Efeitos do treinamento de força nos parâmetros neuromusculares e funcionais de idosos longevos

  • Tainara Steffens Programa de pós-graduação de Ciência do Movimento Humano, Escola de Educação Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre-RS, Brasil.
  • Talita Molinari Programa de pós-graduação de Ciência do Movimento Humano, Escola de Educação Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre-RS, Brasil.
  • Karen Lima Pereira Programa de pós-graduação de Ciência do Movimento Humano, Escola de Educação Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre-RS, Brasil.
  • Isabel Almeida Paz Programa de pós-graduação de Ciência do Movimento Humano, Escola de Educação Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre-RS, Brasil.
Palavras-chave: Longevos, Capacidade funcional, Força muscular

Resumo

Introdução: o processo de envelhecimento está associado a alterações neuromusculares que sofrem declínio, dentre eles estão a força muscular, a potência muscular e a taxa de produção de força, principalmente em idosos longevos acima de 80 anos. O treinamento de força tem sido bem documentado como uma intervenção efetiva e benéfica para reverter esses declínios, mas é importante determinar qual tipo de treinamento, volume ideal e periodização promove melhores efeitos para otimizar os ganhos nos parâmetros neuromusculares e consequentemente funcionais em idosos longevos. Objetivos: descrever os efeitos do treinamento de força nos parâmetros neuromusculares e funcionais em idosos longevos. Métodos: Foi realizado busca na base de dados EMBASE, de acordo com o PICOT, a população de idosos longevos (idade ≥80 anos), intervenção com treinamento de força ou exercício, como desfecho força muscular, taxa de produção de força e capacidade funcional, incluídos apenas Ensaios Clínicos Randomizados. Resultados: foram incluídos 12 artigos que abordaram treinamento convencional, com características explosiva, em equipamento isocinético e treinamento multicomponente. Conclusão: os resultados sugerem que o treinamento de força convencional por um período de 8 semanas, com progressão de carga de 30% a 70% é capaz de promover benefícios em parâmetros neuromusculares e funcionais. Bem como, o treinamento com características explosiva e multicomponentes podem beneficiar essa população especialmente com a manutenção da força explosiva e capacidade funcional, principalmente pelo incremento da taxa de produção de força.

Biografia do Autor

Tainara Steffens, Programa de pós-graduação de Ciência do Movimento Humano, Escola de Educação Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre-RS, Brasil.

Fisioterapeuta,Mestranda em Ciência do Movimento Humano, pelo Programa de Pós-Graduação de Ciência do Movimento Humano da Escola de Educação Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul(UFRGS).

Talita Molinari, Programa de pós-graduação de Ciência do Movimento Humano, Escola de Educação Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre-RS, Brasil.
Educação Física, Mestranda em Ciência do Movimento Humano, pelo Programa de Pós-Graduação de Ciência do Movimento Humano da Escola de Educação Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul(UFRGS).
Karen Lima Pereira, Programa de pós-graduação de Ciência do Movimento Humano, Escola de Educação Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre-RS, Brasil.

Educação Física, Mestranda em Ciência do Movimento Humano, pelo Programa de Pós-Graduação de Ciência do Movimento Humano da Escola de Educação Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul(UFRGS).

Isabel Almeida Paz, Programa de pós-graduação de Ciência do Movimento Humano, Escola de Educação Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre-RS, Brasil.
Fisioterapeuta,Mestranda em Ciência do Movimento Humano, pelo Programa de Pós-Graduação de Ciência do Movimento Humano da Escola de Educação Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul(UFRGS).

Referências

-Aagaard, P.; Simonsen, E. B.; Andersen, J. L.; Magnusson, P.; Dyhre-Poulsen, P. Increased rate of force development and neural drive of human skeletal muscle following resistance training. Journal of Applied Physiology. Vol. 93. Num. 4. 2002. p.1318-1326.

-Ansai, J. H.; Aurichio, T. R.; Gonçalves, R.; Rebelatto, J. R. Effects of two physical exercise protocols on physical performance related to falls in the oldest old: A randomized controlled trial. Geriatrics and Gerontology International. Vol. 16. Num. 4. 2016. p. 492-499.

-Buskard, A.; Zalma, B.; Cherup, N.; Armitage, C.; Dent, C.; Signorile, J. F. Effects of linear periodization versus daily undulating periodization on neuromuscular performance and activities of daily living in an elderly population. Experimental Gerontology. Vol.113. 2018. p. 199-208.

-Cadore, E. L.; Casas-Herrero, A.; Zambom-Ferraresi, F.; Idoate, F.; Millor, N.; Gomez, M.; Rodriguez-Mañas, L.; Izquierdo, M. Multicomponent exercises including muscle power training enhance muscle mass, power output, and functional outcomes in institutionalized frail nonagenarians. Age. Vol. 36. Num. 2. 2014a. p. 773-785.

-Cadore, E. L.; González-Izal, M.; Pallarés, J. G.; Rodriguez-Falces, J.; Häkkinen, K.; Kraemer, W. J.; Pinto, R.S.; Izquierdo, M. Muscle conduction velocity, strength, neural activity, and morphological changes after eccentric and concentric training. Scandinavian Journal of Science & Medicine in Sports. Vol. 24. Num. 5. 2014b. p. e343-352.

-Cancela Carral, J. M.; Pallin, E.; Orbegozo, A.; Ayán Pérez, C. Effects of Three Different Chair-Based Exercise Programs on People Older Than 80 Years. Rejuvenation Research. Vol. 20. Num. 5. 2017. p. 411-419.

