Identificação do risco cardíaco em corredores de rua

  • Lígia Braga de Melo Graduação em Fisioterapia do Centro Universitário Christus-Unichristus, Fortaleza, Ceará, Brasil.
  • Cintia Maria Torres Rocha-Silva Fisioterapeuta, Doutora em Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Ceará-UFC, Docente do Centro Universitário Christus-Unichristus, Fortaleza, Ceará, Brasil.
Palavras-chave: Maratonas, Risco cardiaco, Morte súbita, Corrida de rua

Resumo

A corrida de rua é uma modalidade esportiva que vem aumentando ao longo dos últimos anos, no entanto, sabe-se que o esforço físico vigoroso é capaz de aumentar de forma aguda os riscos de morte súbita cardíaca e o infarto do miocárdio entre indivíduos com ou sem cardiopatias diagnosticadas. Assim, o presente estudo tem por objetivo identificar o risco cardíaco em corredores de rua. Trata-se de uma pesquisa de campo, transversal, de natureza quantitativa, desenvolvida online através da aplicação de um formulário autoexplicativo pela ferramenta Google Forms, no período de março a agosto de 2020. Participaram do estudo 144 corredores de rua de ambos os sexos. O instrumento de coleta de dados continha vinte perguntas estruturadas e semiestruturadas a respeito da saúde geral de cada participante e dados que contemplavam a avaliação do risco coronariano da Michigan Heart Association, usada para classificação quanto ao risco cardíaco. Para análise dos dados foi utilizado o teste Kolmogorov-Smirnov (KS), frequências, medidas de tendência central, t Student amostras independentes. O nível de significância foi estabelecido como p= 0,05 e o intervalo de confiança de 95%. Os principais resultados apontam para risco cardíaco abaixo da média, 71 (49,3%) indivíduos; risco médio 54 (37,5%) indivíduos e 15 (10,41%) indivíduos com risco moderado. Assim, pode-se concluir que o risco cardíaco identificado inspira cuidados, uma vez que quase 50% da amostra estudada apresentou risco cardíaco de médio a moderado. Sugere-se que mais pesquisas sejam realizadas no intuito de contemplar estratégias de prevenção de eventos cardíacos agudos e graves.

Referências

-Araújo, C.G. Risco de morte em maratonas: uma opinião baseada em evidências. Revista Brasileira de Cardiologia. Vol. 24. Núm. 6. p.395-400. 2011.

-Araújo, O.A.S.T; Tenório, M.C.C. Morte súbita e parada cardíaca em corredores de maratona: taxas de incidência e causas. Rev Bras Fisiol Exerc. Vol. 19. Núm.3. p. 243-249. 2020.

-Benedetti, E.; Oliveira, R.L.; Lipp, M.E.N. Nível de stress em corredores de maratona amadores em período de pré-competição. Revista Brasileira Ciência e Movimento. Vol. 19. Núm. 3. p. 5-13. 2011.

-Braga, A.L.F.; Pires, L.D.P. Análise do perfil de corredores de rua. 2018. Monografia. Especialista em Medicina do Exercício Físico na Promoção da Saúde. Universidade Federal do Paraná. Curitiba. 2018.

-Braggion-Santos, M.F.; e colaboradores. Morte Súbita Cardíaca no Brasil: Análise dos Casos de Ribeirão Preto (2006-2010). Arq Bras Cardiol. Vol. 104. Núm. 2. p.120-127. 2015.

-Bronzatto, H.A.; Silva, R.P.; Stein, R. Morte súbita relacionada ao exercício. Rev Bras Med Esporte. Vol. 1. Núm. 5. p.163-169. 2001.

-Estevam, L.C. Estudo do crescimento do número de corridas de rua e perfil dos participantes no Brasil. TCC. Bacharelado em Educação Física. Universidade Federal de Ouro Preto. Ouro Preto. 2016.

-Euclides, M.F.; Barros, C.L.; Coelho, J.C.A. Benefícios da corrida de rua. Rev. Conexão Eletrônica. Vol. 13. Núm. 1. 2016.

-Farias Júnior, J.C.; e colaboradores. Fatores de risco cardiovascular em adolescentes: prevalência e associação com fatores sociodemográficos. Revista Brasileira de Epidemiologia. Vol. 14. Núm. 1. p. 50-62. 2011.

-Ishida, J.C.; e colaboradores. Presença de fatores de risco de doenças cardiovasculares e de lesões em praticantes de corrida de rua. Rev Bras Educ Fís Esporte. Vol. 27. Núm. 1. p.55-65. 2013.

-Koike, D. C.; Machi, J. F.; Wichi, R. B. Morte súbita durante o exercício físico. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte. Vol. 7. Núm. 1. 2008.

-Mittleman, M.A.; Maclure, M.; Tofler, G.H.; Sherwood, J.B.; Goldberg, R.; Muller, G.J.E. Trigger of acute myocardial infarction by heavy physical exertion: protection against triggering by regular exertion. N Engl J Med. Vol. 329. p.1677-83. 1993.

-Passaglia, D.G.; e colaboradores. Efeitos Agudos do Exercício Físico Prolongado: Avaliação Após Ultramaratona de 24 Horas. Arq Bras Cardiol. Vol. 100. Núm.1. p.21-28. 2013.

-Pitanga, F.J.G. Testes, medidas e avaliação em educação física e esportes. 5ª edição. São Paulo. Phorte. 2007.

-Rojo, J.R.; Rocha, F. F. Análise do perfil dos corredores e eventos de corrida de rua da cidade de Curitiba-PR. Revista Educación Física y Ciencia. Vol. 20. Núm. 4. 2018.

-Whang, W.; Manson, J. E.; Hu, F. B.; Chae, C. U.; Rexrode, K. M.; Willett, W. C.; Stampfer, M. J.; Albert, C. M. Physical exertion, exercise, and sudden cardiac death in women. Journal of the American Medical Association. Vol. 295. Núm. 12. p. 1399-1403. 2006.

Publicado
2021-11-07
Como Citar
Braga de Melo, L., & Silva, C. M. T. R. (2021). Identificação do risco cardíaco em corredores de rua. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 15(95), 68-75. Recuperado de http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2345
Seção
Artigos Científicos - Original