As respostas da corrida de rua na ansiedade, estresse e depressão

  • Matheus Cardoso de Araújo Universidade Estadual da Paraíba-UEPB, Campina Grande-PB, Brasil.
  • Ivoneide Firmino Santos Universidade Estadual da Paraíba-UEPB, Campina Grande-PB, Brasil.
  • Walmir Romário dos Santos Universidade de São Paulo-USP, Ribeirão Preto-SP, Brasil.
  • Marlene Salvina Fernandes Costa Universidade Federal de Pernambuco-UFPE, Recife-PE, Brasil.
  • Wlaldemir Roberto Santos Universidade Estadual da Paraíba-UEPB, Campina Grande-PB, Brasil.
Palavras-chave: Corrida de rua, Ansiedade, Estresse, Depressão

Resumo

Introdução: entre as complicações da saúde da população atual, destaca-se a saúde mental, potencializada pela inatividade física. Sendo que o exercício físico, em especial, corrida de rua, pode levar a benefícios diretamente na mesma, controlando os níveis de ansiedade, estresse e depressão. Deste modo, o presente estudo teve como objetivo verificar as respostas da corrida de rua nos níveis de ansiedade, estresse e depressão. Materiais e métodos: a amostra do estudo foi composta por 118 participantes (70 homens), que praticavam regularmente corrida de rua. Através de uma seleção não-probabilística e por conveniência, a coleta de dados se deu por meio Google formulário (realizado por meio de redes sociais), onde foram verificados as questões sociodemográficas, histórico de treinamento e mensurados os sintomas de ansiedade, estresse e depressão (DASS-21). Os dados foram analisados através da estatística descritiva e correlacionados pelo teste de Mann Whitney, considerando nível de significância de p<0,05. Resultados: com os resultados observamos que as mulheres apresentaram maiores níveis de estresse do que os homens (p=0,039), sendo valores que não tivemos diferença nos níveis de ansiedade e depressão. Conclusão: com isso, observamos que a corrida de rua a corrida de rua pode auxiliar diretamente na saúde mental, em especial nos níveis de estresse dos homens, devido as suas respostas fisiológicas e emocionais. Porém, estudos são escassos, se fazendo necessários mais estudos com a temática para encorajar a prática da corrida de rua como tratamento não medicamentoso para melhoria da saúde mental.

Referências

-Abrantes, C. Como a corrida pode contribuir no combate à ansiedade. 2020. Disponível em: . Acesso em: 21/03/2021.

-Apóstolo, J. L. A; Figueiredo, M. H.; Mendes, A.C.; Rodrigues, M. A. Depressão, ansiedade e estresse em usuários de cuidados primários de saúde. Rev. Latino-Am. Enfermagem. Vol. 19. Num. 4. p. 1-6. 2011.

-Araujo, T. M.; Junior, J. C.; Almeida, M. M. G. A.; Pinho, P. S. Prática de Atividades de Lazer e Morbidade Psíquica em Residentes de Áreas Urbanas. Rev. Baiana de Saúde Pública, Vol. 3. Num. 2. p. 294-310. 2007.

-Carvalho, V. F. O. Efeito do exercício físico de academia no nível de estresse de mulheres em academias exclusivamente femininas. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. TCC. Curitiba. 2018.

-Clark, L. A.; Watson, D. Tripartite model of anxiety and depression: psychometric evidence and taxonomic implications. J Abnorm Psychol. Vol. 100. Num. 3. p. 316-36. 1991.

-Dallari, M.M. Corrida de rua: um fenômeno sociocultural contemporâneo. Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. Tese de Doutorado. São Paulo. 2009.

-Doro, L. C. M.; Terra, V. D. S.: Junior, I. L. Amateur surfing on the south coast of São Paulo: lifestyle and work as factors of adherence to practice. Journal of Physical Education. Vol. 32. Num. 1. p. e-3247. 2021.

-Ferreira, C. V.; Gois, R. S.; Gomes, L. P.; Britto, A.; Afranio, B.; Dantas, E. H. M. Nascidos para Correr: A Importância do Exercício para a saúde do Cérebro. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 23. Num. 6. p. 495-503. 2017.

-Figueiredo, J. H. C. Estresse, Mulheres e Infarto Agudo do Miocárdio: O que se Sabe?. Arq Bras Cardiol. Vol. 115. Num. 4. p. 658-659. 2020.

-Granai, A. C.; Silva, T. C.; Santana, P. G. Benefícios da corrida de rua nos indivíduos em depressão. Rev Motri Saúde. Vol. 2. Num. 1. p. 1-8. 2020.

-Leal, I.; Horando, A.; Ribeiro, J. L. P. Contribuição para o estudo da adaptação portuguesa das escalas de ansiedade, depressão e stress (EADS) de 21 itens de lovibond e lovibond. Psicologia: Saúde e Doenças. Vol. 5. Num. 2. p. 229-239. 2004.

-Marinho, S, L.; Souza, J. A. Os benefícios da corrida de rua para mulheres. Rev de Iniciação Científica da Universidade Vale do Rio Verde. Vol. 1. Num. 2. 2012.

-Paixão, M. Brasil lidera índices de ansiedade e depressão durante a pandemia. 2021. Disponível em: . Acesso em: 20/05/2021.

-Silva, J. L. L.; Acco A. H.; Almeida, G. L.; Soares, R. S.; Lima, V. S.; Brezolin, C. A.; Messias, C. M.; Silva, R. P. Aspectos psicossociais e relação com sedentarismo entre trabalhadores hidroviários. Brazilian Journal of health Review. Vol. 6. Num. 6. p. 33252-33263. 2020.

-Thomas, J.R.; Nelson, J.K.; Silverman, S.J. Métodos de pesquisa em atividade física. 6ª edição. Porto Alegre. Artmed. 2012.

-Vignolia, R. C. B.; Tucci, A. M. Adaptation and validation of the depression, anxiety and stress scale (DASS) to Brazilian Portuguese. J Affect Disord. Vol. 155. Num. 1. p. 104-149. 2014.

-Zuntini, A. C. S.; Santana, D. V. L.; Domindos, E.; Santos, I. G.; Silva, J. W.; Silva; L. R.; Borges; L. T. B. Atividades e Exercícios físicos nos Transtornos Psicológicos. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Vol. 3. Num. 6. p. 1-19. 2018.

Publicado
2022-08-06
Como Citar
Araújo, M. C. de, Santos , I. F., Santos, W. R. dos, Costa, M. S. F., & Santos, W. R. (2022). As respostas da corrida de rua na ansiedade, estresse e depressão. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 15(98), 460-466. Recuperado de http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2489
Seção
Artigos Científicos - Original