Resposta hemodinâmica pós uma sessão aguda de treino de força em idosas hipertensas

  • Ronyele Mesquita Rodrigues Programa de pós-graduação em Educação Física, Universidade Federal do Piauí (UFPI), Teresina-PI, Brasil.
  • Jefferson Fernando Coelho Rodrigues Júnior Programa de pós-graduação em Educação Física, Universidade Federal do Maranhão (UFMA), São Luís-MA, Brasil.
  • Alyson Felipe da Costa Sena Programa de pós-graduação em Educação Física, Universidade Federal do Maranhão (UFMA), São Luís-MA, Brasil.
  • Vânia Silva Macedo Orsano Departamento de Educação Física, Universidade Federal do Piauí (UFPI), Teresina-PI, Brasil.

Resumo

Introdução: O treinamento de força é amplamente utilizado em idosos para manutenção da massa muscular e óssea, além disso, estudos mostram os benefícios do treinamento de força como meio não farmacológico para a prevenção, controle e tratamento de diversas cardiopatias. Objetivo: O estudo teve como objetivo analisar o efeito de uma sessão de exercício de força em intensidade moderada sobre as respostas hemodinâmicas em idosas hipertensas. Materiais e métodos: Participaram do estudo onze mulheres idosas com 68,18 ± 5,07 anos, massa corporal 65,94 ± 12,64kg e IMC de 28,5 ± 5,29Kg.m-² que recebiam tratamento farmacológico anti-hipertensivo. Todas as voluntárias foram submetidas a uma sessão de treino de força a 70% de 10RM. O registro do comportamento da frequência cardíaca, pressão arterial sistólica, diastólica e média foram tomadas antes e durante um período de 45 minutos de recuperação pós-exercício. A normalidade dos dados foi previamente avaliada por meio do teste Shapiro-Wilk. Comparações do momento basal e recuperação pós-exercício foram feitas por meio do teste ANOVA one-way, com post hoc de Tuckey. Adotou-se nível de significância estatística de p < 0,05. Resultados: Foi observada uma redução em todas as variáveis hemodinâmicas frequência cardíaca 4,1 ± 5,13bpm, pressão sistólica 10,0 ± 6,39mmHg, pressão diastólica 6,2 ± 6,95mmHg e pressão arterial média 81,4 ± 5,9mmHg após uma sessão aguda de treino de força, apresentando uma diferença significativa a partir de 30 minutos de recuperação pós exercício (p <0,05). Conclusão: Diante dos dados obtidos, uma sessão aguda de treino de força promove uma redução dos níveis pressóricos em idosas hipertensas sob medicação.

Biografia do Autor

Ronyele Mesquita Rodrigues, Programa de pós-graduação em Educação Física, Universidade Federal do Piauí (UFPI), Teresina-PI, Brasil.
Departamento de Educação Física
Jefferson Fernando Coelho Rodrigues Júnior, Programa de pós-graduação em Educação Física, Universidade Federal do Maranhão (UFMA), São Luís-MA, Brasil.

Programa de pós-graduação em Educação Física, Núcleo de esportes - UFMA

Alyson Felipe da Costa Sena, Programa de pós-graduação em Educação Física, Universidade Federal do Maranhão (UFMA), São Luís-MA, Brasil.
Programa de pós-graduação em Educação Física, Núcleo de esportes - UFMA
Vânia Silva Macedo Orsano, Departamento de Educação Física, Universidade Federal do Piauí (UFPI), Teresina-PI, Brasil.
Departamento de Educação Física
Publicado
2020-05-03
Como Citar
Rodrigues, R. M., Rodrigues Júnior, J. F. C., Sena, A. F. da C., & Orsano, V. S. M. (2020). Resposta hemodinâmica pós uma sessão aguda de treino de força em idosas hipertensas. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 13(85), 932-941. Recuperado de http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/1820
Seção
Artigos Científicos - Original

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##