Fatores motivacionais de mulheres de meia idade e idosas praticantes de treinamento funcional

  • Emanuelly Victoria Caetano Rodrigues Graduação em Educação Física, Faculdade Santa Rita-FASAR, Conselheiro Lafaiete, Minas Gerais, Brasil.
  • Lucas Rogério dos Reis Caldas Professor no Curso de Educação Física, Faculdade Santa Rita-FASAR, Conselheiro Lafaiete, Minas Gerais, Brasil.
Palavras-chave: Envelhecimento, Motivação, Treinamento Funcional

Resumo

O envelhecimento é um processo natural que faz parte da vida do ser humano e é acompanhado muitas vezes por um estilo de vida inativo. A participação e continuidade de exercícios físicos como o treinamento funcional (TF) é diretamente associada a motivação do indivíduo praticante, sendo essa caracterizada como uma ação voluntária encaminhada para fatores ambientais e pessoais. O objetivo do presente estudo foi analisar os fatores motivacionais que levaram as mulheres de meia e terceira idade a aderirem a prática de um projeto de TF de Ouro Branco-MG. Trata-se de um estudo de natureza aplicada, quanto aos objetivos descritiva e quanto ao procedimento foi um estudo de caso. A amostra foi composta por 10 praticantes do projeto de treinamento funcional, sendo todas do sexo feminino, com idades entre 45 e 65 anos (56,5±5,8 anos). O instrumento de coleta de dados foi o Inventário de Motivação para a Prática de Atividades Físicas IMPRAF-54, com questões relativas às motivações para a prática da atividade física. A normalidade dos dados foi testada através do teste Shapiro-Wilk. Os scores brutos foram tratados com teste Kruskal-Wallis, seguido de Post-Hoc de Tukey, os valores de percentil foram tratados com teste Anova One Way, com Post-Hoc de Tukey. Observou-se que o Saúde foi o fator que mais influencia a aderência das mulheres de meia e terceira idade a prática de um projeto de TF de Ouro Branco-MG, evidenciando que elas consideram o treinamento funcional como uma alternativa para a busca da saúde.

Referências

-Alencar, G. P.; Marin, J. L. O.; Lima, L. E. M.; Teixeira, C. V. L. S. Perfil de praticantes de treinamento funcional de Campo Grande-MS. Revista Brasileira de Fisiologia do Exercício. Vol.17. Núm. 2. p. 80-85. 2018.

-Balbinotti, M. A. A.; Barbosa, M. L. L. Inventario de Motivação a Prática Regular de Atividade Física (IMPRAF-54). Porto Alegre: Laboratório de Psicologia do Esporte. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Reio Grande do Sul. 2006.

-Bloom, D. E.; Chatterji, S.; Kowal, P.; Lloyd-Sherlock, P.; McKee, M.; Rechel, B.; Rosenberg, L.; Smith, J. A. Macroeconomic implications of population ageing and selected policy responses. The Lancet. London. Vol. 385 p. 649-657. 2017.

-Brasil. Ministério da Saúde-MS. Envelhecimento no Brasil: dados epidemiológicos. Brasília-DF. 2017. Disponível em: https://www.saude.gov.br. Acesso em: 26/03/2020.

-Cardoso, A. Fatores motivacionais de idosos associados à prática regular de exercícios físicos. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual Paulista. Rio Claro 2014.

-Cavalli, A. S.; Garcia, G. P.; Ricardo, A. C.; Ribeiro, J. A. B.; Cavalli, M. O. Fatores motivacionais de idosos praticantes em um projeto universitário de Educação física. Estudos interdisciplinares sobre envelhecimento. Porto Alegre. Vol. 24. edição especial. p. 11-25. 2019.

-Fechine, B. R. A.; Trompieri, N. Processo de Envelhecimento: As principais alterações que acontecem com o idoso com o passar dos anos. Inter Science Place Revista Científica Internacional. Campos dos Goytacazes. Vol. 1. Núm. 7. p. 106-132. 2013.

-Freitas, E. V.; Py, L. editores. Tratado de geriatria e gerontologia. 4ª edição. Rio de janeiro. Guanabara Koogan. 2016. p. 1696.

-IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estática. Envelhecimento populacional no Brasil: dados estatísticos. Brasília-DF. 2017.

-Meurer, S. T.; Benedetti, T. R. B.; Mazo, G. Z. Fatores motivacionais de idosos praticantes de exercícios físicos: um estudo baseado na teoria da autodeterminação. Estudos de Psicologia. Campinas. Vol. 17. Núm. 2. p. 299-303. 2012.

-OMS. Organizacional Mundial de Saúde. Informe mundial sobre envelhecimento e saúde. 2015.

-OMS. Organizacional Mundial de Saúde. Informe mundial sobre envelhecimento e saúde. 2018.

-Santos, J. N. Fatores motivacionais para a prática do treinamento funcional em uma academia da cidade de João Pessoa-PB: uma abordagem descritiva. TCC. Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa. 2019.

-Silva-Grigoletto, M. E.; Brito, C. J.; Heredia, J.R. Functional training: functional for what and for whom? Revista Brasileira de Cineantropologia e Desempenho Humano. Vol. 16. Núm. 6. p. 714-719. 2014.

-Teixeira, C. V. L. T.; Evangelista, A. L. Treinamento funcional e core training: definição de conceitos com base em revisão de literatura. Lecturas Educacion Fisica y Deportes. Buenos Aires. Ano 18. Núm. 188. p. 188. 2014.

Publicado
2022-08-06
Como Citar
Rodrigues, E. V. C., & Caldas, L. R. dos R. (2022). Fatores motivacionais de mulheres de meia idade e idosas praticantes de treinamento funcional. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 15(97), 347-353. Recuperado de http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2447
Seção
Artigos Científicos - Original