Reprodutibilidade do teste de força de 10 RM em jovens universitárias

  • Elciana de Paiva Lima Vieira Universidade Federal Fluminense, Niterói, Rio de Janeiro, Brasil.
  • Abílio Douglas Valadares Deserto Deserto Universidade Salgado de Oliveira, São Gonçalo, Rio de Janeiro, Brasil.
  • Edmundo de Drummond Alves Júnior Universidade Federal Fluminense, Niterói, Rio de Janeiro, Brasil.
  • Jonas Lírio Gurgel Gurgel Universidade Federal Fluminense, Niterói, Rio de Janeiro, Brasil.
Palavras-chave: Força muscular, Treinamento de resistência, Reprodutibilidade dos testes

Resumo

Introdução: A avaliação da reprodutibilidade de um teste pode estimar o erro cometido, como o teste de carga máxima utilizado no treinamento de força. Objetivo: O objetivo do estudo foi analisar o comportamento da intensidade de treino em três sessões de avaliação da força de repetições máximas em estudantes universitárias com experiência prévia em treinamento de força. Materiais e Métodos: Dez mulheres (22,40 ±2,11 anos) com experiência prévia em treinamento de força (8,40 ±4,14 meses) realizaram 3 sessões de teste de 10 RM em cinco exercícios: leg press 45º, supino sentado, tríceps no pulley, mesa flexora e rosca direta bíceps. Foram utilizados os testes de ANOVA unidirecional com post hoc de Bonferroni, plotagem de Bland-Altman e correlação de Pearson. A reprodutibilidade dos testes foi avaliada pelo coeficiente de correlação intraclasse (CCI) com intervalo de confiança de 95%. Resultados: Os níveis de reprodutibilidade foram excelentes em todos os exercícios variando de 0,84 a 0,99 não havendo diferença significativa entre as sessões. A concordância dos resultados nos exercícios: supino sentado e rosca direta bíceps se deu na segunda sessão e, nos demais, na terceira sessão de avaliação. Discussão: Poucos são os estudos que verificaram a reprodutibilidade em testes de 10 RM. Conclusão: Com base nos achados apresentados, parece haver necessidade da realização de reteste para os exercícios: supino sentado e rosca direta bíceps e da terceira sessão de avaliação no leg press 45º, tríceps no pulley e mesa flexora para estabilização da carga máxima em 10 repetições para mulheres jovens.

Biografia do Autor

Edmundo de Drummond Alves Júnior, Universidade Federal Fluminense, Niterói, Rio de Janeiro, Brasil.

Doutor em Educação Fí­sica pela Universidade Gama Filho; Professor no Instituto de Ed.Fí­sica da Universidade Federal Fluminense, Brasil.

Jonas Lírio Gurgel Gurgel, Universidade Federal Fluminense, Niterói, Rio de Janeiro, Brasil.

Doutor em Gerontologia Médica pela Pontifí­cia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; Professor do Instituto de Educação Fí­sica na Universidade Federal Fluminense

Referências

-Barros, M.A.P.; Sperandei, S.; Júnior, P.C.S.S.; Oliveira, C.G. Reprodutibilidade no Teste de Uma Repetição Máxima no Exercício de Puxada Pela Frente Para Homens. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 14. Num. 4. 2008. p. 348-52.

Bezerra, E.S.; Guimarães, T.M.; Gailey, A.W.; Leone, R.; Brennecke, A. Variabilidade da carga no teste de 10 RM em indivíduos treinados. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol. 3. Num. 18. 2009. p. 559-65.

-Booth, M.L.; Okely, A.D.; Chey, T.M.; Bauman A. The reliability and validity of the Adolescent Physical Activity Recall Questionnaire. Medicine & Science in Sports & Exercise. Vol. 34. 2002. p. 1986-95.

-Brown, L.E.; Weir, J.P. Asep Procedures recommendation I: Accurate assessment of muscular strength and power. Journal of Exercise Physiology Online. Vol. 4. 2001. p 4. 1-21.

-Dias, R.M.R.; Cyrino, E.S.; Salvador, E.P.; Caldeira, L.F.S.; Nakamura, F.Y.; Papst, R.R. Influência do processo de familiarização para avaliação da força muscular em testes de 1-RM. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 11. 2005. p. 34-8.

-Dias, R.M.R.; Avelar, A.; Salvador, E.P.; Cyrino, E.S. Familiarização ao teste de 1-RM em mulheres com experiência previa em treinamento com pesos. Journal of Physical Education. Vol. 20. Num. 3. 2009. p. 423-9.

-Dias, R.M.R.; Avelar, A.; Menêses, A.L.; Salvador, E.P.; Silva, D.R.P.; Cyrino E.S. Segurança, reprodutibilidade, fatores intervenientes e aplicabilidade de testes de 1-RM. Motriz. Vol.19. Num.1. 2013. p. 231-42.

-Dohoney, P.; Chromiak, J.A.; Lemire, D.; Abadie, B.R.; Kovacs, C. Prediction of One Repetition Maximum (1-RM) Strength from a 4-6 RM And a 7-10 RM Submaximal Strength Test in Healthy Young Adult Males. Journal of Exercise Physiology Online. Vol. 5. Num. 3. 2002. p. 54-59.

-Filho, J.L.G.; Aniceto, R.R.; Neto, G.R.; Neto, E.L.; Júnior, A.T.A.; Araújo, J.P.; Sousa, M.S.C. Validade de diferentes equações de predição da carga máxima em atletas de artes marciais mistas. Motricidade. Vol. 10. Num. 4. 2014. p. 47-55.

-Fleiss, J.L. Design and Analysis of Clinical Experiments. Interscience. Wiley Classics Library: Wiley. Interscience.1999. p. 448.

-Lima, R.M.; Bottaro, M.; Carregaro, R.; Oliveira, J.F.; Bezerra, L.M.A.; Oliveira, R.J. Efeitos do treinamento resistido sobre a força muscular de idosas: uma comparação entre métodos. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. Vol. 14. Num. 4. 2012. p. 409-18.

-Nicholson, G.; Ispoglou, T.; Bissas, A. The impact of repetition mechanics on the adaptations resulting from strength, hypertrophy and cluster-type resistance training. European Journal of Applied Physiology. Vol 116. 2016. p. 1875-88.

-Pereira, M.I.; Gomes, P.S. Testes de forca e resistência muscular: confiabilidade e predição de uma repetição máxima - Revisão e novas evidências. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 9. 2003. p 325-35.

-Phillips, W.T.; Batterham, A.M.; Valenzuela, J.E.; Burkett, L.N. Reliability of maximal strength testing in older adults. Archives of Physical Medicine e Rehabilitation. Vol. 85. Num. 2. 2004. p. 329-34.

-Ploutz-Snyder, L. L.; Giamis, E. L. Orientation and familiarization to 1 RM strength testing in old and young women. Journal of Strength and Conditioning Research. Vol.15. 2001. p. 519-23.

-Ritti-Dias, R.M.; Avelar, A.; Menêses, A.L.; Salvador, E.P.; Silva, D.R.P.; Cyrino, E.S. Influence of Previous Experience on Resistance Training on Reliability of One-Repetition Maximum Test. Journal of Strength and Conditioning Research. Vol. 25. Num. 5. 2011. p.1418-22.

-Silva, A.F.; Velo, M.M.A.C.; Pereira, A.C. Importância da reprodutibilidade dos métodos para diagnóstico em odontologia. Revista da Faculdade de Odontologia. Vol. 21. Num.1. 2016. p.115-20.

-Simão, R.; Monteiro, W.; Jacometo, A.; Tesseroli, C.; Teixeira, G.A. A influência de três diferentes intervalos de recuperação entre séries com cargas para 10 repetições máximas. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. Vol.14. Num 3. 2006. p. 37-44.

-Simão, R.; Farinatti, P.T.V.; Polito, M.D.; Viveiros, L.; Fleck, S.J. Influence of Exercise Order on the number of Repetitions Performed and Perceived Exertion During Resistance Exercise in Women. Journal of Strength and Conditioning Research. Vol. 21. Num. 1. 2007. p.23-28.

-Soares-Caldeira, L.F.; Ritti-Dias, R.M.; Okuno, N.M.; Cyrino, E.S.; Gurjao, A.L.; Ploutz-Snyder, L.L. Familiarization indexes in sessions of 1-RM tests in adult women. Journal of Strength and Conditioning Research. Vol. 23. Num. 7. 2009. p. 2039-45.

-Verdijk, L.B.; Van Loon, L.; Meijer, K.; Savelberg, H.H. One-repetition maximum strength test represents a valid means to assess leg strength in vivo in humans. Journal of Sports Sciences. Vol. 27. Num. 1. 2007. p. 59‐68.

Publicado
2021-10-22
Como Citar
Vieira, E. de P. L., Deserto, A. D. V. D., Alves Júnior, E. de D., & Gurgel, J. L. G. (2021). Reprodutibilidade do teste de força de 10 RM em jovens universitárias. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 14(94), 1014-1023. Recuperado de https://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2325
Seção
Artigos Científicos - Original