Treinamento aquático sistematizado melhora os ní­veis de estresse e imunológico em idosos

  • Bruno Ferrari Silva Departamento de Ciências Fisiológicas, Laboratório de Fisiologia do Exercí­cio (LABFISE), Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá-PR, Brasil.
  • Rafael Evangelista Pedro Departamento de Ciências Fisiológicas, Laboratório de Fisiologia do Exercí­cio (LABFISE), Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá-PR, Brasil.
  • Sidney Barnabé Peres Departamento de Ciências Fisiológicas, Laboratório de Fisiologia do Exercí­cio (LABFISE), Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá-PR, Brasil.
  • Solange Marta Franzoi de Moraes Departamento de Ciências Fisiológicas, Laboratório de Fisiologia do Exercí­cio (LABFISE), Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá-PR, Brasil.
Palavras-chave: Treinamento, Estresse, Idoso

Resumo

O objetivo deste estudo foi avaliar idosos submetidos a um treinamento sistematizado aquático (GT) comparado ao grupo controle (GC) e avaliando os efeitos nocivos do estresse causado pela atividade fí­sica. A amostra foi composta por 30 sujeitos de ambos os sexos, dispostos em dois grupos de 15 indiví­duos controle (GC = 68,5 ± 1,5 anos), sem alterações no estilo de vida diária e 15 indiví­duos treinamento (GT = 67,1 ± 1,1 anos), submetidos ao treinamento de hidroginástica 5 vezes na semana, com duração de uma hora por 12 semanas. As coletas salivares foram realizadas, uma basal, antes e após a primeira sessão de treinamento, respectivamente, a cada quatro semanas até o fim do protocolo. Os resultados foram analisados por meio de estatí­stica descritiva e inferencial, realizando os testes t pareado e Anova Two-way (P<0,05). Observando que o grupo GT apresentou redução significativa na concentração de cortisol salivar após o perí­odo de treinamento, assim como, comparado ao grupo GC. Além de apresentar aumento nas concentrações de imunoglobulina A durante as 12 semanas de treinamento.

Biografia do Autor

Bruno Ferrari Silva, Departamento de Ciências Fisiológicas, Laboratório de Fisiologia do Exercí­cio (LABFISE), Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá-PR, Brasil.

Mestre em Ciências Fisiológicas - PFS/UEM

Rafael Evangelista Pedro, Departamento de Ciências Fisiológicas, Laboratório de Fisiologia do Exercí­cio (LABFISE), Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá-PR, Brasil.

Doutor em Educação fí­sica - PEF/UEM

Solange Marta Franzoi de Moraes, Departamento de Ciências Fisiológicas, Laboratório de Fisiologia do Exercí­cio (LABFISE), Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá-PR, Brasil.

Professora permanente do departamento de Ciências Fisiológicas - UEM.

Referências

-Akimoto, T.; e colaboradores. Effects of 12 months of exercise training on salivary secretory IgA levels in elderly subjects. British journal of sports medicine. Vol. 37. Num. 1. p. 76-79. 2003.

-Almeida, A. P. P. V.; Veras, R. P.; Doimo, L. A. Avaliação do equilíbrio estático e dinâmico de idosas praticantes de hidroginástica e ginástica. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. Vol. 12. Num. 1. p. 55-61. 2010.

-Balsamo, S.; e colaboradores. Treinamento de força versus hidroginástica: Uma análise transversal comparativa da densidade mineral óssea em mulheres na pós-menopausa. Revista Brasileira de Reumatologia. Vol. 53. Num. 2. p. 193-198. 2013.

-Borges, A. T. Efeitos da hidroginástica na pressão arterial sistêmica, em variáveis metabólicas e na composição corporal em mulheres saudáveis com sobrepeso ou obesidade. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia- MG, 2007, 70p.

-Bueno, J. R.; Gouvêa, C. M. C. P. Cortisol e Exercício: Efeitos, Secreção e Metabolismo. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. Vol. 5. Num. 29. p. 435-445. 2011. Disponível em: <http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/364/369>

-Carmo, N. M.; Mendes, E. L.; Brito, C. J. Influência da atividade física nas atividades da vida diária de idosas. Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento Humano. Vol. 5. Num. 2. p. 16-23. 2008.

-Chwalbińska-Moneta, J.; e colaboradores. Early effects of short-term endurance training on hormonal responses to graded exercise. Journal of physiology and pharmacology: an official journal of the Polish Physiological Society. Vol. 56. Num. 1. p. 87-99. 2005.

-Costa Rosa, L. F. P. B.; Vaisberg, M. W. Influências do exercício na resposta imune. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 8. Num. 4. p. 167-172. 2002.

-Farinatti, P. T. V. Teorias biológicas do envelhecimento: do genético ao estocástico. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 8. Num. 4, p. 129-138. 2002.

-Hackney, A. C. Exercise as a stressor to the human neuroendocrine system. Medicina (Kaunas, Lithuania). Vol. 42. Num. 10. p. 788-797. 2006.

-Koh, D. S.; Koh, G. C. The use of salivary biomarkers in occupational and environmental medicine. Occupacional Eviromental Medicine. Vol. 64. Num. 1. p. 202-210. 2007.

-Leandro, C.; e colaboradores. Exercício físico e sistema imunológico: mecanismos e integrações. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto. Vol. 2. Num. 5. p. 80-90. 2002.

-Lim, H. S.; Roh, S. Y.; Yoon, S. An 8-week Aquatic Exercise Program is Effective at Improving Gait Stability of the Elderly. Journal of physical therapy science. Vol. 25. Num. 11. p. 1467-1470. 2013.

-Martins, R. A.; e colaboradores. Effects of Aerobic Conditioning on Salivary IgA and Plasma IgA, IgG and IgM in Older Men and Women. International Journal of Sports Medicine. Vol. 30. Num. 12. p. 906-912. 2009.

-Melo, G. F.; Giavoni, A. Comparação dos efeitos da ginástica aeróbica e da hidroginástica na composição corporal de mulheres idosas. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. Vol. 12. Num. 2. p. 13-18. 2004.

-Moraes, H.; e colaboradores. O efeito do exercício físico nos níveis de cortisol em idosos: uma revisão sistemática systematic review. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde. Vol. 17. Num. 4. p. 314-320. 2012.

-Nascimento, J. R. A.; Capelari, J. B.; Vieira, L. F. Impacto da prática de atividade física no estresse percebido e na satisfação de vida de idosos. Revista da Educacao Fisica. Vol. 23. Num. 4. p. 647-654. 2012.

-Nóbrega, A. C. L.; e colaboradores. Posicionamento Oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte e da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia: Atividade Física e Saúde no Idoso. Rev Bras Med Esporte. Vol. 5. Num. 6. p. 207-211. 1999.

-Oliveira, R. J.; e colaboradores. Respostas hormonais agudas a diferentes intensidades de exercícios resistidos em mulheres idosas. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 14. Num. 4. p. 367-371. 2008.

-Rosa, G.; Dantas, E. H. M.; De Mello, D. B. The response of serum leptin, cortisol and zinc concentrations to concurrent training. Hormones. Vol. 10. Num. 3. p. 215-221. 2011.

-Shahar, S.; e colaboradores. Effectiveness of exercise and protein supplementation intervention on body composition, functional fitness, and oxidative stress among elderly Malays with sarcopenia. Clinical Interventions in Aging. Vol. 8. Num. 1. p. 1365-1375. 2013.

-Shimizu, K.; e colaboradores. secretory immunoglobulin A in elderly individuals. Exercise Immunology Review. p. 60-69. 2007.

-Steptoe, A.; e colaboradores. The longitudinal relationship between cortisol responses to mental stress and leukocyte telomere attrition. Journal of Clinical Endocrinology and Metabolism. Vol. 102. Num. 3. p. 962-969. 2017.

-Stranahan, A. M.; Lee, K.; Mattson, M. P. Ceantral mechanisms of HPA axis regulation by voluntary exercise. Neuromolecular medicine. Vol. 10. Num. 2. p. 118-127. 2010.

-Tanaka, H.; Monahan, K. D.; Seals, D. R. Age-predicted maximal heart rate revisited. Journal of the American College of Cardiology. Vol. 37. Num. 1. p. 153-156. 2001.

-Tsatsoulis, A.; Fountoulakis, S. The protective role of exercise on stress system dysregulation and comorbidities. Annals of the New York Academy of Sciences. Vol. 1083. p. 196-213, 2006.

-Wong, L. L. R.; Carvalho, J. A. O rápido processo de envelhecimento populacional do Brasil: sérios desafios para as políticas públicas. Revista Brasileira de Estudos de População. Vol. 23. Num. 1. p. 5-26. 2006.

Publicado
2018-12-02
Como Citar
Silva, B. F., Pedro, R. E., Peres, S. B., & Franzoi de Moraes, S. M. (2018). Treinamento aquático sistematizado melhora os ní­veis de estresse e imunológico em idosos. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 12(78), 769-778. Recuperado de http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/1500
Seção
Artigos Científicos - Original