A eficácia do exercí­cio fí­sico no idoso para a prevenção e tratamento de patologias como diabetes e hipertensão: uma revisão

  • Ismael Ziero Programa de Pós-Graduação Lato-Sensu, Fisiologia do Exercí­cio - Prescrição do Exercí­cio, (UCAM) Universidade Candido Mendes, Rio de Janeiro, Brasil.
  • Renata Gomes Navarro Programa de Pós-Graduação em Saúde do Adulto e da Criança na Universidade Federal do Maranhão-UFMA, Brasil.
Palavras-chave: Exercício f´ísico, Idoso, Diabetes, Hipertensão, Atividade física

Resumo

O exercí­cio fí­sico combate o sedentarismo e contribui de modo na manutenção da aptidão fí­sica no idoso. O envelhecimento natural envolve várias transformações biológicas especí­ficas ao organismo de forma progressiva, como a diminuição da capacidade de adaptação da homeostase em condições de sobrecarga funcional do corpo e diminuição da aptidão fí­sica. Alterações fisiológicas nos idosos deixa-os mais propenso a muitas patologias crônicas não transmissí­veis. Idosos praticantes de atividades fí­sicas regulares têm melhor independência funcional e melhor qualidade de vida. Esse trabalho tem por objetivo analisar a eficâcia da prática de exercí­cios fí­sicos em idosos e sua influência em patologias associadas ao envelhecimento, como diabetes e hipertensão, através de revisão sistemática da literatura. Foi realizado uma revisão narrativa de estudos experimentais, com utilização das bases de dados eletrônicas Lilacs e Scielo, publicados entre 2003 e 2014, utilizando os descritores idosos, atividade fí­sica, exercí­cio fí­sico, diabetes e hipertensão. Dos artigos encontrados, 11 foram utilizados nessa revisão, sendo 5 sobre a diabetes e 6 sobre a hipertensão. Nos trabalhos sobre diabetes, em 3 deles observou-se redução da glicemia, e nos 2 restantes os idosos diabéticos que praticam exercí­cio fí­sico declararam uma melhor percepção da qualidade de vida. Quanto a hipertensão, em todos os artigos houve diminuição da pressão arterial em idosos hipertensos pós-exercí­cio fí­sico. Pode-se concluir que o exercí­cio fí­sico é fator importante na qualidade de vida do idoso, tanto na prevenção quanto no tratamento da diabetes e hipertensão.

Referências

-American College of Sports Medicine. Position Stand on Exercise and type 2 diabetes. Medicine Science Sports Exercise. Vol. 32. Núm. 7. p. 1345-1360. 2000.

-Araújo, C.G.S. Fisiologia do exercício e hipertensão arterial: breve introdução. Hipertensão. Vol. 14. Núm. 3. p. 78-83. 2001.

-Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de atenção básica 2010. Disponível em: http://hiperdia.datasus.gov.br. Acesso em 15/02/2017.

-Brum, P.C.; e colaboradores. Hipertensão Arterial e Exercício Físico Aeróbio. In Negrão, C.E.; Barreto, A.C.P. Cardiologia do exercício: do atleta ao cardiopata. 2ª edição. Manole. 2006.

-Catellane, M. V.; e colaboradores. Efeitos de um programa de exercícios resistidos na composição corporal e aspectos cardiovasculares em idosos hipertensos. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol. 8. Núm. 48. p.609-617. 2014.

-Chobanian, A. V.; e colaboradores. The Seventh Report of the Joint National Committee on Prevention, Detection, Evaluation, and Treatment of High Blood Pressure: the JNC 7 report. JAMA. Vol. 289. Núm. 19. p. 2560-2571. 2003.

-Ciolac, E.G.; e colaboradores. Efeito do Treinamento Físico intervalado e contínuo na pressão arterial 24h, complacência arterial e qualidade de vida em pacientes com hipertensão arterial: resultados preliminares. Revista da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo. Vol. 14. 2004.

-Cléroux, J.; e colaboradores. Baroreflex regulation of forearm vascular resistance after exercise in hypertensive and normotensive humans. American Journal of Physiology. Vol. 263. p. 1523-1531. 1992.

-Corazza, I.D.; e colaboradores. Hipotensão pós-exercício: comparação do efeito agudo do exercício aeróbio em mulheres normotensas e hipertensas limítrofes, da terceira idade adulta. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde. Vol. 8. Núm. 2. p. 28-34. 2003.

-Cuff, D. J.; e colaboradores. Effective exercise modality to reduce insulin resistance in women with type 2 diabetes. Diabetes Care. Vol. 26. Núm. 26. p. 2977-2982. 2003.

-Duarte, M. F. S.; Martins, D. M. Efeito do exercício físico sobre o comportamento da glicemia em indivíduos diabéticos. Revista Bras. Ativ. Fís. Saúde. Vol. 3. Núm. 3. p. 32-44. 1998.

-Flores, A.M.; Zohman, L.R. Reabilitação do Paciente Cardíaco. In Delisa, J.A.; Gans, B.M. Tratado de medicina de reabilitação: princípios e prática. 3ª edição. São Paulo. Manole. p. 1407-1427. 2001.

-Forjaz, M.L.C.; e colaboradores. A Duração do Exercício Determina a Magnitude e a Duração da Hipotensão Pós-Exercício. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. Vol. 70. Núm. 2. p. 99-104. 1998.

-Forjaz, C.L.; e colaboradores. Factors affecting post-exercise hypotension in normotensive and hypertensive humans. Blood Pressure Monitoring. Vol. 5. p. 255-262. 2000.

-Franklin, S. S.; e colaboradores. Predictors of new-onset diastolic and systolic hypertension: the Framingham Heart Study. Circulation. Vol. 111. p. 1121-1127. 2005.

-Franchi, K. M. P.; e colaboradores. Capacidade funcional e atividade física de idosos com diabetes tipo 2. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde. Vol. 13. Núm. 3. p. 158-166. 2008.

-Garret Junior, W. E.; Kendall, D. T A ciência do exercício e do esporte. São Paulo. Artmed. 2003.

-Gonçalves, I. O.; Silva, G.J.J.; Navarro, A.C. Efeito hipotensivo do exercício físico aeróbio agudo em idosos hipertensos entre 60 e 80 anos. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol. 1. Núm. 5. p. 76-84. 2007.

-Guimarães, J. M. N.; Caldas, C. P. A Influência da Atividade Física nos Quadros Depressivos em Pessoas Idosas: Uma Revisão Sistemática. Revista Brasileira de Epidemiologia. São Paulo. Vol. 9. Núm. 4. p. 481-492. 2006.

-Hamman, R. F. Prevention of type 2 diabetes. Evidence base for diabetes care. Chichester. Wiley. 2002.

-Hu, F. B.; e colaboradores. Diet, lifestyle, and the risk of type 2 diabetes mellitus in women. N. Engl. J. Med. p. 790-797. 2001.

-IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Perfil dos Idosos Responsáveis pelos Domicílios. 2002. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/25072002pidoso.shtm. Acesso em 28/03/2017.

-Krinski, K.; e colaboradores. Efeito do exercício aeróbio e resistido no perfil antropométrico e respostas cardiovasculares de idosos portadores de hipertensão. Acta Sci. Health Sci. Vol. 28. Núm. 1. p. 71-75. 2011.

-Lima, E.G.; e colaboradores. Efeito do condicionamento físico sobre a monitoração ambulatorial da pressão arterial em normotensos e hipertensos. Arquivo Brasileiro de Cardiologia. Vol. 67. Núm. 3. p.185-188. 1996.

-Lizardo, J.H.F.; Simões, H.G. Efeitos de diferentes sessões de exercícios resistidos sobre a hipotensão pós-exercício. Rev. Bras. Fisioter. Vol. 9. Núm. 3. p. 289-295. 2005.

-Lopes, M. B. M.; e colaboradores. Efeito agudo da glicemia capilar em diabéticos tipo 2 entre uma sessão de hidroginástica e outra de ginástica aeróbica. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol. 3. Núm. 13. p.78-83. 2009.

-Mcardle, W.D.; e colaboradores. Fisiologia do Exercício: energia, nutrição e desempenho humano. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. 2008.

-Miranda, R.D.; e colaboradores. Hipertensão arterial no idoso: peculiaridades na fisiopatologia, no diagnóstico e no tratamento. Revista Brasileira de Hipertensão. Vol. 9. Núm. 5. p. 293-300. 2002.

-Monteiro, L. Z.; e colaboradores. Redução da pressão arterial, do IMC e da glicose após treinamento aeróbico em idosas com diabetes tipo 2. Arq. Bras. Cardiol. Vol. 95. Núm. 5. p. 563-570. 2010.

-Nogueira, L. V.; e colaboradores. Estudo comparativo entre os tipos de exercícios na Diabetes Mellitus tipo 2. Revista UNILUS Ensino e Pesquisa. Vol. 9. Núm. 17. 2012.

-Oliveira, R. F. Efeitos do treinamento de Tai Chi Chuan na aptidão física de mulheres adultas e sedentárias. Revista Brasileira Ciências e Movimento. Vol. 9. Núm. 3. p.1 5â€22. 2001.

-Ortiz, M. C. A.; Zanetti, M. L. Levantamento dos fatores de risco para diabetes mellitus tipo 2 em uma instituição de ensino superior. Revista Latino- Americana de Enfermagem. Vol. 9. Núm. 3. p. 58-63. 2001.

-Pate, R.; e colaboradores. Physical activity and Public Health: a recommendation from the centers for disease control and prevention. American College of Sports Medicine. Jama. Vol. 273. p. 402-407. 2001.

-Pescatello, L.S.; e colaboradores. Short-term effect of dynamic exercise on arterial blood pressure. Circulation. Vol. 83. Núm. 5. p. 1557-1561. 1991.

-Pinho, S. T.; e colaboradores. Os benefícios do exercício físico no controle da pressão arterial de hipertensos. Anais da semana educa. Vol.1. Núm. 1. 2010.

-Polito, M.D.; e colaboradores. Efeito Hipotensivo do Exercício de Força Realizado em Intensidades Diferentes e Mesmo Volume de Trabalho. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 9. Num. 2. p. 69-73. 2003.

-Rique, A. B. R.; e colaboradores. Nutrição e exercício na prevenção e controle das doenças cardiovasculares. Rev. Bras. Med. Esp. Vol. 8. Núm. 6. p. 244-253. 2002.

-Rolim, N. P. L.; Brum, P. C. Efeito do treinamento físico aeróbico na hipertensão arterial. Hipertensão. Vol. 8. Núm.1. 2005.

-Sanhueza, S.; Mascayano, M. Impacto del ejercicio en el adulto mayor hipertenso. Revista HCUCh. Vol. 17. p. 111-128. 2006.

-Sanudo, B.; e colaboradores. Influência do nível de atividade física sobre a aptidão física e qualidade de vida relacionada à saúde em idosos portadores ou não de diabetes mellitus tipo 2. Rev.Bras. Med. Esporte. Vol. 19. Núm. 6. p.41-414. 2013.

-Silva, O. V. Envelhecer no Brasil, uma aventura! A terceira idade. Vol. 12. Núm. 9. p. 44-49. 1996.

-Silva M. A. D. O Exercício: preparação fisiológica, avaliação médica, aspetos especiais e preventivos. Exercício e qualidade de vida. São Paulo. Atheneu. 1999.

-Silva, L.; e colaboradores. Os benefícios do exercício físico para a reabilitação cardíaca em pessoas acima de 60 anos. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol. 4. Núm. 21. p. 277-286. 2010.

-Silva, L. W. S.; e colaboradores. Efeito do treinamento físico aeróbio para pessoas idosas com diabetes mellitus e seus familiares cuidadores. Revista Temática Kairós Gerontologia. Vol. 14. Núm. 3. p.127-143. 2011.

-Silva, D. K.; Nahas, M. V. Prescrição de exercícios físicos para pessoas com doença vascular periférica. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. Vol. 10. 2002.

-Squarcini, C. F. R.; e colaboradores. A pessoa idosa, sua família e a hipertensão arterial: cuidados num Programa de Treinamento Físico Aeróbio. Revista Temática Kairós Gerontologia. Vol. 14. Núm. 3. p. 105-126. 2011.

-Taylor-Tolbert, N. S.; e colaboradores. Ambulatory blood pressure after acute exercise in older men with essential hypertension. American Journal of Hypertension. Vol. 13. p. 44-51. 2000.

-Tinley, P.; Taranto, M. Clinical and dynamic range-of-motion techniques in subjects with and without diabetes mellitus. J. Am. Podiatr. Med. Assoc. Núm. 92. p. 136-42. 2002.

-Tribess, S.; Virtuoso, J. Prescrição de exercícios físicos para idosos. Revista Saúde. 2005.

-Vasconcelos, A. M. N. Causas de morte em idosos no Brasil. Trabalho apresentado no XIV Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP, realizado em Caxambu-MG. Brasil, 2004.

-Wilmore, J. H.; Costill, D. L. Fisiologia do Esporte e do Exercício. Manole. 2001.

Publicado
2021-10-10
Como Citar
Ziero, I., & Navarro, R. G. (2021). A eficácia do exercí­cio fí­sico no idoso para a prevenção e tratamento de patologias como diabetes e hipertensão: uma revisão. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 14(92), 693-702. Recuperado de http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2134
Seção
Artigos Científicos - Revisão