RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex <p>ISSN 1981-9900 versão online</p> <p>&nbsp;</p> <p>A&nbsp;<strong>Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício (RBPFEX)</strong>&nbsp;é uma publicação do&nbsp;<strong>Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício (IBPEFEX)</strong>, é de periodicidade bimestral, com publicação de artigos científicos, fruto de pesquisas e estudos de cientistas, professores, estudantes e profissionais que lidam com a Prescrição do Exercício Físico com parâmetros na fisiologia do exercício, do esforço e humana no âmbito da saúde, do esporte, da educação, e do lazer.</p> <p>&nbsp;</p> <p>The&nbsp;<strong>Brazilian Journal of Exercise Physiology and Prescription (RBPFEX)</strong>&nbsp;is published by the&nbsp;<strong>Brazilian Institute for Research and Education in Exercise Physiology (IBPEFEX)</strong>&nbsp;is a bimonthly publication with scientific articles, result of research and studies of scientists, professors, students and professionals who deal with the Prescription of Physical Activity with parameters in exercise physiology, human effort and in health, sport, education, and leisure.</p> <p>&nbsp;</p> <p>La&nbsp;<strong>Revista Brasileña de Fisiología del Ejercicio y la Prescripción (RBPFEX)</strong>&nbsp;es publicada por el&nbsp;<strong>Instituto Brasileño para la Investigación y Educación en Fisiología del Ejercicio (IBPEFEX)</strong>, es una publicación bimensual con artículos científicos, el resultado de la investigación y los estudios de los científicos, los profesores estudiantes y profesionales que se ocupan de la prescripción de la actividad física con los parámetros de la fisiología del ejercicio, y el esfuerzo humano en la salud, el deporte, la educación y el ocio.</p> <p>&nbsp;</p> <p><a href="/index.php/rbpfex/about/submissions#onlineSubmissions"><strong>Clique aqui para submeter seu artigo</strong></a></p> <p>&nbsp;</p> <p>A&nbsp;<strong>RBPFEX</strong>&nbsp;é indexada nas seguintes&nbsp;<a href="/index.php/rbpfex/announcement/view/2">bases de dados</a>:</p> <div> <ul> <li class="show"><a href="http://infotrac.galegroup.com/itweb/aoneed">ACADEMIC ONEFILE</a>,&nbsp;<a href="http://journal-index.org/index.php/asi" target="_blank" rel="noopener">ASI</a>,&nbsp;<a href="http://www.base-search.net/" target="_blank" rel="noopener">BASE</a>,&nbsp;<a href="http://dialnet.unirioja.es" target="_blank" rel="noopener">DIALNET</a>,&nbsp;<a href="https://doaj.org" target="_blank" rel="noopener">DOAJ</a>,&nbsp;<a href="http://www.drji.org/" target="_blank" rel="noopener">DRJI</a>,&nbsp;<a href="http://ebscohost.com/" target="_blank" rel="noopener">EBSCO</a>,&nbsp;<a href="http://www.who.int/hinari/" target="_blank" rel="noopener">HINARI</a>,&nbsp;<a href="http://infotrac.galegroup.com/itweb/aoneed" target="_blank" rel="noopener">INFORME ACADÉMICO</a>,&nbsp;<a href="http://oaji.net/" target="_blank" rel="noopener">OAIJ</a>,&nbsp;<a href="https://www.redib.org/pt-pt" target="_blank" rel="noopener">REDIB</a>,&nbsp;<a href="http://www.sherpa.ac.uk/romeo/" target="_blank" rel="noopener">SHERPA RoMEO</a>,&nbsp;<a href="http://www.ebscohost.com/academic/sportdiscus-with-full-text" target="_blank" rel="noopener">SPORTDISCUS</a>,&nbsp;<a href="http://www.sumarios.org" target="_blank" rel="noopener">SUMÁRIOS.ORG</a>,&nbsp;<a href="https://www.worldcat.org/" target="_blank" rel="noopener">WORLDCAT</a></li> </ul> <div>&nbsp;</div> </div> <div>nas&nbsp;<a href="/index.php/rbpfex/announcement/view/7">bases indexadoras</a>:</div> <div>&nbsp;</div> <div> <ul> <li class="show"><a href="http://www.citefactor.org/" target="_blank" rel="noopener">CITEFACTOR</a>,&nbsp;<a href="http://ezb.uni-regensburg.de/" target="_blank" rel="noopener">CZ3</a>,&nbsp;<a href="http://diadorim.ibict.br" target="_blank" rel="noopener">DIADORIM</a>,&nbsp;<a href="http://www.freemedicaljournals.com/" target="_blank" rel="noopener">FMJ</a>,&nbsp;<a href="http://globalimpactfactor.com/" target="_blank" rel="noopener">GIF&nbsp;(Global Impact Factor)</a>,&nbsp;<a href="http://generalimpactfactor.com/" target="_blank" rel="noopener">GIF (General Impact Factor)</a>,&nbsp;<a href="http://scholar.google.com.br" target="_blank" rel="noopener">GOOGLE SCHOLAR</a>,&nbsp;<a href="http://impactfactorservice.com/" target="_blank" rel="noopener">IIFS</a>,&nbsp;<a href="http://www.journalindex.net/" target="_blank" rel="noopener">JOURNAL INDEX</a>,&nbsp;<a href="http://www.jourinfo.com/index.html" target="_blank" rel="noopener">JOURNAL INFORMATICS</a>,&nbsp;<a href="http://www.journals4free.com/" target="_blank" rel="noopener">J4F</a>,&nbsp;<a href="http://www.journaltocs.ac.uk" target="_blank" rel="noopener">JOURNALTOCS</a>,&nbsp;<a href="http://www.latindex.unam.mx" target="_blank" rel="noopener">LATINDEX</a>,&nbsp;<a href="https://portalnuclear.cnen.gov.br/livre/Inicial.asp" target="_blank" rel="noopener">LIVRE!</a>,&nbsp;<a href="http://miar.ub.edu/" target="_blank" rel="noopener">MIAR</a>,&nbsp;<a href="http://www.periodicos.capes.gov.br/" target="_blank" rel="noopener">PORTAL DE PERIÓDICOS CAPES</a>,&nbsp;<a href="http://seer.ibict.br/" target="_blank" rel="noopener">SEER</a>,&nbsp;<a href="http://sindexs.org/Default.aspx" target="_blank" rel="noopener">SIS</a>,&nbsp;<a href="http://www.sjifactor.inno-space.org/" target="_blank" rel="noopener">SJIF</a>,&nbsp;<a href="http://sjournals.net/" target="_blank" rel="noopener">SJOURNALS INDEX</a>,&nbsp;<a href="http://oasisbr.ibict.br" target="_blank" rel="noopener">OASISBR</a>,&nbsp;UIF,&nbsp;<a href="http://qualis.capes.gov.br/webqualis/" target="_blank" rel="noopener">QUALIS PERIÓDICOS</a></li> </ul> </div> <p>e nas <a href="/index.php/rbpfex/announcement/view/10">universidades/bibliotecas</a>:&nbsp;</p> <ul> <li class="show"><a href="https://neos.library.ualberta.ca/uhtbin/cgisirsi/x/0/0/57/5?user_id=WUAARCHIVE&amp;searchdata1=ocn895736967" target="_blank" rel="noopener">ALBERTA</a>&nbsp;(Canada),&nbsp;<a href="http://aleph-www.ub.fu-berlin.de/F/BJNPRR5F7A6N8XBPRLPE4M9UIN7LDKVAA4CN54TM5SB5QBD2SB-23297?func=find-e&amp;request=Revista+brasileira+de+prescri%C3%A7%C3%A3o+e+fisiologia+do+exerc%C3%ADcio&amp;find_scan_code=FIND_WRD&amp;adjacent=N" target="_blank" rel="noopener">BERLIN</a>&nbsp;(Alemanha),&nbsp;<a href="http://ul-newton.lib.cam.ac.uk/vwebv/search?searchCode1=ISSN&amp;searchType=2&amp;argType1=any&amp;searchArg1=1981-9900" target="_blank" rel="noopener">CAMBRIDGE</a>&nbsp;(Inglaterra),&nbsp;<a href="http://imp-primo.hosted.exlibrisgroup.com/primo_library/libweb/action/display.do?tabs=viewOnlineTab&amp;ct=display&amp;fn=search&amp;doc=44IMP_ALMA_DS5166474320001591&amp;indx=1&amp;recIds=44IMP_ALMA_DS5166474320001591&amp;recIdxs=0&amp;elementId=0&amp;renderMode=poppedOut&amp;displayMode=full&amp;frbrVersion=&amp;frbg=&amp;ac=O3%3D246%26O6%3D46%26O9%3D1%26&amp;&amp;dscnt=0&amp;scp.scps=scope%3A%2844IMP_DSP_DS%29%2Cscope%3A%2844IMP_ALMA_DS%29%2Cscope%3A%2844IMP%29%2Cprimo_central_multiple_fe&amp;mode=Basic&amp;vid=ICL_VU1&amp;srt=rank&amp;tab=all&amp;dum=true&amp;vl(freeText0)=revista%20brasileira%20de%20prescri%C3%A7%C3%A3o%20e%20fisiologia%20do%20exerc%C3%ADcio%2C%20instituto%20brasileiro%20de%20pesquisa%20e%20ensino%20em%20fisiologia%20do%20exerc%C3%ADcio&amp;dstmp=1473538144588" target="_blank" rel="noopener">IMPERIAL COLLEGE</a>&nbsp;(Inglaterra), <a href="https://opac.ub.tum.de/search?bvnr=BV043314202" target="_blank" rel="noopener">MUNIQUE</a> (Alemanha), <a href="https://searchworks.stanford.edu/?q=895736967" target="_blank" rel="noopener">STANFORD</a> (Estados Unidos), <a href="http://copac.jisc.ac.uk/" target="_blank" rel="noopener">COPAC</a>,&nbsp;<a href="https://ie.on.worldcat.org/oclc/895736967" target="_blank" rel="noopener">IE LIBRARY</a>, <a href="http://www.rebiun.org/" target="_blank" rel="noopener">REBIUN</a>,&nbsp;<a href="http://www.sudoc.abes.fr/" target="_blank" rel="noopener">SUDOC (L'ABES)</a>,&nbsp;<a href="http://www.worldcat.org/oclc/895736967" target="_blank" rel="noopener">WORLDCAT</a></li> </ul> <p>&nbsp;&nbsp;</p> <p><strong><a href="/index.php/rbpfex/announcement/view/9">FATOR DE IMPACTO DA RBPFEX</a></strong></p> pt-BR <p>Autores que publicam neste periódico concordam com os seguintes termos:</p> <ul> <li class="show">Autores mantém os direitos autorais e concedem ao periódico o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a&nbsp;<a href="https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/" target="_blank" rel="noopener">Creative Commons Attribution License BY-NC</a>&nbsp;que permitindo o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria do trabalho e publicação inicial neste periódico.</li> <li class="show">Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada neste periódico (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial neste periódico.</li> <li class="show">Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado&nbsp;(Veja&nbsp;<a href="http://opcit.eprints.org/oacitation-biblio.html" target="_new">O Efeito do Acesso Livre</a>).</li> </ul> francisco@ibpefex.com.br (Francisco Navarro) francisco@francisconunesnavarro.com.br (Francisco Nunes Navarro) dom, 10 out 2021 10:25:15 -0700 OJS 3.1.2.4 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 Dança com uso de exergame na fadiga de pacientes oncológicas: um estudo piloto http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2270 <p>O câncer de mama é a neoplasia maligna feminina mais comum no Brasil, excetuando-se o câncer de pele não-melanoma e é muito comum que após o diagnóstico as mulheres sejam submetidas a tratamento cirúrgico e complementar, o que pode gerar sequelas físicas e emocionais. Diante disso, este estudo teve por objetivo investigar se o uso de exergame, na modalidade dança, influencia na fadiga muscular de mulheres no pós-operatório tardio de câncer de mama. Para isso, 19 mulheres com mais de um ano de pós-operatório realizaram 45 minutos de exergames com uso do console XBOX<sup>©</sup> 360 Kinect<sup>®</sup>, com o jogo Just Dance, duas vezes por semana, por quatro semanas. Foram utilizados os questionários FACT-B e a escala de fadiga de PIPER para avaliação da qualidade de vida e da fadiga muscular. Os resultados evidenciaram melhora significativa da dimensão Social/Familiar na qualidade de vida das mulheres. Não houve alteração nos demais domínios e nem na fadiga muscular. Nenhuma mulher desistiu ou faltou a algum encontrou. Pode-se observar que essa modalidade de exercício físico é promissora, garantindo adesão e aderência a realização dos exercícios físicos.</p> Luis Felipe Rodrigues, Iago Dezena Tesche Martins, Henrique Stelzer Nogueira, Laura Ferreira de Rezende, Vanessa Fonseca Vilas Boas, Eunice Cristina da Silva Costa Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2270 dom, 10 out 2021 10:23:12 -0700 Efeitos da atividade física em hipertensos http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2268 <p>A hipertensão arterial sistêmica é uma condição clínica multifatorial caracterizada por altos e sustentados níveis de pressão arterial, podendo ser desenvolvida ou agravada pela hereditariedade ou maus hábitos de vida e alimentares.&nbsp; Esta pode ser tratada e/ou controlada via medicamentosa e não-medicamentosa (atividade física e alimentação). O objetivo do estudo foi avaliar os efeitos da prática regular de atividade física no controle da pressão arterial, frequência cardíaca, qualidade de vida e do sono, através de um estudo de caso com observação de 3 meses. No qual as variáveis foram avaliadas, isoladamente e posteriormente comparados, através de testes complementares, exames, questionários e protocolo de exercícios. O trabalho desenvolvido surtiu efeitos positivos, no qual o principal foco do estudo foi observar e atuar nos efeitos do exercício, predominantemente aeróbico, tanto agudo quanto crônico, sobre os índices de pressão arterial e frequência cardíaca. Os efeitos agudos relacionados a pressão arterial sistólica e diastólica foram reduções de 22,7% e 4,6%, respectivamente; já em relação a frequência cardíaca foi redução de 5,7%.&nbsp; Comparando com pesquisas a pressão arterial sistólica apresentou resposta contrária, explicada através da ação do Oxido Nítrico. Já os efeitos crônicos, em relação a pressão arterial sistólica e diastólica foram reduções de 21,6% e 18,3%, respectivamente; já em relação a frequência cardíaca foi redução de 4,9%. Portanto, conclui-se que hipertensos praticantes de atividade física regular podem apresentar adaptações fisiológicas no sistema cardiovascular.&nbsp; Dessa forma, os exercícios podem gerar restauração geral da saúde e do corpo, estando estes em constante evolução.</p> Gabriella Galera Monteiro, Julia Silva Leal, Eliana Corrêa dos Santos, Natasha de Oliveira Marcondi Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2268 dom, 10 out 2021 10:22:33 -0700 Programa de treinamento de corrida sobre a aptidão física de mulheres: Proposta de protocolo. http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2265 <p>O exercício físico traz benefícios a aptidão física desde indivíduos sedentários até atletas profissionais. O objetivo do estudo verificar o efeito de um protocolo de 12 meses de treinamento de corrida sobre a aptidão física em mulheres. Participaram do programa 11 mulheres, com média de idade de 29 ±7,40 anos. O protocolo de treinamento ocorreu três vezes por semana com sessões de treino funcional, intervalado e contínuo. Foram realizadas 3 avaliações, no início (t0), após seis meses (t1) e após doze meses (t2), avaliando: pressão arterial, frequência cardíaca de repouso, peso, estatura, circunferência abdominal, força (60°/s) e potência no isocinético (300°/s), corrida 400m e 2400m. Para análise estatística foi utilizado anova para medidas repetidas seguido do post hoc de tukey, foi realizado teste d de Cohen para verificar a magnitude do efeito. Foi verificado nos primeiros seis meses uma diminuição da pressão arterial (p=0,014), frequência cardíaca (p=0,001) e circunferência abdominal (p=0,001), e ainda melhoras significativas no salto horizontal (p=0,001), corrida de 400m (p=0,001), corrida de 2400m (p=0,001), força flexora 60º e potência flexora 300º. Após os 12 meses de programa de exercício houve diminuição significativa no peso e IMC (p=0,001), e um aumento significativo na potência extensora 300º. A proposta de protocolo de treinamento de corrida promoveu efeitos significativos na aptidão física de mulheres nas variáveis de: força e potência muscular, capacidade cardiorrespiratória e melhoria da composição corporal.</p> Rui Gonçalves Marques Elias, Ricardo Siqueira de Oliveira, Lucas Lopes Reis, Gessika Castilho dos Santos, Anibal Pires do Amaral Neto, Waynne Ferreira de Faria, Antonio Stabelini Neto, Wilson Rinaldi Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2265 dom, 10 out 2021 10:08:58 -0700 Comportamento alimentar de triatletas amadores de sprint triathlon http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2256 <p>Equilibrar a alimentação com as demandas energética é de suma importância para a manutenção da saúde e principalmente para a prática esportiva. Atletas de triathlon necessitam deste equilíbrio para que suas necessidades físicas sejam efetivas. Objetivo:&nbsp; Descrição das práticas alimentares em praticantes de triathlon, cujos hábitos alimentares foram comparados com o dispêndio energético. Levaram-se em conta os valores de gasto energético (GE) e consumo alimentar (CA). Materiais e Métodos: Participaram da pesquisa 6 atletas homens e 3 atletas mulheres, de sprint triathlon, experiência de 15 ±2 meses, e com treinos diários de 90 minutos por sessão. As análises das avaliações foram mensuradas pelo programa software SAPAF Adulto - Sistema de Avaliação e Prescrição da Atividade Física, versão 4.0. As entrevistas foram feitas conforme as recomendações da nutricionista colaboradora na pesquisa e de acordo com o software, sendo digitadas em folha sulfite para os atletas responderem. Os dados foram analisados com o teste t pareado, e com significância de p≤0,05. Resultados: Como comportamento padrão, houve um CA inferior ao GE em Kcal, e em praticamente todos os dias de coletas esse padrão se manteve, com apenas duas exceções, porém não foram encontradas diferenças estatisticamente significativas, quando analisadas entre os dias e entre sexos. Conclusão: É necessária a compreensão da satisfatória demanda nutricional da população e principalmente de atletas, elaborando um cuidadoso planejamento alimentar; ou seja, a há a necessidade de uma reeducação alimentar, influenciando assim o desempenho físico e a saúde da população em questão</p> Bruno Pignata, Luiz Vieira da Silva Neto, Maria Lígia de Azevedo Valim, Orival Andries Júnior Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2256 dom, 10 out 2021 10:07:23 -0700 EFEITOS DOS EXERCÍCIOS EDUCATIVOS NO DESEMPENHO DE ATLETAS AMADORES DE CORRIDA DE RUA: ESTUDO PILOTO http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2252 <p>Introdução: a corrida de rua ganha novos adeptos a cada dia no Brasil. As provas variam de 800 metros a 42, 195 metros. O desempenho atlético na corrida de rua é observado em indivíduos com maior economia de movimento, ou seja, eles conseguem sustentar um baixo consumo de oxigênio numa determinada taxa de trabalho. Essa economia assume maior relevância durante corridas com longas distância. Os educativos de corrida são estratégias utilizadas por treinadores com objetivo de aprimorar a técnica do movimento e simular as fases da corrida. Objetivo: investigar os efeitos dos educativos de corrida na performance de atletas amadores. Materiais e Métodos: a coleta de dados foi pré e pós o período de treinamento 12 sessões experimentais, sendo três sessões por semana com o volume médio de 20 km semanais. O treinamento foi constituído de 5 minutos um aquecimento orgânico composto por exercícios de alongamentos gerais dos principais grupamentos musculares e leves exercícios calistênicos. Logo após, o grupo exercício (GE) fez os exercícios de educativos para corrida. O grupo controle (GC) fez todos os procedimentos iguais ao GE, exceto os exercícios de educativo para corrida. Resultados: O GE apresentou melhora significativa em todas as variáveis, tendo aumento Vo2 máximo (diferença média= 13,6 mL/kg.min; <em>p=</em>0.001), VM (diferença média= 3 Km/h; <em>p=</em>0.001), Distância (diferença média= 0,6 Km/h; <em>p=</em>0.001) resultando assim uma redução do RM (diferença média= -1.3 min/Km; <em>p=</em>0.002<strong>, </strong>além disso obteve correlação direta e significativa nas variáveis de desempenho atlético. Conclusão: Os achados no presente estudo indicam a efetividade do protocolo de treinamento, visto que ocorreram melhoras estatisticamente significantes em todas as variáveis investigadas.</p> Wagner da Silva, Renan de Andrade Bastos, Cilene Teofilo do Nascimento da Rocha, Jeferson Silva da Rocha, RUBEM MACHADO FILHO, Raphael Almeida Silva Soares Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2252 dom, 10 out 2021 10:02:00 -0700 Efeito de oito semanas de período preparatório na potência muscular de jogadoras de voleibol http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2243 <p><strong>Introdução:</strong> A organização do treinamento é fundamental em qualquer modalidade, desde a formação até o alto desempenho. Entender as respostas que o organismo apresenta frente aos estímulos prescritos se torna imprescindível na medida em que possibilitam minimizar o estresse fisiológico com obtenção do alto rendimento. <strong>Objetivo:</strong> Verificar o efeito de oito semanas de treinamento na capacidade neuromuscular de jogadores de voleibol durante o período preparatório. <strong>Materiais e métodos:</strong> Participaram do estudo nove atletas de voleibol da categoria juvenil 17,2 ± 0,8 anos. Todos os conteúdos dos treinamentos realizados foram anotados por integrantes da comissão técnica. Os testes utilizados para avaliação da potência foram o salto vertical com a técnica de contramovimento (CMJ), com e sem o auxílio dos membros superiores e o arremesso de <em>medicine ball</em>, no início (M0) e final (M1) do período preparatório. Foram organizadas informações no plano descritivo e inferencial e os resultados foram analisados pelo teste t <em>Student</em>, buscando verificar possíveis alterações entre momentos avaliados (p&lt;0,05). <strong>Resultados:</strong> Os principais resultados apontam: predomínio do componente físico 70% durante todo o período de treino, sendo 30% deste conteúdo relacionados a exercícios gerais e específicos de saltos. Foi possível verificar que houve diferença do M0 para M1 apenas para o salto sem auxílio dos braços (p=0,04). <strong>Conclusão:</strong> Sendo assim, conclui-se que este modelo de organização é suficiente apenas para a melhora da potência de membros inferiores sem o auxílio dos braços em atletas de voleibol categoria juvenil.</p> Andressa Mella Pinheiro Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2243 dom, 10 out 2021 09:55:46 -0700 Respostas perceptuais e afetivas de três protocolos de treinamento intervalado de alta intensidade com exercícios com peso corporal em universitários http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2225 <p class="Normal tm5"><span class="tm6">O objetivo do presente estudo é avaliar a percepção subjetiva de esforço, bem como, a resposta afetiva durante a realização de um treinamento intervalado de alta intensidade, utilizando exercícios com peso corporal em homens ativos e insuficientemente ativos fisicamente, durante três sessões. Este é um estudo quase experimental, realizado em 3 encontros, com amostra composta por 11homens adultos universitários, </span><span class="tm6">com média de idade de 21,36</span><span class="tm6">±</span><span class="tm6">3,11 e IMC: 23,42</span><span class="tm6">±2,15, divididos em dois grupos: Grupo Inativos fisicamente, n=5 e Grupo Ativos Fisicamente, n= 6. Foram utilizados os questionários IPAQ, RISKO e Par-Q, para estratificação da amostra, e os instrumentos PSE-OMNI para avaliar as respostas perceptuais, Escala de Valência Afetiva para as respostas afetivas e a Escala de Humor de Brunel para mensuração do estado de humor em cada protocolo. Para análise estatística foram utilizados os testes Shapiro Wilk, Fisher-Bonferroni e Wilcoxon. O protocolo 2:1 apresentou valores mais altos de PSE para o GIF e menores escores de EVA, comparados ao do GAF. Entretanto nos protocolos 1:1 e 1:2 o GAF apresentou os maiores valores de PSE, entretanto a EVA se manteve mais alta comparada ao outro grupo. Pode-se concluir que sessões de </span><em><span class="tm7">HIIT </span></em><span class="tm6">causam alterações agudas em aspectos psicológicos como humor e sensação de prazer/desprazer. Indivíduos treinados respondem melhor à essas alterações.</span></p> Luís Fillipe de Oliveira Ribeiro, Gustavo Leite Camargos, Anselmo Gomes de Moura, Joel Alves Rodrigues Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2225 dom, 10 out 2021 09:55:09 -0700 CORRELAÇÃO ENTRE ÍNDICE ELÁSTICO E FLEXIBILIDADE DE ADULTOS JOVENS ATIVOS DE AMBOS OS SEXOS http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2224 <p>Introdução: O&nbsp;&nbsp; Ciclo&nbsp;&nbsp; Alongamento&nbsp;&nbsp; Encurtamento (CAE) é de suma importância para esportes com distintas características. Sabe-se que para um ótimo acúmulo e utilização de energia potencial elástica (EPE), faz-se necessário grandes amplitudes de movimento, as quais dependem da flexibilidade disponível em uma articulação ou grupo articular. Objetivo: Verificar a correlação entre flexibilidade e índice elástico (IE) de jovens adultos ativos de ambos os sexos. Materiais e métodos: Participaram do estudo 18 mulheres e 14 homens. A flexibilidade foi mensurada através do teste de sentar e alcançar no banco de Wells, posteriormente, foram realizados testes de saltos verticais <em>countermovement jump</em> (CMJ) e <em>squat jump</em> (SJ). A partir desses foi estimado o percentual de utilização do CAE. A normalidade foi verificada através do teste de Shapiro-wilk e a homogeneidade por Levene, as correlações através do teste de Pearson e a força de correlação estabelecida pelo critério de Malina, adotando uma significância de 5%. Resultados: não foram encontradas correlações significativas do IE com a flexibilidade (mulheres= -0,119; homens= 0,33). Conclusão: não há relação da flexibilidade posterior aferida no teste de sentar e alcançar com o CAE, para ambos os grupos. Além disso, a contribuição do CAE, de ambos os grupos, se encontra em níveis menores do que é considerado ótimo. Isso indica uma necessidade de um trabalho específico para o incremento da contribuição do CAE, tal como o treinamento pliométrico.</p> Igor Martins Barbosa, Uriel Tolfo Zanini, Aline Pacheco Posser, Thalía Petry, Samuel Klippel Prusch, , Luiz Fernando Cuozzo Lemos Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2224 dom, 10 out 2021 09:53:48 -0700 Análise eletromiográfica do exercício push-up com as escápulas estáticas em retração, protração e em movimento http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2214 <p>O <em>push-up</em> é um exercício resistido utilizado para testar e desenvolver a força e resistência muscular localizada dos membros superiores e embora existam muitas variações, pouco se sabe sobre a ativação muscular quando se colocam as escápulas em diferentes posições. Diante disso esse estudo teve por objetivo analisar a ativação muscular durante a execução do exercício <em>push-up</em>, quando realizado com as escápulas em retração, em protração e em movimento. Participaram 30 homens, praticantes de exercícios resistidos, que realizaram 12 repetições em três variações do exercício <em>push-up</em> (escápulas retraídas, protraídas e em movimento). Para análise da ativação dos músculos peitoral maior, deltoide anterior e serrátil anterior, utilizou-se um eletromiógrafo com taxa de aquisição de 2000 Hz e ganho de 200 Hz. Os dados foram normalizados pela contração isométrica voluntária máxima e, para análise dos resultados, foi realizado teste ANOVA de dois fatores para medidas repetidas, sob um intervalo de confiança de 95% (p ≤ 0,05). O peitoral maior teve maior atividade durante o <em>push-up</em> com as escápulas em movimento (p &lt; 0,001). Serrátil anterior mostrou valores mais baixos de ativação durante o <em>push-up</em> com as escápulas em retração, comparado as duas outras variações (p &lt; 0,001). O deltoide anterior teve valores de ativação superiores aos demais músculos nas três variações (p &lt; 0,001), e com as escápulas em movimento ativou mais do que em retração (p &lt; 0,001). A partir destes resultados, concluiu-se que movimentar as escápulas promove maior ativação muscular desses músculos analisados.</p> Jean Marlon Machado, Elinai dos Santos Freitas Schutz, Erasmo Paulo Miliorini Ouriques Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2214 dom, 10 out 2021 09:53:14 -0700 Efeitos de um Programa de Reabilitação Cardiovascular com Exercícios em Mulheres http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2213 <p><strong>Introdução</strong>: A incidência de doenças cardiovasculares em mulheres vêm aumentando possivelmente pelo envelhecimento populacional e mudanças comportamentais. Sabe-se do efeito protetor de um programa de reabilitação cardiovascular baseado em exercícios (PRCE), mas não é conhecido se esses efeitos são semelhantes ao se comparar os sexos. <strong>Objetivo: </strong>Avaliar os efeitos de um PRCE nos parâmetros hemodinâmicos e de aptidão física, comparando as diferenças entre os sexos. <strong>Métodos</strong>: Utilizou-se um banco de dados de um PRCE para se extrair informações utilizadas no estudo, antes e após o período de 3 meses (teste de caminhada de 6 min – TC6, força de preensão manual - FPM, pressão arterial sistólica, diastólica e média– PAS, PAD, PAM, frequência cardíaca - FC, duplo produto - DP, força muscular respiratória &nbsp;– FMR). Foi aplicado teste de normalidade, teste “t” de Student pareado e não pareado. Considerou-se significância de p &lt; 0,05. <strong>Resultados: </strong>Participaram 47 homens e 33 mulheres. No grupo de homens observou-se melhora significativa na PAS (4,8%), PAM (2,2%), DP (4,3%), FPM (9,4%), FMR (9,1%), e TC6 (27,5%), em relação ao período pré-treino. No grupo de mulheres as melhoras foram nas mesmas variáveis PAS (3,2%), PAM (2,2%), DP (6,2%), FPM (13,1%), FMR (22,2%) e TC6 (30,4%), e significativamente semelhantes em magnitude à s adaptações encontradas no sexo masculino. <strong>Conclusão</strong>: Mulheres se beneficiam de um PRCE de maneira semelhante aos homens, nas adaptações das variáveis hemodinâmicas e de aptidão física. Esses achados evidenciam o papel dos PRCEs no tratamento de doenças cardiovasculares para mulheres.</p> <p><strong>Palavras chave: </strong>Reabilitação cardiovascular. Terapia por exercício. Mulheres.</p> Waldir Zanotti Nascimento, Victor Hugo Gasparini Neto, Alberto Monteiro Neto, Renato Giestas Serpa, Morghana Ferreira Ambrosim Ambrosim, Luciana Carletti Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2213 dom, 10 out 2021 09:51:57 -0700 ANÁLISE COMPARATIVA DE ENCURTAMENTO DOS MÚSCULOS ISQUIOTIBIAIS EM PRATICANTES E NÃO PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2203 <p>O presente estudo tem como objetivo comparar os graus de encurtamento muscular dos isquiotibiais em praticantes e não praticantes de musculação. Trata-se de uma pesquisa de caráter descritiva e quantitativa realizada na academia escola do Centro Universitário Tabosa de Almeida (ASCES – UNITA). O estudo foi composto por uma amostra de trinta participantes do sexo masculino, escolhidos através de amostragem por conveniência. Os indivíduos foram distribuídos em dois grupos sendo 15 participantes do grupo Praticantes (n=15), e (n=15) Não Praticantes de Musculação. Os pesquisadores realizaram os testes de encurtamento muscular, “elevação da perna estendida”, mensuração do ângulo do encurtamento com o goniômetro e a medida real de comprimento para os membros inferiores. Observou-se que a prevalência de encurtamento dos músculos isquiostibiais nas amostras de praticantes de musculação foi de 63,3%, não se observou nenhuma diferença estatisticamente significativa em relação ao encurtamento muscular quando comparado o grupo praticante e não praticante de musculação (115,6 ± 7 vs 112 ± 8, p = 0,007). Conclui-se que indivíduos treinados em musculação tendem a ser mais encurtados quando comparados aos não praticantes.</p> Alison Silva, DEMÓSTENES DE BARROS MIRANDA NETO, JOÃO VITOR LOURENÇO DA SILVA SANTOS, DEMÓSTENES DE BARROS MIRANDA NETO, WILLIAM DAVID BARBOSA DA SILVA Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2203 dom, 10 out 2021 09:51:15 -0700 Correlação e comparação da tarefa cognitiva, composição corporal e aptidão física de acordo com o pico de velocidade de crescimento em crianças praticantes de futsal http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2202 <p>O objetivo desse estudo foi verificar a relação e comparar a tarefa cognitiva, composição corporal e aptidão física de crianças praticantes de futsal de acordo com o pico de velocidade de crescimento (PVC). A amostra foi composta por 39 praticantes de futsal do sexo masculino, sendo 18 da categoria sub-15 (idade=13,7 ±0,5 anos), 12 da categoria sub-13 (idade=12,0 ±0,6 anos) e nove da categoria sub-11 (idade=10,5 ±0,6 anos). Para determinação do PVC utilizou-se o modelo proposto por Mirwald e colaboradores, (2002), sendo: distante-PVC (-4 e -3 anos do PVC); Pré-PVC (-2 e -1 anos do PVC) e Pós-PVC (≥0 a 3 anos do PVC). A massa livre de gordura, massa gorda, força de preensão manual, flexibilidade, potência de membros inferiores, potência aeróbia, força e resistência abdominal, agilidade e velocidade foram avaliadas. A tarefa cognitiva foi avaliada por meio do teste de Stroop color. Houve relação moderada e significante entre idade de PVC com a tarefa cognitiva, composição corporal e aptidão física. Somente quando analisada a tarefa cognitiva de acordo com a idade de PVC, pode-se observar diferença no tempo para mencionar a cor entre Pós-PVC em relação a Distante-PVC e Pré-PVC. Houve diferença significante para força de preensão manual, agilidade e potência aeróbia somente quando analisado de acordo com a idade de PVC. Portanto, a idade de PVC se correlaciona com as variáveis de composição corporal, aptidão física e tarefa cognitiva, bem como, parece ser mais sensível para identificar maiores diferenças entre as categorias em relação à idade cronológica em crianças praticantes de futsal.</p> Antônio Valdeci Marreiro de Sousa Junior Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2202 dom, 10 out 2021 09:50:08 -0700 Prevalência de dor no ombro em atletas de natação http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2198 <p>Introdução: O alto volume de treino e movimentos em amplitudes extremas na natação geram um alto estresse sobre as estruturas articulares e musculoesqueléticas do atleta, sendo comum as queixas de dores articulares em atletas de natação. Objetivo: Identificar a prevalência de dor no ombro em nadadores federados do estado do Rio de Janeiro na categoria master. Materiais e métodos: 61 atletas masculinos da categoria master, com faixa etária de 51,26 ±15,99 anos, participaram deste estudo. Estes competidores de natação federados por clubes participaram da II Etapa do Circuito Estadual Master de Natação, promovido pela FARJ em 2019. A coleta de dados foi realizada a partir da aplicação do questionário McGill reduzido e da EVA (Escala Visual Analógica). Resultados: A prevalência de dor foi de 73,8%. Na dimensão sensorial, o descritor cólico obteve a menor média (0,08) e o descritor dolorida apresentou a maior (0,74). Na dimensão afetiva, o descritor amedrontado obteve a menor média (0,13), e o descritor cansativo/exaustiva a maior média (0,38). A média da EVA (1,94 ±2,13) sugere que os níveis de dor foram baixos. Conclusão: Embora a alta prevalência de dor identificada, os atletas participantes deste estudo apresentaram baixo nível de dor no ombro.</p> Ingrid da Costa Lima, Pedro Estevam Batista Filho, Moisés Augusto de Oliveira Borges, Bruno Lucas Pinheiro Lima, Vicente Pinheiro Lima Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2198 dom, 10 out 2021 09:49:27 -0700 Efeitos do treinamento concorrente em variáveis glicêmicas, lipêmicas e renais de um diabético tipo I http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2193 <p>As doenças crônicas não-transmissíveis (DCNTs) afetam grande parte da população mundial e, dentre elas destaca-se o Diabetes Mellitus tipo 1 (DM1) que é decorrente de elevados níveis glicêmicos, quando mal controlada, provoca complicações micro e macro vasculares. Para auxiliar no tratamento e controle da DM1, o exercício físico se torna um importante aliado. Desta forma, este estudo tem como objetivo analisar o efeito de 16 semanas de treinamento concorrente em variáveis fisiológicos de um portador de DM1. Trata-se de um estudo de caso clínico, do tipo quase experimental. Houve alterações significantes na hemoglobina glicada (HbA1c) baixando 1,3% do valor inicial, níveis de depuração de creatinina endógena (DCE) apontando uma preservação da proteína presente nos músculos e na composição corporal, houve aumento da massa magra e diminuição de massa adiposa, principalmente na região abdominal. Ao término do estudo, conclui-se que o treinamento concorrente proposto neste estudo, promoveu efeitos positivos em fatores lipêmicos e renais e, especialmente no controle da HbA1c, aumento de colesterol total - lipoproteína de alta densidade (CT-HDL) e diminuição de depuração de creatina endógena (DCE) e da composição corporal do participante com DM1, e efeitos positivos no controle da glicemia capilar ainda no 1º mesociclo.</p> André Campos de Lima, Camila Tomicki, Adriane Carla Vanni Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2193 dom, 10 out 2021 09:47:55 -0700 Validação de conteúdo de cenas para avaliação do conhecimento tático declarativo no voleibol de praia http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2187 <p>Introdução: No esporte a capacidade tática e a qualidade da tomada de decisão são requisitos para um bom desempenho. A criação de testes para verificar este comportamento no contexto específico de cada modalidade é necessário. Objetivo: Realizar a validade de conteúdo de cenas para avaliação do conhecimento tático declarativo no voleibol de praia. Materiais e métodos: Participaram do estudo três peritos especialistas com diferentes qualificações e experiência mínima de 10 anos na modalidade. Os peritos analisaram a concordância de 103 cenas de ataque e utilizaram escala likert de 5 pontos para avaliar as cenas através dos critérios de clareza de imagem, pertinência prática e representatividade do item. Utilizou-se o coeficiente de validade de conteúdo (CVC) para determinar o CVC para cada cena e o instrumento como um todo, adotando 0,80 como o ponto de corte. Resultados: Todos os critérios obtiveram valores superiores ao mínimo preestabelecido. Obtendo a clareza de imagem CVC=0,90 e os critérios de pertinência prática e representatividade do item CVC=091, demonstrando alta validade de conteúdo. Conclusão: Considerando a validade ecológica, expressa pela convergência entre a decisão dos peritos e ação realizada pelo atleta, bem como os cálculos de CVC utilizados, conclui-se o processo com 21 cenas de ataque validadas para avaliação do conhecimento tático declarativo no voleibol de praia, mostrando-se relevante para um processo pedagógico no esporte, maior aprofundamento sobre aspectos cognitivos da modalidade e para a melhora do nível de entendimento da tomada de decisão dos atletas.</p> Edilberto Fernandes Pereira Junio, Leopoldo Síndice da Silva, José Fellipe Soares Maranhão, Gilmário Ricarte Batista Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2187 dom, 10 out 2021 09:47:19 -0700 O Efeito de Exercícios Físicos sobre os Parâmetros Antropométricos, Pressão Arterial e Freqüência Cardíaca de Jovens e Adultos da Cidade da Matola - Moçambique http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2186 <p>Introdução: o sedentarismo é um fator de risco para doenças crônicas não transmissíveis, causando a morbimortalidade e aumento de peso na economia das nações. Objetivo: analisar o efeito dos exercícios físicos combinados sobre os parâmetros antropométricos e hemodinâmicos em jovens e adultos da Cidade da Matola. Materiais e métodos: 22 sujeitos dos 23 aos 60 anos de idade (8 femininos e 14 masculino) foram selecionados aleatoriamente, em 2017. A avaliação antropométrica consistiu no peso, estatura, IMC e perímetro da cintura. As variáveis hemodinâmicas foram avaliadas com um tensiómetro da marca Omron M3-HEM-7131-E. A amostra foi submetida a exercícios físicos combinados, durante três meses consecutivos. Com recurso ao SPSS, 20.0, a 95% de IC, foi aplicado o teste não-paramétrico de Wilcoxon para examinar o efeito dos exercícios físicos sobre as variáveis de interesse. Resultados: para globalidade da amostra, o Peso e o IMC aumentaram ao longo da intervenção, contudo sem diferenças estatísticas, por outro lado a Estatura, o PC, a PAS, a PAD e a FC diferiram estatisticamente: p=(0.019; 0.008; 0.048; 0.006; 0.000) respectivamente. Feita a análise em função do sexo, somente os indivíduos do sexo masculinos registaram diferenças estatisticamente significativas para o PC, PAD e FC: p=(0.023; 0.006; 0.000) respectivamente. A faixa etária dos indivíduos com idade &nbsp;36 anos revelou um efeito significativo da intervenção nas variáveis PC, PAD e FC: p=(0.022; 0.042; 0.001) respectivamente. Conclusões: globalmente foi notório o efeito da intervenção sobre as variáveis de interesse, sobremaneira na Pressão Arterial, Frequência Cardíaca e Perímetro de Cintura.</p> Jose Luis Sousa Manjate, Felix Salvador Chavane, Joaquim Serafim Ferreira, Leonardo Lucio Nhantumbo Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2186 dom, 10 out 2021 09:46:14 -0700 Associação de diferentes parâmetros antropométricos com a percepção da imagem corporal de estudantes do ensino médio http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2183 <p>Introdução e objetivo: A percepção da imagem corporal reflete em como as pessoas veem e percebem seu corpo. O objetivo é investigar as relações entre a percepção da imagem corporal com diferentes indicadores de estado nutricional em adolescentes. Materiais e Métodos: estudo transversal, de base populacional, realizado no município de Santa Maria-RS, Brasil, em 2009. Foram investigados 1176 adolescentes, com média de idade de 16,24(1,39) anos, matriculados no ensino médio. A percepção da imagem corporal foi identificada por meio da análise de silhuetas e associada com medidas de massa corporal, estatura, circunferência da cintura (CC), índice de massa corporal (IMC) e estado nutricional em modelos ajustados. Discussão: as prevalências de sobrepeso e obesidade confirmam dados apresentados pela literatura. Resultados: as prevalências de obesidade foram 6,1% e 4,6% para rapazes e moças, respectivamente. 35,4% dos rapazes estavam insatisfeitos pela magreza e 50,1% das moças estavam insatisfeitas pelo excesso de peso. O modelo de análise ajustado apresentou como principais variáveis preditoras da percepção da imagem corporal real (PICR) a CC (60% de explicação) nos rapazes e o IMC (53% de explicação) nas moças. Conclusão: altas prevalências de insatisfação com a imagem corporal foram identificadas. Rapazes estavam mais insatisfeitos pela magreza, em função do desejo de aumento da massa muscular e moças com o excesso de peso. A CC e o IMC foram as principais variáveis preditoras da PICR para rapazes e moças, respectivamente.&nbsp; Medidas de educação em saúde a respeito do conhecimento do corpo para adolescentes do ensino médio foram recomendadas.</p> Érico Pereira Gomes Felden, Rubian Diego Andrade, Diego Grasel Barbosa, Geraldo José Ferrari Junior, Raísa Carvalho da Silva, Luciane Sanchotene Etchepare Daronco Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2183 dom, 10 out 2021 09:45:10 -0700 Efeitos da periodização linear versus periodização ondulatória semanal sobre a potência de membros inferiores http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2180 <p>O Treinamento de força (TF) tornou-se uma das formas mais populares para melhorar a aptidão física de um indivíduo e para melhoria de condicionamento de atletas. Resistencia muscular localizada, hipertrofia, força e potência muscular são algumas das manifestações da força que podem ser aprimoradas com o TF. Este estudo teve como objetivo comparar os modelos de periodização linear (PL) e periodização ondulatória semanal (POS) sobre a potência de membros inferiores em adultos saudáveis de ambos os sexos durante um período de 24 semanas (96 sessões) de treinamento. O estudo foi um ensaio clínico randomizado não cego. A amostra contou com 13 sujeitos que foram divididos randomicamente em dois grupos: grupo PL (n=7) e grupo POS (n=6). Os participantes foram testados no período pré-treinamento e nas semanas 8, 16 e na semana 24 (pós-treinamento) nos testes de impulsão horizontal (IH) e sargent jump test (SJT). A análise de dados foi expressa em média e desvio padrão e o valor de alpha utilizado para todos os testes foi de p≤0,05. Os resultados mostraram que ambas as periodizações obtiveram aumentos significativos de potência de membros inferiores nos testes de IH e SJT, porém não houve diferença significativa entre os grupos. Contudo, o presente estudo mostra que um programa de treinamento de força realizado durante 24 semanas utilizando periodização linear ou periodização ondulatória semanal podem apresentar resultados satisfatórios para a melhoria da potência de membros inferiores.</p> Carlos Eduardo Galeno Benevides, Rodolfo Raiol, Cássio Zacarias Lopes de Lima, Sérgio Eduardo Nassar, Euzébio de Oliveira, Déborah de Araújo Farias Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2180 dom, 10 out 2021 09:44:23 -0700 Efeitos agudos de exercícios de Pilates em adultos sedentários http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2175 <p>A prática de Pilates se associa com aumento da capacidade física e estímulo do sistema nervoso parassimpático. Entretanto, não foram encontrados estudos que tenham relacionado respostas fisiológicas agudas do Pilates. Este estudo analisou a influência aguda de exercícios de Pilates sobre aptidão física e variabilidade da frequência cardíaca (VFC) em adultos. A casuística integrou 38 participantes, distribuídos em dois grupos segundo sexo: G1 (n=18 mulheres) e G2 (n=20 homens). Além da VFC, foram realizadas análises de potência, flexibilidade e resistência muscular localizada. Ambos os grupos revelaram aumento da flexibilidade e potência muscular após o Pilates. A sessão de exercícios reduziu inúmeras variáveis dos domínios do tempo e da frequência, e respostas geométricas no G2 comparado ao G1. Conclui-se que uma sessão de exercícios do método Pilates repercutiu em aumento agudo da aptidão física em ambos os grupos e reduziu a VFC em homens.</p> Heloisa Cardoso Ecard Ilkiu, Charles Taciro, Dayanne Sarah Lima-Borges, Paula Felippe Martinez, Luiz Carlos Marques Vanderlei, Jair José Gaspar-Jr, Cleberson Dias Lima, Silvio Assis de Oliveira-Junior Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2175 dom, 10 out 2021 09:42:11 -0700 A eficácia do exercício físico no idoso para a prevenção e tratamento de patologias como diabetes e hipertensão: uma revisão http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2134 <p>O exercício físico combate o sedentarismo e contribui de modo na manutenção da aptidão física no idoso. O envelhecimento natural envolve várias transformações biológicas específicas ao organismo de forma progressiva, como a diminuição da capacidade de adaptação da homeostase em condições de sobrecarga funcional do corpo e diminuição da aptidão física. Alterações fisiológicas nos idosos deixa-os mais propenso a muitas patologias crônicas não transmissíveis. Idosos praticantes de atividades físicas regulares têm melhor independência funcional e melhor qualidade de vida. Esse trabalho tem por objetivo analisar a eficácia da prática de exercícios físicos em idosos e sua influência em patologias associadas ao envelhecimento, como diabetes e hipertensão, através de revisão sistemática da literatura. Foi realizado uma revisão narrativa de estudos experimentais, com utilização das bases de dados eletrônicas Lilacs e Scielo, publicados entre 2003 e 2014, utilizando os descritores idosos, atividade física, exercício físico, diabetes e hipertensão. Dos artigos encontrados, 11 foram utilizados nessa revisão, sendo 5 sobre a diabetes e 6 sobre a hipertensão. Nos trabalhos sobre diabetes, em 3 deles observou-se redução da glicemia, e nos 2 restantes os idosos diabéticos que praticam exercício físico declararam uma melhor percepção da qualidade de vida. Quanto a hipertensão, em todos os artigos houve diminuição da pressão arterial em idosos hipertensos pós-exercício físico. Pode-se concluir que o exercício físico é fator importante na qualidade de vida do idoso, tanto na prevenção quanto no tratamento da diabetes e hipertensão.</p> Ismael Ziero, Renata Gomes Navarro Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2134 dom, 10 out 2021 09:31:13 -0700 Comparação da aptidão física de dois grupos de escolares de uma escola pública da cidade de Magé-RJ após 12 semanas de treinamento http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2172 <p>Introdução: a aptidão física possui elementos relacionados à saúde e ao desempenho motor. A identificação de efeitos específicos da prática de esportes nas escolas é importante para assegurar uma apropriada prescrição para crianças e adolescentes. Objetivo: o presente estudo teve como objetivo analisar e comparar a antropometria e as capacidades neuromusculares de dois grupos de escolares de uma escola pública situada na cidade de Magé-RJ. Materiais e Métodos: a amostra foi constituída de 36 escolares. Para os resultados dos testes de aptidão física utilizou-se o teste de Wilcoxon para análise intragrupo e o teste de Mann Whitney para análise intergrupos. Adotou-se um nível de significância de 5%. Os dados foram processados no SPSS 13.0. Resultados: apenas a variável força de membros inferiores não apresentou diferença estatisticamente significante na comparação intragrupos nos dois grupos estudados, entretanto o grupo que fez apenas aula convencional de Educação Física apresentou diferença estatisticamente significante. Conclusão: pode-se concluir que os resultados apresentados pelas crianças, de modo geral, foram satisfatórios para manutenção da saúde.</p> Rubem Machado Filho Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2172 dom, 10 out 2021 09:30:27 -0700 Efeitos da estabilização central em atletas de Rugby feminino http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2171 <p>O rugby é caracterizado pelo contato físico intenso, exigindo força e estabilidade central. Déficits na estabilidade central resultam em técnicas ineficientes, deixando o atleta suscetível a lesões. O objetivo do presente estudo foi analisar os efeitos de um programa de estabilização central sobre a flexibilidade, estabilidade do CORE e equilíbrio em atletas de rugby feminino. Participaram do estudo 10 atletas, submetidas a um programa de exercícios de 10 sessões. Como instrumentos de avaliação foram utilizados: Eight Hop Test (EHT) e Side Hop Test (SHT) para o equilíbrio; abaixamento da perna estendida para a estabilidade do CORE e o teste de sentar e alcançar no banco de Wells para a flexibilidade. Foram realizadas três avaliações: a primeira um dia antes do início do protocolo de exercícios, a segunda no dia seguinte a última sessão do programa e a terceira no oitavo dia após o término da intervenção. As atletas apresentaram melhora no EHT após a intervenção (p&lt;0,01), e apesar dos resultados terem piorado passados oito dias (p&lt;0,01), permaneceram melhores que os valores iniciais (p=0,02). No SHT houve melhorara após a intervenção (p=0,02), não se mantendo após 8 dias, retornando próximo aos valores iniciais (p=0,34). Houve melhora na estabilidade do CORE (p&lt;0,01), sendo esta progressiva inclusive após oito dias da intervenção (p&lt;0,01). A flexibilidade aumentou ao final do programa (p&lt;0,01), com manutenção dos resultados após oito dias do término da intervenção (p=0,19).&nbsp; O programa de estabilização central foi eficaz para melhorar flexibilidade, estabilidade de CORE e equilíbrio em atletas de rugby feminino.</p> Camila Fernandes Ferro, Guilherme Grivicich da Silva, Rousseau Silva da Veiga, Camila Borges Müller, Gustavo Dias Ferreira, Eraldo dos Santos Pinheiro Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2171 dom, 10 out 2021 09:29:51 -0700 Recursos terapêuticos na recuperação da função muscular pós-treino de alta intensidade http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2156 <p>Introdução: Após sessões de treinamento de alta intensidade os diferentes grupos musculares apresentam algumas características, como dimuição do poder contrátil, rigidez e dor, aspectos estes que prejudicam o desempenho e desenvolvimento do esportista. Objetivo: Analisar o processo de recuperação muscular após o treino de alta intensidade. Materiais e Métodos: Estudo de caso, com atleta fisiculturista, sexo masculino, 21 anos de idade, praticante de treino de alta intensidade diariamente. Procedeu-se a análise do processo de recuperação da musculatura do bíceps braquial em duas etapas por quatro semanas. A etapa 1 avaliou capacidade de gerar força, concentração de lactato sanguíneo e mensuração dos sintomas dolorosos. Já a etapa 2, com a aplicação dos métodos de recuperação: terapia manual, recuperação ativa e TENS. Estudo submetido e aprovado ao Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da Universidade Paulista-UNIP e aprovado sob o parecer nº 2.213.280. Resultados: Observou-se mínima alteração na concentração de lactato, com a etapa 1 (1,35±0,15) com valor mais elevado que a etapa 2 (1,2±0,1). A capacidade de geração de força da etapa 2 (50,5±1,5) apresentou melhor resultado quando comparado a etapa 1 (33±1,0). Na mensuração de sintomas dolorosos, ao comparar as médias das dores tardia até 12 horas (6,5±0,5; 1,5±0,5) e até 36 horas (10±0; 2,5±0,5), evidenciou-se redução na etapa 2 em relação a etapa 1. Conclusão: No presente estudo, a aplicação de diferentes modalidades de recuperação destinadas a acelerar o processo torna-se amplamente viável.</p> Francisco das Chagas Chaves Silva, Paulo Roberto Milanez Oliveira Junior, Hugo Vitor Menezes Cruz, José Henrique Sampaio Neto, David Reis Moura Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2156 dom, 10 out 2021 09:28:25 -0700 Estudo comparativo dos transtornos de ansiedade e fatores associados em acadêmicas do curso de educação física e demais áreas da saúde http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2143 <p>Introdução: As mulheres tendem um maior risco em comparação aos homens de desenvolverem algum tipo de transtorno de ansiedade em alguma etapa da sua vida. Objetivo: O objetivo do estudo foi de comparar os transtornos de ansiedade em acadêmicas do curso de Educação Física e demais áreas da Saúde. Materiais e Métodos: A amostra foi composta por 200 acadêmicas do sexo feminino sendo 100 do curso de Educação Física e 100 das demais áreas da saúde. O instrumento utilizado foi o Manual do Inventário de Estado-Traço de Ansiedade (STAI). Foi utilizado os softwares gratuitos PSPP e o R versão 3.6.1 e teste estatístico do Qui-quadrado para verificar se houve associação do nível de ansiedade entre áreas. Resultados: De modo geral na (A-E) 5% das acadêmicas estão com A-E baixa, 80% Média, 15% Alta, enquanto, na A-T estão 12,5% baixa, 81% Média e 6,5% alta. Logo, tanto na (A-E) quanto na (A-T) elas manifestaram grau de ansiedade medianos. As do curso de Educação Física tanto na (A-E) quanto na (A-T) resultou em medianamente ansiosas, porém estão mais ansiosas no Estado. Já das demais áreas da saúde tanto na (A-E) quanto na (A-T) resultou em medianamente ansiosas, porém estão mais ansiosas no Traço. Conclusão: Os achados sugerem que no contexto geral as acadêmicas do curso de Educação Física como também das demais áreas da saúde revelaram que ambas os níveis de ansiedade se deram em moderados, negando a hipótese de que o nível de ansiedade estaria associado à área de estudo.</p> Ismael dos Santos Silva, Israel Rodrigues de Almeida , Leyla Regis Meneses de Sousa Carvalho Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2143 dom, 10 out 2021 09:28:17 -0700 Análise da agilidade e força em atletas de futebol sete society http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2141 <p>O presente estudo teve como objetivo principal averiguar a importância do treinamento de força para aumento de impulsão e agilidade de membros inferiores em atletas de futebol sete Society. A amostra foi composta por 11 membros, praticantes da modalidade de Futebol Sete Society entre 18 a 35 anos. Os protocolos utilizados foram dados através dos testes de 1RM segundo Uchida e colaboradores, (2004), impulsão vertical de Guedes (2006) e teste do quadrado proposto por Proesp (2019). O comparativo das amostras se deu pelo&nbsp;Teste t&nbsp;de&nbsp;Student, bem como a correlação de Pearson, adotando nível de significância p&lt;0,05. Os principais resultados apresentaram uma melhora significativa em ambas as valências (força, explosão e agilidade) quando analisadas em médias gerais, a agilidade obteve um destaque, pois foi a valência que todos os atletas obtiveram melhoras após as oito semanas de treinamento. De uma maneira geral, podemos afirmar que um programa de treinamento de força pode agregar no ganho de potência e agilidade, entretanto as correlações encontradas nesse estudo mostraram relação parcial, e não totalmente direta, entre essas valências.</p> Bruno Coelho de Souza dos Santos, Luis Fernando da Rosa, Vitor Flenik Guimarães Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2141 dom, 10 out 2021 09:27:24 -0700 Características das capacidades físicas de praticantes da modalidade treinamento funcional http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2139 <p>Introdução: O Treinamento Funcional (TF) aprimora as aptidões musculoesqueléticas, proporcionando melhoria tanto em atividades diárias como atividades esportivas específicas. Objetivo: Analisar as características motoras de praticantes da modalidade de treinamento funcional em um estúdio de TF de Teresina-PI. Materiais e Métodos: Foi aplicado um questionário e alguns testes motores em 19 alunos praticantes de TF. Utilizou-se o programa estatístico STATA 12.0 por meio de médias e percentuais, teste t de Student para amostras independentes e correlação de Pearson com nível de significância de 5%. Resultados e Discussão: A maioria era do sexo feminino (52,6 %) com média de idade 33,5 anos (±7,7). Força explosiva de membros superiores (FEMS) e inferiores (FEMI), flexibilidade (FLEX) e Resistência central muscular localizada (RCML) foram avaliadas pelos testes arremesso de medicine ball, salto horizontal, banco de Wells e resistência da musculatura flexora do tronco (RFT) e obtendo-se classificações. Quando comparado entre sexos, o público masculino obteve melhores médias, com estatística significativa para os testes arremesso de medicine ball (p=0,0001) e salto horizontal (p=0,007). Na correlação Idade e teste de arremesso obteve-se resultado significativo (p=0,01) que quanto maior a idade dos avaliados melhor foi o desempenho. Conclusão: O presente estudo possibilitou maior compreensão das características dos praticantes de TF do estúdio avaliado possibilitando um treinamento mais direcionado e promovendo, assim, maiores benefícios.</p> Luiza Cerqueira Couto, Thaís Alves de Paiva Ferreira, Mara Jordana Magalhães Costa Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2139 dom, 10 out 2021 09:27:18 -0700 Motivos de adesão e desistência ao treinamento funcional de alta intensidade http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2131 <p>O presente estudo tem como objetivo descrever os diferentes motivos relacionados à participação e desistência dos indivíduos ao método de treinamento intervalado de alta intensidade. Esta pesquisa é de caráter exploratório-descritiva e utilizou-se da abordagem qualitativa através da análise de conteúdo utilizando a temática categorial mediada pelo pacote de análise de dados qualitativos, assistidos por computador, através do Software for Qualitative Data Analysis. As entrevistas foram realizadas com 30 indivíduos, praticantes e desistentes do método de treino, a maior parte da amostra foi composta de mulheres (64%) e a média de idade foi de 34 anos. A análise de conteúdo gerou três categorias: motivos da aderência/desistência, barreiras e ambiente gerado pelo método. Pelos achados na literatura e a interpretação obtida desse estudo concluímos que os treinos que usam o método treinamento funcional de alta intensidade demonstrou ser atrativo por influência de familiares, amigos e das redes sociais. A dinamicidade dos treinos, o bem-estar físico e mental e o ambiente são fatores atrelados aos benefícios e satisfação referidos pelos praticantes dessa modalidade de exercício. O risco de lesão, o tratamento de doenças pregressas e as limitações físicas foram os fatores considerados como barreira para a continuidade no esporte.</p> Alinne Alves Oliveira, Silvania Moraes Costa, Uanderson Silva Pirôpo, Vanda Palmarella Rodrigues, Alba Benemerita Alves Vilela, Rafael Pereira de Paula Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2131 dom, 10 out 2021 09:27:12 -0700 Avaliação da aptidão neuromuscular em praticantes de crossfit http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2129 <p>O Crossfit é uma modalidade de treinamento físico que tem ganhado popularidade por seu caráter inovador e desafiador, todavia suas respostas morfofuncionais ainda são empíricas. Com isso, este estudo teve por objetivo avaliar a composição corporal e a aptidão neuromuscular de praticantes de Crossfit. A amostra foi composta por 22 alunos com idade média de 28,28 (±7,55) anos, avaliados bimestralmente durante seis meses. A avaliação das variáveis da composição corporal foi realizada através do cálculo do índice de massa corporal, da razão cintura quadril, circunferência da cintura e da análise da composição corporal por dobras cutâneas. A avaliação da aptidão neuromuscular caracterizou-se pela análise de desempenho da força muscular através do teste de uma repetição máxima (1-RM); da resistência muscular, através dos testes de resistência abdominal e flexão de braços em um minuto e flexibilidade angular específica por goniometria. Os resultados apontaram que não houve alterações estatisticamente significativas na composição corporal da amostra em nenhum dos parâmetros avaliados bem como nos parâmetros de aptidão neuromuscular (força, resistência muscular e flexibilidade). Todavia, em uma análise dos seus valores absolutos mostrou uma tendência ao ganho de força muscular e flexibilidade de ombro. Desta forma, a prática do Crossfit não promoveu alterações significativas na composição corporal e na aptidão neuromuscular da amostra investigada.</p> Ana Keroly Rocha Freitas, Nilson Vieira Pinto Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2129 dom, 10 out 2021 09:27:07 -0700 Treinamento aeróbio intervalado para pessoas com HIV/AIDS e doenças cardiovasculares e metabólicas http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2126 <p>Introdução e objetivo: As doenças cardiovasculares e metabólicas associadas à infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV) e à síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS) são acometimentos com prognóstico bastante negativo para os pacientes. Ações conjuntas devem ser disponibilizadas visando redução de agravos e mortalidade. Neste cenário o exercício físico é parte importante do tratamento, porém, parece não haver experimento que analisem pessoas vivendo com HIV/AIDS (PVHA) e doenças cardiovasculares e metabólicas submetidas a protocolos de exercício aeróbio intervalado. Portanto, o objetivo do presente experimento foi verificar o efeito deste tipo de treinamento em linfócitos TCD4+ e capacidade cardiorrespiratória, de usuários do Sistema único de Saúde, atendidas em um hospital universitário do Sul do Rio Grande do Sul. Materiais e métodos: O treinamento aeróbio intervalado, realizado em esteira ergométrica três vezes por semana, foi prescrito com base no resultado do teste de esforço, utilizando percentuais de 40% e 60% do consumo de oxigênio pico (VO<sub>2</sub>pico) para a determinação das intensidades dos treinamentos. O nível de significância aceito foi p&lt;0,05. Resultados: A amostra foi composta por seis sujeitos, com idade média de 55,33 ± 9,0 anos. Os principais achados da análise pré e pós-intervenção mostraram que o programa de treinamento foi suficiente para acréscimos significativos em linfócitos TCD4+, coeficiente metabólico (MET), VO<sub>2</sub>pico e número de repetições no teste de sentar e levantar. Conclusão: Os achados deste estudo sugerem que o exercício intervalado pode promover melhora do sistema imune e aptidão física que pode atenuar os prejuízos relacionados com as doenças envolvidas.</p> Daiana Carvalho Borges, Juliana Quadro Santos Rocha, Wagner Pinto de Pinto, Heruza Einsfeld Zogbi, Fernanda de Souza Teixeira, Thaís Farias Collares, Leandro Quadro Corrêa Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2126 dom, 10 out 2021 09:17:51 -0700 Crossfit® x musculação: avaliação da funcionalidade em adultos acima de 40 anos http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2117 <p>A prática de exercícios físicos é considerada indispensável para melhorar a saúde e a qualidade de vida, tendo grande importância para a funcionalidade do corpo em tarefas diárias e para a prevenção de doenças metabólicas e osteomusculares. O objetivo do presente estudo foi analisar os níveis de aptidão física de adultos, acima dos 40 anos, e suas correlações com o treinamento de CrossFit® ou de musculação tradicional. Participaram do estudo 30 voluntários, sendo 15 praticantes de CrossFit® e 15 de musculação. Utilizou-se uma bateria de testes de Fullerton, do protocolo de Rikli e Jones. Os testes consistem em: Levantar e sentar; flexão de cotovelo; sentar e alcançar; IMC; sentar, caminhar e sentar novamente; alcançar atrás das costas; caminhar durante 6 minutos. No teste de mobilidade, foi constatado que 23(76,7%), dos 30 participantes, demonstraram um nível adequado. Na avaliação de flexibilidade, 28(93,3%) apresentaram resultados satisfatórios. Também foi observada uma relação positiva entre o teste de caminhada e o teste de sentar e levantar. Não houve diferença considerável entre os praticantes das modalidades em questão. Com a presente pesquisa, conclui-se que tanto o CrossFit® quanto a musculação proporcionam resultados positivos em relação à capacidade física dos praticantes com idade mais avançada. Dessa forma, ambas as atividades podem ser consideradas válidas para melhoria da funcionalidade do corpo na vida diária desse público, contribuindo, também, para a manutenção da saúde.</p> Antônia Beatriz de Sousa Gomes, Thiago Medeiros da Costa Daniele, Diane Nocrato Esmeraldo Rebouças, Caio Vieira Nunes, Rosane Andrade de Almeida Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2117 dom, 10 out 2021 09:17:44 -0700 Associação entre o equilíbrio dinâmico, idade e massa corporal em crianças http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2107 <p>Objetivo: O objetivo do estudo foi analisar a associação entre equilíbrio dinâmico e idade e massa corporal em crianças. Materiais e Métodos: Nesta pesquisa primária, quantitativa e de corte transversal, participaram 40 crianças de ambos os gêneros, sendo 20 do gênero masculino e 20 do gênero feminino. Para análise da massa corporal, utilizou-se uma balança antropométrica mecânica da marca Filizola®, com capacidade para 150 kg. Para análise do equilíbrio foi utilizado o teste de equilíbrio dinâmico de Johnson e Nelson. Resultados: Os resultados demonstram que o equilíbrio dinâmico apresenta correlação com idade (r=0,336; p=0,034*), porém não apresenta relação com massa corporal (r=-0,019; p=0,455). Conclusão: Por fim, conclui-se que há uma associação do equilíbrio dinâmico com a idade. As sugestões para estudos futuros são associações de outras habilidades físicas com a idade e massas corporal.</p> Alexandre de Souza e Silva, Gabrielle Ribeiro da Silva, Leonardo Rodrigues de Sá, Lucas Vicente Marcelo, Priscilla Silva Garcia, Wallas Gutierrez Rodrigues, Wedson Coura Pinto, Ricardo de Melo Dias, Jasiele Aparecida de Oliveira Silva, José Jonas de Oliveira Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2107 dom, 10 out 2021 09:17:36 -0700 Influência de diferentes volumes do método de alongamento facilitação neuromuscular proprioceptiva de antagonistas no desempenho de repetições máximas dos agonistas http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2100 <p>Introdução: Estudos prévios evidenciam que o alongamento promove efeitos deletérios no desempenho da força, potência e performance atlética. Entretanto, os potenciais efeitos do alongamento de antagonistas no desempenho de repetições máximas dos agonistas, permanecem não esclarecidos. Objetivo: Verificar o efeito agudo do método de alongamento FNP de Isquiotibiais, com diferentes volumes e números de séries, no desempenho de repetições máximas no exercício cadeira extensora. Materiais e Métodos: 13 homens (33 ± 4,51 anos) treinados participaram de forma voluntária do estudo. Inicialmente, foi realizado o teste e reteste de dez repetições máximas, medidas antropométricas e protocolo de familiarização. Em seguida, foram aplicados três protocolos experimentais: (a) Protocolo controle (PCON) – sem alongamento prévio; (b) Protocolo FNP com volume reduzido (PFNP1) – Método FNP aplicado nos antagonistas; (c) Protocolo FNP com volume ampliado (PFNP2) – Método FNP aplicado nos antagonistas. Em todos os protocolos, foi realizada uma série do exercício cadeira extensora até a falha concêntrica, com cargas para dez repetições máximas. Resultados: O número de repetições máximas não teve diferenças significativas entre os protocolos quer seja o controle, quer seja os experimentais. Conclusão: A utilização do método de alongamento FNP, independente do volume, nos músculos antagonistas não teve efeitos significativos no desempenho de repetições máximas no exercício cadeira extensora, se comparado ao protocolo sem alongamento.</p> Fabio Henrique de Freitas, Carlos Alberto Carelli Junior, Renato de Moraes Santos Fernandes, Victor Corrêa Neto, Humberto Lameira Miranda Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2100 dom, 10 out 2021 09:17:27 -0700 Aptidão física relacionada à saúde de escolares do ensino fundamental da rede privada de Jacareí-SP http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2098 <p>Introdução: A aptidão física relacionada á saúde de escolares é extremamente importante na prevenção de doenças crônicas futuras. Objetivo: avaliar a aptidão física relacionada à saúde de escolares do ensino fundamental da rede privada de ensino da cidade de Jacareí-SP. Materiais e Métodos: Participaram desse estudo 69 crianças de 11 a 13 anos de idade, de ambos os sexos, matriculados na sexta, sétima e oitava série do ensino fundamental II. A aptidão física relacionada à saúde foi avaliada pelos testes de: índice de massa corpórea (IMC), sentar e alcançar (SA), resistência muscular abdominal (RMA) e de corrida/caminhada de 6 minutos (CC6M). Resultados: na avaliação do IMC a maioria dos alunos de todas as séries estava dentro da zona de risco a saúde (ZRS). No TSA, todos estavam na zona saudável (ZS). No RMA notou-se que todos os meninos da 6ª e 7ª série se encontram na ZRS. Na CC6M, todos os meninos e meninas da 6ª, todos os meninos da 7ª série e todas as meninas da 8ª série estavam na ZRS. Conclusão: os escolares em sua maioria encontram-se na zona de risco à saúde, o que pode vir a propiciar problemas de saúde no futuro.</p> Laís Aguiar Pereira, Marcos Antonio do Nascimento Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2098 dom, 10 out 2021 09:17:12 -0700 A influência da música no desempenho dos praticantes de musculação http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2097 <p>Considerando que muito se têm falado sobre a influência que a música pode ter no rendimento dos praticantes de musculação, uma vez que ela tem ação motivacional na prática dessa atividade física. Este estudo tem como objetivo analisar a percepção de praticantes de musculação sobre a influência da música no desempenho durante o treino. Trata-se de uma pesquisa de campo, do tipo exploratória e de abordagem quantitativa, participaram do estudo 100 praticantes de musculação de ambos os sexos, com idade entre 18 e 30 anos, das academias da cidade de Patos-PB. Como instrumento utilizou-se um questionário semiestruturado com 10 questões objetivas. A análise dos dados foi feita no programa Statistical Package for the Social Science - SPSS, versão 25. Desta forma, observa-se que os resultados apontaram melhoramento no rendimento dos praticantes, a maioria deles escuta música durante o dia bem como na musculação. Os estilos preferidos foram forró, sertanejo e eletrônico. O estilo mais escutado durante a prática da musculação foi o eletrônico, constatou-se também que as músicas das academias têm atendido as expectativas dos praticantes, e o maior motivo de ouvir música durante o treino foi a motivação. O que permite concluir que a música tem papel importante, pois influencia diretamente no desempenho e na motivação dos praticantes de musculação, tornando a prática mais agradável, destacando a importância de que a mesma deve corresponder à s expectativas dos ouvintes.</p> Alana Simões Bezerra, Raphael Antunes Sarmento Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2097 dom, 10 out 2021 09:16:41 -0700 Utilização de diferentes adipômetros e a experiência dos avaliadores não implicam em erros de estimativas da composição corporal http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2095 <p>Com o avanço das pesquisas na área da avaliação física, em especial estudos envolvendo avaliação da composição corporal, nota-se o crescente debate sobre a precisão de avaliadores e de instrumentos para a mensuração da espessura de dobras cutâneas, fatores que impactam diretamente na estimativa da gordura corporal e consequentemente na conduta profissional, pois permite identificar a condição inicial do avaliado, bem como, as alterações decorrentes da intervenção. Assim, o objetivo do estudo foi comparar as medidas obtidas por três diferentes adipômetros científicos e dois avaliadores com diferentes níveis de experiência. Participaram do estudo 22 sujeitos do gênero masculino (20 ±1,1 anos), massa corporal (79 ±22,5 kg) e estatura (1,79 ±0,07 m). As espessuras de sete dobras cutâneas (tricipital, peitoral, subescapular, axilar média, supra ilíaca, abdominal e coxa) foram mensuradas em triplicada usando compassos Harpenden<sup>® </sup>(inglês), Sanny<sup>®</sup> (brasileiro) e Cescorf<sup>®</sup> (brasileiro) com precisão de 0,1mm. Não foram encontradas diferenças significantes na comparação entre os compassos F(5,337)=0,378; p=0,875, bem como entre os avaliadores F(3,337)=0,376; p=0,748, nem considerando o efeito principal (dobrasxavaliadoresxcompassos)F(5,337)=0,415; p=0,850. Concluímos que a utilização de diferentes adipômetros e a experiência dos avaliadores não implicam em erros de estimativas das dobras cutâneas.</p> Sérgio Greikson Costa, Mario Antônio de Moura Simim, Luis Fabiano Barbosa, Leonardo Coelho Rabello de Lima, Claudio de Oliveira Assumpção Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2095 dom, 10 out 2021 09:16:29 -0700 Influência da motivação verbal do professor, da privação visual e de escutar música preferida no desempenho agudo da força muscular http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2094 <p>O treinamento de força (TF) é uma atividade que possui inúmeros benefícios para diversas populações. Além das diversas variáveis que já são bem investigadas pela literatura, tais como número de séries, intervalo, número de repetições. Existem também outras condições utilizadas a fim de tentar melhorar o desempenho, como: privação visual, motivação durante a execução do exercício e até mesmo auxílio com música durante o exercício, porém, as influências dessas estratégias ainda não estão bem elucidadas. O objetivo do estudo foi avaliar o desempenho da força no teste de 10RM no Supino Reto em diferentes condições, com privação visual (PV), com motivação verbal do Professor (MP) e com motivação musical (MM). Participaram 11 indivíduos (28,6 anos ± 6,0 DP) do gênero masculino, com experiência. Foi realizado um teste de 10RM no Supino Reto, este foi utilizado como controle. Foram realizados três protocolos com 72h de intervalo, randomizados, sendo um dia com PV, outro com a MP e outro com o MM. Foi realizada uma análise de variância (ANOVA) one way para verificar as diferenças entre o controle (pré-teste), com os protocolos de PV, MP e MS. Foi estabelecido um nível de significância de 95%. Em todas as condições PV (11,4 repetições ± 1,4), MP (12,3 ± 1,3) e MM (12,2 repetições ± 1,4) houve diferença significativa (p&lt;0,05) para a melhora no desempenho da força no teste de 10RM comparado com o controle, porém, não foi encontrada nenhuma diferença significativa entre cada uma das condições.</p> Lucas Camara da Silveira, Bruno Ronzei Perez, Leandro de Oliveira Sant’Ana, Rodrigo Cunha de Mello Pedreiro Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2094 dom, 10 out 2021 09:16:15 -0700 Exercício vigoroso e rabdomiolíse Uma breve revisão http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2090 <p>O objetivo do presente estudo foi identificar os principais achados na literatura que abordam casos de rabdomiólise em diferentes modalidades esportivas e/ou exercícios físicos. A pesquisa foi realizada nas bases de dados eletrônicos SCIELO e PubMed, com as seguintes palavras-chave em inglês e português: Rabdomiólise e Exercício de alta intensidade; Rabdomiólise e Modalidades Esportivas; Rabdomiólise e Programas de Condicionamento Extremo; Rabdomiólise e HIIT; Rabdomiólise e HIFT; Rabdomiólise e HIRT. Somente 20 artigos foram selecionados. As modalidades que apresentaram maiores riscos de rabdomiólise induzida pelo exercício (RIE), são aquelas que os praticantes tenham que vencer uma resistência/carga externa durante as sessões (Crossfit®, HIRT, HIFT, Treinamento Resistido, Spinning) podendo indicar assim erros na intensidade/volume de treinamento naquela sessão. A ocorrência de RIE ainda parece ser rara, porém deve ser um tópico importante para treinadores e atletas, pois está presente em todos os níveis de treinamento e em diversas modalidades.</p> Antônio Ribeiro Neto, Lucimara Ferreira Magalhães, Dernival Bertoncello Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2090 dom, 10 out 2021 09:16:09 -0700 Existe relação entre composição corporal e consumo máximo de oxigênio em mulheres praticantes de corrida de rua? http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2089 <p>Introdução e objetivo: Este estudo teve como objetivo verificar a relação entre composição corporal e VO<sub>2</sub> máx em mulheres praticantes de corrida de rua. Materiais e Métodos: estudo observacional e transversal que avaliou 20 mulheres, praticantes de corrida de rua. Foi utilizado um questionário com questões sociodemográficas e sobre a prática de corrida de rua; a bioimpedância elétrica, e o teste de “vai e vem”. Os dados foram analisados por meio dos testes Shapiro-Wilk, “U” de Mann-Whitney e correlação de Spearman (p&lt;0,05). Resultados: verificou-se diferença significativa entre os grupos apenas no VO<sub>2</sub> máximo (p=0,002), evidenciando que as mulheres até 50 anos apresentaram maior VO<sub>2</sub> máximo do que as mulheres com mais de 50 anos. Não foi encontrada diferença significativa na composição corporal e VO<sub>2</sub> máximo das mulheres praticantes de corrida de rua em função do tempo de prática. Verificou-se correlação significativa (p&lt;0,05), negativa e moderada do VO<sub>2</sub> máximo com a idade (r=-0,67), massa gorda (r=-0,50) e percentual de gordura (r=-0,53), enquanto a idade também se associou positivamente com o IMC (r=0,45). Além disso, foram encontradas correlações significativas (p&lt;0,05) e positivas entre as variáveis de composição corporal. Conclusão: Conclui-se que corredoras mulheres mais jovens possuem melhor VO<sub>2</sub> máx do que as mais velhas. Parece que o tempo de prática da corrida não é um fator interveniente na composição corporal e no VO<sub>2</sub> máx. A idade está relacionada ao maior índice de massa corporal, a percentagem de gordura e menor o VO<sub>2</sub> máx.</p> Lucilene Gambini Carrilho Bertão, Bráulio Henrique Magnani Branco, Matheus Amarante do Nascimento, Natália Quevedo dos Santos, José Roberto Andrade do Nascimento Júnior, Gisselly Maria Campos da Silva, Rose Mari Bennemann, Daniel Vicentini de Oliveira Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2089 dom, 10 out 2021 09:16:01 -0700 Efeito do treinamento resistido com choque no diâmetro, força e peso muscular de camundongos C57BL/6 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2086 <p>Objetivo: Verificar os efeitos do treinamento resistido com choque no diâmetro, força e peso muscular de camundongos C57BL/6. Materiais e Métodos: Foi realizado um estudo experimental, onde os animais foram divididos em grupo controle (n=5) e grupo experimental (n=5). O grupo experimental realizou 21 sessões de exercício resistido. Foram realizadas seis séries de oito repetições com 90 segundos de intervalo entre as séries. A mensuração da força muscular (FM) relativa e absoluta dos quatro membros foi realizada por meio de um medidor de força de tração muscular (Bonther®). O teste Mann-Whitney foi realizado para comparar a diferença pós-pré (delta) da variável dependente e o nível de significância foi estabelecido em p≤0,05. Resultados: Os resultados encontrados mostraram que a diferença na FM absoluta média foi significativa (p=0,016), mas na FM absoluta máxima (p=0,076), na FM relativa média (p=0,175) e na FM relativa máxima (p=0,076) não ocorreu diferença significativa. Com relação ao tamanho do efeito, a FM absoluta média foi classificada como grande (1,13), a FM absoluta máxima foi classificada como grande (1,40), a FM relativa média foi classificada como moderada (0,92) e a FM relativa máxima foi classificada como grande (1,46). Conclusão: O treinamento resistido com estímulo de choque promoveu aumento de força muscular nos membros dos animais do grupo experimental, mostrando uma perspectiva para a continuidade das pesquisas com o objetivo de investigar o efeito desse treinamento em diversas situações relacionadas a saúde e/ou desempenho.</p> Giovana Evelin de Oliveira Costa, Aldecy Batista de Sá Júnior, Ataualba Ramalho de Meirelles Filho, Magda Mendes Vieira, Mariana Rocha Alves, Alex Sander Freitas, Vinicius Dias Rodrigues Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2086 dom, 10 out 2021 09:15:54 -0700 Treinamento resistido: recomendações para indivíduos não treinados http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2083 <p>Para melhor prescrever um programa de Treinamento Resistido (TR) para indivíduos não treinados, é necessário manipular as variáveis do TR especificamente para este público e entender seus objetivos. Assim, torna-se possível a elaborar um programa de treinamento específico para esses indivíduos de maneira adequada, manipulando as variáveis e prescrevendo exercícios de acordo com as suas aspirações. As adaptações fisiológicas em um programa de TR entre os não treinados podem ocorrer em um pequeno espaço de tempo. Entretanto, para essas adaptações acontecerem, as variáveis do TR utilizadas deverão ser sistematicamente controladas, para que produzam efeitos benéficos. A manipulação correta das variáveis do TR (ações musculares, intensidade, volume de treinamento, ordenação dos exercícios, período de descanso, princípio da sobrecarga e princípio da especificidade) é uma eficaz para o desenvolvimento da força muscular e sua manutenção, além de reduzir lesões. O TR tem demonstrado ser uma promissora intervenção para ganhos de potência, diminuição da gordura corporal, melhoria do desempenho físico em atividades esportivas, além de melhorar a qualidade de vida, uma vez que o TR diminui a incidência de diversas doenças crônicas. Sendo assim, o presente estudo teve como objetivo analisar as variáveis do TR e os métodos de aplicação dessas em indivíduos não treinados.</p> Luan Ícaro Alves da Silva, Marco Antonio Jesus Abreu Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2083 dom, 10 out 2021 02:35:39 -0700 Efeitos do exercício físico aeróbico na função cognitiva: revisão http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/1928 <p>Introdução: Há décadas, tem sido demonstrada uma relação benéfica entre a prática de exercícios físicos aeróbicos e o metabolismo do sistema nervoso central. Indivíduos que praticam regularmente exercícios físicos apresentam melhor desempenho cognitivo quando comparados aos sedentários. Objetivo: o presente estudo, teve por objetivo realizar uma revisão de literatura sobre os efeitos do exercício físico aeróbico na função cognitiva. Materiais Métodos: Trata-se de uma revisão de literatura do tipo integrativa. Para busca e seleção dos estudos utilizou-se as seguintes bases de dados: Scielo, Science Direct e Pubmed, permitindo a seleção de 10 artigos, os quais foram publicados entre os anos de 2018 a 2019, utilizou-se como descritores: Exercício físico; Exercício aeróbico; Cognição; Saúde mental; Eficácia e Efetividade. Resultados: Verificou-se que existe uma grande quantidade de estudos os quais claramente demonstram ser a prática adequada de exercício aeróbico um fator de melhora e fortalecimento de uma série de funções cognitivas, dentre as quais se incluem atenção, memória, percepção e habilidades de processamento mental. Conclusão: Todos os resultados demonstram efeitos benéficos entre a prática de exercício físico aeróbico e função cognitiva, sendo necessário a realização de mais estudos que elucidem essa relação.</p> Joyce Lopes Macedo, Amanda Suellenn da Silva Santos Oliveira, Shirlane de Melo Amorim, Erica Rodrigues Reis, Carmy Celina Feitosa Castelo Branco, Magnólia de Jesus Sousa Magalhães Assunção Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/1928 dom, 10 out 2021 02:35:33 -0700 Fatores relacionados à aptidão cardiorrespiratória de escolares http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2084 <p>Objetivo geral: Descrever e analisar os efeitos das variáveis: nível de atividade física, prática esportiva, sexo e maturação sobre a variabilidade na condição cardiovascular, considerando como covariantes as variáveis somáticas e as idades dos escolares. Objetivo específico: Identificar as variáveis que apresentaram diferenças estatísticas em relação ao desempenho do teste de resistência aeróbia, considerando as covariáveis incluídas no modelo, idade, massa corporal, IMC, RCQ, RCE e porcentagem de gordura corporal. Materiais e métodos: A amostra foi composta por 173 alunos (99 meninos e 74 meninas) de uma escola privada da cidade de Porto Alegre. Foram avaliados o IMC, a RCE, o RCQ, o percentual de gordura, o PVC, o nível de atividade física, a prática de escola esportiva e a aptidão cardiorrespiratória. Para análise dos dados foi utilizada estatística descritiva e inferencial ANOVA Fatorial, com tratamento Post-hoc o teste de Bonferroni, considerando um alfa de 0,05. Resultados: Meninos têm melhor aptidão cardiorrespiratória que meninas; escolares com o nível de atividade física maior tem melhor aptidão cardiorrespiratória assim como aqueles que praticam escola esportiva no contra turno da escola. Conclusão: O sexo, o nível de atividade física e a prática de escola esportiva exercem influência no condicionamento cardiorrespiratório.</p> Gabriel Alves Aimi, Miguel Angelo dos Santos Duarte Junior, Priscila Antunes Marques, Alexandre Patz Hein, Giovani dos Santos Cunha, Marcelo Francisco da Silva Cardoso, Rogério da Cunha Voser Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2084 dom, 10 out 2021 02:33:53 -0700 Diabetes autorreferida: prevalência e fatores associados http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2082 <p>Objetivo: Identificar a prevalência de diabetes autorreferida e os fatores associados em colaboradores de um Centro Universitário. Métodos: Estudo transversal com 128 colaboradores técnicos, selecionados por amostragem probabilística, entre janeiro a dezembro de 2019. Além da variável desfecho, diabetes autorreferido, foram avaliados os fatores sociodemográficos, hábitos comportamentais e perfil antropométrico. Para análise estatística foi estimada a frequência absoluta e relativa. Para analisar as associações entre a variável dependente e as variáveis independentes (sociodemográficos, hábitos comportamentais e perfil antropométrico) procedeu-se a análise bivariada através do teste qui-quadrado, sendo adotado um nível de significância de p ≤0,05. Conclui-se que a alta prevalência de diabetes está relacionada a fatores como estado conjugal, depressão e índice de massa corporal. Diante dessa realidade, as características sociodemográficas, clínicas e perfil antropométrico podem ajudar a rastrear e nortear essa patologia.</p> Ataualba Ramalho de Meirelles Filho, Mônica Taís Soares Macedo, Wenderson Marcelo Cantuária Silva, João Marcos de Paula Lopes, Sidney Joaquim de Meirelles Neto, Josiane Santos Brant Rocha Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2082 dom, 10 out 2021 02:33:46 -0700 Aptidão física de dançarinos de balé clássico, dança de rua e dança de academia http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2078 <p>A dança é uma arte, considerada uma atividade física, pois trabalha os componentes da aptidão física, modificando os aspectos cineantropométricos. O objetivo dessa pesquisa foi avaliar a aptidão física dos dançarinos de balé clássico, dança de rua e dança de academia. Trata-se de uma pesquisa descritiva quantitativa. A amostra foi composta por 16 dançarinos, 7 homens e 9 mulheres (21,63 ± 2,5 anos). Os indivíduos foram submetidos a três tipos de avaliação: morfológica (composição corporal, massa corporal e estatura); neuromuscular (flexibilidade e força); e metabólica (capacidade aeróbia). Além disso, os participantes responderam um questionário de coleta com o PAR-Q e posteriormente, realizaram as avaliações morfológica e neuromusculares, após 7 dias realizaram a avaliação metabólica. Os dados obtidos foram analisados no Software Statistical Package for the Social Science (SPSS), versão 21.0, através de estatística descritiva e inferencial, com significância de 95%. Os grupos da pesquisa mostraram resultados dentro da média, porém os dados não foram significativos em todos os testes realizados. Concluímos que as modalidades de dança estudadas desenvolvem a aptidão física, independente da modalidade de dança realizada.</p> Layla Anriely Vicente Valdevino, Leandro Sávio Sávio Oliota-Ribeiro, José Onaldo Ribeiro de Macêdo, Fabian de Queiroz, Glêbia Alexa Cardoso Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2078 dom, 10 out 2021 02:33:39 -0700 Nível de atividade física e fatores associados em colaboradores de um centro universitário http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2077 <p>Objetivo: Estimar o nível de atividade física e os fatores associados em colaboradores de um Centro Universitário. Métodos: Estudo transversal com 128 colaboradores técnicos, selecionados por amostragem probabilística, entre janeiro a dezembro de 2019. Além da variável desfecho, atividade física, foram avaliados os fatores sociodemográficos, hábitos comportamentais e perfil antropométrico. Foram realizadas análises descritivas das variáveis investigadas através de suas distribuições de frequências. Posteriormente, foram realizadas análises bivariadas através da regressão de Poisson, e para as análises múltiplas utilizou-se regressão de Poisson hierarquizado para identificar fatores associados a atividade física. Conclui-se que o baixo nível de atividade física está relacionado a fatores como sexo, sono e estilo de vida. Além disso, nesse estudo pode-se constatar que os colaboradores casados apresentam efeito protetor para a prática de atividade física.</p> João Marcos de Paula Lopes, Mônica Taís Soares Macedo, Wenderson Marcelo Cantuária Silva, Ataualba Ramalho de Meirelles Filho, Josiane Santos Brant Rocha Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2077 dom, 10 out 2021 02:33:32 -0700 Comparação da carga total elevada e número de repetições em duas sessões de treino com e sem privação visual http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2075 <p>O objetivo deste estudo foi comparar o número total de repetições e carga total elevada com e sem privação visual no exercício de puxada pela frente com 100% da carga aferida no teste de 10RM em homens praticantes de musculação. A amostra foi composta por 15 homens saudáveis e com prática regular em treino de força três vezes por semana nos últimos três meses. Houve resultados significativos no número total de repetições. Foram observadas diferenças em todos os parâmetros analisados e que o treino com privação visual pode ser uma estratégia adotada nas rotinas de treino semanais, que buscam melhorar o desempenho tanto à nível de carga elevada quanto no que tange ao aumento do número de repetições com uma carga específica.</p> Thiago Alves de Jesus, Felipe da Silva Triani Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2075 dom, 10 out 2021 02:32:31 -0700 Efeitos de um treinamento físico sobre as apitidões físicas de um grupo de escolares praticantes de esportes do ginásio olímpico juan antonio samaranch http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2068 <p>O presente trabalho teve como objetivo analisar os efeitos de um treinamento físico em praticantes de esportes (Futsal e Handebol), treinados em uma escola olímpica, da Cidade do Rio de Janeiro-RJ. Foram coletados dados antropométricos, de impulsão horizontal e vertical, lançamento de medicine ball, corrida de 20 metros e corrida de 6 minutos, antes e após o período de treinamento. Os dados foram tabulados em uma planilha do Excel para comparação inter e intra grupos. As variáveis (idade, massa corporal, estatura e IMC) foram resumidas em médias e desvios padrões. Para a análise da distribuição dos dados foi utilizado o Teste de Shapiro-Wilk", sendo constatada a não normalidade na distribuição, para os resultados dos testes de aptidão física (impulsão horizontal, impulsão vertical, Medicine Ball, corrida 20 m e corrida 6 min) utilizou-se o teste de Wilcoxon para análise intragrupo e o teste de Mann Whitney para análise intergrupos. Considerou-se o nível de significância de 5%. As análises foram processadas com uso do SPSS 22.0 e do BIOEST 5.3. Houve melhora significativa em todas as variáveis nas 2 modalidades, exceto na variável velocidade (também nas 2 modalidades). A comparação entre os grupos (condições, PRÉ e PÓS treinamento) não apresentou diferença significativa. Conclui-se que um programa de intervenção em escola de período integral, com uma frequência semanal de 3 a 5 vezes, durante 2 horas, melhora o padrão de aptidão física de escolares.</p> Rubem Machado Filho, Mario Roberto Guagliardi Júnior, Marco Leandro Martins de Assis, Marco Antônio Pinto de Avellar Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2068 dom, 10 out 2021 02:32:25 -0700 Procedimentos avaliativos do overhead squat em atletas de rugby http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2054 <p>O objetivo do presente estudo foi apontar as compensações comuns durante a realização do Overhead Squat (OS) em atletas de rugby, a fim de indicar exercícios corretivos para estas compensações A amostra foi composta por 28 atletas de rugby, sendo 19 homens (21,11 + 4,54 anos) e 9 mulheres (26,37 + 6,33 anos), com treinamento regular e sem lesões pregressas. O agachamento foi realizado, de forma padronizada, na maior amplitude de movimento possível, mantendo os cotovelos estendidos com o bastão mantido acima da cabeça e a parte superior do corpo elevada o tempo todo, o exercício foi filmado nos planos frontal e sagital. Para avaliar o movimento foram observadas as seguintes regiões corporais no plano frontal: pés e joelhos; e no sagital: calcanhares, quadris/coxas, tronco e braços. A pontuação foi atribuída da seguinte forma: 0 para execução falha ou não adequada e 1 para execução adequada, tendo como pontuação máxima 6 pontos. Os resultados indicam que os sujeitos apresentaram mediana de 4 pontos, sendo que dois atletas obtiveram pontuação máxima. Ademais, 84,7% da amostra apresentou ao menos 2 compensações, 67,9% apresentam inclinação do tronco fora da base de sustentação e 53,6% apresentam incapacidade de chegar a uma posição de coxa paralela ao solo. Os resultados indicam que a capacidade limitada de mobilidade no tornozelo e estabilidade de joelhos pode comprometer a profundidade do agachamento, assim como o encurtamento dos gastrocnêmicos e o déficit de força em glúteo máximo induzindo à inclinação excessiva do tronco durante a realização do OS.</p> Camila Fernandes Ferro, Rousseau Silva da Veiga, Camila Borges Müller, Lucas Cardozo Bagatini, Gustavo Dias Ferreira, Eraldo dos Santos Pinheiro Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2054 dom, 10 out 2021 02:32:19 -0700 Avaliação do estado de hidratação de atletas universitárias em uma partida de futebol feminino em São Luís-MA http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2051 <p>Introdução: O futebol é caracterizado por ações intermitentes de alta intensidade por períodos prolongados que podem ocasionar grandes perdas de suor. A perda a partir de 1% a 2% do peso corporal, resultante da desidratação, compromete funções fisiológicas e influencia negativamente no desempenho do atleta. Com base nisso, o objetivo desse estudo foi de avaliar o estado de hidratação de atletas universitárias em uma partida de futebol feminino. Materiais e Métodos: Foram avaliadas 12 jogadoras (24,3 ±5,3 anos) durante uma partida de futebol. A análise do estado de hidratação foi realizada através do balanço hídrico, gravidade específica da urina (GEU) e coloração da urina. Essas medidas foram realizas antes e após a partida, e para uma melhor análise foi realizado o controle da ingestão hídrica e de estresse ambiental (Temperatura e umidade relativa do ar). Para a análise estatística foi realizado um teste t de Student com o software Graphpad Prism 8.0. Resultados e Discussão:&nbsp; A jogadoras apresentaram uma perda de 1,78±1,0% de peso corporal com uma taxa de sudorese de 1,06 ±0,47 L/h e ingeriram 967,1 ±52,3 ml de água. Não houve redução significativa no peso corporal (p=0,307). A GEU antes da partida foi de 1029,2±12,48 e ao final 1028 ±2,70 não havendo diferença estatística significativa entre os momentos (p=0,533) apresentando classificação de desidratação significativa. Conclusão: A ingestão de água promoveu a manutenção da condição previa de desidratação mínima, de modo a não agravar o estado de desidratação, devendo reforçar a importância iniciar a prática em uma condição hidratada.</p> Carolaine Langner, Thalia Mesquita da Luz, Anderson Ricardo Diniz Souza, Marcos Roberto Campos de Macêdo, Raphael Furtado Marques Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2051 dom, 10 out 2021 02:31:01 -0700 Respostas da pressão arterial e desempenho físico no teste 3 km time trial em indivíduos obesos http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2047 <p>Objetivo: O objetivo do presente estudo foi avaliar as respostas da pressão arterial e o desempenho físico durante o teste 3 km time trial em indivíduos obesos. Materiais e Métodos: Para isto os voluntários foram divididos em três grupos, de acordo, com o índice de massa corporal (IMC): 1) massa corporal normal: IMC &lt; 24,9 kg.m<sup>-2</sup> (n = 34); 2) sobrepeso: IMC &gt; 25 e &lt; 29,9 kg.m<sup>-2</sup> (n = 25) e 3) obeso: IMC &gt; 30 kg.m<sup>-2</sup> (n = 13). Inicialmente, foram mensuradas a massa corporal, a altura, o IMC, a pressão arterial sistólica (PAS) e a pressão arterial diastólica (PAD) em repouso dos voluntários. Logo após, os voluntários realizaram o teste de 3km time trial e foi realizada a aferição da PAS e da PAD antes e após o teste e o tempo para realizar o teste foi cronometrado. Resultados: O grupo obeso apresentou maior tempo para realizar o teste, indicando um menor desempenho físico em comparação aos grupos sobrepeso e normal. O grupo obeso apresentou maior PAD e PAS em comparação ao grupo normal no início e no final do teste 3 km time trial. Além disso, durante o teste 3 km time trial houve uma manutenção da PAD e elevação da PAS em todos os 3 grupos. Conclusão: Baseando se nos resultados, conclui-se que os indivíduos obesos apresentam maiores níveis pressóricos sistólico e diastólico e menor desempenho físico durante o teste 3 km time trial.</p> Isadora Gomes Alves Mariano, Isabella Carolina Silva Pereira, Ana Júlia Dias, Thayane Fávero Silveira, Roseli Silva Oliveira, Júlia Vieira Salgado Silva, João Victor Souza Gomes, Fernanda Kelly de Melo, Maria Thereza de Oliveira Almeida, Helton Oliveira Campos, José Vitor Vieira Salgado Copyright (c) 2021 RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2047 dom, 10 out 2021 02:30:50 -0700