Efeitos de diferentes protocolos de aquecimento sobre o desempenho de repetições máximas e percepção subjetiva de esforço

  • Eladio Nascimento Borges Universidade Federal do Pará, Castanhal - PA.
  • Víctor Silveira Coswig Universidade Federal do Pará, Castanhal - PA
  • Alessandra Mendonça Tomás Universidade Federal do Pará, Castanhal - PA
  • Déborah de Araújo Farias Centro Universitário do Norte - UNINORTE
Palavras-chave: Aquecimento, Treinamento de força, Desempenho

Resumo

O objetivo do presente estudo foi comparar os efeitos de diferentes protocolos de aquecimento sobre o número de repetições máximas e percepção subjetiva de esforço (PSE) de membros superiores em indivíduos adultos saudáveis. Foram realizados teste e re-teste de 10 repetições máximas (10RM) no Supino reto com barra (SRB). Nas quatro sessões subsequentes foram aplicados os protocolos experimentais. Os protocolos consistiram de cinco séries de SRB com 100% de 10RM até a falha concêntrica. Os seguintes protocolos foram realizados de forma randomizada: controle (CON) sem aquecimento prévio; Aquecimento específico (AQE) – duas séries com 15 repetições; Aquecimento geral (AQG) 15 minutos na esteira ergométrica; Aquecimento geral + específico (AQGE) aquecimento geral e específico com intervalo de 2 minutos entre eles. Houve diferença significativa no número de repetições máximas do protocolo específico quando comparado ao protocolo controle (p = 0.05). A PSE se evidenciou significativamente menor nas duas primeiras séries do protocolo controle em comparação com os demais protocolos (AQG, AQE e AQGE), os maiores valores de PSE foram notados no protocolo de aquecimento combinado. Em conclusão, o AQE pode causar uma diminuição no desempenho de repetições máximas em séries múltiplas no exercício SRB, quando comparado ao CON porém sem diferenças significativas para os demais aquecimentos. Em relação à PSE, no presente estudo a mesma se mostrou significantemente menor nas séries iniciais do protocolo sem aquecimento, e mais elevada no grupo AQGE porém deve-se analisar a relação da economia de tempo durante uma sessão de treinamento ao utilizar tais aquecimentos.

Biografia do Autor

Déborah de Araújo Farias, Centro Universitário do Norte - UNINORTE
Professora no Centro Universitário do Norte - UNINORTE; Doutora em Educação Física pela Universidade Federal do Rio de Janeiro

Referências

-Albuquerque, C.V.; e colaboradores. Efeito agudo de diferentes formas de aquecimento sobre a força muscular. Fisioterapia em Movimento. Vol. 24. Num. 2. 2017.

-Almeida, P.H.F.; e colaboradores. Alongamento muscular: suas implicações na performance e na prevenção de lesões. Fisioterapia em movimento. Vol. 22. Num. 3. 2017.

-Abad, C.C.; e colaboradores. Combination of general and specific warm-ups improves leg-press one repetition maximum compared with specific warm-up in trained individuals. The Journal of Strength & Conditioning Research. Vol. 25. Num. 8. 2011. p. 2242-2245.

-Alencar, T.; Matias, K.F.D.S. Princípios fisiológicos do aquecimento e alongamento muscular na atividade esportiva. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 16. Num. 3. 2010. p. 230-234.

-Barroso, R.; e colaboradores. The effects of different intensities and durations of the general warm-up on leg press 1RM. The Journal of Strength & Conditioning Research. Vol. 27. Num. 4. 2013. p. 1009-1013.

-Bishop, D. Warm up I. Sports medicine. Vol. 33. Num. 6. 2003. p. 439-454.

-Bishop, D. Warm-up II: Performance changes following active warm up on exercise performance. Sports Medicine. Vol. 33. Num. 6. 2003. p. 483-498.

-Coledam, C.; e colaboradores. Efeito do aquecimento com corrida sobre a agilidade e a impulsão vertical em jogadores juvenis de futebol. Motriz: Revista de Educação Física. 2009. p. 257-262.

-Farias, D.A.; e colaboradores. Maximal Strength Performance and Muscle Activation for the Bench Press and Triceps Extension Exercises Adopting Dumbbell, Barbell, and Machine Modalities Over Multiple Sets. J Strength Cond Res. V. 31. Núm. 7. p. 1879-1887. 2017.

-Fradkin, A.J.; Zazryn, T.R.; Smoliga, J. M. Effects of warming-up on physical performance: a systematic review with meta-analysis. The Journal of Strength & Conditioning Research. Vol. 24. Num. 1. 2010. p. 140-148.

-Gil, S.; Roschel, H.; Barroso, R. O efeito do aquecimento geral no desempenho da força máxima de membros superiores e inferiores. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. Sõ Paulo. Vol. 9. Num. 55. 2015. p. 493-498.

-Lins-Filho, O.D.L.; e colaboradores. Effects of exercise intensity on rating of perceived exertion during a multiple-set resistance exercise session. The Journal of Strength & Conditioning Research. Vol. 26. Num. 2. 2012. p. 466-472.

-Mccrary, J.M.; Ackermann, B.J.; Halaki, M. A systematic review of the effects of upper body warm-up on performance and injury. British Journal of Sports Medicine. Vol. 49. Num. 14. 2015. p. 935-942.

-Mcgowan, C.J.; e colaboradores. Warm-up strategies for sport and exercise: mechanisms and applications. Sports medicine. Vol. 45. Num. 11. 2015. p. 1523-1546.

-Ribeiro, A.S.; e colaboradores. Effect of different warm-up procedures on the performance of resistance training exercises. Perceptual and motor skills. Vol. 119. Num. 1. 2014. p. 133-145.

-Robertson, R.J.; e colaboradores. Concurrent validation of the OMNI perceived exertion scale for resistance exercise. Medicine & Science in Sports & Exercise. Vol. 35. Num. 2. 2003. p. 333-341.

-Salles, B.F.; e colaboradores. Rest interval between sets in strength training. Sports medicine. Vol. 39. Num. 9. 2009. p. 765-777.

-Silva, B.F.N.; Santos, P.H.L.; Glória, R.B.; Brito, J.S.; Pinho, A.F.; Araújo, M.P.; Paz, G.A.; Miranda, H. Efeitos agudos do aquecimento específico e exercícios de mobilidade articular no desempenho de repetições máximas e volume de treinamento. ConscientiaeSaúde. Vol. 16. Num. 1. 2017. p. 50-57.

-Tanaka, H.; Monahan, K.D.; Seals, D.R. Age-predicted maximal heart rate revisited. Journal of the American College of Cardiology. Vol. 37. Num. 1. 2001. p. 153-156.

-Woods, K.; Bishop, P.; Jones, E. Warm-up and stretching in the prevention of muscular injury. Sports Medicine. Vol. 37. Num. 12. 2007. p. 1089-1099.

Publicado
2020-08-04
Como Citar
Borges, E. N., Coswig, V. S., Tomás, A. M., & Farias, D. de A. (2020). Efeitos de diferentes protocolos de aquecimento sobre o desempenho de repetições máximas e percepção subjetiva de esforço. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 13(88), 1453-1460. Recuperado de http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/1968
Seção
Artigos Científicos - Original