Prática de exercício físico na meia e terceira idade: um estudo comparativo dos níveis de capacidade funcional em praticantes de ginástica localizada e não praticantes

Taís Alves Romano, Elizângela Fernandes Ferreira, Áurea Kely Viana Gomes, Renata Aparecida Rodrigues de Oliveira

Resumo


Introdução: O envelhecimento é um processo que ocorre naturalmente a partir do nosso nascimento até a morte e é caracterizado por uma série de alterações, dentre elas, a diminuição da capacidade funcional em consequência do declínio de alguns componentes de capacidade física. Objetivo: Comparar o nível de capacidade funcional em pessoas de meia e terceira idade, praticantes de ginastica localizada e não praticantes. Materiais e Métodos: Participaram do estudo 60 pessoas (30 praticantes de ginástica localizada e 30 não praticantes) com idade de 45 a 80 anos, de ambos os sexos, realizado na cidade de Ubá-MG. Como procedimento de coleta de dados, foram utilizados o Questionário Internacional de Atividade Física, em sua versão curta, e a escala de auto percepção do desempenho em Atividades da Vida Diária, que avalia a capacidade funcional. Resultados: No grupo de praticantes de ginástica localizada, 15 eram muito ativos (50,0%) e 15, ativos (50,0%). Já no grupo de não praticantes, 6 foram classificados como muito ativos (20,0%), 20 como ativos (66,7%) e 4 como insuficientemente ativos B (13,3%). Em ambos os grupos, os avaliados foram classificados com níveis bons e muito bons de capacidade funcional. Entretanto, foi encontrada uma média significativamente maior (p<0,05) de capacidade funcional entre os praticantes de ginástica localizada (151,70 ± 13,58), comparada à dos não praticantes (144,50 ± 16,00). Conclusão: Os praticantes de ginástica localizada apresentaram maiores níveis médios de capacidade funcional que os não praticantes.

 

ABSTRACT 

Practice of physical exercise at the middle and third age: a comparative study of levels of functional capacity in localized and non-practicing gymnasts

Introduction: Aging is a process that occurs naturally from birth to death and is characterized by a series of changes, among them, the decrease in functional capacity as a consequence of the decline of some components of physical capacity. Objective: To compare the level of functional capacity in middle-aged and elderly, practicing gymnastics and non-practicing. Materials and Methods: Participants were 60 people (30 practitioners of localized gymnastics and 30 non-practitioners) aged 45 to 80, of both sexes, in the city of Ubá-MG. As a data collection procedure, the International Physical Activity Questionnaire, in its short version, and used the self-perception scale of performance in Daily Life Activities, which evaluates the functional capacity. Results: In the group of practicing gymnasts, 15 were very active (50.0%) and 15, active (50.0%). In the group of non-practitioners, 6 were classified as very active (20.0%), 20 as active (66.7%) and 4 as insufficiently active B (13.3%). In both groups, the evaluated ones were classified with good and very good levels of functional capacity. However, a significantly higher mean (p <0.05) of functional capacity was found among those practicing gymnastics (151,70 ± 13,58), compared to non-practitioners (144.50 ± 16.00). Conclusion: Practitioners of localized gymnastics presented higher average levels of functional capacity than non-practitioners.


Palavras-chave


Envelhecimento; Atividade física; Capacidade Funcional

Texto completo:

PDF

Referências


-Agostinho, P. Perspectiva psicossomática do envelhecimento. Revista Portuguesa de Psicossomática. Vol. 6. Núm. 1. p. 31-36. 2004.

-Alves, L. C.; Leimann, B.C.Q.; Vasconcelos, M.E.L.; Carvalho, M.S.; Vasconcelos, A.G.G.; Fonseca, T.C.O.; Lebrão, M.L.; Laurenti, R. A influência de doenças crônicas na capacidade funcional dos idosos do município de São Paulo, Caderno de Saúde Pública. Vol.23. Núm. 8. p. 1924-1930. 2007.

-American College of Sports Medicine (ACSM). Exercise and physical activity for older adults. Medicine & Science in Sports & Exercise. Vol. 23. Núm. 3. P .49-63. 2009.

-Amorim, P. R. S. Estilo de vida ativo ou sedentário: Impacto sobre a capacidade funcional. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. Vol. 23. Núm. 3. p. 49- 63. 2002.

-Andreotti, R. A.; Okuma, S. S. Validação de uma bateria de testes de atividade de vida diária para idosos fisicamente independentes. Revista Paulista de Educação Física. Vol.13. Núm. 1. p. 46-66. 1999.

-Borges, M. R. D.; Moreira, A.K. Influências da pratica de atividades físicas na terceira idade: estudo comparativo dos níveis de autonomia para desempenho nas AVDs e AIVDs entre idosos ativos fisicamente e idosos sedentários. Motriz. Vol. 15. Núm. 3. p. 562-573. 2009.

-Caporicci, S.; Neto, M.F.O. Estudo comparativo de idosos ativos e inativos através da avaliação das atividades da vida diária e medição da qualidade de vida. Motricidade. Vol. 7. Núm. 2. p. 15-24. 2011.

-Coelho, B.S.; Souza, L.K.; Bortoluzzi, R.; Roncada, C.; Tiggemann, C.L.; Dias, C.P. Comparação da força e capacidade funcional entre idosos praticantes de musculação, hidroginástica e não praticantes de exercícios físicos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Vol. 17. Núm. 3. 2014.

-Cordeiro, R.C.; Dias, R.C.; Dias, J.M.D.; Perracini, M.; Ramos, R.L. Concordância entre observadores de um protocolo de avaliação fisioterapêutica em idosas institucionalizadas. Revista de Fisioterapia. Vol. 9. Núm. 2. p. 69-77. 2002.

-Fleck, S. J.; Kraemer, W. J. Fundamentos do treinamento de força muscular. 2. ed. Porto Alegre: Editora Artmed. 1999.

-Gomes Neto, M. G.; Castro, M. F. Estudo comparativo da independência funcional e qualidade de vida entre idosos ativos e sedentários. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 18. Núm. 4. p. 236. 2012.

-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Projeção da população do Brasil e das Unidades da Federação. 2013. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2017.

-International Physical Activity Questionnaire (IPAQ). Scoring Protocol. 2005. Disponível em: . Acesso em: 28 fev. 2012.

-Lima-Costa, M.F.; Barreto, S.M.; Giatti, L. Condições de saúde, capacidade funcional, uso de serviços de saúde e gastos com medicamentos da população idosa brasileira: um estudo descritivo baseado na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Caderno de Saúde Pública. Vol. 19. Núm. 3. p. 735-743. 2003.

-Matsudo, S. M. M. Envelhecimento e atividade física. Londrina: Modiograf. 2001.

-Mazo, G. Z.; Lopes, M. A.; Benedetti, T. B. Atividade física e o idoso: concepção gerontológica. Porto Alegre: Sulina. 2001.

-Nóbrega, A. C. L.; Freitas, E.V.; Oliveira, M.A.B.; Leitão, M.B.; Lazzoli, J.K.; Nahas, R.M.; Baptista, C.A.S.; Drummond, F.A.; Rezende, L.; Pereira, J.; Pinto, M.; Radominski, R.B.; Leite, N.; Thiele, E.S.; Hernandez, A.J.; Araújo, C.G.S.; Teixa, J.A.C.; Carvalho, T.; Borges, S.F.; De Rose, E.H. Posicionamento oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte e da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia: atividade física e saúde no idoso. Revista Brasileira Medicina do Esporte. Vol. 5. Núm. 6. p. 207-211. 1999.

-Nunes, M. C. R.; Ribeiro, R.C.L.: Rosado, L.E.F.P.L.; Franceschini, S.C. Influência das características sociodemográficas e epidemiológicas na capacidade funcional de idosos residentes em Ubá, Minas Gerais. Revista Brasileira de Fisioterapia. Vol. 13. Núm. 5. p. 376-382. 2009.

-Ribeiro, R. C. L.; Silva, A.I.O.; Modena, C.M.; Fonseca, M.C. Capacidade funcional e qualidade de vida de idosos. Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento. Vol. 4. p. 85-96. 2002.

-Safons, M.P.; Pereira, M.M. Princípios metodológicos da atividade física para idosos. Brasília: CREF/DF – FEF/UnB/GEPAFI. 2007.

-Simão, R. Treinamento de força na saúde e na qualidade de vida. São Paulo: Phorte, 2004.

-Zago, A. S. Exercício físico e o processo saúde-doença no envelhecimento. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Vol. 13. Núm. 1. p. 153-158. 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui