do IMC (1,3%), da Razão cintura-quadril (13,54%) e da percepção de lombalgia (38,3%). A flexibilidade aumentou em (3,27%). A atividade eletromiográfica dos músculos RA e OE diminuiu (19,1% e 66,9%), respectivamente, enquanto dos PL aumentou (19%). O teste de Kendall (1995) revelou uma melhora na estabilização da coluna lombar. A avaliação da força dos MAP revelou melhora na coordenação de recrutamento. Conclusão: Conclui-se que oito semanas de treinamento na modalidade Pole Dance Fitness foram eficientes para a redução da percepção da dor lombar, do percentual de gordura corporal e da atividade mioelétrica dos músculos reto abdominal e oblíquo externo, aumento da força e da atividade mioelétrica dos músculos paravertebrais lombares.</p> 2021-10-22T01:40:04-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2316 Perfil epidemiológico de praticantes de crossfit® 2021-10-22T01:47:02-07:00 Thiago Teixeira Serafim thiagotserafim@outlook.com Rafael Padoveze Flores padoveze.r@gmail.com Rodrigo Okubo rodrigo.okubo@udesc.br <p>Introdução e Objetivo: O CrossFit® tem se destacado como modalidade pois abrange as principais tendências do cenário esportivo da atualidade. Desse modo, a crescente preferência pelo público tem levantado dúvidas sobre os benefícios e segurança em relação à execução de movimentos funcionais complexos em alta intensidade. O objetivo deste estudo foi identificar o perfil dos praticantes da região da grande Florianópolis e verificar possíveis associações. Materiais e Métodos: O estudo possui característica epidemiológica, observacional e descritivo, coletado por meio de um questionário online. As informações foram analisadas por meio de análise descritiva e de testes de associação estatística conforme característica da variável. Resultados e Discussão: Ao final foram incluídos 69 participantes com média de idade de 29 anos, onde 66% mulheres e 33% homens. Além disso foi verificado associação estatisticamente significativa entre as variáveis sexo e tempo de experiência com a presença de lesão decorrente da prática do CrossFit®. Nesses casos, a média de homens lesionados foi maior do que a média de mulheres lesionadas. Da mesma forma, os praticantes com maior tempo de prática, em média, sofreram mais lesões. Também foi identificado que os segmentos ombros e coluna lombar são as regiões anatômicas que mais foram acometidas, representando cada uma 40% do total. Conclusão: As principais lesões decorrentes da prática de Crossfit são nos ombros e região lombar.</p> 2021-10-22T01:39:23-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2315 Associação entre aptidão física e qualidade de vida em atletas de futsal: um estudo transversal 2021-10-22T01:47:01-07:00 Eduardo Gomes dus.gomes@gmail.com Lucas Betti Domingues lbdomingues@gmail.com Eduardo Fagundes edu_profagundes@live.com Rodrigo Sudatti Delevatti rsdrodrigo@hotmail.com Rodrigo Ferrari rod.ferrari84@gmail.com <p>Objetivo: O presente estudo avaliou e buscou associar os níveis de aptidão física e composição corporal com a qualidade de vida (QV) em atletas de futsal. Materiais e Métodos: Participaram desse estudo observacional, de caráter transversal, treze atletas de futsal do sexo feminino de uma faculdade privada localizada em Porto Alegre, Brasil. As participantes foram submetidas as avaliações de aptidão física, em dias não consecutivos, através de medidas da composição corporal, aptidão cardiorrespiratória, agilidade, força e potência muscular. Os questionários WHOQOL-bref e IPAQ foram aplicados para verificar os níveis de QV e hábitos de atividade física, respectivamente. A Correlação de Person foi usada para estabelecer o nível de associação entre as variáveis de aptidão física e a QV. Resultados: Em relação aos parâmetros físicos, a QV geral foi associada com salto vertical (0,639; p=0,047) e agilidade (-0,724; p=0,012), e a QV no domínio físico foi associado com agilidade (-0,643; p=0,033). Já em relação aos parâmetros de composição corporal, a QV foi associada com a massa corporal (-0,674; p=0,016), índice de massa corporal (-0,602; p=0,039) e somatório de quatro dobras cutâneas (-0,749; p=0,005). Ainda, a QV no domínio físico foi associada com a massa corporal (-0,72; p=0,008), índice de massa corporal (-0,678; p=0,015) e somatório de quatro dobras cutâneas (-0,736; p=0,006). Conclusão: Atletas de futsal apresentam bons níveis de aptidão física, os quais estão associados a melhores índices de QV geral e nos domínios físico e psicológico.</p> 2021-10-22T01:37:32-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2306 Validade de equações de estimativa de VO2 max em militares: pico de velocidade em esteira ergométrica versus teste de cooper 2021-10-22T01:47:00-07:00 Hamilton dos Santos hamiltonsantos1991@gmail.com Bianca dos Santos bia.dossantos95@gmail.com Jairo Luis Rosa jairo_personal@hotmail.com Matehus Timm Vieira matheustimm91@gmail.com Marcio Robson Verzola mrverzola@hotmail.com Ramon Diego Waltrick waltrick51@gmail.com Charles Borges charlesciclista@hotmail.com <p>O presente estudo visa verificar a validade da estimativa do VO<sub>2</sub> máx por meio do teste de Cooper (12 minutos no tempo), e compará-la com o valor da medida padrão-ouro por meio do teste incremental em esteira, (medida das trocas gasosas) e a comparação com protocolos como; VAMEVAL e ACSM (American College of Sports Medicine). A amostra foi composta por 35 sujeitos do sexo masculino (19,3 ± 0,4 anos; 70,8 ± 3,6 kg; 173,1 ± 5,5 cm). O teste t de student com amostras pareadas foi utilizado para comparar a variável VO<sub>2</sub> máx (software SPSS), e o nível de significância de 5% foi utilizado na análise. Resultados: medida direta (59,9 ± 4,6), estimativas do teste de Cooper (45,4 ± 3,6; p&lt;0,001); VAMEVAL (55,7 ± 2,7; p&lt;0,001); ACSM (58,9 ± 2,7; p=0,166). Conclusão: O protocolo ACSM é a estimativa que mais se assemelha à medida direta na análise da amostra envolvida.</p> 2021-10-22T01:36:46-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2301 A Diminuição do número de repetições e do volume total no treinamento de força induzido por alongamento estático é restaurado após 10 minutos 2021-10-22T01:46:59-07:00 Talisson Santos Chaves talisson.chaves@estudante.ufscar.br Douglas Salvatori Nikel dns_2901@hotmail.com João Ricardo Gregório joaoricardo.ufscar@gmail.com <p>O objetivo do estudo foi testar se o tempo de recuperação entre o alongamento e o início da sessão de treinamento de força influencia o número de repetições e o volume total produzidos na sessão. 12 indivíduos saudáveis ​​do sexo masculino participaram deste estudo (28,6 ± 4,5 anos, 87,9 ± 5,9 kg, 177 ± 3,4 cm). Foram elaboradas três sessões experimentais para familiarização e a realização do teste de uma repetição máxima no leg press. Em seguida, foram realizadas mais quatro visitas em ordem aleatória e contra-balanceada com intervalo de 72 horas entre elas. Em cada visita todos os voluntários realizaram inicialmente o protocolo de alongamento estático e posteriormente a sessão de RT. No entanto, o tempo entre o término do protocolo de alongamento e o início da sessão de TR variou nas quatro sessões experimentais (imediatamente após, 5, 10 e 20 minutos após o alongamento). Resultados: O número de repetições e o volume total diminuíram nas sessões realizadas imediatamente (p&lt;0,001) e 5 minutos após o alongamento (&lt;0,001) quando comparadas à sessão pré-intervenção. No entanto, a diminuição do número de repetições e do volume total foi restaurada nas sessões 10 minutos após (p&lt;0,001) e 20 minutos após (p&lt;0,001) o alongamento, quando comparada à sessão realizada imediatamente após o alongamento. Concluímos que a diminuição do número de repetições e do volume total do exercício resistido induzido pelo alongamento estático é temporária, sendo restaurada após um intervalo de 10 minutos entre o alongamento e o exercício resistido.</p> 2021-10-22T01:36:07-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2296 Condicionamento físico preventivo e saúde de praticantes adultos de CrossFit 2021-10-22T01:46:58-07:00 Bruna Carolina de Souza Moraes brunasouza_m@hotmail.com Érico Luciano Held Martins erico_luciano@hotmail.com Pedro Pugliesi Abdalla pedroabdalla11@gmail.com Anderson dos Santos Carvalho anderson.carvalho@docente.unip.br Jair Rodrigues Garcia Júnior jgjunior@unoeste.br <p>Introdução e objetivo: O treinamento Crossfit consiste em exercícios variados e de alta intensidade que envolvem levantamento de peso, ginástica olímpica e treinamento funcional, que proporcionam condicionamento físico e contribuem para a saúde. O objetivo foi avaliar o nível de condicionamento físico dos praticantes de Crossfit e relacionar o resultado com a prevenção de doenças e manutenção da saúde. Materiais e métodos: O estudo foi transversal quantitativo, com a participação de 30 voluntários praticantes de Crossfit de ambos os sexos, com idade entre 30 e 50 anos. O estudo foi realizado num Box de Crossfit. Foi aplicado o teste AMRAP (as many rounds-repetitions as possible) composto por tantas séries quanto possíveis em 15 min de 15 burpees, 15 deadlifts e 15 abdominais sit ups para avaliar o desempenho dos praticantes. Para avaliar a aptidão aeróbia foi aplicado o Teste de 12 min, com objetivo de percorrer a maior distância possível e calcular o consumo máximo de oxigênio (VO<sub>2 </sub>máx). Os dados do perfil bioquímico sanguíneo foram obtidos a partir de exames realizados pelos participantes nos últimos cinco anos, sendo analisados como indicadores de risco para doenças crônicas. Resultados: Pode-se observar que o praticante do Crossfit tem desempenho físico semelhante, independentemente do tempo de treinamento. Mas a modalidade garante manutenção da resistência muscular e aeróbia, além de um perfil adequado para prevenção de doenças crônicas. Conclusão: Assim, concluímos que o Crossfit é uma modalidade versátil e dinâmica que ajuda no condicionamento físico do praticante independentemente do seu perfil etário e de estado nutricional.&nbsp;</p> 2021-10-22T01:34:36-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2293 Prevalência de lombalgia em profissionais de educação física e sua influência nos hábitos diários e profissionais 2021-10-22T01:46:56-07:00 Cassiano Amaro da Silva cassianoedf@outlook.com Matheus Aquino Guilherme matheus__aquino@outlook.com Carlos Rafaell Correia-Oliveira crafaoliveira@yahoo.com.br <p>A dor lombar é um estado clínico de dor moderada ou intensa na parte inferior da coluna vertebral. Além disso, entre as diversas profissões acometidas por essa algia, o profissional de educação física também pode apresentar tais casos ao decorrer de sua atuação profissional. Dessa forma, o objetivo do presente estudo foi investigar a prevalência de lombalgia em profissionais de educação física atuantes em academias e sua possível relação com os hábitos diários e profissionais. No presente estudo, a amostra foi composta por 54 profissionais de educação física atuantes em academias de musculação da cidade de Maceió-AL (32,07 ±4,72 anos). Durante a coleta de dados, os profissionais primeiramente responderam a um questionário para identificação de dores nas costas e posteriormente, caso identificada a lombalgia, os participantes respondiam a mais dois questionários sobre a influência da lombalgia sobre os hábitos diários e profissionais. A partir disso, 46,3% profissionais relataram sentir dores na região das costas e 53,7% não sentiam dores. Dos profissionais que alegaram sentir dores nas costas, 96% relataram que essa dor era localizada na coluna lombar e apenas 4% em outras regiões. 58,33% dos profissionais afirmaram maior nível de dor na posição ‘Em pé. Além disso, 33,33% dos profissionais relataram que essa algia tinha influência nos seus hábitos profissionais, ao passo que 66,67% não relataram tal influência. Em conclusão, foi demonstrada uma alta prevalência de lombalgia nos profissionais de educação física atuantes em academias.</p> 2021-10-22T01:33:57-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2291 Impacto do isolamento social causado por Covid19 no nível de treinamento esportivo de jovens atletas 2021-10-22T01:46:55-07:00 Luiz Felipe Silva feliperowing@ufrn.edu.br Paulo Francisco de Almeida-Neto paulo220911@hotmail.com Alexandre Bulhões Correia alexandrebulhoescorreia@gmail.com Victor Sabino de Queiros victor.s14@hotmail.com Dihogo Gama Matos dihogogmc@hotmail.com Daniel Dalmau feliperowing@ufrn.edu.br Paulo Moreira Silva Dantas pgdantas@icloud.com Breno Guilherme de Araúoj Tinoco Cabral brenotcabral@gmail.com <p>O distanciamento social para a prevenção da disseminação das pandemias de COVID-19 no ano de 2020 pode contribuir significativamente para a inatividade física dos cidadãos em todo o mundo. O objetivo do presente estudo foi quantificar o impacto dessa medida preventiva sobre o nível de atividade física de jovens atletas brasileiros em diversas áreas esportivas. Sessenta e oito (68) atletas brasileiros (14,7 ± 1,68 anos) responderam à versão adaptada do Questionário Internacional de Atividade Física (I-PAQ) por meio de uma plataforma online. Foi solicitado que os participantes relatassem seu nível de atividade física antes e durante o período de distanciamento social. 67,7% dos atletas entrevistados afirmaram ser capazes de adaptar seu treinamento esportivo ao ambiente de isolamento sob a orientação de um profissional de educação física a distância. Apenas 4,38% da amostra não estava treinando sob tal supervisão e, portanto, inativos. Portanto, apesar do distanciamento social, os atletas amostrados parecem permanecer fisicamente ativos.</p> 2021-10-22T01:32:37-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2290 Desequilíbrios musculares no joelho: efeitos do nível de atividade física 2021-10-22T01:46:54-07:00 Venilton Falcão Junior venilton_junior@hotmail.com Rogério Olmedija de Araújo olmedija_fisio@yahoo.com.br William Monteiro de Freitas Júnior william.mfjr@hotmail.com Raynara Fonsêca dos Santos raynara_fs@outlook.com Ewertton de Souza Bezerra esbezerra@gmail.com <p>A inatividade física está associada à redução da capacidade funcional, podendo afetar o estado geral de saúde dos indivíduos. Sendo assim, o objetivo deste estudo foi comparar razões musculares na articulação do joelho em diferentes velocidades entre indivíduos com distintos níveis de atividade física classificados pelo IPAQ (Questionário Internacional De Atividade Física). Quarenta e dois participantes (homens: 20 (47,6%) e mulheres 22 (52,4%)) foram separados em três grupos pelo nível de atividade física a partir da classificação do IPAQ, em seguida todos avaliaram o torque muscular de extensores e flexores em um dinamômetro isocinético, com ação concêntrica-concêntrica, em três diferentes velocidades 120°/s, 180°/s e 240°/s. Distintas Anova foram aplicadas com post-hoc de Bonferroni, (p&lt;0,05), para análises das variáveis. O nível de atividade física não influenciou no pico de torque extensor e nem flexor (p&gt;0,05), bem como, as assimetrias não foram significativas entre os grupos em nenhuma das velocidades (p&gt;0,05). Todavia, os valores observados, independentemente do nível de atividade física, estão abaixo dos preconizados para razão convencional, 0,6 para velocidade mais baixas (120 e 180o/s) e 0,8 para velocidade mais alta (240o/s). Embora o nível de atividade física não tenha influenciado em assimetrias musculares, pode se indicar que há necessidade de treinamentos específicos (i.e. treinamento de força) para contrapor a redução dos baixos valores observados na razão convencional.</p> 2021-10-22T01:31:45-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2287 Caracterização e associação entre distância total, velocidade máxima e número de sprints de jogadores de futebol durante a Copa do Mundo FIFA 2018 2021-10-22T01:46:53-07:00 Walter Luiz de Araújo Junior walter-1995-07@hotmail.com Suhey Salim Ferreira dos Santos suheysalim@gmail.com Fernando Gripp fernandogripp@gmail.com Jonatas Ferreira da Silva Santos jonatas_contato@hotmail.com <p>O objetivo do presente estudo foi descrever e correlacionar as variáveis distância total, velocidade máxima de corrida e o número de sprints levando em consideração a situação de vitória, empate e derrota. Foram analisados 64 jogos da Copa do Mundo FIFA 2018, cujo dados estão disponíveis no site do evento. Os jogadores percorreram 104,8 km, alcançando velocidades de 32 km/h e repetindo o número de sprints por 333 vezes durante uma partida. Foi observada diferença estatística na distância total percorrida, com superioridade durante situação de empate em comparação com as situações de vitória e derrota. Nenhuma outra diferença estatística foi identificada. Foram observadas correlações classificadas como grande e muito grande entre distância total e número de sprints em situação de vitória (rs=0,512, p&lt;0,001, [grande]), empate (rs=0,455, p=0,001, [moderada]) e derrota (rs=0,730, p&lt;0,001, [muito grande]). As correlações entre distância total percorrida/velocidade máxima alcançada e velocidade máxima alcançada/número de sprints tiveram as correlações classificadas como ‘trivial’ e ‘pequena’. Durante a partida final da Copa do Mundo FIFA 2018, foi observado que as seleções da França e Croácia reduziram a distância total percorrida em relação aos dados gerais da competição, no entanto, a velocidade máxima alcançada e o número de sprints aumentou para seleção da França e diminuiu da seleção da Croácia. Baseado nos dados do presente estudo pode ser indicado que jogadores de futebol precisam desenvolver a sua resistência e a sua capacidade de realizar sprints repetidos ao longo do jogo e competição.</p> 2021-10-22T01:30:01-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2283 Rotina de treinamento e motivação entre participantes de crossfit® no brasil e em portugal durante a pandêmica covid-19: um estudo observacional 2021-10-22T01:46:51-07:00 Arthur Marques Zecchin-Oliveira arthurmzo@hotmail.com Rafael A. M. Domiciano dr.rafaeldomiciano@outlook.com Victor Barbosa Ribeiro enrico@usp.br Enrico Fuini Pugina enrico@usp.br <p>No final de 2019, um novo coronavírus foi identificado em Wuhan, província de Hubei, China. As características da transmissão, ações de saúde pública têm sido indicadas como distanciamento social, orientações sobre como ficar em casa, quarentena e restrição de trânsito. Estratégias para melhorar o sistema imunológico que podem combater os vírus, diminuindo sua eficácia. Exercício físico de intensidade moderada demonstrou anteriormente prevenir diversas doenças infecciosas. São detalhadas as características de motivação e status de treinamento de praticantes de CrossFit® durante a quarentena do coronavírus, no Brasil e em Portugal. A hipótese é que os participantes do CrossFit® estão treinando alta intensidade e estão altamente motivados durante a quarentena, independentemente do país. 263 participantes do CrossFit® ofereceram-se como voluntários para participar deste estudo (231 do Brasil e 32 de Portugal). As questões sobre o nível de motivação estavam relacionadas com outras questões (quantos parceiros treinam, juntos, intensidade, frequência de treinamento por semana). Os aspectos “quantos participantes estão treinando juntos”, “sessões por semana”, “utilização da planilha de treinamento”, “intensidade dos treinos” e “motivação” demonstraram significância. Há um número significativo de participantes do CrossFit® no Brasil e em Portugal que estão treinando HIT, e isto pode suprimir o sistema imunológico. A motivação e a rotina de treinamento demonstraram comprometimento. Os treinadores em geral devem controlar a intensidade do treinamento e manter os participantes altamente motivados, por meio de estratégias que evitem longos períodos de HIT e treinamentos de alto volume em quarentena.</p> 2021-10-22T01:29:12-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2282 Hábitos alimentares e comportamentais de atletas juvenis de Rugby durante a pandemia do covid-19 2021-10-22T01:46:50-07:00 Pamela Silva Vitória Salerno pamelasvitoria@gmail.com Alessandra Doumid Borges Pretto alidoumid@yahoo.com.br Gabriel Barreto Veiga gabrielveiga@icloud.com Gisele da Silva Dias giselediasss4@gmail.com Juliendry Medeiros Silveira juliendryms@hotmail.com Gustavo Dias Ferreira gusdiasferreira@gmail.com Camila Borges Muller camilaborges1210@gmail.com Mateus Salerno mateuspreparadorfisico@gmail.com Eraldo dos Santos Pinheiro esppoa@gmail.com <p>Introdução: O confinamento devido à pandemia do COVID-19 pode influenciar o perfil alimentar, emocional e comportamental, principalmente em crianças e jovens que são mais suscetíveis. Além disso apesar de se prever mudanças significativas na rotina das pessoas neste período, ainda não se sabe os reais efeitos do isolamento sobre a saúde. Este artigo objetivou avaliar os hábitos alimentares e comportamentais de atletas juvenis de Rugby durante a pandemia do COVID-19. Materiais e Métodos: Estudo transversal e descritivo com 16 meninas, atletas de Rugby, de escolas públicas e moradoras da periferia da cidade de Pelotas-RS. Foi aplicado um questionário on-line, através da ferramenta google forms com perguntas sobre alimentação, atividade física e aspectos comportamentais. Resultados: A idade média das entrevistadas é de 15,9 anos. Quase 70% relatam sentirem-se mais ansiosas, 93% dizem estar com mais apetite e 70%, acredita que houve aumento do peso corporal. Verificou-se que ovos, feijão, verduras e frutas não foram consumidos todos os dias pela maioria da amostra. Por outro lado, o consumo de embutidos e de doces foi baixo. Além disso, a maioria (87,5%) relatou ficar acima de quatro horas diárias utilizando eletrônicos e cerca de 44% se sentem insatisfeitas com o próprio corpo. Discussão: Estudos mostram piora na qualidade do padrão de consumo de alimentos, aumento de inatividade física e do tempo em tela durante a pandemia. Conclusão: A amostra estudada referiu aumento de ansiedade, apetite, aumento de peso corporal, tempo de tela e insatisfação com o corpo. São importantes ações multiprofissionais voltadas a auxiliar no impacto causado pela pandemia nos hábitos alimentares e comportamentais.</p> 2021-10-22T01:22:30-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2271 Relação entre composição corporal e flexibilidade em atletas universitárias de voleibol 2021-10-22T01:46:49-07:00 Andréa Dias Reis andreadiasreis@gmail.com André Luís Firmino da Silva andrefirmino1369@gmail.com Rafael dos Santos Coelho rafaelcoelho97@outlook.com André Fernandes dos Santos fernandes_ejc@hotmail.com Maísa Carvalho Resende Soares rezende03@hotmail.com Renata Rodrigues Diniz renatarodriguesdiniz@hotmail.com <p>Objetivo. Identificar a relação entre composição corporal e flexibilidade de atletas universitárias de voleibol. Materiais e Método.&nbsp; Trata-se de uma pesquisa ex post facto com nove atletas de 19,78 ±2,22 anos, estatura 178,94 ± 6,37cm, que estavam no período pré-competitivo dos Jogos Universitários Brasileiros. A avaliação da flexibilidade foi realizada com goniômetro e a composição corporal, massa corporal e percentual de gordura, avaliada por balança e plicômetro. Os dados foram expressos em média e desvio-padrão e o teste de Pearson usado para identificar a relação entre composição corporal e flexibilidade. Software utilizado foi o Stata 10.0 e nível de significância de 5%. Resultado. As atletas apresentaram correlação negativa e forte para massa corporal e rotação externa do ombro direito (r=-0,69; p=0,04), como também para percentual de gordura e flexão de quadril com o joelho esquerdo estendido (r=-0,72; p=0,03). Conclusão. O aumento da composição corporal está relacionado com uma menor flexibilidade de ombro e quadril em atletas universitárias de vôlei.</p> 2021-10-22T01:20:05-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2281 Exercício físico e variabilidade da frequência cardíaca em indivíduos com lesão medular: uma revisão sistemática 2021-10-22T01:46:47-07:00 Aline Ângela Silva Cruz ninafisiobh@hotmail.com Patrícia C.R. Rabelo patikjuru@yahoo.com.br Roberta Alvim Paes Leme alvim.roberta52@gmail.com Tiago Maciel de Freita tiagomaciel218@gmail.com Daniela Maria da Cruz dos Anjos danielacruzanjos@gmail.com Eduardo Stieler eduardostieler@hotmail.com Adriana Souza Amaral adriana_souzamaral@hotmail.com Marco Túlio de Mello tmello@demello.net.br Andressa Silva andressa@demello.net.br <p>Indivíduos com lesão medular (LM) podem apresentar alterações no sistema cardiovascular, como diminuição da variabilidade da frequência cardíaca (VFC), decorrente da perda parcial e ou total da inervação autonômica. Nessa população, o exercício físico tem sido colocado como uma intervenção que pode minimizar essas disfunções cardiovasculares. Assim, o objetivo do presente estudo foi apresentar, por meio da revisão de literatura, o comportamento da VFC em indivíduos com LM em resposta ao exercício físico agudo e crônico. A busca foi realizada nas bases de dados PubMed, Web of Science, Scielo e BVS. Foram utilizados os descritores: lesão medular AND variabilidade da frequência cardíaca AND exercício físico (spinal cord injury, heart rate variability e physical exercise). Após a busca nas bases de dados foram encontrados 109 artigos sendo 65 no PubMed, 20 no Web of Science, 2 no Scielo e 22 na BVS. Desses, foram selecionados 12 artigos que preencheram os critérios de inclusão, sendo que, apenas 7 estudos avaliaram o efeito do exercício físico crônico na VFC e 5 artigos que avaliaram o efeito agudo. Indivíduos com LM preservam a VFC no repouso, no entanto, apresentam alguns déficits na capacidade de realizar ajustes cardiovasculares quando submetidos à sobrecarga imposta pelo exercício físico agudo. E a maioria dos estudos não encontrou diferenças na VFC ao efetuar a análise após o exercício físico crônico, independentemente do tipo, duração e intensidade do exercício físico.</p> 2021-10-22T00:00:00-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2274 Efeitos psicofisiológicos da utilização da máscara de algodão em um teste progressivo máximo 2021-10-22T01:46:46-07:00 Anibal Pires do Amaral Neto neto_pmpr@yahoo.com.br Rui Gonçalves Marques Elias rgmelias@uenp.edu.br Ricardo Siqueira de Oliveria ricardomiihmacedo@gmail.com Claudinei Ferreira do Santos neief@uenp.edu.br <p>Desde o aparecimento do vírus SARS-CoV2 e sua consequente disseminação mundial, diversas medidas foram tomadas para diminuir a contaminação, dentre elas a utilização de máscaras. O objetivo deste estudo foi avaliar os efeitos psicofisiológicos da utilização da máscara de algodão Tricoline durante a realização de um teste progressivo máximo. Foi desenvolvido um estudo com design experimental cruzado com amostra composta por 13 homens, com idade de 33 ± 5,8 anos. Foi aplicado o Teste de vai e vem de Leger, Escala de Percepção Subjetiva do Esforço de Borg. A frequência cardíaca foi registrada através de um cardiofrequencímetro da marca Garmin®. O ponto de deflexão da frequência cardíaca (FC<sub>def</sub>) e sua velocidade associada (V<sub>def</sub>) foi calculada através do método D<sub>max.. </sub>Para análise dos dados foi utilizado o software IBM SPSS Statistics 20. Para observação da concordância dos testes com e sem a utilização da máscara de proteção, foram gerados os gráficos de Bland, Altman. p&lt;0,05 foi considerado significativo. As diferenças dos testes para variáveis “FC<sub>def</sub>” e “V<sub>def</sub>” apresentaram um valor médio de -0,76 bpm e 0,10 Km/h respectivamente, indicando uma discordância praticamente nula. Já para as variáveis T<sub>teste</sub> e PSE as diferenças foram 20s e -0,41 respectivamente, indicando uma provável discordância dos testes. Os resultados demonstram que a utilização da máscara de proteção na prática do exercício físico parece não afetar os mecanismos fisiológicos, no entanto, ao influenciar diretamente os mecanismos de regulação da percepção subjetiva de esforço, pode antecipar prematuramente a duração de um esforço máximo ou submáximo.</p> 2021-10-22T00:00:00-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2270 Dança com uso de exergame na fadiga de pacientes oncológicas: um estudo piloto 2021-10-10T10:25:14-07:00 Luis Felipe Rodrigues luis.rodrigues32@etec.sp.gov.br Iago Dezena Tesche Martins idezena17@gmail.com Henrique Stelzer Nogueira prof.henrique.stelzer.nogueira@gmail.com Laura Ferreira de Rezende rezendelaura@hotmail.com Vanessa Fonseca Vilas Boas vanessa_vilasboas@yahoo.com.br Eunice Cristina da Silva Costa nicrisilva@uol.com.br <p>O câncer de mama é a neoplasia maligna feminina mais comum no Brasil, excetuando-se o câncer de pele não-melanoma e é muito comum que após o diagnóstico as mulheres sejam submetidas a tratamento cirúrgico e complementar, o que pode gerar sequelas físicas e emocionais. Diante disso, este estudo teve por objetivo investigar se o uso de exergame, na modalidade dança, influencia na fadiga muscular de mulheres no pós-operatório tardio de câncer de mama. Para isso, 19 mulheres com mais de um ano de pós-operatório realizaram 45 minutos de exergames com uso do console XBOX<sup>©</sup> 360 Kinect<sup>®</sup>, com o jogo Just Dance, duas vezes por semana, por quatro semanas. Foram utilizados os questionários FACT-B e a escala de fadiga de PIPER para avaliação da qualidade de vida e da fadiga muscular. Os resultados evidenciaram melhora significativa da dimensão Social/Familiar na qualidade de vida das mulheres. Não houve alteração nos demais domínios e nem na fadiga muscular. Nenhuma mulher desistiu ou faltou a algum encontrou. Pode-se observar que essa modalidade de exercício físico é promissora, garantindo adesão e aderência a realização dos exercícios físicos.