Utilização da termografia infravermelha como controle de carga interna em jogadores de futebol

  • José Guilherme Bottentuit Vieira Universidade Federal do Maranhão, Bacharelado em Educação Física, São Luís-MA, Brasil.
  • Alyson Felipe da Costa Sena Universidade Federal do Maranhão, Programa de Pós-Graduação em Educação Física, São Luís-MA, Brasil.
  • Luiz Ricardo Mendes de Sousa Silva Universidade Federal do Maranhão, Programa de Pós-Graduação em Educação Física, São Luís-MA, Brasil.
  • Mario Norberto Sevilio de Oliveira Junior Universidade Federal do Maranhão, Bacharelado em Educação Física, São Luís-MA, Brasil; Universidade Federal do Maranhão, Programa de Pós-Graduação em Educação Física, São Luís-MA, Brasil.
  • Christian Emmanuel Torres Cabido Universidade Federal do Maranhão, Bacharelado em Educação Física, São Luís-MA, Brasil; Universidade Federal do Maranhão, Programa de Pós-Graduação em Educação Física, São Luís-MA, Brasil.
  • Eduardo Mendonça Pimenta Universidade Federal de Minas Gerais, Programa de Pós-Graduação em Ciências do Esporte, Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional, Belo Horizonte-MG, Brasil.
  • Christiano Eduardo Veneroso Universidade Federal do Maranhão, Bacharelado em Educação Física, São Luís-MA, Brasil; Universidade Federal do Maranhão, Programa de Pós-Graduação em Educação Física, São Luís-MA, Brasil.
Palavras-chave: Futebol, Controle de carga, Termografia infravermelha

Resumo

A termografia infravermelha vem sendo utilizada no intuito de verificar a capacidade deste em determinar a magnitude da carga interna de partidas oficiais a qual os atletas estão sendo submetidos. Objetivo: Analisar o comportamento do perfil termográfico dos músculos posteriores dos membros inferiores de atletas de futebol no período de recuperação, entre 24 e 48 horas, pós-partidas. Materiais e Métodos: De acordo com os critérios de inclusão e exclusão, amostra foi composta de cinco atletas com média de idade em anos 26,0 ±3,0 que jogaram quatro partidas consecutivas de futebol da série A do campeonato maranhense de futebol. Foi realizada as imagens termográficas dos músculos posteriores do membro inferior nos períodos pós-partidas e analisadas com o software Apollo (Omni) e adotado um nível de significância p<0,05. Resultado e Discussão: Os valores referentes a variação de temperatura, apresentados durante os quatro jogos, não apresentaram diferença significativa. Embora se pode notar que a partir do terceiro jogo, a termografia apresentou aumento gradual do número de pixels da zona quente em comparação com o primeiro jogo. Dessa forma, um atleta, ao realizar a sua quarta partida oficial sucessiva em um período curto de descanso entre jogos, pode apresentar uma fadiga residual elevada sendo um dos fatores de risco para o acometimento de lesão. Conclusão: A termografia mostrou que partir do terceiro jogo ocorre um aumento gradual do número de pixels da zona quente em comparação com o primeiro jogo. Assim pode-se dizer que a termografia infravermelha tem potencial no controle de carga, trabalhando assim na predição de possíveis lesões.

Referências

-Bandeira, F.; Moura, M. A. C.; Souza, M. A.; Nohama, P.; Neves, E. B. Pode a termografia auxiliar no diagnóstico de lesões musculares em atletas de futebol? Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 18. Núm. 4. p. 246-251. 2012.

-Bompa, T. O. Periodização: teoria e metodologia do treinamento. 4ª edição. São Paulo. Phorte. 2002.

-Brioschi, M. L.; Yeng, L. T.; Pastor, E. M. H.; Teixeira, M. J. Utilização da imagem infravermelha em reumatologia. Revista Brasileira de Reumatologia. Vol. 47. Núm. 1. p. 42-51. 2007.

-Bengtsson, H.; Ekstrand, J.; Hagglund, M. Muscle injury rates in professional football increase with fixture congestion: an 11-year follow-up of the UEFA Champions League injury study. British Journal of Sports Medicine. Vol.47. Núm.12. p.743-7. 2013.

-Budgett, R. Fatique and underperformance in athletes: the overtraining syndrome. British Journal of Sport and Medicine. Vol. 32. Núm. 2. p. 107-110. 1998.

-Carling, C.; Gregson, W.; Mccall, A.; Moreira, A.; Wong, D.P.; Bradley, P.S. Match running performance during fixture congestion in elite soccer: Research issues and future directions. Sports Medicine. Vol.45. Núm.5. p.605-613. 2015.

-Dupont, G.; Nedelec, M.; Mccall, A.; Mccormack, D.; Berthoin, S.; Wisloff, U. Effect of 2 soccer matches in a week on physical performance and injury rate. American Journal of Sports Medicine. Vol. 38. Núm. 9. p.1752-1758. 2010.

-Fernandes, A. A.; Pimenta, E. M.; Moreira, D. G.; Sillero-Quintana, M.; Marins, J. C. B.; Morandi, R. F.; Kanope, T.; Garcia, E. S. Sport Sciences for Health. Skin temperature changes of under-20 soccer players after two consecutive matches. Vol. 13. Núm. 3. p. 635-643. 2017.

-Gorostiaga, E. M.; Llodio, I.; Ibáñez, J.; Granados, C.; Navarro, I.; Ruesta, M.; Bonnabau, H.; Izquierdo, M. Diferences in physical fitness among indoor and outdoor elite male soccer players. European Journal of Applied Physiology. Vol. 106. Núm. 4. p. 483-491. 2009.

-Hynynen, E.; Uusitalo, A.; Konttinen, N.; Rusko, H. Heart rate variability during night sleep and after awakening in overtrained athletes. Medicine and Science in Sports and Exercise. Vol. 38. Núm. 2. p. 313-317. 2006.

-Jackson, A.S.; Pollock, M. L. Generalized equations for predicting body density of men. The British Journal of Nutrition. Vol.40. Núm.3. p.497-504. 1978.

-Jaspers, A.; Kuyvenhoven, J. P.; Staes, F.; Frencken, W.G.P.; Helsen, W.F.; Brink, M.S. Examination of the external and internal load indicators’ association with overuse injuries in professional soccer players. Journal of science and medicine in sport. Vol. 21. Núm. 6. p. 579-585. 2018.

-Leite, M. A. O. S. T. Efeitos da crioterapia na recuperação das alterações na performance física e de indicadores lesão muscular induzida por um único jogo de futebol. Dissertação de Mestrado. Porto. Universidade do Porto. 2009.

-Nakamura, F. Y.; Moreira, A.; Aoki, M. S. Monitoramento da carga de treinamento: a percepção subjetiva do esforço da sessão é um método confiável. Journal of physical education, Vol. 21. Núm. 1. p. 1-11. 2010.

-Pereira, B. Função das atividades motoras variadas para o rendimento físico: aspectos bioquímicos. Revista Paulista de Educação Física. Vol. 9. Núm. 2. p. 147-162. 2017.

-Siri, W.E. Body composition from fluid spaces and density: analysis of methods. In: J. Brozek, A. Henschel (eds) Techniques for measuring body composition. Washington DC: National Academy of Science. p. 223-44. 1961.

-Tan, J. H.; Ng, E. Y. K.; Acharya, U. R.; Chee, C. Infrared termography on ocular surface temperature: A review. Infrared Physics & Technology. Vol. 52. Núm. 4. p. 97-108. 2009.

-Vanrenterghem, J.; Nedergaard, N. J.; Robinson, M. A.; Drust, B. Training load monitoring in team sports: A novel framework separating physiological and biomechanical load - adaptation pathways. Sports Medicine. Vol. 47. Núm. 11. p. 2135-2142. 2017.

Publicado
2021-11-07
Como Citar
Vieira, J. G. B., Sena, A. F. da C., Silva, L. R. M. de S., Oliveira Junior, M. N. S. de, Cabido, C. E. T., Pimenta, E. M., & Veneroso, C. E. (2021). Utilização da termografia infravermelha como controle de carga interna em jogadores de futebol. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 15(96), 131-136. Recuperado de http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2055
Seção
Artigos Científicos - Original