Dança com uso de exergame na fadiga de pacientes oncológicas: um estudo piloto

  • Luis Felipe Rodrigues Centro Universitário das Faculdades Associadas de Ensino, Departamento de Educação Física, São João da Boa Vista, São Paulo, Brasil; Universidade de São Paulo, Instituto do Coração, São Paulo, São Paulo, Brasil.
  • Iago Dezena Tesche Martins Centro Universitário das Faculdades Associadas de Ensino, Departamento de Educação Física, São João da Boa Vista, São Paulo, Brasil.
  • Henrique Stelzer Nogueira Centro Universitário de Jaguariúna, Departamento de Educação Física, Jaguariúna, São Paulo, Brasil.
  • Laura Ferreira de Rezende Centro Universitário das Faculdades Associadas de Ensino, Departamento de Educação Física, São João da Boa Vista, São Paulo, Brasil.
  • Vanessa Fonseca Vilas Boas Centro Universitário das Faculdades Associadas de Ensino, Departamento de Educação Física, São João da Boa Vista, São Paulo, Brasil.
  • Eunice Cristina da Silva Costa Centro Universitário das Faculdades Associadas de Ensino, Departamento de Educação Física, São João da Boa Vista, São Paulo, Brasil.
Palavras-chave: Câncer de mama, Qualidade de vida, Exercício físico, Tecnologia

Resumo

O câncer de mama é a neoplasia maligna feminina mais comum no Brasil, excetuando-se o câncer de pele não-melanoma e é muito comum que após o diagnóstico as mulheres sejam submetidas a tratamento cirúrgico e complementar, o que pode gerar sequelas físicas e emocionais. Diante disso, este estudo teve por objetivo investigar se o uso de exergame, na modalidade dança, influencia na fadiga muscular de mulheres no pós-operatório tardio de câncer de mama. Para isso, 19 mulheres com mais de um ano de pós-operatório realizaram 45 minutos de exergames com uso do console XBOX© 360 Kinect®, com o jogo Just Dance, duas vezes por semana, por quatro semanas. Foram utilizados os questionários FACT-B e a escala de fadiga de PIPER para avaliação da qualidade de vida e da fadiga muscular. Os resultados evidenciaram melhora significativa da dimensão Social/Familiar na qualidade de vida das mulheres. Não houve alteração nos demais domínios e nem na fadiga muscular. Nenhuma mulher desistiu ou faltou a algum encontrou. Pode-se observar que essa modalidade de exercício físico é promissora, garantindo adesão e aderência a realização dos exercícios físicos.

Referências

-Campbell, K.; e colaboradores. Exercise Guidelines for Cancer Survivors: Consensus Statement from International Multidisciplinary Roundtable. Medicine and Science in Sports and Exercise. Vol. 51. Núm. 11. p. 2375-90.

-Carayol, M.; e colaboradores. Psychological effect of exercise in women with breast cancer receiving adjuvant therapy: what is the optimal dose needed? Annals of Oncology. Vol. 24. Núm. 2. p. 291-300. 2012.

-Castro Filho, J. G. L.; e colaboradores. Influências do exercício físico na qualidade de vida em dois grupos de pacientes com câncer de mama. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. Vol. 38. Núm. 2. p.107-114. 2016.

-Frison, F. S.; Shimo, A. K. K; Gabriel, M. Dança circular e qualidade de vida em mulheres mastectomizadas: um estudo piloto. Saúde em Debate. Vol. 38. p. 277-284. 2014.

Instituto Nacional de Câncer. Câncer de mama - versão para profissionais de saúde. Rio de Janeiro. 2020 Disponível em: <https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-de-mama/profissional-de-saude>. Acesso em 23/07/2020.

-Instituto Nacional de Câncer. Estimativa 2020: Incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro. INCA. 2019.

-Itakussu, E. Y.; e colaboradores. Benefícios do treinamento de exercícios com o Nintendo® Wii na população de idosos saudáveis: revisão de literatura. Revista CEFAC. Vol. 17. Núm. 3. p.936-944. 2015.

-Juvet, e colaboradores. The effect of exercise on fatigue and physical functioning in breast cancer patients during and after treatment and at 6 months follow-up: a meta-analysis. The Breast. Vol. 33. p.166-77. 2017.

-Lavoy, E. C. P.; Fagundes, C. P.; Dantzer, R. Exercise, inflammation, and fatigue in cancer survivors. Exercise Immunology Review. Vol. 22. 2016.

-Mansano-Schlosser, T. C.; Ceolim, M. F. Fadiga em idosos em tratamento quimioterápico. Revista Brasileira de Enfermagem. Vol. 67. Núm. 4. p.623-629. 2014.

-Rodrigues, L. F. A redução da fadiga oncológica através do exercício físico. Revista Brasileira de Fisiologia do Exercício. Vol. 18. Núm. 1. p. 51-57. 2019.

-Salci, M. A.; Marcon, S. S. Enfrentamento do câncer em família. Texto & Contexto-Enfermagem. Vol. 20. p.178-186. 2011.

-Savina, S.; Zaydiner, B. Cancer-related fatigue: some clinical aspects. Asia-Pacific Journal of Oncology Nursing. Vol. 6. Núm. 1. p. 7-9. 2019.

-Schmitz, K. H.; e colaboradores. Exercise is medicine in oncology: engaging clinicians to help patients move through cancer. CA Cancer Journal for Clinicians. Vol. 69. Núm. 6. p.468-84. 2019.

-Viana, R. B.; e colaboradores. O uso dos exergames nos protocolos de reabilitação em diversas populações clínicas. Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde. Vol. 20. Núm. 3. p.132-140. 2019.

Publicado
2021-10-10
Como Citar
Rodrigues, L. F., Martins, I. D. T., Nogueira, H. S., Rezende, L. F. de, Boas, V. F. V., & Costa, E. C. da S. (2021). Dança com uso de exergame na fadiga de pacientes oncológicas: um estudo piloto. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 14(93), 862-867. Recuperado de http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2270
Seção
Artigos Científicos - Original