Efeitos da síndrome de tensão pré-menstrual na atividade física de alunas universitárias de Educação Física no Rio de Janeiro

  • Roberto Cláudio Cordeiro da Costa e Silva Programa de Pós-Graduação em Ciências do Exercício e do Esporte da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (PGCEE – UERJ); Professor de Anatomia Humana Faculdade de Medicina da Universidade Estácio de Sá.
  • José Nunes da Silva Filho Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)
  • Lamartine Pereira Da Costa Programa de Pós-Graduação em Ciências do Exercício e do Esporte da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (PGCEE – UERJ);
Palavras-chave: Atividade física, Síndrome de Tensão Pré-Menstrual, Alunas universitárias, Rio de Janeiro

Resumo

O objetivo do estudo foi à verificação dos efeitos da Síndrome de Tensão Pré-Menstrual (STPM) em graduandas em Educação Física de uma universidade no Rio de Janeiro, que praticam atividade física regular ou não, identificando o índice de morbidade, sintomas mais graves que acometem as mulheres em questão, além de averiguar a opinião das alunas se a STPM interfere nas suas atividades físicas. A amostra constou de 129 alunas, cujas idades variaram entre 17 e 46 anos e faixa etária fértil. A pesquisa classificada como um survey, utilizou um questionário para verificação da STPM, idade, principais sintomas e uma autoavaliação da doença. A presente investigação foi aprovada pelo comitê de ética da Universidade Gama Filho e o parecer foi publicado no site do SISNEP. Os dados quantitativos deste estudo foram analisados e relatados de modo a constar que maioria das alunas são afetadas pela STPM, sendo que o índice de morbidade encontrado foi alto, mas compatível com a literatura especializada. Ademais, os sintomas mais frequentes foram a irritabilidade e as cólicas. Na opinião das pesquisadas, a STPM prejudica a prática de atividades físicas. Na autoavaliação obteve-se uma porcentagem maior de mulheres, que conforme opinião delas sofrem com a doença.

 

ABSTRACT 

Effects of premenstrual syndrome on pysical activity of university students of physical education in Rio de Janeiro

The aim of this study was to verify the effects of the Premenstrual Syndrome (PMS) in students from under graduation courses in Physical Education of an university based in Rio de Janeiro, who pratice regular physical activity or not, indentifying the morbity index (wich was considered the percentage of female with the disease), the most severe symptons that affect women in question and the opinion about PMS whether interferes in the same physical activities. The sample consisted of 129 students, whose ages ranged between 17 and 46 years, all in childbearing age.  The research was classified as a survey using a questionaire to ascertain PMS effects, age, main symptoms and self-assessment of the disease. Additionally, this study was approved by the Ethics Committee of Gama Filho University. The data from the inquiry were analized and reported then suggesting that most students are affected by PMS and the morbity index was found to be high, but in agreement with the literature. Moreover, the most common symptoms were irritability and colics. In the opinion of the respondents, the PMS affected the pratice of physical activities. Self-assessment was also surveyed showing a higher percentage of women who, in their opinion, suffer from the disease.

Biografia do Autor

Roberto Cláudio Cordeiro da Costa e Silva, Programa de Pós-Graduação em Ciências do Exercício e do Esporte da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (PGCEE – UERJ); Professor de Anatomia Humana Faculdade de Medicina da Universidade Estácio de Sá.

Professor de Anatomia Humana para o Curso de Medicina da Universidade Estácio de Sá. Doutorando em Ciências do Exercício e do Esporte (UERJ), Mestrado em Sexologia pela Universidade Gama Filho (2000) e Pós-Graduado, especialização Lato Sensu em Anatomia Humana pela UNESA (2003). Ex-professor de Anatomia Humana da Universidade Gama Filho ministrando aulas de Anatomia e Neuroanatomia para os cursos de Medicina e Educação Física, Professor da Disciplina de Educação Física na Atenção Básica à Saúde, Ex-Coordenador da Pós-Graduação em Anatomia da UNESA (2007/2009). Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase em pesquisas sobre Saúde Coletiva/SUS, sexualidade, atividade física e escolar, atuando como docente das Disciplinas de Anatomia Humana, Atenção Básica à Saúde, Metodologia Científica, Orientação Sexual segundo os PCN. Desenvolveu mais de 30 pesquisas acerca de Síndrome de Tensão Pré-Menstrual (STPM) e Atividade Física na Universidade Estácio de Sá. Realiza palestras sobre os temas relacionados acima.

José Nunes da Silva Filho, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Mestre em Educação Física (Ciências do Exercício e do Esporte - UGF/RJ); Pós Graduandoem Fisiologia do Exercício - Prescrição do Exercício (UGF/SP - 2013); Pós Graduado emPsicopedagogia Clínico-Institucional (ESAB/ES - 2011); Graduado em Educação Física(ESEFAP/Tupã-SP - 2009). Experiência profissional em Treinamento Resistido na Saúde e naDoença. Fui Coordenador Geral de Atividade Física na Empresa Corpo & Vida e SESI Academia,Body e Life Academia (Dez/2011 a Fev/2013). Experiência como Professor Escolar no Ensino InfantilI e II na Secretaria Estadual da Educação de Rondônia (2010 á 2012) e Centro de Ensino Mineiro

 

Lamartine Pereira Da Costa, Programa de Pós-Graduação em Ciências do Exercício e do Esporte da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (PGCEE – UERJ);

Doutorado em Filosofia pela Universidade Gama Filho - UGF (1989) e Livre Docente em Gestão do Esporte pela UERJ (1988). Atualmente é pesquisador visitante da UERJ, Professor Visitante na University of East London-UK e Membro do Conselho Consultivo da Russian International Olympic University. Funções anteriores: membro Conselho Pesquisas do Comitê Olímpico Internacional em Lausanne, Suiça (2001-2008), membro da WADA-Montreal (2000-2008), professor visitante Universidade Técnica de Lisboa e da Universidade do Porto (Portugal), Academia Olímpica Internacional (Grécia), Universidade Autônoma de Barcelona (Espanha) (1992 - 2007). No Brasil foi professor da Universidade Católica de Petrópolis (Engenharia), Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Mestrado em Geografia), UNIRIO (Mestrado em Cultura e Memória Social), USP (Mestrado Educação Física) e UERJ (Graduação Educação Física) no período 1979 - 2002. Tem produção contínua em pesquisas desde 1962 no Brasil e no exterior, com inicio na área de meio ambiente.

Referências

-Appolinário, J. C. TDPM, Transtorno Disfórico Pré-Menstrual. São Paulo: Editora Segmento. 2003.

-Brasil. Parâmetros Curriculares Nacionais. Educação Física. Brasília: MEC/SEF. 1997.

-Brasil. SISNEP. 2010. Disponível em: <http://portal2.saude.gov.br/sisnep/extrato_projeto.cfm?CODIGO=375946> Acesso em: 20/12/2011.

-Brasil, Ministério da Saúde. CID 10: Código Internacional de Doenças Síndrome de Tensão Pré-Menstrual N94.3. DataSus. 2005. Acessado em 10/09/2005. Disponível em: http://datasus.gov.br.

-Cordeiro, R. C. F. S. C. Disciplina de Sexualidade Humana para o Currículo do Curso em Educação Física. Dissertação de Mestrado-UGF, Rio de Janeiro, 2000.

-Cordeiro, R. C. F. S. C.; Pinto, T. A. M. Percepções dos Participantes do 20° Congresso da FIEP acerca de Conhecimentos Sobre a Síndrome de Tensão Pré-menstrual e sua Interferência Nas Atividades Físicas. Revista Meta Science. Vol. 2. Num. 2. p.45. 2005.

-Cordeiro, R. C. F. S. C.; Goke, Kiyoshi ; Rosa, B. N. ; Pinto, W. C. ; Cordeiro, R. C. F. E. S. C. O Índice de Morbidade de Tensão Pré-Menstrual (STPM) de 74 atletas de alto rendimento de 4 modalidades esportivas diferentes do Rio de Janeiro. In: Congresso da FIEP, 2010, Foz do Iguaçu. FIEP Bulletin. Vol. 80. p.52. 2010.

-Cordeiro, R. C. F. S. C; Fernandes, R. G.; Conrado, A. O.; Oliveira, D. R. C. A Síndrome de Tensão Pré-Menstrual (STPM) e handebol feminino: um estudo sobre a morbidade e alterações na performance das atletas de uma equipe de handebol feminino de São Gonçalo, RJ, campeã brasileira, com jogadoras de seleção brasileira e de nível internacional. In: 11o EAFFERJ, Cabo Frio. Revista Meta & Science. Rio de Janeiro: Meta Produções. Vol. 3. p.134. 2006.

-Gaion, P. A.; Vieira, L. F.; Silva, C. M. L. Síndrome pré-menstrual e percepção de impacto no desempenho esportivo de atletas brasileiras de futsal. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. Vol. 11. Num. 1. p.73-80. 2009.

-Klein, C.H; Bloch, K.V. Estudos seccionais.Epidemiologia. São Paulo. Atheneu. p.125-150. 2004.

-Lebrun, C. M. Effect of the different phases of the menstrual cycle and oral contraceptives on athletic performance. Sports Medicine. Vol. 16. Num. 6. p.400. 1993.

-Nogueira, C. W. M. O diagnóstico da Síndrome Pré-Menstrual. Revista FEMINA. Vol. 31. Num. 1. p.53-55. 2003.

-Nogueira, C. W. M.; López, J. R. A; Lucas De Silva, J. R; Leite, E. M; Abreu, A. P. M; Silva, J. L. P. Prevalência dos Sintomas da Síndrome Pré-Menstrual. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. Vol. 22. Num. 6. p.347-351. 2000.

-Porto, C. C. Semiologia Médica. 6ª edição. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. 2009.

-Popova, S.; Popova-Dobreva, D. Influence of the premenstrual syndrome on the emotional condition of female athlete. Bulletin of the Transilvania University of Braşov. Series VIII. Vol. 4. Num. 53. 2011.

-Timonen, S.; Procopé, B. J. Premenstrual Syndrome and Physical Exercise. Acta Obstetricia et Gynecologica Scandinavica. Vol. 50. p.331-337. 1971.

-Thu, M.; Diaze, O.G. Sawhsarkapaw. Premenstrual Syndrome among Female University Students in Thailand. Vol. 9. Num. 3. p.158-162. 2006.

-Vaisberg, M.; David, A. M.; Bella, Z. J. D.; Berenstein, E.; Lopes, A. C. Incidência da sindrome pré-menstrual na prática de Esportes. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 15. Num. 5. p.330-333. 2009.

Publicado
2017-09-01
Como Citar
Costa e Silva, R. C. C. da, Silva Filho, J. N. da, & Da Costa, L. P. (2017). Efeitos da síndrome de tensão pré-menstrual na atividade física de alunas universitárias de Educação Física no Rio de Janeiro. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 11(68), 550-557. Recuperado de http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/1193
Seção
Artigos Científicos - Original

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##