Relação entre o nível de atividade física e a qualidade de vida em professores da educação básica brasileira

  • Victor Barbosa Ribeiro Instituto Federal de São Paulo, Jacareí, São Paulo, Brasil.
  • Andressa Stephanie Fernandes Silva Instituto Federal de São Paulo, Jacareí, São Paulo, Brasil.
  • Nicoli Brandão dos Santos Instituto Federal de São Paulo, Jacareí, São Paulo, Brasil.
  • Renata Plaza Teixeira Instituto Federal de São Paulo, Jacareí, São Paulo, Brasil.
  • Rafael de Menezes Reis Universidade Federal do Amazonas, Coari, Amazonas, Brasil.
  • Michael Macedo Diniz Instituto Federal de São Paulo, São José dos Campos, São Paulo, Brasil.
  • Arthur Zecchin Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil.
  • Gislaine Satyko Kogure Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil.
Palavras-chave: Professores Escolares, Qualidade de vida, Atividade física, Gênero e Saúde, Renda

Resumo

Introdução: Estudos apontaram uma redução da qualidade de vida (QV) de professores. Objetivo: O presente estudo teve como objetivo avaliar se existe relação do gênero, renda e nível de atividade com a QV de professores da educação básica brasileira. Materiais e Métodos: Os professores, via redes sociais, foram convidados para esta pesquisa. Os interessados responderam a três questionários avaliando idade, gênero, renda, nível de atividade física e QV. Para comparação da QV, os grupos foram divididos por gênero, renda e nível de atividade física. Para avaliar a normalidade dos dados utilizou-se o teste Shapiro-Wilk e, para comparação entre os grupos, o Test t, Mann-Whitney ou Anova-One-Away. Resultados e Discussão: Participaram 301 professores. O escore de dor foi pior para mulheres e pessoas com renda até 3 salários-mínimos tiveram escores de dor e saúde mental pior do que pessoas que recebiam acima de 5 salários. Além disso, todos os 8 escores do questionário de QV foram significativamente piores em professores sedentários e irregularmente ativos quando comparados a professores ativos ou muito ativos. Conclusão: Conclui-se que a prática de exercícios físicos é fundamental para a QV.  São necessárias medidas para estimular a prática por professores, dentre elas sugere-se a flexibilização da jornada de trabalho ou inserção dessa prática durante a jornada. Os resultados também apontaram para as necessidades de se ter um olhar diferenciado para as mulheres e de se rever sobre a renda do professor, uma vez que ser mulher e ter renda baixa foi relacionado com menor QV.

Referências

-Alexandre, A.A.; Meller, F.O.; Quadra, M.R.; Schafer, A.A. Qualidade de vida no trabalho em uma instituição de ensino catarinense. Revista Brasileira de Qualidade de Vida. Vol. 14. 2022. p. e13222. 10.3895/rbqv.v14n0.13222.

-Alves, V.M.; Rocha, M.G.D.L.; Silva, J.A.; Silva, J.K.A.; Santos, R.T.S.; Francisco, L.C.F.L. Quality of life and risk of depression and suicide in teachers. Research, Society and Development. Vol. 11. Num. 4. 2022. p. e54711427565. DOI: 10.33448/rsd-v11i4.27565.

-Boyle, G.J.; Borg, M.G.; Falzon, J.M.; Baglioni, A. A structural model of the dimension of teacher stress. British Journal of Educational Psychology. Vol. 65. Num. 1. 1995. p. 49-67. 10.1111/j.2044-8279.1995.tb01130.x.

-Bluhm, C.C.; Silva, M.R.; Geremia, J.M.; Voser, R.C.; Lehnen, A.M. Perfil do estilo de vida individual em sujeitos fisicamente inativos e praticantes de pilates. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol. 12. Num. 79. 2018. p. 975-984. Disponível em: http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/1555/1133.

-Costa, G.L.; Oliveira, D.A. Trabalho docente no ensino médio no Brasil. Perspectiva. Vol. 29. Num. 2. 2011. p. 727-50. https://doi.org/10.5007/2175-795X.2011v29n2p727.

-Ciconelli, R.M.; Ferraz, M.B.; Santos W.; Meinão I.; Quaresma M.R. Tradução para a língua portuguesa e validação do questionário genérico de avaliação da qualidade de vida (Brasil SF-36). Revista Brasileira de Reumatologia. Vol. 39. Num. 3. 1997. p. 143-50.

-Dias, D.F.; Loch, M.R.; González, A.D.; Andrade, S.M.; Mesas, A.E. Insufficient free-time physical activity and occupational factors in Brazilian public school teachers. Revista de Saúde Pública. Vol. 51. Num. 68. 2017. p.1-10. https://doi.org/10.1590/S1518-8787.2017051006217.

-Eslava-Schmalbach, J.; Garzón-Orjuela, N.; Martínez, N.T.; Gonzalez-Gordon, L.; Rosero, E.; Gómez-Restrepo, C. Prevalence and Factors Associated with Burnout Syndrome in Colombian Anesthesiologists. International Journal Preventive Medicine. Vol.11. Num. 5. 2020. p.1-11. DOI: 10.4103/ijpvm.IJPVM_150_18.

-Estevam, T.N.C.; Soares, L.L.; Leite, L.B.; Pussieldi, G. DE A. Associação entre o ní­vel de atividade fí­sica e qualidade de vida de estudantes. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol.14. Num. 90. 2020. p. 243-249.

-Herman, K.C.; Prewett, S.L.; Eddy, C.L.; Savala, A.; Reinke, W.M. Profiles of middle school teacher stress and coping: Concurrent and prospective correlates. Journal of School Psychology. Vol. 78. 2020. p. 54-68. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jsp.2019.11.003.

-Lima, P.C.; Carvalho, R.L.A.; Oliveira, T.M.; Freitas, F.M.N.O.; Figueiredo, R.S. The importance of proper nutrition for patients with inflammatory bowel diseases and improving quality of life. Research, Society and Development. Vol. 10. Num. 10. 2021. p. e236101523029. https://doi.org/10.33448/rsd-v10i15.23029.

-Lourencetti, G.C. A baixa remuneração dos professores: algumas repercussões no cotidiano da sala de aula. Revista de Educação Pública. Vol. 23. Num. 52. 2014. p. 3-32. 10.29286/rep.v23i52.1422.

-Martins, A. S.; Pina, L. D. Mercantilização da educação, escola pública e trabalho educativo: uma análise a partir da pedagogia histórico-crítica. Rev. HISTEDBR On-line. Vol. 20. 2020. p. 1-21. https://doi.org/10.20396/rho.v20i0.8657754.

-Martinez, M.C.; Paraguay, A.I.B.B.; Latorre, M.R.D.O. Relationship between psychosocial job satisfaction and health in white collar workers. Revista de Saúde Pública. Vol. 38. Num. 1. 2004. p. 55-61. https://doi.org/10.1590/S0034-89102004000100008.

-Matsudo, S.; Araújo, T.; Matsudo, V.; Andrade, D.; Andrade, E.; Oliveira, L.C. Braggion, G. Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ): estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde. Vol. 6. Num. 2. 2001. p.5-18. https://doi.org/10.12820/rbafs.v.6n2p5-18.

-Meissner, G.R.; Legnani, R.F.S.; Casamali, F.F.C.; Legnani, E. Percepção de qualidade de vida e variáveis sociodemográficas em mulheres praticantes de corrida de rua. Revista Brasileira de Qualidade de Vida. Vol. 9. Num. 2. 2018. p. 114-24.

-Melo, N. Q.; Rodrigues, M. M. Estado regulador e mercado educador: raízes burguesas da mercantilização da educação. Germinal: marxismo e educação em debate. Vol. 13. Num. 3. 2021. p. 220-37. https://doi.org/10.9771/gmed.v13i3.43886.

-Neves, M.A.; Pedrosa, C.M. Gênero, flexibilidade e precarização: o trabalho em domicílio na indústria de confecções. Sociedade e Estado. Vol. 22. Num. 1. 2007. p. 11-34. https://doi.org/10.1590/S0102-69922007000100002.

-Oliveira, E. R. A.; Garcia, A. L.; Gomes, M.J.; Bittar, T.O.; Pereira, A. C. Gênero e qualidade de vida percebida - estudo com professores da área da saúde. Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 17 Num. 3. 2021. p. 741-747.

-OMS. Organização Mundial de Saúde. Global recommendation oh physical activity for health. Geneva: World Health Organization. 2010. Disponível em: https://www.who.int/publications-detail-redirect/9789241599979. Acesso em 12/04/2023.

-Santos, E.C.; Espinosa, M.M.; Marcon, S.R.; Ferreira, L.P. Fatores associados ao comprometimento da qualidade de vida em professores do Ensino Fundamental. Research, Society and Development. Vol. 10. Num. 13. 2021. p. e526101321302. http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v10i13.21302.

-Santos, R.L.B.; Campos, M.R.; Flor L.S. Fatores associados à qualidade de vida de brasileiros e de diabéticos: evidências de um inquérito de base populacional. Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 24. Num. 3. 2019. p.1007-20. https://doi.org/10.1590/1413-81232018243.09462017.

-Silva, R.S.; Silva, I.; Silva, R.A.; Souza, L.; Tomasi, E. Atividade física e qualidade de vida. Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 15. Num. 1. 2010. p. 115-20. https://doi.org/10.1590/S1413-81232010000100017.

-Silva, J.P.; Fischer, F.M. Multiform invasion of life by work among basic education teachers and repercussions on health. Revista de Saude Publica. Vol. 54. Num. 3. 2020. p. 1-8. https://doi.org/10.11606/s1518-8787.2020054001547.

-Soares, R.C.F.; Penoni, D.C. Flexibilização da jornada de trabalho, produtividade e qualidade de vida no trabalho em uma organização prestadora de serviços de saúde: um estudo de caso. Revista Brasileira de Qualidade de Vida. Vol. 14. 2022. p.e12887.

Publicado
2023-12-28
Como Citar
Ribeiro, V. B., Silva, A. S. F., Santos, N. B. dos, Teixeira, R. P., Reis, R. de M., Diniz, M. M., Zecchin, A., & Kogure, G. S. (2023). Relação entre o nível de atividade física e a qualidade de vida em professores da educação básica brasileira. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 17(111), 392-400. Recuperado de https://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2769
Seção
Artigos Científicos - Original