-Caserotti, P.; Aagaard, P.; Buttrup Larsen, J.; Puggaard, L. Explosive heavy- resistance training in old and very old adults: Changes in rapid muscle force, strength and power. Scandinavian Journal of Medicine and Science in Sports. Vol.18. Num.6. 2008. p.773-782.

-Fiatarone, M. A.; Marks, E. C.; Ryan, N. D.; Meredith, C. N.; Lipsitz, L. A.; Evans, W. J. High-intensity strength training in nonagenarians. Journal of the American Medical Association. Vol. 263. Num. 22. 1990. p.3029-3034.

-Hassan, B. H.; Hewitt, J.; Keogh, J. W.; Bermeo, S.; Duque, G.; Henwood, T. R. Impact of resistance training on sarcopenia in nursing care facilities: A pilot study. Geriatric nursing. Vol. 37. Num. 2. 2016. p.116-121.

-Hunter, G. R.; McCarthy, J. P.; Bamman, M. M. Effects of resistance training on older adults. Sports Medicine. Vol. 34. Num.5. 2004. p.29-348.

-Idland, G.; Sylliaas, H.; Mengshoel, A. M.; Pettersen, R.; Bergland, A. Progressive resistance training for community-dwelling women aged 90 or older; a single-subject experimental design. Disability and Rehabilitation. Vol.36. Num. 15. 2014. p.1240-1248.

-Komi, P.V. Stretch-shortening cycle. Strength and power in sport. Vol. 2. 2003. p. 184-202.

-Kraemer, W.J.; Newton, R.U. Training for muscular power. Physical Medicine and Rehabilitation Clinics. Vol. 11. Num. 2. 2000. p. 341-368.

-Magnolfi, S. U.; Petruzzi, E.; Pinzani, P.; Malentacchi, F.; Pazzagli, M.; Antonini, F. M. Longevity index (LI%) and centenarity index (CI%): New indicators to evaluate the characteristics of aging process in the Italian population. Archives of Gerontology and Geriatrics. Vol. 44. Num. 3. 2007. p.271-276.

-Nagai, K.; Miyamato, T.; Okamae, A.; Tamaki, A.; Fujioka, H.; Wada, Y.; Uchiyama, Y.; Domen, K. Physical activity combined with resistance training reduces symptoms of frailty in older adults: A randomized controlled trial. Archives of Gerontology and Geriatrics. Vol.76. 2018. p.41-47.

-Puthoff, M.L.; Nielsen, D.H. Relationships among impairments in lower-extremity strength and power, functional limitations, and disability in older adults. Physical therapy. Vol. 87. Num. 10. 2007. p. 1334-1347.

-Radaelli, R.; Brusco, C. M.; Lopez, P.; Rech, A.; Machado, C. L. F.; Grazioli, R.; Müller, D.C.; Cadore, E.L.; Pinto, R. S. Higher muscle power training volume is not determinant for the magnitude of neuromuscular improvements in elderly women. Experimental Gerontology. Vol.110. 2018. p.15-22.

-Ruiz, J. R.; Gil-Bea, F.; Bustamante-Ara, N.; Rodríguez-Romo, G.; Fiuza-Luces, C.; Serra-Rexach, J. A.; Cedazo-Minguez, A.; Lucia, A. Resistance training does not have an effect on cognition or related serum biomarkers in nonagenarians: a randomized controlled trial. International Journal of Sports Medicine. Vol.36. Num. 1. 2015. p.54-60.

-Saeterbakken, A. H.; Bårdstu, H. B.; Brudeseth, A.; Andersen, V. Effects of Strength Training on Muscle Properties, Physical Function, and Physical Activity among Frail Older People: A Pilot Study. Journal of Aging Research. Vol. 2018. p.11.

-Serra-Rexach, J. A.; Bustamante-Ara, N.; Hierro Villaran, M.; Gonzalez Gil, P.; Sanz Ibanez, M. J.; Blanco Sanz, N; Ortega Santamaría, V; Gutiérrez Sanz, N; Marín Prada, A.B.; Gallardo, C.; Rodríguez Romo, G.; Ruiz, J.R.; Lucia, A. Short-term, light- to moderate-intensity exercise training improves leg muscle strength in the oldest old: a randomized controlled trial. Journal of the American Geriatrics Society. Vol.59. Num.4. 2011. p. 594-602.

-Slivka, D.; Raue, U.; Hollon, C.; Minchev, K.; Trappe, S. Single muscle fiber adaptations to resistance training in old (>80 yr) men: Evidence for limited skeletal muscle plasticity. American Journal of Physiology - Regulatory Integrative and Comparative Physiology. Vol. 295. Num. 1. 2008.p. R273-R280.

-Williamson, D. L.; Raue, U.; Slivka, D. R.; Trappe, S. Resistance exercise, skeletal muscle FOXO3A, and 85-year-old women. The journals of gerontology: Series A. Vol. 65A. Num. 4. 2010. p:335-343.

Publicado
2020-08-04
Como Citar
Steffens, T., Molinari, T., Pereira, K. L., & Paz, I. A. (2020). Efeitos do treinamento de força nos parâmetros neuromusculares e funcionais de idosos longevos. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 13(88), 1461-1469. Recuperado de http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/1916
Seção
Artigos Científicos - Revisão