Comparação entre o efeito agudo do turskish get-up e do alongamento estático sobre o desempenho do teste de sentar e alcançar

Lucas Rodrigues da Silva, Felipe Soares da Silva, Estêvão Rios Monteiro, Victor Gonçalves Corrêa Neto, Felipe da Silva Triani

Resumo


O objetivo do presente estudo foi comparar o efeito agudo do Turkish Get-Up (TGU) e do alongamento estático (AE) sobre a mobilidade articular de homens fisicamente ativos. Vinte estudantes universitários do sexo masculino participaram do presente estudo. Os sujeitos foram submetidos a um protocolo de AE que era composto por três diferentes movimentos realizados de forma unilateral com duração de 30 segundos em duas séries com intervalo de 30 segundos entre elas. O outro protocolo foi um exercício de estabilidade dinâmica que é denominado TGU que consiste em um exercício com kettlebell no qual o sujeito deve começar deitado e realizar uma transição até a posição em pé, estabilizando o kettlebell acima da cabeça em duas repetições para cada lado com intervalo de 30 segundos entre os lados. Os protocolos foram antecedidos de um pré-teste no banco de Wells com o registro da melhor tentativa de três oportunidades e de um pós-teste e os resultados comparados. Os protocolos foram realizados por meio de duas visitas com intervalo de uma semana entre elas. Os resultados demonstram que no AE a diferença média entre o pré-teste e pós-teste foi de 2,3cm, já para o TGU foi de 4cm. Dessa maneira, os dois protocolos foram capazes de melhorar a flexibilidade, porém o TGU foi superior ao AE.


Palavras-chave


Saúde; Aquecimento; Treinamento

Texto completo:

PDF

Referências


-American College of Sports Medicine position stand. Quantity and Quality of Exercise for Developing and Maintaining Cardiorespiratory, Musculoskeletal, and Neuromotor Fitness in Apparently Healthy Adults: Guidance for Prescribing Exercise. Medicine & Science In Sports & Exercise. Vol. 43. Núm. 7. p.1334-1359. 2011.

-Arruda, F.LB.; Faria, L.B.; Silva, V.; Senna, G.W.; Simão, R.; Novaes, J.; Maior, A.S. A influência do alongamento no rendimento do treinamento de força. Revista Treinamento Desportivo. Vol. 7. Núm. 1. p.1-5. 2006.

-Ayash, A.; Jones, M. Kettlebell Turkish Get-up: Training toll for injury prevention and performance enhancement. International journal of athletic therapy & training. Vol.17. Núm.4. p. 8-13. 2012.

-Behm, D.; Button, D.; Butt, J. Factors affecting force loss with prolonged stretching. Canadian Journal of applied physiology. Vol. 26. Núm. 3. p.261-272. 2001.

-Bradley, P.S.; Olsen, P.D.; Portas, M.D. The effect of static, ballistic, and proprioceptive neuromuscular facilitation stretching on vertical jump performance. Journal of Strength and Conditioning Research. Vol. 21. Núm.1. p. 223-226. 2007.

-Jaclyn, W.; Jackson, K.; Franz, J.; Dicharry, J.; Evans, J.; Kerrigan, C. Effect of a Supervised Hip Flexor Stretching Program on Gait in Frail Elderly Patients. American academy of physical medicine and rehabilitation. Vol.3. Núm. 4. p. 330-335. 2011.

-Liebenson, C.; Shaughness, G. The Turkish get-up. Vol.15. Núm. 1. p.125-127. 2011.

-Miyake, M.; Harada, Y.; Senda, M.; Oda, K.; Inoue, H. Oxygen dynamics at paraspinal muscles during exertion using near-infrared spectroscopy in patients with degenerative lumbar scoliosis. Journal of Orthopediatric Science. Vol. 8. Núm. 2. p. 187-191. 2002.

-Myers, T. Trilhos anatômicos. 3ª edição. Manole. 2016.

-Power, K.; Behm, D.; Cahill, F.; Carroll, M.; Young, W. Acute Bout of Static Stretching: Effects on Force and Jumping Performance. Medicine & Science in Sports & Exercise. Vol. 36. Núm. 8. p.1389-1396. 2004.

-Rubini, E.C. Treinamento de flexibilidade: da teoria à prática. Sprint. 2010.

-Silva, B.F.N.; Santos, P.H.L.; Glória, R.B.; Brito, J.S.; Pinho, A.F.; Araújo, M.P.; Paz, G.A.; Miranda, H. Efeitos agudos do aquecimento específico e exercícios de mobilidade articular no desempenho de repetições máximas e volume de treinamento. ConScientiae Saúde. Vol. 16. Núm. 1. p. 50-57. 2017.

-Tsatsouline, P. Enter the Kettlebell! Strength Secret of The Soviet Supermen, Dragon Door Publications.1° edition. 2006.

-Viveiros, L.; Polito, M.D.; Simão, R.; Farinatti, P. Respostas agudas imediatas e tardias da flexibilidade na extensão do ombro em relação ao número de séries e duração do alongamento. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 10. Núm. 6. p. 459-463. 2004.

-Wells, K.; Dillon, E. The Sit and Reach-A Test of Back and Leg Flexibility Association for Health. Physical Education and Recreation. Vol. 23. Núm. 1. p. 115-118. 1952.

-Wenos, D.L.; Konin, J.G. Controlled warm-up intensity enhances hip range of motion. Journal of Strength and Conditioning Research. Vol. 18. Núm. 3. p. 529-533. 2004.

-Wilson, J.; Hornbuckle, L.; Kim, J-S.; Ugrinowitsch, L.; Zourdos, M.; Sommer, B.; Panton, L. Effects of static stretching on energy cost and running endurance performance. Journal of Strength & Conditioning Research. Vol. 24. Núm. 9. p. 2274-2279. 2014.

-Young, W.; Elliott, S. Acute Effects of Static Stretching, proprioceptive neuromuscular facilitation Stretching, and Maximum Voluntary Contractions on Explosive Force Production and Jumping Performance. Research Quarterly for Exercise and Sport. Vol. 72. Núm. 3. p. 273-279. 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui