Correlação entre nível de flexibilidade e desempenho na agilidade em escolares de 7 a 10 anos: um estudo transversal

Anderson Gregorio Joaquim, Alessandra Regina dos Santos, Leandro Ferreira Rosa

Resumo


Estudar as capacidades físicas das crianças auxilia os profissionais na identificação de possíveis perfis para o sucesso no esporte, na predição da condição de saúde e na prevenção de lesões. Sendo assim, o objetivo deste estudo foi verificar se existe correlação entre nível de flexibilidade e desempenho na agilidade de escolares de sete a 10 anos. Ainda comparamos os escores médios de cada capacidade física e perfil antropométrico entre meninos e meninas. Participaram 307 crianças da rede municipal de ensino de uma cidade do interior do Estado de São Paulo. Foram aplicados os testes de sentar e alcançar para a capacidade flexibilidade e teste do quadrado para agilidade, extraídos da bateria de teste do PROESP-BR. Na análise geral, não houve correlação entre nível de flexibilidade e score atingido no teste de agilidade. Apenas após estratificação das idades, observou-se fraca correlação negativa para os meninos de nove e 10 anos (r= -0,32, p= 0,01). Independentemente da idade, os meninos foram mais ágeis do que as meninas (p< 0,05) e não foram encontradas diferenças para níveis de flexibilidade e índice de massa corporal. Concluímos que em crianças escolares de sete a 10 anos, o desempenho da agilidade não depende do nível de flexibilidade. Sugerimos que os profissionais de Educação Física direcionem o desenvolvimento da flexibilidade, para auxiliar as crianças nos ganhos e manutenção da aptidão física relacionada a saúde ao longo da vida.

 

ABSTRACT 

Correlation between level of flexibility and performance in agility in schoolchildren from 7 to 10 years: a cross-sectional study

To study children's physical abilities helps professionals to identify possible profiles for success in sports, predicting health status and preventing injury. Therefore, the aimof this study was to verify if exist correlation between level of flexibility and performance in the agility of schoolchildren from seven to 10 years old. We also compared the means scores of each physical capacity and anthropometric profile between boys and girls. A total of 307 children from the municipal education network of a city in the interior of the state of São Paulo participated. Were applied the sit and reach test for flexibility and square test for agility, from the PROESP-BR test battery. In general analysis, there was no correlation between level of flexibility and score reached in the agility test. Only after stratification of the ages, there was a weak negative correlation for boys of nine and 10 years old (r=-0.32, p=0.01). Regardless of age, boys had higher score in agility than girls (p<0.05) and no differences were found for levels of flexibility and body mass index. We conclude that in schoolchildren aged seven to 10 years old, agility performance does not depend on the level of flexibility. We suggest that Physical Education professionals direct the development of flexibility to support children in the gains and maintenance of fitness related to general health throughout life.


Palavras-chave


Aptidão física; Exercício Físico; Crianças

Texto completo:

PDF

Referências


-Araujo, S.S.; Oliveira, A.C.C. Aptidão física em escolares de Aracaju. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. Vol. 10. Num. 3. 2008. p. 271-276.

-Barbosa, T.S.; Garlipp, D.; Pinheiro, E.; Machado, D.; Gaya, A.; Lemos, A; Gaya, A. Mapas da aptidão física relacionada á saúde de crianças e jovens brasileiros de 7 a 17 anos. Motricidade. Vol. 8. Suplem2. 2012. p. 289-294.

-Bocalini, D.S.; Santos, L.; Serra, A.J. Physical exercise improves the functional capacity and quality of life in patients with heart failure. Clinics. Vol. 63. 2008. p. 437-442.

-Coelho, C.W.; Araújo, C.G.S. Relação entre aumento da flexibilidade e facilitações na execução de ações cotidianas em adultos participantes de programa de exercício supervisionado. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. vol. 2. Num. 1. 2000. p. 31-41.

-Conde, W.L.; Monteiro, C.A. Valores críticos do índice de massa corporal para classificação do estado nutricional de crianças e adolescentes brasileiros. Jornal de Pediatria. Vol. 82.2006. p. 266-272.

-Dumith, S.C.; Ramires, V.V.; Souza, M.J.A.; Moraes, D.S.; Petry, F.G.; Oliveira, E.S.; Ramires, S.V.; Marques, A.C. Aptidão física relacionada ao desempenho motor em escolares de sete a 15 anos. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. Vol. 24. 2010. p. 5-14.

-Espirito-Santo, H.; Daniel, F.B. Calcular e apresentar tamanhos do efeito em trabalhos científicos (1): As limitações do p < 0,05 na análise de diferenças de médias de dois grupos. Revista Portuguesa de Investigação Comportamental e Social. Vol. 1. Num. 1. 2015. p. 3-16.

-Fonseca, H.A.R.; Dellagrana, R.A.; Lima, L.R.A.; Kaminagakura, E.I. Aptidão física relacionada à saúde de escolares de escola pública de tempo integral. Acta Scientarum. Health Scicieves. Vol. 32. Num. 2. 2010. p. 155-161.

-Gallahue, D.L.; Ozmun, J.C. Compreendendo o desenvolvimento motor: bebês, crianças, adolescentes e adultos. 3ª ed. São Paulo. Phorte. 2005.

-Gaya, A.C.A. Projeto esporte Brasil. Manual de aplicação de medidas e testes, normas e critérios de avaliação. Porto Alegre. 2009. Disponível em: . Acesso em: 12 de dez de 2011.

-Giugliano, R.; Melo, A.L.P. Diagnóstico de sobrepeso e obesidade em escolares: utilização do índice de massa corporal segundo padrão internacional. Jornal de Pediatria. Vol. 80. 2004. p. 129-134.

-Glaner, M.F. Importância da aptidão física relacionada à saúde. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. Vol. 5. Num. 2. 2003. p. 75-85.

-Gobbi, S.; Villar, R.; Zago, A.S. Bases teórico-práticas do condicionamento físico. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. 2005.

-Guedes, D.P.; Guedes, J.E.R.P. Somatotipo de crianças e adolescentes do município de Londrina – Paraná – Brasil. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. Vol. 1. 1999. p. 7-17.

-Guedes, D.P. Implicações associadas ao acompanhamento do desempenho motor de crianças e adolescentes. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. Vol. 21. 2007. p. 37-60.

-LeBlanc, A.G.; Katzmarzyk, P.T.; Barreira, T.V.; Broyles, S.T.; Chaput, J.P.; Church, T.S.; Fogelholm, M.; Harrington, D.M.; Hu, G.; Kuriyan, R.; Kurpad, A.; Lambert, E.V.; Maher, C.; Maia, J.; Matsudo, V.; Olds, T.; Onywera, V.; Sarmiento, O.L.; Standage, M.; Tudor-Locke, C.; Zhao, P.; Tremblay, M.S.; ISCOLE Research Group. Correlates of total sedentary time andscreen time in 9-11 year-old children around the world: the international study of childhood obesity, lifestyle and the environment. PlosOne. Vol. 10. Num. 6. 2015. e0129622.

-Melo, F.A.P.; Oliveira, F.M.F.; Almeida, M.B. Nível de atividade física não indica o nível de flexibilidade de adolescentes. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde. Vol. 14. 2009. p. 48-54.

-Montoro, A.P.P.N.; Leite, C.R.; Espindola, J.A.; Alexandre, J.M.; Reis, MS, Capistrano, R.; Lisboa, T.; Beltrame, T.S. Aptidão física relacionada à saúde de escolares com idade de 7 a 10 anos. Arquivos Brasileiros de Ciências da Saúde. Health Sciences. Vol. 41. Num. 1. 2016. p. 29-33.

-Petroski, E.L.; Silva, A.F.; Rodrigues, A.B.; Pelegrini, A. Aptidão física relacionada a saúde em adolescentes brasileiros residentes em áreas de médio/baixo índice de desenvolvimento humano. Revista de Salud Pública. Vol. 13. Num. 2. 2011. p. 219-228.

-Petroski, E.L.; Silva, A.F.; Rodrigues, A.B.; Pelegrini, A. Associação entre baixos níveis de aptidão física e fatores sociodemográficos em adolescentes de área urbanas e rurais. Motricidade. Vol. 8. Num. 1. 2012. p. 5-13.

-Ré, A.H.N.; Bojikian, L.P.; Teixeira, C.P.; Böhme, M.T.S. Relações entre crescimento, desempenho motor, maturação biológica e idade cronológica em jovens do sexo masculino. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. Vol. 19. 2005. P. 153-162.

-Regis, M.F.; Oliveira, L.M.F.T.; Santos, A.R.M.; Leonildo, A.C.R.; Diniz, P.R.B.; Freitas, C.M.S.M. Urban versus rural lifestyle in adolescents: associations between environment, physical activity levels and sedentary behavior. Einstein (São Paulo). Vol. 14. Num. 4. 2016. p. 461-467.

-Ronque, E.R.V.; Cyrino, E.S.; Dórea, V.; Serassuelo Junior, H.; Galdi, E.H.G.; Arruda, M. Diagnóstico da aptidão física em escolares de alto nível socioeconômico: avaliação referenciada por critérios de saúde. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 13. Num. 2. 2007. p. 71-76.

-Shrier, I. Does stretching improve performance? A systematic and critical review of the literature. Clinical Journal of Sport Medicine. Vol. 14. 2004. p. 267-73.

-Silva, D.A.S.; Lima, J.O.; Silva, R.J.S; Prado, R.L. Nível de atividade física e comportamento sedentário em escolares. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. Vol. 11. Num. 3. 2009. p. 299-306.

-Silva, R.J.S. Capacidades físicas e os testes motores voltados à promoção da saúde em crianças e adolescentes. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. Vol. 5. 2003. p. 75-84.

-Ulbrich, A.Z.; Bozza, R.; Machado, H.S.; Michelin, A.; Vasconcelos, I.Q.A.; Stabelini Neto, A.; Mascarenhas, L.P.G.; Campos, W. Aptidão física em crianças e adolescentes de diferentes estágios maturacionais. Fitness Performance Journal. Vol. 6. 2007. p. 277-282.

-Verardi, C.E.L.; Lobo, A.P.S.; Amaral, V.E.; Freitas, V.L.; Hirota, V.B. Análise da aptidão física relacionada à saúde e ao desempenho motor em crianças e adolescentes da cidade de Carneirinho - MG. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte. Vol. 6. 2007. p. 127-134.

-Weineck, J. Treinamento ideal. 9ª ed. Barueri. Manole. 2003.

-Wong, P.L.; Lau, P.W.C.; Mao, D.W.; Wu, Y.Y.; Behm, D.G.; Wisløff, U. Three days of static stretching within a warm-up does not affect repeated-sprint ability in youth soccer players. Journal of Strength and Conditioning Research. Vol. 25. Num. 3. 2011. p. 838-845.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui