Relação entre frequência cardíaca e percepção subjetiva de esforço em indivíduos entre 10 e 15 anos na natação

Jhenifer Cristina Aissa, Sérgio Eduardo de Andrade Perez, Vilmar Baldissera, Anderson Diogo de Souza Lino

Resumo


A natação é um exercício físico completo por trabalhar o corpo todo e sua prática regular promove adaptações fisiológicas no organismo. Essas adaptações ocorrem com a manipulação e quantificação das cargas de treinamento, como a intensidade. Para mensurar essa variável diversos métodos são utilizados tanto no meio terrestre quanto no meio aquático como a frequência cardíaca (FC) e a percepção subjetiva de esforço (PSE). A PSE aumenta linearmente com a intensidade e se correlaciona com a FC e o consumo de oxigênio (VO2), mas ainda não se sabe se há correlação entre FC e PSE em indivíduos adolescentes praticantes de natação. O objetivo desta pesquisa foi analisar se existe correlação entre a FC e a PSE utilizando a Escala de Borg (15 pontos) em aulas de natação para indivíduos entre 10 a 15 anos de idade. Foram selecionados 8 voluntários de ambos os sexos com idade 12,62 ± 1,84 anos aparentemente saudáveis. Todos voluntários nadaram a 90% da FC máxima na água (56 m), a 70% (112 m) e a 50% (196 m) respectivamente e ao final de cada metragem foi identificado a PSE na Escala de Borg. As correlações entre a FC e PSE em relação a intensidade possui uma correlação positiva muito forte (r > 0,90) para 90% e para 70% e uma correlação positiva forte (r = 0,70 a 0,89) para 50%. Concluímos que existe correlação entre FC e PSE na natação, em indivíduos entre 10 e 15 anos de idade.

 

ABSTRACT 

Relationship between heart rate and subjective perception of exertion in practitioners of swimming with 10-15 years old

Swimming is a complete physical exercise by working the whole body and its regular practice promotes physiological adaptations in the body. These adaptations occur with the manipulation and quantification of training loads, such as intensity. To measure this variable, several methods are used both in the terrestrial environment and in the aquatic environment such as heart rate (HR) and subjective perception of effort (PSE). PSE increases linearly with intensity and correlates with HR and oxygen consumption (VO2), but it is not yet known if there is a correlation between HR and PSE in swimming adolescents. The objective of this research was to analyze whether there is a correlation between the heart rate and the subjective perception of effort using the Borg Scale (15 points) in swimming lessons for individuals between 10 and 15 years of age. Eight volunteers of both sexes with 12.62 ± 1.84 years of age were apparently healthy. All volunteers swam to 90% of the maximum HR in water (56 m), 70% (112 m) and 50% (196 m) respectively and at the end of each film PSE was identified on the Borg scale. The correlation between HR and PSE in relation to intensity has a very strong positive correlation (r> 0.90) to 90% and 70% and a strong positive correlation (r = 0.70 to 0.89) to 50%. We conclude that there is a correlation between HR and PSE in swimming, particularly between 10 and 15 years of age.


Palavras-chave


Natação; Frequência cardíaca; Percepção subjetiva de esforço

Texto completo:

PDF

Referências


-Alberton, C. L.; Kurel, L. F. M. Influência da imersão nas respostas cardiorrespiratórias em repouso. Rev. Bras. Med. Esporte. Vol. 15. Núm. 3. 2008.

-American College of Sports Medicine. Diretrizes do ACSM para os testes de esforço e sua prescrição. 8ª edição. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. 2010.

-Costa, P. H. L. da. Natação e atividades aquáticas: subsídios para o ensino. Manole. 2010.

-Graef, F. I.; Kruel, L. F. M. Frequência cardíaca e percepção subjetiva de esforço no meio aquático: diferenças em relação ao meio terrestre e aplicações na prescrição do exercício - uma revisão. Rev. Bras. Med. Esporte. Vol. 12. Núm. 4. 2006.

-Lussac, R. M. P. Os princípios do treinamento desportivo: conceitos, definições, possíveis aplicações e um possível novo olhar. Rev. Digital Buenos Aires. ano 13. Núm. 121. 2008.

-Machado, F. A., Denadai, B. S. Validade das equações preditivas da frequência cardíaca máxima para crianças e adolescentes. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. Vol. 9. Núm. 2. p. 136-140. 2011.

-Maglischo, E.W. Nadando ainda mais rápido. São Paulo. Manole. 1999.

-Manholer, A. G. Correlação entre a frequência cardíaca e a percepção subjetiva de esforço em atletas de futsal. Trabalho de Conclusão de Curso. Curitiba. 2014. Disponível em: .

-Marins, J. C. B., Giannichi, R. S. Avaliação & Prescrição de Atividade Física: Guia Prático. 3ª edição. Rio de Janeiro. Shape. 2003.

-Marshall, A.; Bauman, A. The international physical activity questionnaire: summary report of the reliability & validity studies. Document of IPAQ Executive Committee. 2001.

-Martins, R.; Assumpção, M. S.; Schivinsk, C. I. S. Percepção de esforço e dispinéia em pediatria: revisão das escalas de avaliação. Medicina. Ribeirão Preto Online. Vol. 47. Núm. 1. p. 25-35. 2014.

-Marujo, D. B. Nova abordagem entre a relação da frequência cardíaca com a escala subjetiva de esforço RPE-20. Dissertação de Mestrado. Volta Redonda. 2010.

-Mcardle, W. D.; Katch, F. I.; Katch, V. L. Fisiologia do Exercício: nutrição, energia e desempenho humano. 7ª edição. Guanabara Koogan. 2011.

-Souza, W. O. D. C.; e colaboradores. Relação entre a frequência cardíaca e a percepção subjetiva de esforço em praticantes de hidroginástica. Coleção Pesquisa em Educação Física. Vol. 6. 2007.

-Tanaka, H.; Monahan, K. D.; Seals, D. R. Age-Predicted Maximal Heart Rate Revisited. Journal of the American College of Cardiology. Vol. 37. Núm. 1. 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui