A bioimagem como método de avaliação da gordura subcutânea e visceral: do estado da arte a aplicações práticas

Thaís Silva Peleteiro, Lilliam Paes Sena, Clarcson Plácido Santos, Geraldo José Ferrraro

Resumo


Introdução: nas últimas três décadas, um aumento significativo da prevalência de obesidade vem sendo observado e verificado mundialmente. Objetivo: estudar a importância dos métodos de imagem para a avaliação da obesidade. Materiais e métodos: foi feito um levantamento bibliográfico, no qual foram consultados periódicos internacionais disponíveis no banco de dados da Web, Pubmed. Os descritores utilizados para a busca dos artigos foram: ((resonance AND tomography) AND subcutaneous adipose tissue; ((resonance AND tomography) AND abdominal fat. Foram selecionados artigos originais publicados entre 2010 e 2015, além da incorporação de trabalhos clássicos publicados, anteriormente, referentes ao tema e selecionados manualmente. Revisão da literatura: identificou-se 8 artigos que atenderam aos critérios de inclusão. Na análise dos manuscritos, foi evidenciado que a maioria dos estudos selecionados avaliou o método RM, e que as técnicas de bioimagem TC, RM e USG são mais vantajosas para determinação da gordura abdominal, em comparação às demais verificadas, e às medidas antropométricas; uma vez que permitem identificar, separadamente, os volumes de tecido adiposo subcutâneo e visceral. Uma caracterização precisa dos volumes de tecido adiposo abdominal visceral e subcutâneo é importante para avaliar o risco do desenvolvimento de doenças metabólicas relacionadas à obesidade, pois, o tecido adiposo abdominal visceral está mais associado às disfunções metabólicas que o tecido adiposo subcutâneo. Conclusão: as técnicas de imagem para o diagnóstico da obesidade, geralmente, permitem a obtenção direta dos volumes do tecido adiposo em compartimentos específicos, porém, seus custos elevados são obstáculos para o uso regular enquanto métodos de triagem.


Palavras-chave


Gordura subcutânea; Gordura visceral; Obesidade; Técnicas de imagem

Texto completo:

PDF

Referências


-Associação Brasileira para o Estudo de Obesidade e Síndrome Metabólica. Diretrizes Brasileiras de Obesidade 2009-2010. 3ª edição. São Paulo. AC Farmacêutica. 2009.

-Datasus. Ministério da Saúde. Obesidade estabiliza no Brasil, mas excesso de peso aumenta: Brasil. 2015. Disponível em: . Acesso em: 06 jul. 2015.

-Duarte, M. A.; Silva, G. A. P. Esteatose hepática em crianças e adolescentes obesos. Jornal de Pediatria. Vol. 87. p. 150-156. 2011.

-Genné-Bacon, E. Thinking evolutionarily about obesity. Yale journal of biology and medicine. Vol. 87. p. 99-112. 2014.

-Kaul, S.; Rothney, M. P.; Peters, D. M.; Wacker, W. K.; Davis, C.E.; Shapiro, M. D.; Ergun, D. L. Dual-energy X-Ray absorptiometry for quantification of visceral fat. Obesity. Vol. 6. p. 1313-1318. 2012.

-Klopfenstein, B. J.; Kim, M. S.; Krisky, C. M.; Szumowski, J.; Rooney, W. D.; Purnell, J.Q. Comparison of 3 T MRI and CT for the measurement of visceral and subcutaneous adipose tissue in humans. British Journal of Radiology. Vol. 85. p. 826-830. 2012.

-Lederman, H. M. Gordura visceral e subcutânea. Radiologia Brasileira. Vol.47. p. 149-153. 2014.

-Martins, K. A.; Monego, E.T.; Paulinelli, R.R.; Junior, R.F. Comparação de métodos de avaliação da gordura corporal total e sua distribuição. Revista Brasileira de Epidemiologia. Vol.14. p. 677-687. 2011.

-Müller, H-P.; Raudies, F.; Unrath, A.; Neumann, H.; Ludolph, A. C.; Kassubek, J. Quantification of human body fat tissue percentage by MRI. NMR in biomedicine. Vol.24. p. 17-24. 2011.

-Neel, J. Diabetes Mellitus: a "thrifty genotype rendered detrimental by progress?”. American journal of human genetics. Vol.14. p. 353-362. 1962.

-Rolfe, E. D. L.; Modi, N.; Uthaya, S.; Hughes, I.A.; Dunger, D. B.; Acerini, C.; Stolk, R. P.; Ong, K. K. Ultrasound estimates of visceral and subcutaneous-abdominal adipose tissues in infancy. Journal of Obesity. p.1-10. 2013.

-Rolfe, E. D. L.; Norris, S. A.; Sleigh, A.; Brage, S.; Dunger, D. B.; Stolk R. P.; Ong, K. K. Validation of ultrasound estimates of visceral fat in black south African adolescents. Obesity. Vol. 19. p. 1892-1897. 2011.

-Roriz, A. K.; Mello, A. L.; Guimarães, J. F.; Santos, F. C.; Medeiros, J. M.; Sampaio, L. R. Avaliação por imagem da área de gordura visceral e suas correlações com alterações metabólicas. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. Vol. 95. p. 698-704. 2010.

-Ryo, M.; Kishida, K.; Nakamura, T.; Yoshizumi, T.; Funahashi, T.; Shimomura, L. Clinical significance of visceral adiposity assessed by computed tomography: A Japanese perspective. World Journal of Radiology. Vol.6. p. 409-416. 2014.

-Schlecht, I.; Wiggermann, P.; Behrens, G.; Fischer, B.; Koch, M.; Freese, J.; Rubin, D.; Nöthlings, U.; Stroszczynski, C.; Leitzmann, M.F. Reproducibility and validity of ultrasound for the measurement of visceral and subcutaneous adipose tissues. Metabolism. Vol. 63. Num.12. p. 1512-1519. 2014.

-Taylor, A.E.; Kuper, H.; Varma, R.D.; Wells, J.C.; Bell, J.D.; Radhakrishna, K. V.; Kulkarni, B.; Kinra, S.; Timpson, N.J.; Ebrahim, S.; Smith, G.D.; Ben-Shlomo, Y. Validation of dual energy x-ray absorptiometry measures of abdominal fat by comparison with magnetic resonance imaging in an indian population. PLos ONE. Vol. 7. p.1-7. 2012.

-Vandevijvere, S.; Chow, C.C.; Hall, K.D.; Umali, E.; Swinburn, B. A. Increased food energy supply as a major driver of the obesity epidemic: a global analysis. Bull World Health Organ. Vol. 93. p. 446-456. 2015.

-Vasques, A.C.; Priore, S. E.; Rosado, L. E.; Franceschini SC. Utilização de medidas antropométricas para a avaliação do acúmulo de gordura visceral. Revista de Nutrição. Vol. 23. p. 107-118. 2010.

-Wald, D.; Teucher, B.; Dinkel, J.; Kaaks, R.; Delorme, S.; Boeing, H.; Seidensaal, K.; Meinzer, H. P.; Heimann, T. Automatic quantification of subcutaneous and visceral adipose tissue from whole-body magnetic resonance images suitable for large cohort studies. Journal of magnetic resonance imaging. Vol. 36. p. 1421-1434. 2012.

-World Health Organization (WHO). 10 facts on obesity: Brasil. 2015a. Disponível em: . Acesso em: 31 Oct 2015.

-World Health Organization (WHO). Obesity Brasil. 2015b. Disponível em: . Acesso em: 31 Oct. 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui