Qualidade de vida de pessoas com deficiência física ativas e insuficientemente ativas

  • Lionela da Silva Corrêa Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Manaus, Amazonas, Brasil.
  • Evandro Jorge Souza Ribeiro Cabo Verde Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Manaus, Amazonas, Brasil.
  • Minerva Leopoldina de Castro Amorim Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Manaus, Amazonas, Brasil.
  • Kathya Augusta Thomé Lopes Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Manaus, Amazonas, Brasil.
Palavras-chave: Qualidade de vida, Atividade física, Pessoas com Deficiência

Resumo

O objetivo deste estudo foi avaliar a qualidade de vida de vida de pessoas com deficiência física consideradas ativas e insuficientemente ativas. Trata-se de pesquisa do tipo descritiva, de corte transversal, realizada com 114 pessoas com deficiência física de Manaus. Os instrumentos de pesquisa foram a versão longa do International Physical Activity Questionnaire - IPAQ e a versão em português do World Health Organization Quality of Life - Bref. A análise dos dados foi realizada por meio da estatística descritiva de medida de tendência central (média), medida de posição (valor mínimo e máximo) e correlação (Spearman). Todas as análises foram realizadas por meio do software Statistical Package For Social Sciences (SPSS). Os participantes da pesquisa eram a maioria do sexo masculino, com idade entre 31 a 45 anos, com ensino médio. Em relação ao nível de atividade física a maioria foi considerado insuficientemente ativos (53,5%), sendo o seu gasto médio de atividade física    em minutos por semana de 79,54 enquanto os considerados ativos (46,5%) foram de 582,38 minutos por semana. Em relação a qualidade de vida as pessoas com deficiência física ativas apresentaram melhor escore quando comparadas com as insuficientemente ativas. Também houve associação significativa e positiva em indivíduos com deficiência física entre os domínios de atividade física e qualidade de vida. Conclui-se que um estilo de vida mais ativo pode favorecer uma melhor qualidade de vida para as pessoas com deficiência física, sendo essencial oferecer espaços acessíveis de atividades de lazer para essa população.

Biografia do Autor

Lionela da Silva Corrêa, Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Manaus, Amazonas, Brasil.

Mestre em Ciências da Saúde, docente da Faculdade de Educação Física e Fisioterapia da Universidade Federal do Amazonas,  Manaus-AM, Brasil.

Evandro Jorge Souza Ribeiro Cabo Verde, Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Manaus, Amazonas, Brasil.

Mestre em Educação, professor substituto da Faculdade de Educação Física e Fisioterapia da Universidade Federal do Amazonas, Manaus-AM, Brasil.

Minerva Leopoldina de Castro Amorim, Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Manaus, Amazonas, Brasil.

Professora Doutora da Faculdade de Educação Física e Fisioterapia da Universidade Federal do Amazonas, Manaus-AM, Brasil.

Kathya Augusta Thomé Lopes, Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Manaus, Amazonas, Brasil.

Professora Doutora da Faculdade de Educação Física e Fisioterapia da Universidade Federal do Amazonas, Manaus-AM, Brasil.

Referências

-Bampi, L.N.S.; Guilhem, D.; Lima, D.D. Qualidade de vida em pessoas com lesão medular traumática: um estudo com o WHOQOL-BREF. Revista Brasileira de Epidemiologia. São Paulo. Vol. 11. Num. 1. 2008. p. 67-77.

-Bernardes, L.C.G.; Maior, I.M.M.; Spezia, C.H.; Araujo, T.C.C.F. Pessoas com deficiência e políticas de saúde no Brasil: reflexões bioéticas. Ciência & Saúde Coletiva. Rio de Janeiro. Vol. 14. Num. 1. 2009. p. 31-38.

-Bittencourt, Z.Z.L.; Hoehne, E.L. Qualidade de vida de deficientes visuais. Medicina. Ribeirão Preto. Vol.39. Num. 2. 2006. p. 260-264.

-Braga, D.M.; Melo, A.P.G.; Labronici, R.H.D.; Cunha, M.C.B.; Oliveira, A.S.B. Benefícios da dança esporte para pessoas com deficiência física. Revista Neurociência. Vol.10. Num. 3. 2002. p.153-157.

-Braun, A.; Herber, V.; Michaelsen, S.M. Relação entre nível de atividade física, equilíbrio e qualidade de vida em indivíduos com hemiparesia. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 18. Num. 1. 2012. p. 30-34.

-Brunozi, A.E.; Silva, A.C.; Gonçalves, L.F.; Veronezi, R.J. B. Qualidade de Vida na Lesão Medular Traumática. Revista de Neurocienciências. São Paulo. Vol. 1. Num. 19. 2011. p. 139-144.

-Corrêa, L.S.; Lopes Neto, D.; Llapa-Rodriguez, E.O. Qualidade de vida de pessoas com lesão medular traumática. Cogitare Enfermagem. Paraná. Vol. 20. Num. 4. 2015. p. 695-700.

-Ferreira, J.S.; Diettrich, S.H.C.; Pedro, D.A. Influência da prática de atividade física sobre a qualidade de vida de usuários do SUS. Saúde debate, Rio de Janeiro. Vol. 39. Num. 106. 2015. p. 792-801.

-Gama, A.C.; Silva, C.A.F. A participação do profissional de educação física numa equipe multidisciplinar na associação niteroiense dos deficientes físicos - ANDEF. Revista de Trabalhos Acadêmicos-Campus Niterói. América do Norte. Num. 1. 2010.

-IBGE. Censo Demográfico de 2010. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, dados referentes ao município de Manaus. 2010. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/

-Interdonato, G.C.; Greguol, M. Qualidade de vida e prática habitual de atividade física em adolescentes com deficiência. Journal of Human Growth and Development. Vol. 21. Num. 2. 2011. p. 282-295. 2011.

-Maciel, E.S.; Gomes, G.A.; Sonati, J.G.; Modeneze, D.M.; Quaresma, F.R.P.; Vilarta, R. Influência do nível de atividade física na percepção da qualidade de vida em comunidade universitária. Revista brasileira de qualidade de vida. Vol. 8. Num. 1. 2016. p. 42-56.

-Melo, A.C.S.; César, E.P. Comparação do nível de Qualidade de Vida dos indivíduos com Síndrome de Down praticantes e não praticantes de atividade física. Revista brasileira de qualidade de vida. Vol. 7. Num. 3. 2015. p. 117-122.

-Menezes, W.C.D.; Silva, L.H.; Drigo, A.J. A inserção do profissional de educação física no processo de reabilitação musculoesquelética: a visão dos responsáveis por estabelecimentos privados de Itabuna-BA. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde. Florianópolis. Vol.16. Num. 4. 2011. p. 300-303. 2011.

-Middleton, J.; Tran, Y.; Craig. A. Relationship Between Quality of Life and Self-Efficacy in Persons with Spinal Cord Injuries. Archives of Physical Medicine Rehabilitation. Vol 88. Num. 12. 2007. p. 1643-1648.

-Nascimento, T.D.; Carile, N.S.; Andrade, R.M.; Rosa, F.O.; Rodrigues, F.; Palma, D.D.; Amaral, P.C. Avaliação da qualidade de vida em idosas praticantes de exercícios. Revista brasileira de qualidade de vida. Vol. 10. Num. 2. 2018. p.1-16.

-Noce, F.; Simim, M.A.M.; Mello, M.T. A percepção de qualidade de vida de pessoas portadoras de deficiência física pode ser influenciada pela prática de atividade física?. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 15. Num. 3. 2009. p. 174-178.

-Paiva, J.C.M.; Bendassolli, P.F. Políticas sociais de inclusão social para pessoas com deficiência. Psicologia em Revista. Belo Horizonte. Vol. 23. Num. 1. 2017. p. 418-429.

-Pinto, S.S.; Castelo, G.P.R. Etapas para a elaboração de um projeto de campanha social para o Programa de Atividades Motoras para Deficientes (PROAMDE). Fiep Bulletin. Vol.77. Special Edition. 2007. p. 563-566.

-Ponte, A.S.; Silva, L.C. A acessibilidade atitudinal e a percepção das pessoas com e sem deficiência. Cadernos Brasileiros de terapia ocupacional. São Carlos. Vol. 23. Num. 2. 2015. p. 261-271.

-Seron, B.B.; Arruda, G.A.; Greguol, M. Facilitadores e barreiras percebidas para a prática de atividade física por pessoas com deficiência motora. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. Vol. 37. Num. 3. 2015. p. 214-221.

-Toscano, J.J.O.; Oliveira, A.C.C. Qualidade de Vida em Idosos com Distintos Níveis de Atividade Física. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Niterói. Vol. 15. Num. 3. 2009. p. 169-173.

-Zuchetto, A.T.; Castro, R.L.V. As contribuições das atividades físicas para qualidade de vida dos deficientes físicos. Revista Kinesis. Num. 6. 2002. p. 52-166.

Publicado
2021-02-28
Como Citar
Corrêa, L. da S., Cabo Verde, E. J. S. R., Amorim, M. L. de C., & Lopes, K. A. T. (2021). Qualidade de vida de pessoas com deficiência física ativas e insuficientemente ativas. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 14(90), 214-222. Recuperado de http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/1949
Seção
Artigos Científicos - Original