Efeito da ação muscular excêntrica na avaliação perceptual da dor muscular de início tardio

Geovani Alves dos Santos, Sérgio Rodrigues Moreira, Fabiana Rodrigues Santos, Francisco Teixeira-Coelho

Resumo


Ainda é necessário entender os efeitos da utilização e não utilização da ação muscular excêntrica durante a avaliação perceptual da dor muscular de início tardio (DMIT). Portanto, o objetivo do presente estudo foi verificar a influência da utilização e não utilização de ação excêntrica sobre a mensuração da DMIT. Oito estudantes universitários do sexo masculino participaram da pesquisa em caráter voluntário (23,75 ± 1,4 anos). Foram submetidos a um exercício de saltos pliométricos para indução de dano muscular do quadríceps. A percepção de dor muscular foi avaliada 24 e 48 horas através de uma escala de 0 a 10 pontos, seguindo duas diferentes formas de avaliação, 1- sem ação muscular (SAM) e 2 - com ação muscular excêntrica (CAME), as escalas foram apresentadas em ordem balanceada aos voluntários. Nenhuma diferença estatística significativa para percepção de dor do quadríceps foi encontrada quando comparadas as duas formas de avaliação 24 horas pós-exercício (p = 0,125). Contudo na avaliação 48 horas pós-exercício houve diferença significante com valores superiores para CAME (p = 0,016). Conclui-se que a utilização de ação muscular excêntrica durante avaliação perceptual da DMIT apresenta comportamento semelhante ao documentado na literatura para avaliações com métodos mais complexos. Por outro lado, a avaliação da DMIT sem ação muscular pode subestimar a dor percebida pelos indivíduos.


Palavras-chave


Dor muscular; Dor; Creatina quinase

Texto completo:

PDF

Referências


-Armstrong, R.B. Mechanisms of exercise-induced delayed onset muscular soreness: a brief review. Med Sci Sports Exerc. vol. 16. Núm. 6. 1984. p. 529-538.

-Borg, G.A. Psychophysical bases of perceived exertion. Med Sci Sports Exerc. Vol. 14. Núm. 5. 1982. p. 377-381.

-Collins, S.L.; Moore, R.A.; Mcquay, H.J. The visual analogue pain intensity scale: what is moderate pain in millimetres?. Pain. Vol. 72. Núm. 1-2. 1997. p. 95-97.

-Chen, C.H.; Chen, T.C.; Jan, M.H.; Lin, J.J. Acute effects of static active or dynamic active stretching on eccentric-exercise-induced hamstring muscle damage. Int J Sports Physiol Perform. Vol. 10. Núm. 3. 2015. p. 346-352.

-Ellwanger, R.B.; Brentano, M.A.; Kruel, L.F.M. Efeito da utilização de diferentes velocidades do treino de força em marcadores indiretos de lesão muscular. Rev Bras Educ Fís Esporte. Vol. 21. Núm. 4. 2007. p. 259-270.

-Ferreira‐Junior, J.B.; Bottaro, M.; Vieira, A.; Siqueira, A.F.; Vieira, C.A.; Durigan, J.L.Q.; Candore, E.L.; Coelho, L.G.M.; Simões, H.G.; Bembens, M.G. One session of partial‐body cryotherapy (− 110° C) improves muscle damage recovery. Scand J Med Sci Sports. Vol. 25. Núm. 5. 2015. p. e524-e530.

-Foschini, D.; Prestes, J.; Charro, M.A. Relação entre exercício físico, dano muscular e dor muscular de início tardio. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. Vol. 9. Núm. 1. 2007. p. 101-106.

-Hasenoehrl, T.; Wessner, B.; Tschan, H.; Vidotto, C.; Crevenna, R.; Csapo, R. Eccentric resistance training intensity may affect the severity of exercise induced muscle damage. J Sports Med Phys Fitness. Vol. 57. Núm. 9. 2017. p. 1195-1204.

-Hedayatpour, N.; Falla, D. Physiological and neural adaptations to eccentric exercise: mechanisms and considerations for training. BioMed Res Int. Vol. 2015. 2015. p. 1-7.

-Hyldahl, R.D.; Chen, T.C.; Nosaka, K. Mechanisms and mediators of the skeletal muscle repeated bout effect. Exerc Sport Sci Rev. Vol. 45. Núm. 1. 2017. p. 24-33.

-Jensen, M.P.; Karoly, P.; O'riordan, E.F.; Bland, J.F.; Burns, R.S. The subjective experience of acute pain. An assessment of the utility of 10 indices. Clin J Pain. Vol. 5. Núm. 2. 1989. p. 153-159.

-Lewis, P.B.; Ruby, D.; Bush-Joseph, C.A. Muscle soreness and delayed-onset muscle soreness. Clin Sports Med. Vol. 31. Núm. 2. 2012. p. 255-262.

-Macaluso, F.; Isaacs, A.W.; Myburgh, K.H. Preferential type II muscle fiber damage from plyometric exercise. J Athl Train. Vol. 47. Núm. 4. 2012. p. 414-420.

-Magalhães, S.C.; Lima, L.C.R.; Brito, L.C.; Oliveira Assumpção, C. Rabdomiólise induzida pelo exercício de força: revisão e análise dos principais relatos dos últimos 25 anos. R bras Ci e Mov. Vol. 26. Núm. 1. 2018. p. 189-199.

-Miyama, M.; Nosaka, K. Muscle damage and soreness following repeated bouts of consecutive drop jumps. Adv Exerc Sports Physiol. Vol. 10. Núm. 3. 2004. p. 63-69.

-Mizumura, K.; Taguchi, T. Delayed onset muscle soreness: InVolvement of neurotrophic factors. J Physiol Sci. Vol. 66. Núm. 1. 2016. p. 43-52.

-Smith, L.L.; Brunetz, M.H.; Chenier, T.C.; McCammon, M.R.; Houmard, J.A.; Franklin, M.E.; Israel, R.G. The effects of static and ballistic stretching on delayed onset muscle soreness and creatine kinase. Res Q Exerc Sport. Vol. 64. Núm. 1. 1993. p. 103-107.

-Sousa, F.F.; Silva, J.A. A métrica da dor (dormetria): problemas teóricos e metodológicos. Rev Dor. Vol. 6. Núm. 1. 2005. p. 469-513.

-Tibana, R.A.; Sousa, N.M.; Prestes, J. Quantificação da carga da sessão de treino no Crossfit® por meio da percepção subjetiva do esforço: um estudo de caso e revisão da literatura. Rev bras ciênc mov. Vol. 25. Núm. 3. 2017. p. 5-13.

-Tricoli, V. Mecanismos envolvidos na etiologia da dor muscular tardia. R Bras Ci e Mov. Vol. 9. Núm. 2. 2008. p. 39-44.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui