Avaliação e comparação da flexibilidade da região lombar e do quadril entre praticantes do alongamento ativo tradicional e o exercício Stiff Deadlift

Paulo Henrique Santos, Luiz Francisco Killian, Fábio Gianolla, Otávio Augusto Soares Machado

Resumo


Sabemos que a flexibilidade é um componente importante da aptidão física básica relacionada à saúde e a qualidade de vida. Quase invariavelmente utilizamos os diferentes tipos de alongamento (ativo, passivo, balístico) para alcançar a melhora desta capacidade física.  Outra forma de exercício que traz o adjetivo de promoção da flexibilidade é o exercício resistido, que graças a fase excêntrica do movimento permite o alongamento das células dos músculos agonistas. Portanto, o objetivo deste estudo foi analisar e comparar os efeitos de 8 semanas do alongamento ativo tradicional e o exercício stiff deadlift, sobre o comportamento da flexibilidade da região lombar e do quadril (FLQ). Para tanto, fizeram parte deste estudo 16 indivíduos de ambos os sexos, divididos em dois grupos: G1= Alongamento Ativo (AA: mulheres, n=5 e homens, n=3) e G2= Stiff Deadlift (SD: mulheres, n=5 e homens, n=3). Todos os participantes foram submetidos a avaliações pré e pós aplicação dos protocolos, que consistiram 4 séries de 30 segundos (na realização do AA ou na execução do exercício SD). Em ambos os protocolos foram utilizados 60 segundos de intervalo entre as séries, sendo realizados duas vezes por semana, durante 8 semanas. Como principal resultado observamos que após 8 semanas de treinamento, ambos os protocolos resultaram em melhora significativa (p<0,05) da flexibilidade. Entretanto não houve diferença estatisticamente significativa entre os grupos experimentais (AA x SD). Portanto conclui-se que 8 semanas de realização do exercício SD gerou melhora na FLQ na mesma proporção que o exercício específico (AA) utilizado para esta finalidade.

 

ABSTRACT 

Evaluation and comparison of the flexibility of the lombar and hipper region between practicers of traditional active stretching and the stiff deadlift exercise

We know that flexibility is an important component of basic physical fitness related to health and quality of life. Almost invariably we use the different types of stretching (active, passive, ballistic) to achieve the improvement of this physical capacity. Another form of exercise that brings the adjective to promote flexibility is resistance exercise, which thanks to the eccentric phase of the movement allows the stretching of the cells of the agonist muscles. Therefore, the objective of this study was to analyze and compare the effects of 8 weeks of traditional active stretching and the stiff deadlift exercise on hip and lumbar flexion (HLF). For this, 16 individuals of both genres were divided into two groups: G1 = Active Stretching (AS: women, n=5 and men, n=3) and G2 = Stiff Deadlift (SD: women, n=5 and men, n=3). All participants were submitted to pre- and post-application protocols, which consisted of 4 sets of 30 seconds (either performing AS or performing SD exercise). In both protocols, 60 seconds intervals were used between the series, being performed twice a week for 8 weeks. As a main result, we observed that after 8 weeks of training, both protocols resulted in a significant improvement (p <0.05) in flexibility. However, there was no statistically significant difference between the experimental groups (AS x SD). Therefore, it is concluded that 8 weeks of SD exercise generated improvement in HLF in the same proportion as the specific exercise (AS) used for this purpose.


Palavras-chave


Treinamento de resistência; Amplitude de movimento articular; Flexibilidade

Texto completo:

PDF

Referências


-Abdallah, A. J. Flexibilidade e alongamento: saúde e bem-estar. Manole. 2009. p. 326.

-American College of Sports Medicine. Recursos do ACSM para o personal trainer. 3ª edição. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. 2011. p.496.

-Astrand, P. O.; Rodalh, K. Tratado de fisiologia do exercício. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. 1987. p. 234.

-Borg, G. Borg's perceived exertion and pain scales. Champaign, IL: Human Kinetics. 1998. p. 80.

-Chiesa, L. C. Musculação: aplicações práticas: técnicas de uso das formas e métodos de treinamento. Shape. 2002. p. 145.

-Fatouros, I. G.; Kambas, A.; Katrabasas, I.; Leontsini, D.; Chatzinikolaou, A.; Jamurtas, A.Z.; Douroudos, I.; Aggelousis, N.; Taxildaris, K. Resistance training and detraining effects on flexibility performance in the elderly are intensity-dependent. Journal of Strength and Conditioning Research. Vol. 20. Núm. 3. 2006. p. 634-642.

-Fatouros, I. G.; Taxildaris, K.; Tokmakidis, S.P.; Kalapotharakos.V.; Aggelousis, N.; Athanasopoulos. S.; Zeeris, I. The effects of strength training, cardiovascular training and their combination on flexibility of inactive older adults. International Journal of Sports Medicine. Vol. 23. 2002. p. 112-119.

-Gianolla, F. Musculação: conceitos básicos. Manole. 2003. p. 329.

-Guedes, D.P.; Guedes, J.E.R.P. Proposição de equações para predição da quantidade de gordura corporal em adultos jovens. Semina. Vol. 12. Núm. 2. 1991. p. 61-70.

-Harvey, D.; Craig, M. Measuring flexibility for performance and injury prevention. In: Australian Sports Comission. Physiological test for elite athletes. Champaign: Human Kinetics. 2000. p. 134.

-Heyward, V. H. Design for fitness. Minneapolis: Burgess. 1991.

-Kataura, S.; Suzuki, S.; Matsuo, S.; Hatano, G.; Iwata, M.; Yokoi, K.; Tsuchida, W.; Banno, Y.; Asai, Y. Acute effects of the different intensity of static stretching on flexibility and isometric muscle force. Journal of Strength and Conditioning Research. 2006. Ahead of Print.

-Marega, M.; Carvalho, J.A.M.; Manual de atividades físicas para prevenção de doenças. Rio de Janeiro: Elsevier. 2012. p. 266.

-Mookerjee, S.; McMahon, M.J. Electromyographic analysis of muscle activation during sit-and-reach flexibility tests. Journal of Strength and Conditioning Research. Vol. 28. Núm. 12. 2014. p. 3496-3501.

-Santos, E.; Rhea, M.R.; Simão, R.; Dias, I.; Salles, B. F.; Novaes, J.; Leite, T.; Blair, J. C.; Bunker, D. J. Influence of moderately intense strength training on flexibility in sedentary young women. Journal of Strength and Conditioning Research. Vol. 24. Núm. 11. 2011. p. 3144-3149.

-Thrash, K.; Kelly, B. Flexibility and strength training. Journal Apply Sport Science Research. Vol. 1. 1987. p. 74-75.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui