Perfil cardiorrespiratório de estudantes de educação física de uma universidade da zona oeste do Rio de Janeiro

Willian Costa de Freitas, Enzo Valois, Felipe da Silva Triani

Resumo


O objetivo do presente estudo foi identificar o perfil cardiorrespiratório de estudantes do curso de Educação Física de uma Faculdade particular da zona oeste do Rio de Janeiro. Metodologicamente, o estudo caracterizou-se como descritivo, de caráter quantitativo. Como instrumento de coleta de dados foi utilizado o protocolo para verificação do IMC e utilizado o teste Vai-e-Vem de 20 metros ou Bleep Test. Participaram do teste a amostra de 24 estudantes do curso de Educação Física, com idade média de 28 anos, sendo 16 do sexo masculino e 8 do feminino. Em síntese, os resultados revelaram que a frequência cardíaca de repouso e após o esforço estavam dentro da normalidade e o VO²máx., em valores médios, estava consideravelmente indicando um nível de regular para bom. Nesse sentido, o presente estudo concluiu que é possível identificar o perfil cardiorrespiratório a partir da análise do consumo máximo de oxigênio utilizando o beep test, uma vez que esse método apresentou os valores do condicionamento cardiorrespiratório, aduzindo a capacidade que o indivíduo tem para manter a frequência cardíaca e a respiratória, buscando suprir o organismo de oxigênio e nutrientes durante o esforço.

 

ABSTRACT 

Cardiorrespiratory profile of students of physical education of a university of the west zone of Rio de Janeiro

The objective of the present study was to identify the cardiorespiratory profile of students of the Physical Education course of a particular Faculty of the western zone of Rio de Janeiro. Methodologically, the study was characterized as descriptive, of a quantitative nature. As a data collection instrument, the protocol for BMI verification was used and the 20-Meter Vai-e-Come test or Beep Test was used. The sample of 24 students of the Physical Education course, with a mean age of 28 years, 16 males and 8 females, participated in the test. In summary, the results revealed that the resting and post-exercise heart rate were within normal range and the VO 2max, at mean values, was considerably indicating a level of regular to good. In this sense, the present study concluded that it is possible to identify the cardiorespiratory profile from the analysis of maximal oxygen consumption using the beep test, since this method presented the values of cardiorespiratory fitness, adding the individual's ability to maintain Heart rate and respiratory rate, seeking to supply the body with oxygen and nutrients during the effort.


Palavras-chave


VO2máx; Aptidão Física; Saúde

Texto completo:

PDF

Referências


-American College of Sports Medicine. Position Stand: Progression Models in Resistance Training for Healthy Adults. Medicine and Science in Sports and Exercise, Baltimore. Vol. 34. Num. 2. p. 364-380. 2002.

-Amorim, P.R.S.; Silva, S.C.; Dantas, E.H.M.; Fernandes Filho, J. Sensibilidade e especificidade do índice de massa corpórea na determinação da obesidade. Um estudo em brasileiros de ambos os sexos. Fitness & Performance Journal. Vol. 3. Num. 2. p. 71-75. 2004.

-Bara Filho, M.G.; Biesek, S.; Fernandes, A.; Araújo, C.G.S. Comparação de atividade física e peso corporal pregressos e atuais entre graduados e mestres em educação física. Revista Brasileira de Ciência do Esporte. Vol. 21. Núm. 3. 2000.

-Bauer, L. Estimação do coeficiente de correlação de Spearman Ponderado. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia. Porto Alegre. 2007.

-Brasil. Resolução nº 218. Conselho Nacional de Saúde. Brasília: CNS, 1998.

-Castagna, C.; D’ottavio, S. Effect of maximal aerobic power on match performance in elite soccer referees. Journal Strength Conditional Research, Vol. 15. Núm. 3. p. 420-425. 2001.

-Dias, J.A.; Pereira, T.R.M.; Lincoln, P.B.; Sobrinho, R. A. S. A importância da execução de atividade física orientada: uma alternativa para o controle de doença crônica na atenção primária. EFDeportes. Vol. 114. Núm. 11. 2007.

-Duarte, M.F.S; Duarte, C.R. Validade do teste aeróbico de corrida de vai-e-vem de 20 metros. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. Vol. 9. Num. 3. p. 7-14. 2001.

-Enes, C.C.; Pegolo, G.E.; Silva, M.V. Influência do consumo alimentar e do padrão de atividade física sobre o estado nutricional de adolescentes de Piedade, São Paulo. Revista Paulista de Pediatria. Vol. 27. Num. 3. p. 265-271. 2009.

-Freire, R.S., Lélis, F.L.O.; Filho, J.A.F.; Nepomuceno, M.O.; Silveira, M.F. Prática regular de atividade física: estudo de base populacional no Norte de Minas Gerais, Brasil. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 20. Num. 5. p. 348-349. 2014.

-Glaner, M.F. Concordância de questionários de atividade física com a aptidão cardiorrespiratória. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. Vol. 9. Núm. 1. p. 61-66. 2007.

-Léger, L.A.; Lambert, J. A maximal multistage 20-m shuttle run test to predict V02 max. European Journal of Applied Physiology. Vol. 49. Num. 3. p. 1-12. 1982.

-Léger, L.A., Mercier, D.; Gadoury, C.; lambert, J. The multistage 20-meter shuttle run test for aerobic fitness. Journal of Sports Sciences. Vol. 6. Num. 3. p. 93-101. 1988.

-Lima Júnior, L.A.S. Padronização da medição da frequência cardíaca de repouso. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Juiz de Fora, Minas Gerais. 2012.

-Mathias, W.B. Nível de atividade física e composição corporal referenciada no IMC de universitários da UESB, Jequié-BA. EFDeportes, Vol. 13. Num. 124. p. 1. 2008.

-Matsudo, S.M.; Matsudo, V.R.; Araújo, T.; Andrade, D.; Andrade, E.; Oliveria, L.; Braggion, G. Nível de atividade física da população do Estado de São Paulo: análise de acordo com gênero, idade, nível socioeconômico, distribuição geográfica e de conhecimento. Revista Brasileira Ciência e Movimento, Vol. 10. Núm. 4. p. 41-50. 2002.

-Nahas, M.V. Atividade Física e Qualidade de Vida. 2º ed. Londrina: Midiograf, 2001.

-Organização Mundial de Saúde - OMS. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a WHO consultation. Geneva. 3-5 Jun 1997. Geneva: World Health Organization, 1998.

-Paixão, L.A. Estilo de vida e estado nutricional de universitários ingressantes em cursos da área de saúde do recife/PE. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde. Vol. 15. Num. 3. p. 145-150. 2010.

-Rosa, P. Frequência Cardíaca. Educador Fisico. 2009. Disponível em: Acessado em: 19 de Junho de 2012.

-Salve, M.G.C. A prática da atividade física: estudo comparativo entre os alunos de graduação da UNICAMP. Motricidade. Vol. 4. Num. 3. p. 42-47. 2007.

-Silva, D.A.S. Estágios de mudança de comportamento para atividade física e fatores associados em acadêmicos de educação física. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde. Vol. 15. Num. 1. p. 15-20. 2010.

-Silva, D.A.S. Estilo de vida de acadêmicos de Educação Física de uma Universidade Pública do Estado de Sergipe, Brasil. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. Vol. 34. Num. 1. p. 53-67. 2012.

-Silva, G.S.F.; Bergamaschine, R.; Rosa, M.; Melo, C.; Miranda, R.; Filho, M. B. Avaliação do nível de atividade física de estudantes de graduação das áreas saúde/biológica. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 13. Num. 1. p. 39-42. 2007.

-Thomas, J; Nelson, J; Silverman, S. Métodos de pesquisa em atividade física. Porto Alegre: Artmed, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui