Relação entre o salto vertical com contramovimento e a realização simulada dos 15 metros iniciais de natação crawl realizada por atletas adolescentes

  • Fernanda Cristina Silva de Oliveira Department of Physical Education, Federal University of Rio Grande do Norte, Natal, Rio Grande do Norte, Brazil.
  • Guilherme Pereira de Oliveira Department of Physical Education, Federal University of Rio Grande do Norte, Natal, Rio Grande do Norte, Brazil.
  • Mateus Freitas de Medeiros Department of Physical Education, Federal University of Rio Grande do Norte, Natal, Rio Grande do Norte, Brazil.
  • Pablo Henrique Moura de Paiva Department of Physical Education, Federal University of Rio Grande do Norte, Natal, Rio Grande do Norte, Brazil.
  • Alexandre Bulhões-Correia Department of Physical Education, Federal University of Rio Grande do Norte, Natal, Rio Grande do Norte, Brazil.
  • Paulo Francisco de Almeida Neto Department of Physical Education, Federal University of Rio Grande do Norte, Natal, Rio Grande do Norte, Brazil; Health Sciences Center, Federal University of Rio Grande do Norte, Natal, Rio Grande do Norte, Brazil.
  • Breno Guilherme de Araújo Tinôco Cabral Department of Physical Education, Federal University of Rio Grande do Norte, Natal, Rio Grande do Norte, Brazil; Health Sciences Center, Federal University of Rio Grande do Norte, Natal, Rio Grande do Norte, Brazil.
Palavras-chave: Desempenho, Esporte, Natação, Salto vertical

Resumo

A largada na natação ocorre por meio de um salto que impulsiona o nadador para dentro da piscina. A relação entre a potência gerada pelo salto inicial e o desempenho dos primeiros 15 m em eventos de natação ainda não é conhecida. Objetivo: Verificar a correlação do salto vertical com contramovimento (CMJ) com o desempenho simulado de largada do nado crawl. Materiais e Métodos: A presente pesquisa foi um estudo piloto observacional. A amostra foi composta por 12 nadadores brasileiros com idade entre 12 e 16 anos (masculino). O CMJ foi analisado por uma Plataforma específica para Jump Testing. Em seguida, os atletas foram encaminhados para uma piscina olímpica e se posicionaram no bloco de largada. Em seguida, ao sinal sonoro (apito), nadavam os primeiros 15 metros da piscina em estilo crawl na maior velocidade possível para simular o início da competição de natação. Resultados: Assim, o estudo mostrou correlação negativa do CMJ com a largada simulada de 15 metros no estilo crawl (r=-0,816; p=0,001). As análises indicaram que o CMJ contribui com 66% (F (1,10) = 19,92; p=0,001) para o desempenho de 15 metros durante o início simulado do estilo crawl. Foi demonstrado que para cada aumento de 1 cm na altura do CMJ, houve uma melhora de 0,0885 milissegundos no desempenho da natação. Conclusão: O CMJ está associado à variação do tempo de sprint durante o início simulado de um teste de nado na modalidade crawl.

Referências

-Awatani, T.; Morikita, I.; Mori, S.; Shinohara, J.; Tatsumi, Y. (2018a). Método clínico para avaliar a força do ombro relacionada à potência do nado crawl em nadadores universitários do sexo masculino. Jornal da ciência da fisioterapia. Vol. 30. Núm. 10. p. 1221-1226. 2018a. Doi: 10.1589/jpts.30.1221

-Awatani, T.; Morikita, I.; Mori, S.; Shinohara, J.; Tatsumi, Y. Relação entre a força isométrica do ombro e a potência de natação somente com os braços entre nadadores universitários do sexo masculino: estudo de métodos de avaliação clínica válidos. Jornal da ciência da fisioterapia. Vol. 30. Núm. 4. p. 490-495. 2018b. Doi: 10.1589/jpts.30.490

-Cohen, J. Quantitative methods in psychology: A power primer. Psychol. Bull. Vol. 112. p.1155-1159.1992. Doi: 10.1037/00332909.112.1.15.

-Cossor, J.M.; Blanksby, B.A.; Elliott, B.C. A influência do treinamento pliométrico no freesty letum. Journal of Science and Medicine in Sport. Vol. 2. Núm. 2. p.106-116. 1999.

-Fédération Internationale de Natation (FINA). 2016. Disponível em: https://www.fina.org/competition-detailed-results/144537/9884 . Acessado em: 04/2021.

-Gourgeulis, V.; Boli, A.; Aggeloussis, N.; Toubekis, A.; Antoniou, P.; Kasimatis, P. Mavromatis, G. O efeito do chute de perna no nado crawl de sprint. Journal of Sports Sciences. Vol. 32. Núm. 3. p.278-289. 2014.

-Hawley, J.A.; Williams, M.M.; Vickovic, M.M.; Handcock, P.J. A força muscular prediz o desempenho de freesty les wimming. Jornal britânico de medicina esportiva. Vol. 26. Núm. 3. p. 151-155. 1992.

-Johannes, J.; Van Delden e van der Graaf, R. (2017). Diretrizes éticas internacionais revisadas do CIOMS para pesquisas relacionadas à saúde envolvendo seres humanos. Jama. Vol. 317. Núm. 2. p.135-136. Doi: 10.1001/jama.2016.18977.

-Komi, P.V. Força e potência no esporte. Paavo V. Komi. tradução Vagner R.; Ronei Silveira, P. 2ª Edição. Dados eletrônicos. Porto Alegre. Artmed. 2008.

-Kováčová, N.; Broďáni, J. Desempenho de Natação até 25 Metros Costas Depende de Fatores Selecionados de Força Explosiva de Membros Inferiores. Acta Facultatis Educationis Physicae Universitatis Comenianae. Vol. 59. Núm. 2. p. 203-213. 2019. Doi: 10.2478/afepuc-2019-0018.

-Miot, H.A. Análise de concordância em ensaios clínicos e experimentais. Jornal Vascular Brasileiro. Vol. 15. Núm. 2. p. 89-92. 2016. Doi: 10.1590/1677-5449.004216.

-Mujika, I.; Crowley, E. Treinamento de força para nadadores. Em Treinamento Aeróbico e de Força Simultâneo. Springer, Cham. p. 369-386. 2019. Doi: 10.1007/978-3-319-75547-2_25

-Nikšić, E.; Beganović, E.; Joksimović, M.; Nasrolahi, S.; Đoković, I. O impacto da força e coordenação no sucesso da performance do nado livre. Jornal Europeu de Educação Física e Ciência do Esporte. 2019. Doi: 10.5281/zenodo.3364090

-Pendergast, D.; Zamparo, P.; Di Prampero, P.E.; Capelli, C.; Cerretelli, P.; Termin, A.; Mollendorf, J. Balanço energético da locomoção humana na água. European Journal of Applied Physiology. Vol. 90. Núm. 3-4. p.377-386. 2003.

-Ribeiro, J.; Figueiredo, P.; Sousa, A. V˙O2V˙O2 cinética e contribuições metabólicas durante pleno e intensidade extrema de natação na parte superior do corpo. Eur J Appl Physiol. Vol. 115. p.1117-1124. 2015.

-Suchomel, T. J.; Nimphius, S.; Stone, M. H. (2016). The importance of muscular strength in athletic performance. Sports medicine. Vol. 46. Núm. 10. p.1419-1449. 2016.

-Schulkin, J. 7. Arremesso, natação e remo. No esporte. p. 115-136. Editora da Universidade de Columbia. 2017. Doi: 10.7312/schu17676-008

-Veliz, R.R.; Suarez-Arrones, L.; Requena, B.; Haff, G.G.; Feito, J.; Villarreal, E.S. Efeitos do treinamento da parte inferior do corpo orientado para a força e resistência pesada na temporada competitiva no desempenho de jogadoras de polo aquático feminino de elite. The Journal of Strength & Conditioning Research. Vol. 29. Núm. 2. p. 458-465. 2015. Doi: 10.1519/JSC.0000000000000643

-Von Elm, E.; Altman, D.G.; Egger, M.; Pocock, S.J.; Gøtzsche, P.C.; Vandenbroucke, J.P. Strobe Initiative. A Declaração Fortalecendo o Relato de Estudos Observacionais em Epidemiologia (STROBE): diretrizes para relatar estudos observacionais. Jornal internacional de cirurgia. Vol. 12. Núm. 12. p.1495-1499. 2014. Doi: 10.1016/j.ijsu.2014.07.013.

Publicado
2023-04-11
Como Citar
Oliveira, F. C. S. de, Oliveira, G. P. de, Medeiros, M. F. de, Paiva, P. H. M. de, Bulhões-Correia, A., Almeida Neto, P. F. de, & Cabral, B. G. de A. T. (2023). Relação entre o salto vertical com contramovimento e a realização simulada dos 15 metros iniciais de natação crawl realizada por atletas adolescentes. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 17(108), 121-127. Recuperado de https://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2703
Seção
Artigos Científicos - Original