</p> 2021-10-10T10:23:12-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2268 Efeitos da atividade física em hipertensos 2021-10-10T10:25:10-07:00 Gabriella Galera Monteiro gabi.g.monteiro@gmail.com Julia Silva Leal julialeal.12@outlook.com Eliana Corrêa dos Santos licorrea@uol.com.br Natasha de Oliveira Marcondi natasha.marcondi@hotmail.com <p>A hipertensão arterial sistêmica é uma condição clínica multifatorial caracterizada por altos e sustentados níveis de pressão arterial, podendo ser desenvolvida ou agravada pela hereditariedade ou maus hábitos de vida e alimentares.&nbsp; Esta pode ser tratada e/ou controlada via medicamentosa e não-medicamentosa (atividade física e alimentação). O objetivo do estudo foi avaliar os efeitos da prática regular de atividade física no controle da pressão arterial, frequência cardíaca, qualidade de vida e do sono, através de um estudo de caso com observação de 3 meses. No qual as variáveis foram avaliadas, isoladamente e posteriormente comparados, através de testes complementares, exames, questionários e protocolo de exercícios. O trabalho desenvolvido surtiu efeitos positivos, no qual o principal foco do estudo foi observar e atuar nos efeitos do exercício, predominantemente aeróbico, tanto agudo quanto crônico, sobre os índices de pressão arterial e frequência cardíaca. Os efeitos agudos relacionados a pressão arterial sistólica e diastólica foram reduções de 22,7% e 4,6%, respectivamente; já em relação a frequência cardíaca foi redução de 5,7%.&nbsp; Comparando com pesquisas a pressão arterial sistólica apresentou resposta contrária, explicada através da ação do Oxido Nítrico. Já os efeitos crônicos, em relação a pressão arterial sistólica e diastólica foram reduções de 21,6% e 18,3%, respectivamente; já em relação a frequência cardíaca foi redução de 4,9%. Portanto, conclui-se que hipertensos praticantes de atividade física regular podem apresentar adaptações fisiológicas no sistema cardiovascular.&nbsp; Dessa forma, os exercícios podem gerar restauração geral da saúde e do corpo, estando estes em constante evolução.</p> 2021-10-10T10:22:33-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2265 Programa de treinamento de corrida sobre a aptidão física de mulheres: Proposta de protocolo. 2021-10-10T10:25:08-07:00 Rui Gonçalves Marques Elias rgmelias@uenp.edu.br Ricardo Siqueira de Oliveira ricardo.profissional.edfisica@gmail.com Lucas Lopes Reis lucasuenp@outlook.com Gessika Castilho dos Santos gessika.castilho@gmail.com Anibal Pires do Amaral Neto neto_pmpr@yahoo.com.br Waynne Ferreira de Faria waynne.faria@uenp.edu.br Antonio Stabelini Neto asneto@uenp.edu.br Wilson Rinaldi lucasuenp@outlook.com <p>O exercício físico traz benefícios a aptidão física desde indivíduos sedentários até atletas profissionais. O objetivo do estudo verificar o efeito de um protocolo de 12 meses de treinamento de corrida sobre a aptidão física em mulheres. Participaram do programa 11 mulheres, com média de idade de 29 ±7,40 anos. O protocolo de treinamento ocorreu três vezes por semana com sessões de treino funcional, intervalado e contínuo. Foram realizadas 3 avaliações, no início (t0), após seis meses (t1) e após doze meses (t2), avaliando: pressão arterial, frequência cardíaca de repouso, peso, estatura, circunferência abdominal, força (60°/s) e potência no isocinético (300°/s), corrida 400m e 2400m. Para análise estatística foi utilizado anova para medidas repetidas seguido do post hoc de tukey, foi realizado teste d de Cohen para verificar a magnitude do efeito. Foi verificado nos primeiros seis meses uma diminuição da pressão arterial (p=0,014), frequência cardíaca (p=0,001) e circunferência abdominal (p=0,001), e ainda melhoras significativas no salto horizontal (p=0,001), corrida de 400m (p=0,001), corrida de 2400m (p=0,001), força flexora 60º e potência flexora 300º. Após os 12 meses de programa de exercício houve diminuição significativa no peso e IMC (p=0,001), e um aumento significativo na potência extensora 300º. A proposta de protocolo de treinamento de corrida promoveu efeitos significativos na aptidão física de mulheres nas variáveis de: força e potência muscular, capacidade cardiorrespiratória e melhoria da composição corporal.</p> 2021-10-10T10:08:58-07:00 Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício