Utilização de protocolos diretos e indiretos na avaliação do consumo máximo de oxigênio

Mateus Schaurich, Marcelo Henrique Glänzel, Guilherme Görgen da Rocha, Patrik Nepomuceno, Luiza Müller Schmidt, Hildegard Hedwig Pohl, Miriam Beatrís Reckziegel

Resumo


Introdução: A preocupação do desenvolvimento da capacidade física ligada à resistência cardiorrespiratória é enfatizada nos treinamentos físicos, sendo o consumo máximo de oxigênio um dos principais parâmetros funcionais analisados. Objetivo: Verificar a relação entre dois métodos (diretos e indiretos) de avaliação do consumo máximo de oxigênio (VO2máx), bem como definir percentuais de variação de equações preditivas de VO2máx por esforço submáximo (ES) e máximo (EM) com o VO2máx obtido de forma direta. Método: O presente estudo transversal de caráter correlacional avaliou 50 atletas de futebol, de 17 a 34 anos. Os sujeitos foram submetidos à teste ergoespirométrico (PD) e estimativa indireta (PI). Resultados: Como decorrência foi encontrada associação entre os valores de VO2máx obtidos por PD e PI de EM e ES (EM: r= 0,439; ES: r=0,358); como também por posição dos atletas em campo, para laterais (EM: r=0,761; ES: r=0,738) e atacantes (EM: r=0,778; ES: r=0,733). As avaliações indiretas não apresentaram diferenças significativas ao PD; sendo observada uma melhor relação do protocolo de EM com o PD quando comparado com o de ES. Conclusão: As avaliações indiretas, tanto através de protocolo máximo como submáximo, não apresentaram diferenças significativas de VO2máx com a avaliação direta realizada pela ergoespirometria.

 

ABSTRACT

Introduction: The concern with the development of the physical capacity linked to the cardiorespiratory resistance is emphasized in the physical training, being the maximal oxygen uptake one of the main functional parameters analyzed. Objective: verify if there is relation between the metods, as well as to define variation percentages of predictive equations of VO2max in an indirect way by submaximal and maximal tests compared to VO2max obtained through a direct way. Methods: The present cross-sectional study of correlational nature evaluated 50 male soccer players, aged 17-34. The subjects were submitted to ergoespirometric test and indirect methods. Results: In general, was found association between DP and IP on maximal (M) and submaximal (S) tests (M: r= 0,439; S: r=0,358), as well as by position, to left and right-backs (M: r=0,761; S: r=0,738) and forwards (M: r=0,778; S: r=0,733). Indirect assessments of maximal and submaximal tests did not present significant differences to DP, being observed a better relation of the maximal exercise tests protocol and the DP, when compared to the submaximal tests. Conclusion: The indirect evaluations, both through maximum and submaximal protocol, did not present significant differences in maximal oxygen uptake with the direct evaluation performed by ergospirometry.


Palavras-chave


Aptidão física; Esforço físico; Ergometria; Teste de esforço; Atletas

Texto completo:

PDF

Referências


-Batista, M. B.; Cyrino, E. S.; Milanez, V. F.; Silva, M. J. C.; Arruda, M. D.; Ronque, E. R. V. Estimativa do consumo máximo de oxigênio e análise de concordância entre medida direta e predita por diferentes testes de campo. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 19. Num. 6. 2013. p.404-409.

-Bruce, R. A.; Kusumi, F.; Hosmer, D. Maximal oxygen intake and nomographic assessment of functional aerobic impairment in cardiovascular disease. American Heart Journal. Vol. 85. Num. 4. 1973. p.546-562.

-Calheiros, S. D. T. P.; Souza, T. M. F. Correlação entre medidas indiretas de mensuração do VO2 máx. em jogadores de futebol. Revista Brasileira de Futsal e Futebol. Vol. 5. Num. 15. 2013. p.60-67. Disponível em:

-Costa, E. C. Validade da medida do consumo máximo de oxigênio predito pelo teste de cooper de 12 minutos em adultos jovens sedentários. Revista Motricidade. Vol. 4. Num. 3. 2008. p.5-10.

-Costa, E. C.; Guerra, L. M. M.; Guerra, F. E. F.; Nunes, N.; Pontes Júnior, F. L. Validade da medida do consumo máximo de oxigênio e prescrição de intensidade de treinamento aeróbico preditos pelo teste de Cooper de 12 minutos em jovens sedentários. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. Vol. 1. Num. 4. 2007. p.32-39. Disponível em:

-Costa, V. T.; Costa, I. T.; Ferreira, R. M.; Penna, E. M.; Ramos, G. P. Análise da capacidade aeróbia em jovens atletas de futebol. Educación Física y Deportes. Vol. 15. Num. 153. 2011. p.1-9.

-Faulkner, J. A. Physiology of swimming and diving. IN: Falls HB. Human exercise physiology. Baltimore: Academic Press. 1968. p.87-95.

-França, E.; Caperuto, E. C.; Hirota, V. B. Testes indiretos de VO2 máximo devem ser escolhidos de acordo com o gênero, variáveis antropométricas e capacidade aeróbica presumida. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. Vol. 8. Num. 49. 2014. p.712-721. Disponível em:

-Herdy, A. H.; Caixeta, A. B. Classificação nacional da aptidão cardiorrespiratória pelo consumo máximo de oxigênio. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. Vol. 106. Num. 5. 2016. p.389-395.

-Kravchychyn, A. C. P.; Alves, J. C. C.; Kravchychyn, T. P.; Nogueira, G. A.; Machado, F. A. Comparação entre os métodos direto e indireto de determinação do VO2 máx. de praticantes de corrida. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 21. Num. 1. 2015. p.17-21.

-Lima, A. M. J.; Silva, D. V. G.; Souza, A. O. S. Correlação entre as medidas direta e indireta do VO2 máx. em atletas de futsal. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 11. Num. 3. 2005. p.164-168.

-Lizana, C. J. R.; Belozo, F.; Lourenço, T.; Brenzikofer, R.; Macedo D. V.; Shoitimisuta, M.; Scaglia, A. J. Análise da potência aeróbia de futebolistas por meio de teste de campo e teste laboratorial. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 20. Num. 6. 2014. p.437-440.

-Machado, F. A.; Denadai, B. S. Predição da potência aeróbia (VO2 máx.) de crianças e adolescentes em teste incremental na esteira rolante. Motriz – Revista de Educação Física. Vol. 19. Num. 1. 2013. p.126-132.

-Mahseredjian, F.; Barros Neto, T. L. D.; Tebexreni A. S. Estudo comparativo de métodos para a predição do consumo máximo de oxigênio e limiar anaeróbio em atletas. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 5. Num. 15. 1999. p.167-172.

-Marocolo, M.; Barbosa Neto, O.; Vianna, J. M.; Lauria, A. D. A.; Orsatti, F. L.; Mota, G. R. D. Análise da correlação entre o protocolo Polar Fitness Test para predição de VO2 máx. e ergoespirometria. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 18. Num. 3. 2012. p.195-197.

-Miranda, A. L. N.; Lopes, K. C.; Carletti, L.; Perez, A. J.; Mill, J. G.; Lunz, W. VO2 máx. estimado por equações preditivas apresenta baixa concordância com o obtido pelo teste cardiopulmonar - padrão ouro. Revista de Educação Física. Vol. 26. Num. 1. 2015. p.131-145.

-Organização Mundial da Saúde. Obesidade: prevenindo e controlando a epidemia global. São Paulo. Roca. 2004.

-Pollock, M. L. E.; Wilmore, J. H. Exercícios na saúde e na doença: avaliação e prescrição para prevenção e reabilitação. 2. ed. Rio de Janeiro. MEDSI. 1993.

-Ramos, P. S.; Araújo, C. G. S. Análise da estabilidade de uma variável submáxima em teste cardiopulmonar de exercício: Ponto ótimo cardiorrespiratório. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde. Vol. 18. Num. 5. 2013. p.585-593.

-Ross, R. M.; Jackson, A. S. Development and validation of total-work equations for estimating the energy cost of walking. Journal of Cardiopulmonary Rehabilitation. Vol. 6. Num 5. 1986. p.185-192.

-Sousa, N. M. F.; Couto, M. F. M.; Bertucci, D. R.; Barbosa, M. R.; Ferreira, F. C. Método indireto de determinação da intensidade de exercício de corrida por equivalente metabólico: um estudo piloto. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. Vol. 10. Num. 58. 2016. p.290-297. Disponível em:

-Souza, K. M. D.; Lucas, R. D. D.; Grossl, T.; Costa, V. P.; Guglielmo, L. G. A.; Denadai, B. S. Predição da performance de corredores de endurance por meio de testes de laboratório e pista. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano. Vol. 16. Num. 4. 2014. p.466-474.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui