Termografia infravermelha para avaliação de assimetrias em jogadores de futebol na pré-temporada

  • Ellian Robert Universidade Federal do Maranhão, Brasil.
  • Ana Karinne Morais Cardoso Universidade Federal do Maranhão, Brasil.
  • Augusto Ribeiro de Oliveira Universidade Federal do Maranhão, Brasil.
  • Vinícius Fernandes Ferreira de Oliveira Serviço de Preparação Física, Coordenação de Saúde, Casa Civil, Presidência da República, Brasília – DF, Brasil.
  • Miller Gomes de Assis Universidade Federal do Maranhão, Brasil.
  • Marta de Oliveira Barreiros Departamento de Engenharia Elétrica, Laboratório de Processamento da Informação Biológica (PIB), Universidade Federal do Maranhão, São Luís-MA, Brasil.
  • Guilherme de Azambuja Pussieldi Universidade Federal do Maranhão, Brasil.
  • Eduardo Mendonça Pimenta Universidade Federal do Maranhão, Brasil.
  • Allan Kardec Duailibe Barros Filho Departamento de Engenharia Elétrica, Laboratório de Processamento da Informação Biológica (PIB), Universidade Federal do Maranhão, São Luís-MA, Brasil.
  • Mario Norberto Sevilio de Oliveira Junior Universidade Federal do Maranhão, Brasil.
  • Christian Emmanuel Torres Cabido Universidade Federal do Maranhão, Brasil.
  • Christiano Eduardo Veneroso Universidade Federal do Maranhão, Brasil.
Palavras-chave: Carga Interna, Monitoramento de Carga, Termografia Infravermelha

Resumo

Introdução: A participação da ciência no desenvolvimento do esporte de alto-rendimento é cada vez mais expressiva. Logo, a termografia infravermelha vem sendo utilizada no intuito de verificar a capacidade deste em determinar a magnitude da carga interna de partidas oficiais a qual os atletas estão sendo submetidos. Objetivo: Avaliar jogadores de futebol na pré-temporada através da termografia infravermelha. Materiais e Métodos: A amostra foi composta por 15 atletas de futebol (idade: 19,0 ± 0,9 anos; massa corporal: 70,3 ±8,0 kg; estatura: 176,2 ±0,1 cm; percentual de gordura: 5,7 ±1,8 %G). Foram realizadas a avaliação da composição corporal e posteriormente a termografia infravermelha. Resultados: A maior porcentagem dos pixels das coxas está relacionada com a zona de temperatura quente tanto no eixo anterior (49%, 35% a 54%) quanto no eixo posterior (46%, 42% a 53%). Já a maior porcentagem de pixels das pernas está relacionada com a zona de temperatura fria tanto no eixo anterior (39%, 33% a 46%) quanto no eixo posterior (45%, 29% a 55%). Quando verificado a assimetria entre MMII no eixo anterior e posterior não foi encontrado diferenças significativas entre as coxas (direita e esquerda) e as pernas (direita e esquerda) nas diferentes zonas de temperatura. Conclusão: O presente estudo contribuiu para a melhor compreensão do estado físico de atletas no período de pré-temporada. Os aumentos dos percentuais de pixels da temperatura de zona quente indicam o estresse fisiológico relacionado com o estado inflamatório dos atletas, sendo importante para a comissão técnica e departamento médico na tentativa de adequar e gerenciar a carga de treinamento e recuperação dentro de períodos de jogos.

Referências

-Andrade Fernandes, A.; Cinética e proposta de análise da temperatura da pele de membros inferiores em atletas de futebol profissional. Dissertação de Mestrado. EEFFTO - UFMG. Minas Gerais. 2017.

-Arnaiz-Lastras, J.; e colaboradores. Aplicación práctica de la termografía infrarroja en el fútbol profesional. Revista de Preparación Física en el Futbol. Núm. 13. p. 6-15. 2014.

-Bangsbo, J.; Iaia, F. M.; Krustrup, Pedro. O teste de recuperação intermitente Yo-Yo: uma ferramenta útil para avaliação do desempenho físico em esportes intermitentes. Medicina Esportiva. Vol. 38. p. 37-51. 2008.

-Chaves, S.F.N. Respostas de IGF-1, PCR e Temperatura da Pele dos membros inferiores de atletas sub-20 de elite a uma sessão de treino. Dissertação de Mestrado. EEFFTO - UFMG. Minas Gerais. 2021.

-Claudino, J.G.; e colaboradores. Pre vertical jump performance to regulate the training volume. International Journal of Sports Medicine. Vol. 33. Núm. 2. p. 101-7. 2012.

-Fanchini, M.; e colaboradores. Os níveis 1 e 2 do teste de recuperação intermitente Yo-Yo são úteis? Confiabilidade, capacidade de resposta e intercambialidade em jovens jogadores de futebol. Revista de Ciências do Esporte. Vol. 32. Núm. 20. p. 1950-1957. 2014.

-Fernandes, A. A.; e colaboradores. Skin temperature changes of under-20 soccer players after two consecutive matches. Sport Sciences for Health. Vol. 13. Núm. 3. p. 635-643. 2017a.

-Fernandez-Cuevas, I.; e colaboradores. Classification of factors influencing the use of infrared thermography in humans: a review. Infrared Physics & Technology. Vol. 71. p. 28-55. 2015.

-Hart, N.H.; e colaboradores. Detecting deficits in change of direction performance using the pre-planned multidirectional AFL Agility test. J Strength Cond Res. Vol 28. p.3552-3556. 2014.

-Hildebrandt, C.; Raschner, C.; Ammer, K. An overview of recent application of medical infrared thermography in sports medicine in Austria. Sensors. Vol. 10. Núm. 5. p. 4700-4715. 2010.

-Jackson, A. S.; Pollock, M. L. Generalized equations for predicting body density of men. British Journal of Nutrition. Vol. 40. Núm. 3. p. 497-504. 1978.

-Júnior, J.L.R. Nível de relação entre a assimetria esportiva e a assimetria de temperatura da pele dos membros inferiores de atletas profissionais de futebol. Dissertação de Mestrado. EEFFTO - UFMG. Minas Gerais. 2018.

-Marins, J.C.B.; e colaboradores. Thermal body patterns for healthy Brazilian adults (male and female). Journal of Thermal Biology. Vol. 42. p. 1-8. 2013.

-Mohr, M.; e colaboradores. Muscle damage, inflammatory, immune and performance responses to three football games in 1 week in competitive male players. European Journal of Applied Physiology. Vol. 116. p. 179-193. 2016.

-Oliveira, W. H. D. Comparações de comportamentos de proteína c-reativa e da temperatura da pele dos membros inferiores de atletas profissionais de futebol em resposta a jogos consecutivos. Dissertação de Mestrado. EEFFTO - UFMG. Minas Gerais. 2020.

-Petschnig, R.; Baron, R.; Albrecht, M. The relationship between isokinetic quadriceps strength test and hop tests for distance and one-legged vertical jump test following anterior cruciate ligament reconstruction. Journal of Orthopaedic and Sports Physical Therapy. Vol. 28. Núm.1. p.23-31. 1998.

-Rodrigues Júnior, J.L.; e colaboradores. Correlation between strength and skin temperature asymmetries in the lower limbs of Brazilian elite soccer players before and after a competitive season. J Therm Biol. Vol. 99. p.102919. 2021.

-Santana, P.V.A.; e colaboradores. Relationship between infrared thermography and muscle damage markers in physically active men after plyometric exercise. Journal of Thermal Biology. Vol. 104. p.103187. 2022

-Schache, A. G.; e colaboradores. Hamstring muscle forces prior to and immediately following an acute sprinting-related muscle strain injury. Gait Posture. Núm. 32. p. 136-140. 2010.

-Silero-Quintana, M.; e colaboradores. Infrared thermography as a support tool for screening and early diagnosis in emergencies. Journal of Medical Imaging and Health Informatics. Vol. 5. Núm. 6. p. 1223-1228. 2015.

-Teixeira, L.A.; Paroli, R. Assimetrias laterais em ações motoras: preferência versus desempenho. Revista Motriz. Vol. 6. Núm. 1. p.1-8. 2000.

Publicado
2024-01-21
Como Citar
Robert, E., Cardoso, A. K. M., Oliveira, A. R. de, Oliveira, V. F. F. de, Assis, M. G. de, Barreiros, M. de O., Pussieldi, G. de A., Pimenta, E. M., Barros Filho, A. K. D., Oliveira Junior, M. N. S. de, Cabido, C. E. T., & Veneroso, C. E. (2024). Termografia infravermelha para avaliação de assimetrias em jogadores de futebol na pré-temporada. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 18(113), 96-103. Recuperado de https://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2848
Seção
Artigos Científicos - Original