Análise da flexbilidade e qualidade de vida em mulheres iniciantes e avançadas no método pilates

  • Ilza Pereira da Silva Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal (FACIMED), Cacora-RO, Brasil.
  • Laize Peron Tófolo Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal (FACIMED), Cacora-RO, Brasil.
Palavras-chave: Flexibilidade, Qualidade de vida, Pilates

Resumo

Introdução: O pilates é definido como um método de condicionamento físico que integra o corpo e a mente, ampliando a capacidade e angulação de movimentos, o controle, a força, o equilíbrio muscular e a consciência corporal e tem como objetivo promover a saúde completa do corpo. Objetivo: analisar o ganho da flexibilidade e qualidade de vida em mulheres iniciantes e avançadas no método Pilates. Materiais e métodos: Trata-se de uma pesquisa descritiva de campo, quali-quantitativa de caráter transversal.  Utilizou-se como método para a pesquisa o teste de sentar e alcançar adaptado PROESP-BR e o questionário de Qualidade de Vida-SF-36. A amostra foi escolhida por conveniência não probabilística, composta por 40 mulheres, sendo 20 iniciantes e 20 avançadas, ambas com idade média de 32,6 anos. Resultados e discussão: verificou-se que a prática de pilates 1-2x na semana por um período maior pode proporcionar uma melhora significativa tanto na qualidade de vida como na flexibilidade de quem pratica. Nos oito domínios que compõem o questionário SF-36, sete tiveram seus domínios médios aumentados e que apenas o domínio “saúde mental” permaneceu sem alteração. Referente ao teste de sentar e alcançar adaptado nota-se que o grupo -3 meses se encontra em baixo nível de flexibilidade e que no grupo à +12 meses a maior parte das avaliadas encontram-se com médio e alto nível de flexibilidade. Conclusão: Os efeitos benéficos da prática de pilates sobre a qualidade de vida e flexibilidade estão relacionados com o tempo de prática, independente da frequência semanal.

Biografia do Autor

Ilza Pereira da Silva, Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal (FACIMED), Cacora-RO, Brasil.

Graduanda do curso bacharelado em educação física pela faculdade facimed.

cursando a pós de avaliação e prescrição de exercício pela faculdade facimed

Referências

-Achour Junior, A. Alongamento e flexibilidade: definições e contraposições. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde. Vol.12. Núm.1. 2007. p. 54-57.

-Allsen, P. E. Exercício e qualidade de vida: uma abordagem personalizada. 6ª edição. Manole. 2001. p. 280-285.

-Almeida, M.; Gutierrez, G.; Marques, R. Qualidade de vida. São Paulo: Escola de Artes, Ciências e Humanidades EACH/USP. 2012. p. 18-22.

-Barra, B.; Araújo, W. O efeito do método pilates no ganho da flexibilidade. TCC. Unilhinhares. Bacharelado Educação Física. Linhares. 2007.

-Bertoldi, J.; Tesser, R.; Damaceno, M. Impacto do Método Pilates na qualidade de vida dos praticantes. Cinergis. Santa Cruz do Sul. Vol. 17. Núm. 1. 2016. p. 15-21.

-Camarão, T. Pilates no Brasil: corpo e movimento. 3ª edição. Rio de Janeiro. Elsevier. 2004.

-Ciconelli, R.; e colaboradores. Tradução para a língua portuguesa e validação do questionário genérico de avaliação de qualidade de vida SF-36. Rev. Bras. Reumatol. Vol. 39. Núm. 3. 1999.

-Dantas, E. Alongamento e Flexionamento. 5ª edição. Shape. 2005.

-Farias Júnior, J.C.; Nahas, M.V.; Barros, M.V.G.; Loch, M.R.; Oliveira, E.S.A.; Bem, M.F.L.; Lopes, A.S. Comportamentos de risco à saúde em adolescentes no Sul do Brasil: prevalência e fatores associados. Rev. Panam Saúde Pública. Vol. 25. 2009. p. 344-52.

-Hall, S. J. Biomecânica básica. 5ª edição. Manole. 2009.

-Júnior, G.; e colaboradores. Qualidade de vida, estilo de vida e saúde: um artigo de revisão. Revista Amazônia. Vol. 1. p.34. 2013.

-Lourenço, B. S.; e colaboradores. Atividade física como uma estratégia terapêutica em saúde mental: revisão integrativa com implicação para o cuidado de enfermagem. Dissertação de Mestrado. UFRJ. Rio de Janeiro. 2017.

-Martins, R. Método pilates: histórico, benefícios e aplicações revisão sistemática da literatura. TCC de Especialização em Pilates- CEAFI. Goiânia. 2013.

-Riesta, A.; Flix, J. 1.004 exercícios de flexibilidade. 5ª edição. Artmed. 2003.

-Rodrigues, P.B.; Efeito do método pilates sobre a flexibilidade e qualidade de vida de estudantes de odontologia. Dissertação de Mestrado. Taubaté-SP. 2010.

-Röpke, L. M. Avaliação do efeito de um programa de exercícios do método Pilates na qualidade do sono e na qualidade de vida de pacientes com SAOS, em uso adequado de CPAP. Botucatu. 2017.

-UFPR. Questionário de qualidade de vida SF-36. 2013. Disponível em < https://toneurologiaufpr.wordpress.com/2013/03/26/questionario-de-qualidade-de-vida-sf-36/>.

Publicado
2020-08-04
Como Citar
da Silva, I. P., & Tófolo, L. P. (2020). Análise da flexbilidade e qualidade de vida em mulheres iniciantes e avançadas no método pilates. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 13(88), 1370-1377. Recuperado de http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/1874
Seção
Artigos Científicos - Original